Mostrando postagens com marcador Uberaba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Uberaba. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de junho de 2021

HOMENAGEM A LUIZ GONZAGA DE OLIVEIRA

Um velho e querido amigo que, usando sua prodigiosa memória, vivia contando a história de nossa terra, acaba de entrar para as páginas da história de Uberaba. Um valoroso companheiro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro que enriqueceu com sua vasta cultura, lacunas históricas de nosso cotidiano, usando apenas o seu grande talento, foi o último dos jornalistas da velha guarda.

Gonzaga - Divulgação.

Deixa como legado, não apenas o amor que tinha pela cidade, não apenas o exemplo de dedicação à sua terra, mas um acervo imenso construído através de seus livros, de suas manifestações na rádio 7 Colinas, nas colunas do jornal “A Cidade”, nas suas manifestações na TV Uberaba, e agora, principalmente, através de suas páginas na rede social.

Luiz Gonzaga de Oliveira foi, reconhecidamente, um dos grandes comunicadores que já passou por Uberaba, reverenciado por diversas gerações.

Foi um dos mais atuantes presidentes que já passou pela Fundação Cultural de Uberaba.
A sua partida consternou a todos seus amigos, familiares e admiradores. Dá a impressão, contudo, de que apenas partiu primeiro deixando imensos sentimentos e muitas saudades, mas com a certeza de que todos nós ainda vamos nos reunir na eternidade.

(Gilberto Rezende)

terça-feira, 15 de junho de 2021

Calou-se o marquês do Cassu

QUE TRISTE TARDE

 Tomei conhecimento de sua partida meu amigo irmão.

A nossa cidade que vc tanto amou perde hoje o seu defensor.

Quis o cruel destino (maktub) que fosse vc acometido desse mau terrível junto com Marilia, a filha que sempre esteve ao seu lado.

Walter Bruce da Fonseca e Luiz Gonzaga de Oliveira.
 (Foto do acervo pessoal de Walter B.da Fonseca)

Internados os dois ela foi embora antes para enfeitar a sua chegada, ornamentando com abraços enternecidos o seu novo lar.

Felizmente quis a sorte benfazeja que ela foi sem você saber para a surpresa de abraça-lo na chegada.

Você foi a voz de Uberaba com seus arroubos de amor e a sua lembrança viva em seus escritos, onde se lia como se fosse ao vivo e a cores, personagens que por essas ruas perambulavam, hoje e antigamente, ressuscitados por sua memoria prodigiosa.

Lembro-me do seu inicio na antiga igrejinha de São Benedito no serviço de alto falantes na praça da velha rodoviária.

Era você e o Vicente Paula oliveira (o maior declamador de Catulo da Paixão Cearense) sendo que o Vicente já se foi de há muito e estará também presente na sua chegada.

As quermesses com seus correios elegantes faziam a alegria de nosso povo.

Lembro-me de quando você leu o correio elegante de um poeta desconhecido que respondendo a uma gentil e linda senhorita lascou: “eu quisera ser uma lagrima para em seus olhos nascer, por sua face correr, e em sua boca morrer”.

Você falou que o poeta casou e não mais fez versos!

Dai você foi galgando os degraus da trajetória iluminada que o traria ate hoje, passando por radio, televisão e jornais. 

Quando quiseram por motivos outros, mudar a data de nascimento de sua terra amada o mundo veio abaixo.

Veio á tona uma sua faceta por nós desconhecida, de um denodado e valente defensor do berço.

 O brilhante lutador fez de sua pena espada, e partiu para o confronto.

Essa peleja açodada pela peça teatral de Luigi Pirandello ”ASSIM E SE LHE PARECE” iria chegar a lugar nenhum, mas ficou no limbo para ser interpretada de acordo com a ideologia ou conveniência de cada um.

Você Gonzaga foi um grande amigo e ser amigo é muito difícil, e a gente quando encontra um, tem que dar valor, e quando estamos juntos jamais dar motivos para sair da roda e ir embora e você se foi.

Mas esse adeus provocado por essa maldita síndrome não irá impedir um reencontro no andar de cima.

 A nossa cumplicidade em somar tristezas e dividir alegrias com o nosso Botafogo expulsava os resquícios de quaisquer malsinados pensamentos de que um dia haveria essa dolorosa despedida

A dor do amigo que perde um companheiro não é pouca.

 As tardes no Filó para espancar a solidão e nunca acreditar que um dia haveria essa triste separação.

Disse-lhe eu uma vez que os personagens da terra que não eram ficção, e sim protagonistas viventes como Dora Doida, Maria Boneca, Maria Carrapata, Coronel Delcides e Alicate que se dizia filho de Heleno de Freitas do nosso Botafogo, que poderiam ser figuras de um romance regional que nos levaria a viver de novo emoções passadas e a vc a gloria nacional na literatura, já que aqui vc e exponencial.

Você lutou para vencer a Covid, mas vencido fez uma cidade inteira chorar, e foi sem se despedir, mas deixou pra todos: o testemunho de seu grande amor por UBERABA!

A Vânia com certeza devia  sentir-se enciumada por tanto amor a nossa Uberaba, mas ela tinha o coração nas alturas e jamais deixaria de incentivar tão extremada paixão pela nossa terra.

Terra que hoje se sentirá agradecida por servir de agasalho pro seu corpo frio.

O seu corpo Gonzaga hoje volta ao ventre amado, feliz pelo fruto tão produtivo em versos e prosas que você nos legou.

Nosso rincão amado jamais será o mesmo sem a presença pujante de sua pena-espada valente a nos defender.

 Somos todos órfãos de sua presença física, mas temos a certeza inexorável de que você onde estiver com a força da experiência de vida que teve jamais nos esquecera na morte.

Siga com Deus nobre MARQUE DO CASSU!

* Walter Bruce da Fonseca, 14/06/2021




sábado, 22 de maio de 2021

5ª RPM COMEMORA 35 ANOS DE INSTALAÇÃO EM UBERABA

Em Uberaba, 22 de maio de 2021

Ocorreu nesta manhã do dia 22 de maio, na sede do 67° Batalhão da  Polícia Militar, o lançamento da Operação Fecha Região, em comemoração aos 35 anos de criação e instalação da 5ª Região da Polícia Miliar (5a RPM) em Uberaba.

Ao longo deste dia serão realizadas ações e operações nas 30 cidades afetas ao Comando da 5a RPM, com a finalidade de prevenir e fazer frente ao cometimento do crime em suas várias modalidades. Todo o efetivo está sendo empregado, incrementado ainda com os Policiais Militares da Administração, a Banda de Música realizará tocatas em diferentes pontos da cidade, a aeronave realizará operações nas cidades da região bem como o Policiamento Rodoviário está desencadeando operações e os profissionais da aérea de saúde estão prestando seus serviços neste dia.

A 5a RPM foi instalada em 22 de maio de 1986, tendo como área de responsabilidade a Região Sul do Triângulo Mineiro. Nossos nobres Policiais Militares levam proteção a população dos 30 municípios e 04 distritos afetos ao Comando Regional.

Subordinados à 5ª RPM temos o 4º Batalhão de Polícia Militar, com Sede em Uberaba; 37º Batalhão de Polícia Militar, com Sede em Araxá; 67º Batalhão de Polícia Militar, com Sede em Uberaba; 3ª Companhia de Polícia Militar Independente, com Sede em Iturama; 4ª Companhia de Polícia Militar Independente, com Sede em Frutal; e o Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais, Unidade Uberaba. 

A 5ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais foi criada pelo Decreto nº 25.381, de 27 de janeiro de 1986, e sua Sede está instalada em Uberaba, com prédio próprio situado na rua Inspetor Izidro Ferreira Filho, 55, bairro Fabrício. 

A criação da 5ª RPM marcou uma nova era na história da Polícia Militar de Minas Gerais, com a criação de um escalão intermediário entre o Alto Comando da PMMG e as Unidades Operacionais, o que possibilitou a celeridade na tomada de decisões, gestão qualificada do trabalho Policial Militar e uma eficaz prestação de serviços de segurança pública à população Sul Triangulina.

A 5ª RPM teve um total de 18 comandantes, sendo atualmente comandada pelo Coronel PM Juliano Fábio Lemos Dias.

A  Polícia Militar de Minas Gerais permanece trabalhando para melhorar a qualidade de vida das pessoas na área da segurança pública.

*Agência Regional de Comunicação Organizacional da 5a RPM*


===========================================


História da Instalação em Uberaba

A 5ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais foi criada pelo Decreto nº 25.381, de 27 de janeiro de 1986, e sua Sede está instalada em Uberaba, com prédio próprio situado na rua Inspetor Izidro Ferreira Filho, 55, bairro Fabrício.

A Unidade foi instalada em 22 de maio de 1986, tendo como área de responsabilidade a Região Sul do Triângulo Mineiro, sendo que hoje os homens e mulheres da 5ª RPM, com suas ações diárias, levam proteção e socorro a uma população estimada em 872 mil habitantes nos 30 municípios e 04 distritos sob sua responsabilidade. Articulados à 5ª RPM estão o 4º Batalhão de Polícia Militar, com Sede em Uberaba; 37º Batalhão de Polícia Militar, com Sede em Araxá; 67º Batalhão de Polícia Militar, com Sede em Uberaba; 3ª Companhia de Polícia Militar Independente, com Sede em Iturama; 4ª Companhia de Polícia Militar Independente, com Sede em Frutal; e o Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais, Unidade Uberaba.

O ato solene de inauguração da 5ª RPM marcou uma nova era na história da Polícia Militar de Minas Gerais, com a criação de um escalão intermediário entre o Alto Comando da PMMG e as Unidades Operacionais, o que possibilitou a celeridade na tomada de decisões, interligando as mesmas com o nível estratégico para uma melhor e mais eficaz prestação de serviços de segurança pública à população Sul Triangulina.

A atuação da 5ª Região da Polícia Militar, embasada nas diretrizes da Corporação, é focada em duas direções distintas: proativa, que consiste na intervenção, junto à sociedade, nas causas imediatas e primárias dos crimes e da violência; e reativa, caracterizada pelo atendimento pós-crime. (PMMG)

=======================================

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

A Uberaba do Meu Tempo

Havia no meu tempo uma Uberaba

Era calma, suave, cheia de tardes bucólicas.

A cidade da minha infância tinha um absoluto céu azul,

Chuvas fininhas, intermináveis, irritantes.

Aventura era encontrar Maria Boneca portando o brinquedo

E fugir, para descansar sob a sombra da Gameleira.

Na exposição de gado meus pais compravam mexericas

Levando-me a preferir, sempre, mexericas ao Zebu.



No meu tempo Uberaba tinha córregos a céu aberto

Guardados por muretas que nos serviam de encosto

Antes das sessões do Metrópole, do Palace

Esperando caronas do Padre Nicolau após aulas no Cristo Rei.

Brincava no Mangueirão, passeava pelos trilhos da Mogiana,

No parque infantil da Praça Rigoleto de Martino (hoje só resta a Codau!)

O autor do Hino do Uberaba Sport, o time que, na Uberaba do meu tempo

Rivalizava com o Independente, o Nacional…

No Boa Vista éramos todos sobrinhos da Tia Carola.

Fazíamos teatro com a Belinha

Sabíamos que era maio pelas congadas

E que era dezembro no presépio de d. Castorina.

Foram tempos de festas constantes

Quando bastavam as quermesses de santos e santas, soando sinos e cânticos nas sete colinas de Uberaba.

Parque Fernando Costa

A minha Uberaba tinha crônica ao meio-dia

O festival do Chapadão de Teatro e de Música

O Observatório, no Lavoura e Comércio,

Tudo criação do Ataliba Guaritá, o Netinho.

Raul Jardim fazia o “Escutando e Divulgando”

Lídia Varanda reinava na PRE-5

E Nhô Bernardino terminava o dia na hora do Ângelus.

Noite de Uberaba tinha o Parque Boa Vista (Eu era o filho do rei!)

O circo do Cheiroso, batuques no terreiro de Mãe Marlene

Cartas pelas mãos abençoadas de Chico Xavier

Mamãe rezando terço, aguardando-me dormir na noite sempre calma da cidade.

Recordo o café oferecido pelas freiras do Carmelo

As aulas na Escola Estadual Fidélis Reis

As tardes de jogos no pátio da Igreja Nossa Senhora das Graças…

Tantas coisas como essas que continuam na Uberaba de hoje.

Que vejo longe, sei de ler, de ouvir contar

A cidade de agora é de quem por lá está.

Há uma Uberaba que é minha, feita de sonhos acalentados

De planos vitoriosos, de projetos engavetados.

Guardada por todo o sempre e sempre teimando em sair à tona

Aquela cidade ganha meus dias, ocupa minhas noites de insônia.

A cidade de agora é porque um dia foi outra

Essa outra que chamo “minha”

Impregnada em ruas e morros, acalentando ternamente o coração transforma-se sempre

Vive o hoje, comemora o agora

Segue rumo ao tempo em que alguém, lá longe, lembrará:

A Uberaba do meu tempo… 


Valdo Resende


domingo, 3 de janeiro de 2021

Fundadores de escolas

No século XIX, ainda na monarquia, uma das maiores dificuldades para a população do do Brasil era conseguir estudar. Fora das grandes cidades, contavam-se nos dedos os estabelecimentos de ensino disponíveis, na grande maioria iniciativas particulares ou religiosas. Tanto o governo imperial como os das províncias dedicavam pouquíssima atenção à oferta de educação pública. O resultado desse descaso apareceu de forma dramática no primeiro recenseamento nacional, realizado pelo Império em 1870: 77% dos homens livres e 87% das mulheres livres não sabiam ler e escrever. Entre a população escrava esse número superava os 99%. No conjunto da população do país, 4 em cada 5 brasileiros eram completamente analfabetos.

O problema era ainda mais grave quando se pensa na oferta de escolas de nível médio ou superior. Num país que era essencialmente rural, qualquer jovem que desejasse estudar além do nível básico tinha como única opção mudar-se para uma capital ou matricular-se em um colégio interno. Cursos superiores eram ainda mais raros. Os filhos da aristocracia frequentemente buscavam instrução em Portugal ou algum outro país da Europa.

Por isso, era sempre saudada com entusiasmo a fundação de escolas nas cidades do interior. Não foi diferente quando, em 1º de outubro de 1854, o engenheiro Fernando Vaz de Mello anunciou a abertura do primeiro “Collegio Uberabense” (outro, com o mesmo nome, seria aberto em 1903). A escola foi montada em um pequeno prédio nas imediações da atual Praça Dom Eduardo, onde, décadas depois, instalou-se o Colégio Marista. Oferecia “Instrução Primária de 2º Grau” e “Ensino Colegial” – o que seria algo equivalente aos atuais Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Entre as disciplinas, Gramática, Latinidade, Francês, Geografia, Aritmética, Álgebra e Geometria. Havia ainda aulas de Catecismo Romano.

Em agosto do ano seguinte, o Colégio contava com mais de 100 alunos, dos quais 25 colegiais e 77 do ensino primário apresentaram-se para os exames de avaliação – realizados entre os dias 13 e 18. Um grupo de examinadores convidados reuniu-se no salão da Câmara Municipal para avaliar os estudantes. Compunham a banca, entre outros, o Cônego Hermógenes, o jornalista e historiador Borges Sampaio, o juiz de direito Manoel Pinto de Vasconcelos e o presidente da câmara Francisco Barcellos. Embora tenha havido algumas reprovações – na sua maioria de alunos matriculados há pouco tempo – relatos da época dizem que o resultado geral superou as expectativas.

Infelizmente, como era comum em Uberaba nessa época, a alegria durou pouco. Em 1856, Fernando Vaz de Mello envolveu-se na luta política local. Publicou um artigo no qual criticava a inoperância da Justiça e o número de assassinos e criminosos que circulavam impunemente pela província, muitos sob a proteção dos proprietários de terras e coronéis da região. O texto melindrou parte das famílias abastadas, que se sentiram ofendidas e passaram a dirigir ataques anônimos ao colégio e a seu diretor. Matrículas foram canceladas e, no ano seguinte, a escola fechou as portas, frustrando a população.

Fernando era um homem de posses e, por algum tempo, tentou permanecer na cidade. Entre 1857 e 1858, desenvolveu por conta própria um extenso levantamento dos rios Pardo e Mogi Guaçu, com o objetivo de implantar uma linha de navegação que oferecesse ao Triângulo Mineiro uma alternativa de transporte com os portos do Rio de Janeiro e Santos – na época feito em lombo de burro e carros de boi. O memorial foi publicado pela província de São Paulo em 1859, mas as sugestões de obras e melhorias nunca foram implantadas por falta de interesse e de verbas.

Não descobri a data exata em que Fernando Mello deixou o Triângulo. Aparentemente, mudou-se para a então capital mineira Ouro Preto, onde um de seus filhos, Cornélio Vaz de Mello (nascido em Uberaba em 10/01/1855) completou os estudos. Cornélio foi para o Rio de Janeiro, onde formou-se em Medicina em 1884. De volta a Minas Gerais, tornou-se professor de Anatomia e História Natural na Escola de Farmácia de Ouro Preto. Entrou para a política, filiando-se ao Partido Liberal e mudou-se para a nova capital, Belo Horizonte. Seguindo os passos do pai, fez parte do grupo de médicos que, em março de 1911, fundou a Faculdade de Medicina de Belo Horizonte, ocupando a primeira vice-diretoria. Durante o governo de Delfim Moreira (1914-1918), o uberabense Cornélio exerceu o cargo de prefeito da capital mineira.

André Borges Lopes

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

AINDA A FARSA DO ANIVERSÁRIO DE “200 ANOS” DE UBERABA

Oi, turma !

(As mentiras podem ser nuas, mas, as verdades precisam estar vestidas...)


Mil perdões aos amáveis leitores em continuar contando a forma grosseira, estúpida, covarde e mentirosa, como a funcionária do Arquivo Municipal, Aparecida Manzan, atendendo a um destemperado e inexplicável pedido do então prefeito, Luiz Guaritá Neto, alterando data de elevação de Uberaba a condição de CIDADE, em sublime humilhação, retroagindo a FREGUESIA. O prefeito, na ânsia de obedecer a um pedido superior ( de quem ? ninguém sabe...), enviou à Câmara de vereadores, uma PEC (Projeto de Emenda Constitucional), alterando o art.194, da LOM (Lei Orgânica dos Municípios), acatando a Lei Provincial no.759, de 2 de maio de 1856, em franca desobediência a uma Lei maior. Ninguém se deu conta em apresentar uma ADIN (Ação de Inconstitucionalidade), visto que, “Emenda Constitucional só se dá em projetos estaduais e federais que alterem ou modiquem suas Constituições. “Comeram mosca” nossas autoridades jurídicas, ou “fizeram de conta” no que seria” Lei Orgânica”...

O Presidente da Câmara, Ademir Vicente Silveira, de acordo com Luiz Neto, acolheu o pedido, desprezando o “Parecer do Departamento Jurídico do Legislativo (Marcelo Alegria, William Martins da Silva e Sylvio Roberto dos Santos Prata, falecido)”, contrário à solicitação, pois, 2 de maio, era data consagrada e feriado municipal e portanto, inconstitucional. Ademir Vicente, ignorou o douto Parecer de sua Assessoria Jurídica e continuou a tramitação. O arrazoado de Aparecida Manzan, não se sustentava. Chulo, se baseava apenas num Decreto real, de D.João VI, de 2/3/1820, criando a FREGUESIA de Uberaba, numa vaga e fantasiosa justificativa.

Em momento algum, a funcionária citou ou fez menção aos historiadores uberabenses, Gabriel Toti, Hildebrando Pontes, José Mendonça, Edelweis Teixeira e ou Guido Bilharinho, que nos seus livros, registravam referidas datas como FREGUESIA (2 de março) e CIDADE ( 2 de maio). Um decreto real de 1820, não pode sobrepor a uma Lei Provincial no.759, de 2 de maio/1856. Outra “justificativa” marota, Aparecida Manzan, afirma, textualmente, “ a lei Provincial de 2/5/1856, elevou a FREGUESIA de Uberaba , definitivamente, a CIDADE.” Em outro trecho, ela escreve” apesar de 2 de maio ser o dia do município, em razão da importância que tomou a Exposição Agropecuária, SUGIRO a data 2 de março , que se comemora a FREGUESIA, como data de fundação de Uberaba”...

Se precisar de uma sugestão infantil e tola, esta não serve...A subserviência funcional chegou ao extremo ! Dizer que a Expozebu, é mais importante que Uberaba, é de lascar ! É bom lembrar que, 3 de maio, quando da inauguração da Expô, nunca foi nem “ponto facultativo. Hoje, essa data não é mais preservada. Para “ tirar o seu do rumo”, o presidente Ademir Vicente, convidou diversas entidades e personalidades à discutir o assunto.

Entre outros, a Secretária de Educação, o professor Carlos Pedroso, Fundação Cultural, OAB, Arquivo Público, ACIU, ASSIDUA, CDL, Presidente da Associação de Bairros. Convites foram endereçados à reunião de 18 de agosto de 1994, as seguintes pessoas e entidades: Erwin Pulher, Eduardo Colombo (ACIU), Carlos Pedroso, Luiz Neto, Jorge Nabut, Guido Bilharinho, Sônia Fontoura, Flavo Canassa, Lauro Guimarães e Ademir Vicente, presidente da Casa. Dos 18 convidados, apenas 12, compareceram.
Posteriormente, em 20/12/94, esses mesmos nomes foram novamente convidados. Compareceram: Guido Bilharinho, Erwin Pulher, Eduardo Colombo, Aparecida Manzan, Antonieta Borges, Sônia Fontoura, Flavio Canassa e Lauro Guimarães. Apenas 8 (oito ). Nos autos do processo em meu poder, não há menor manifestação, a favor ou contra, dos acima citados. Oportuno esclarecer; nenhuma AUDIÊNCIA PÚBLICA, conforme o regimento da Câmara, foi convocada pelo Presidente da edilidade. O povo não teve a menor participação.

O projeto foi aprovado em 1ª. Discussão, em 23 de dezembro, véspera do Natal, em reunião convocada extraordinariamente. Amanhã, completo as demais informações. Abraços do “Marquez do Cassú”.


quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Chico Xavier ganha estátua na Praça Rui Barbosa, em Uberaba

Homenagem

Estátua de bronze de Chico Xavier. Foto Antonio Carlos Prata.

Praça Rui Barbosa ganha estátua de bronze de Chico Xavier. A estrutura foi instalada nesta quarta-feira 28 de outubro de 2020 e, inaugurada nesta quinta-feira (29) às 09h. Retrata Chico sentado em um banco de ferro e madeira fixada em piso de concreto. De acordo com a artista plástica, o material pesa 250 kg de bronze fundido na Fundição Artística São Vicente, em Belo Horizonte, sob a coordenação do artista Diego Rodrigues. A peça, que custou R$ 80 mil, graças ao pagamento de contrapartida de uma empresa beneficiada pela lei de incentivos fiscais e estímulos econômicos de Uberaba. Segundo a Prefeitura de Uberaba, as empresas Agronelli e P&D tinham que pagar uma contrapartida para ao município, permutada em entrega de bens e serviço, no caso de obras. Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Renato Gomes, a obra chega nesse momento como um presente de Natal para a população, é semelhante a uma existente em Pedro Leopoldo. A estátua está posicionada ao lado do Ponto de Táxi. e defronte aos extintos bares: Café 1001 (Mil e Um), e Café da Praça. Segundo a história, na década de 60, eram os locais onde Chico tomava café frequentemente. (Antônio Carlos Prata)


Monumento está sendo disputado. Não se passam nem dois minutos sem que um turista ou morador esteja ao lado para tirar uma foto e levar de lembrança.


Chico Xavier saboreava um cafezinho no bar Café 1001, em Uberaba, em companhia
 do Dr. Jarbas Varanda e de seu filho Luciano Varanda .No início da década de 70, (Foto pessoal do acervo família Varanda)


"Bar e Lanchonete 1001”, que nunca fechava - Foto -  Uberaba Em Fotos


Chico preparando para o fotógrafo. Ao fundo Casa Caldeira e bar Café da Praça.

"Esta é uma das primeiras imagens feita por mim, no início de minha carreira de jornalista. O momento exato em que o nosso saudoso e querido médium Chico Xavier, entrava em um táxi, na praça Rui Barbosa, no final de década de 70. Ele me agradeceu na oportunidade dizendo "eu não mereço ser fotografado, sou uma pessoa comum, obrigado ". Lembro como se fosse hoje.." (Foto/Jornalista/Paulo Nogueira)


========================


Quem passeia pela praça Rui Barbosa em Uberaba, no Centro, se depara com a estátua do médium Francisco Cândido Xavier. Carinhosamente chamado de Chico Xavier. Logo após a retirada do pano sobre a estátua, todos os presentes passaram a tirar fotos ao lado dela, gesto que vem sendo repetido diariamente por moradores e turistas desde então. Sua inauguração se deu hoje, 29 de outubro de 2020 às 09h00 em meio às homenagens. Embora mineiro de Pedro Leopoldo, passou parte significativa de sua vida na cidade de Uberaba. (Antônio Carlos Prata)


========================






Cidade de Uberaba



quinta-feira, 15 de outubro de 2020

CINTURA FINA, personagem do Livro de Roberto Drummond HILDA FURAÇÃO.

José Arimatéia Carvalho era mulato, baixo e auto intitulou-se de Cintura Fina. Auto intitulou porque ninguém se atreveria a caçoar de Cintura Fina. Ele famoso pelas brigas e temido pela destreza com que manejava a navalha, sempre amarrada a um cordão. Fez muitas vítimas, foi preso inúmeras vezes era inimigo declarado da Polícia e também temido por eles.

José Arimatéia Carvalho

Além da habilidade com a navalha era também muito hábil com a costura. Excelente alfaiate e melhor ainda como costureiro. Sempre que uma mulher da vida saia da Guaycurus para contrair matrimônio era ele o eleito para costurar o Vestido de Noiva. Cintura Fina também fazia a vida trabalhando em um Hotel chamado de Monte Carlo localizado na antiga Praça Vaz de Melo. O temido Cintura Fina também era um boêmio que todos as noites tomava cerveja no Bar Maracanã ou qualquer outro Bar do Mercado Mauá. O último endereço de Cintura Fina em Belo Horizonte foi na favela São Jose local hoje ocupado pela Avenida Tancredo Neves. Apesar de quase todos os lugares em que Cintura Fina fez história terem sido destruídos, desapropriados ou não existirem mais sua fama permanece e acabou por ser imortalizado no romance de Roberto Drummond " HILDA FURACÃO". Cintura Fina morreu no presídio da cidade de Uberaba em 1972.

========================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Uberabense João Menezes conquista a medalha de Ouro para o tênis brasileiro no Pan de Lima

“O pessoal vê a pontinha do iceberg. Só a minha família sabe o que eu passei”.


A frase é de João Menezes, que surpreendeu a toda América e ficou com o ouro no tênis dos Jogos Pan-Americanos. A consagração vem sendo se olharmos a idade dele, apenas 22 anos. Mas quase também vem tarde demais. Alguns meses atrás, João estava depressivo e a um passo de deixar o sonho de ser um tenista profissional.
A história dele, ele mesmo conta.

“Eu sou João Menezes, natural de Uberaba, Minas Gerais. Do interior. Comecei a jogar por influência familiar, meu pai jogava, meu avô jogava. Eles iam para o clube e eu ficava brincando com a raquete. Minha família sempre foi apegada ao esporte. Para o futebol eu não levava muito jeito e fui para o tênis. Gostei, gostei, gostei e sempre fui uma pessoa que tem um compromisso muito sério com as coisas que eu faço, coloco bastante intensidade. E aí foi indo. Passa até um filme na cabeça, mas posso dizer que tudo está valendo a pena e é só o começo de uma grande caminhada que está por vir.

Dá para escrever um livro com as vezes que pensei em desistir. Foram quatro, cinco momentos de pensar que não vai dar. Eu tive muitas dificuldades. Primeiro quando eu saí de casa. Morei um ano em Uberlândia e até aí tudo bem. Mas mudei para Itajaí e fiquei quatro anos. A saudade pegou lá, a adaptação também. E como eu não tinha muito resultado era difícil. Tinha meninos da minha geração que ganhavam muito mais, eram muito mais badalados. E eu ficava em segundo, terceiro plano. Então era difícil me mantar bem, com convicção.

Fui tentar algo diferente e morei na Espanha por dois anos. Lá tive coisas muito boas, mas também coisas muito difíceis. Fiquei 10 meses sem ir para casa, fiquei um pouco depressivo. Dependia muito do resultado para estar feliz. Quando a vitória não vinha, ficava cabisbaixo. E no final o ano passado foi a principal vez que quase parei de jogar tênis. Mas assim: foi por muito pouco! Eu falei com minha antiga equipe de Itajaí e fizemos um acordo diferente, mais individual, mais especializado. A proposta foi muito boa e eu aceitei”.

João Menezes - Foto: Reprodução.

Se precisava de vitória para ser feliz, João conta que elas não vinham. Lembra que chegou a vencer apenas dois jogos em 12 torneios disputados. A família, claro, foi fundamental para que ele não parasse.

“Eu nunca fui o juvenil mais badalado, nunca joguei um Sul-Americano por equipe na base pelo Brasil, nunca tive o melhor ranking. Mas talvez eu fui o que mais persistiu, o que mais trabalhou. Talvez também seja um pouco de sorte, acaso, mas posso dizer que o trabalho tem uma parcela grande”, diz, consciente de que não pode se vislumbrar com o bom momento.

Mas, afinal, o que mudou em Itajaí que o transformou em um tenista de elite nas Américas?

“Eu credito esse momento ao trabalho. Eu montei um time só para mim desde novembro do ano passado, para começar a pré-temporada. E estamos trabalhando muito firme em Itajaí (SC). Quando você se sente bem fisicamente, capaz de jogar em alto nível, você precisa jogar torneio. Não comecei muito bem, mas é a questão de confiança. Quando você bota na cabeça que pode jogar nesse nível, você começa a ir melhor. E acho que é essa deslanchada que está acontecendo comigo agora. E eu posso ir bem mais longe, tenho convicção disso”, explica.

“No Brasil ninguém me conhecia. Antes dos Jogos Pan-Americanos, tenho certeza de que não tinham ideia de quem era. Agora pode mudar um pouquinho o cenário. Esse é o divisor de águas da minha carreira”, completa.

Claro que você pode ir mais longe, João. E sim, agora o Brasil te conhece: dono de uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos!


Igor Resende e José Renato Ambrosio, de Lima (PERU)

Transcrito de www.espn.com.br


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


sexta-feira, 28 de junho de 2019

UBERABA SOB TIROTEIO!

Da outra vez que bandidos balançaram o solo de Uberaba,- 06/11/2017-f ui acordado às 3:00h por tiros de pesadas armas que ecoavam norte a sul da cidade. Fiz uma crônica sobre o episódio que pode ser vista hoje como um pobre relato.

Agência do Banco do Brasil. Foto: Reprodução.  


Nesta madrugada a dose foi repetida com carga mais do que triplicada. Fecharam o tempo literalmente, mataram pessoa, partiram para cima de bancos, lojas, etc. Criaram o pânico geral, instalaram guerra campal merecendo reação imediata das nossas gloriosas; Polícia Militar e Civil. Na vez anterior as duas optaram por recuar. 

Hoje pode -se concluir que o cenário foi mais bem pensado e flancos previamente escolhidos facilitaram a ação engenhosa do grupo que, dizem, é composto por mais de 30. 

Volto na minha tecla: o Triângulo Mineiro está situado entre São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. Essa posição e exposição geográficas requerem que a nossa área seja vista como um barril de pólvora. Nossas autoridades também a veem? 

Amanhã será encontrada meia dúzia de larápios, feito a primeira vez, e estamos conversados. Não esperamos isso.

Hoje o Brasil é outro. Bandidos armados com a sociedade encurralada; o que podemos esperar? Reedição breve desta madrugada? Tiros, tiros, tiros e bombas! 

Cadê o veículo caveirão? Legislação? Helicóptero? COE ou BOPE? 


O mundo inteiro acompanhou em tempo real o nosso drama e uma das frases que recebi foi: “Muda desse país gente!”


Eu que sempre fui contra o armamento da sociedade começo a rever meus conceitos. Com o Congresso, o STF, o STJ e outros tribunais que possuímos, francamente...


Só não podemos perder a esperança e nem deixá-la morrer, ainda que seja por último. 
A confiança em Deus sim, deve ser inquebrantável.



João Eurípedes Sabino - Uberaba - Minas Gerais - Triângulo Mineiro - Brasil.




Cidade de Uberaba


sábado, 16 de fevereiro de 2019

Programa Viação Cipó - Uberaba - Minas Gerais.

Conhecido em todo estado de Minas Gerais, o programa "Viação Cipó" da TV Alterosa, afiliada do SBT em Belo Horizonte - dedicou uma edição exclusiva sobre o município de Uberaba. Foi destaque o patrimônio cultural: exibindo histórias, lugares, personagens, arquitetura, música, religiosidade, culinária - nas tradições do modo de ser, fazer e viver deste povo do Triângulo Mineiro.



Os três principais símbolos de Uberaba: "O Zebu, os Dinossauros e as reminiscências sobre a figura de Chico Xavier" não poderiam ficar de fora do programa. O apresentador Otávio Di Toledo visitou o Museu do Zebu no Parque Fernando Costa, sede da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu - ABCZ, onde destacou o papel do Zebu na história - demonstrando os principais motivos que fazem do Brasil um líder em tecnologias aplicadas a Pecuária, o que o coloca como maior produtor de carne no Mundo. Toledo também esteve na charmosa Peirópolis com seus Dinossauros e no Memorial Chico Xavier, que em breve será inaugurado com um amplo local para dar destaque a importância de Chico Xavier no imaginário social e religioso do espiritismo brasileiro.

O programa mostra ainda o Mercado Municipal, um lugar que aguça os sentidos e a imaginação, remetendo os visitantes ao passado pela sua arquitetura, além do artesanato e os deliciosos sabores de queijos, cachaças, doces, pastéis... As praças, escolas, os sobrados dos pioneiros do Zebu, igrejas - com ênfase na bela igrejinha de Santa Rita do século XIX, o único bem tombado na categoria Patrimônio Nacional no Triângulo Mineiro pelo Iphan - Instituto do Patrimônio Artístico Nacional, são alguns dos lugares apresentados.

História, causos e memória: acesse https://www.facebook.com/UberabaemFotos/


Cidade de Uberaba

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

O SAMBA UBERABENSE DE IBRAHIM SUED

No início dos anos 1950, despontou na imprensa carioca um novo colunista social, que iria fazer grande sucesso nas décadas seguintes. Descendente de árabes, de uma família pobre, Ibrahim Sued iniciou a carreira nos jornais como repórter fotográfico, ainda nos anos 1940. Nesse trabalho, revelou raro talento para infiltrar-se em locais restritos e obter boas informações, além da uma capacidade admirável de relacionamento com a fina flor da alta sociedade da então Capital Federal.

Trabalhou com grandes jornalistas, como Joel Silveira na revista “Diretrizes” e Carlos Lacerda na “Tribuna da Imprensa”, onde começou a escrever os primeiros textos. O sucesso viria a partir de 1954, quando foi contratado pelo jornal “O Globo” para assinar uma coluna social informal e inovadora para a época, com a qual fez fama e fortuna. Criou “bordões” que se tornaram célebres como “De leve”, “Sorry periferia”, “Ademã que eu vou em frente”, “Os cães ladram e a caravana passa”, dentre outros.

Curiosamente, Sued nunca foi escritor talentoso e – segundo seus detratores – tinha dificuldades com a gramática. Além disso, fazia amigos com a mesma velocidade com que colecionava desafetos. Causou surpresa quando, no início de 1956, revelou que estava dando início à carreira de letrista. Sua primeira música era o samba-canção romântico “Decepção”, composto em parceria com um músico também estreante, de família uberabense: Mário Jardim, neto de Quintiliano Jardim – jornalista e diretor do jornal “Lavoura e Comércio”. Mariozinho, como era conhecido, morava no Rio de Janeiro, onde trabalhava no Tribunal de Contas.

Em fevereiro daquele ano, a música foi lançada pela gravadora Sinter, interpretada por Neusa Maria, uma bela e jovem cantora que despontava nos programas de rádio da Capital. Em parte graças à curiosidade e à promoção dada por Ibrahim, o samba fez sucesso e foi incluído no primeiro LP da cantora, lançado meses depois. Uma busca no YouTube nos permite ouvir a gravação original: uma história triste de uma moça apaixonada, traída por falsas promessas de amor, bem ao gosto da época.

No mês de abril Ibrahim e Mário já anunciavam nova parceria no samba “Amor não é brinquedo”, quando uma revelação caiu como um bomba: a jornalista uberabense Iná de Souza reivindicava a autoria da letra e acusava o colunista de plágio. Não faltavam inimigos de Ibrahim na imprensa e a denúncia teve repercussão em diversos jornais e revistas. Iná foi entrevistada e contou sua história: a pedido de Mário, havia escrito a letra no inicio de 1954. O samba, gravado por uma cantora uberabense com arranjo do maestro Alberto Frateschi, teria feito sucesso no carnaval daquele ano. A letra supostamente escrita por Ibrahim tinha poucas palavras modificadas, a maior parte era rigorosamente igual, inclusive o título.

Desconhecida no Rio, Iná de Souza tinha certo prestígio em Uberaba. Filha de uma família de jornalistas que editava o jornal “O Triângulo”, Iná escrevia crônicas e poemas desde a década de 1940. Era também uma das responsáveis pela revista “Graça e Beleza”, de moda e comportamento. Durante a gestão de Antônio Próspero havia trabalhado por alguns anos na Prefeitura, como bibliotecária, diretora do serviço de estatística e chefe de gabinete do prefeito. Nos últimos anos, havia se licenciado do cargo e estava morando com uma irmã na capital de São Paulo – onde foi surpreendida ao ouvir na voz de Neusa Maria o samba que havia composto.

Questionado pela imprensa, a primeira explicação de Mario Jardim tinha cara de confissão de culpa: alegava que, na realidade, a letra era dele e Ibrahim Sued – que não sabia nem batucar em caixa de fósforo – havia composto a música. O próprio Ibrahim, então passando uma temporada na Europa, preferiu não se manifestar. Enquanto isso, Iná de Souza chegava ao Rio disposta a contratar um advogado para processar a dupla e garantir seus direitos. Dizia que tinha inúmeras provas e testemunhos do que afirmava. Mas que, infelizmente, a única gravação em acetato da música feita em 1954 havia sido subtraída de uma rádio uberabense pelo poderoso avô jornalista do coautor.

O que se seguiu nunca ficou muito claro. Aparentemente, a gravadora Sinter intermediou um acordo entre as partes. O fato é que assunto sumiu da imprensa, e ninguém tocou mais no assunto. Mário e Ibrahim continuaram a compor em parceria e Iná voltou a Uberaba, onde tornou-se uma conhecida agitadora cultural. Mas isso já é uma outra história.


(André Borges Lopes)



Cidade de Uberaba

terça-feira, 14 de agosto de 2018

A Pomba da Paz no município de Uberaba, MG

Na cidade de Uberaba tivemos a Estação da Estrada de Ferro Oeste de Minas, depois denominada Rede Mineira de Viação. Esta ferrovia não mais existe desde o ano de 1968 e tudo ficaria na normalidade não fosse o seu percurso no então perímetro urbano. Inaugurada no dia 10/11/1926 e passando num determinado trecho, em plenos cerrados e capoeiras na época, descrevia percurso sinuoso. Pois bem: no vai e vem das curvas em terreno plano, iniciou-se ali de forma imperceptível um estranho desenho no solo.

A Pomba da Paz - Imagem/crédito: Google

A cidade durante cerca de 20 anos permaneceu distante do tal percurso sinuoso, cerca de 3 quilômetros ou mais. Corredores boiadeiros foram surgindo com pequenas casinhas à beira da linha até que a cidade despertou. Houve o encontro lento e progressivo da parte urbanizada com a faixa da ferrovia. As fazendas viraram loteamentos e a ferrovia virou avenida: Av. Cel. Joaquim de Oliveira Prata e Av. do Contorno. Uma ave foi desenhada no chão bruto, sem qualquer projeto urbanístico. É interessante lembrar que a carência de equipamentos de engenharia naquela época, anos 1920, requereu a participação direta das mãos do homem combinada com a rusticidade e força dos burros, cavalos e bois. Uma única barra de trilho pesa aproximadamente 310 kg; imaginem um conjunto contendo duas paralelas com dormentes, pregos etc, etc! E mesmo assim ganhamos a POMBA DA PAZ! Visualizei a figura da ave já delineada pela expansão imobiliária no mapa de Uberaba, isso no ano de 1966 (Engenheiro Civil e de Segurança João Eurípedes Sabino, 2008).



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Equipe Infanto-Juvenil da Academia de Judô Oriente

Equipe Infanto-Juvenil da Academia de Judô Oriente.
Campeão do interior de Minas Gerais no ano de 1972, em Juiz de Fora.

Em pé: Tranquilo Baliana, Maxuel, Osório Neto, Danillo Augusto Cesar, Marcos Cordeiro.

Agachados: Daniel, José Mauro, Cláudio Berto, Cordeiro, José Francisco Kikuichi.


(Foto do acervo pessoal do prof.Tranquilo Baliana)

terça-feira, 8 de agosto de 2017

BLOG DA REVISTA DE POESIA DIMENSÃO

 Guido Bilharinho      

Revista de Poesia DIMENSÃO
A revista DIMENSÃO foi editada em Uberaba de 1980 a 2000, sendo lançados 30 números, alguns duplos. Sua digitalização pela então aluna Taís Iniz de Paiva em projeto do Curso de Letras da Universidade Federal do Triângulo Mineiro idealizado e coordenado pelo professor Osíris Borges Filho permitiu a presente disponibilização. Pelo poeta uruguaio Clemente Padín foi considerada, juntamente com a DOCK francesa e a TEXTURAS espanhola, uma das três mais importantes revistas de poesia de sua época.

   

sábado, 4 de março de 2017

O ANIVERSÁRIO (?) DE UBERABA

2 de maio, durante muitos anos, professoras e professores municipais ensinaram que era o dia de aniversário de fundação de Uberaba. Dia em que o pequeno povoado da “Farinha Podre” foi elevado à categoria de cidade. Aliás, os professores(as) das escolas primárias da terrinha jamais ousaram contestar nenhum dos nossos eminentes historiadores a repensar que a data não fosse verdadeira. Era 2 de maio e estamos conversados...

Em 1956, a cidade promoveu grandes festejos que duraram, exatamente, 7 dias para e comemorar o “centenário de Uberaba”, na administração do então prefeito Artur de Melo Teixeira. Formou-se uma íntegra comissão de figuras probas da sociedade uberabense para de forma pomposa, pudesse realizar uma série de programações com o fito, único e exclusivo, de comemorar “tão grata efeméride”, segundo os jornais da época...

O saudoso professor e poeta, Lúcio Mendonça de Azevedo,encarregado de escrever a letra do hino do centenário da cidade, maestro João Vilaça Júnior, incumbido de dar-lhe a corporificação musical; o professor Ervin Puhler , ficou responsável pela criação do “Museu de Uberaba”, entre tantas e tantas solenidades programadas.

Preocuparam-se os promotores do grandioso evento, encontrar alguma fotografia do major Eustáquio da Silva e Oliveira, fundador da cidade para que um busto fosse erguido na principal praça da terrinha, a Rui Barbosa e perpetuar, desta forma, a memória do bravo fundador da terrinha, Uberaba que, em tupi-guarani, quer dizer “águas claras e límpidas”.

Procura-se daqui, procura-se dalí, procura-se acolá e nada de encontrar uma foto do major. Recorreu-se a comissão de festas em vasculhar as igrejas da cidade e região e... nada!Cartórios foram acionados, pesquisados e... nada! Arquivos públicos? Que nada! Nem leve vestígio...Dia 2 de maio de 1956 chegando e como fazer o busto sem nenhum indicativo de como era a “figura do pai d a cidade”?

Malando, boêmio, “bom-vivant”, inteligente que era, uberabense nato, aconteceu o famoso “jeitinho”brasileiro. Dizem os historiadores, pesquisadores, curiosos e até os de “má língua”, que o artista plástico, Ovídio Fernandes, encarregado e contratado para a confecção do busto, teve a “genial idéia”... já que ninguém conhecia nem a foto do major, pediu ao seu amigo, colega de madrugadas, bom pintor de paredes e, nas horas vagas, árbitro de futebol, João de Melo, posasse para ele,de “chapéu bico comprido” e uma farda arranjada a última hora, ficasse estático uma tarde inteira para que pudesse pintá-lo. Ovídio, começou bem cedinho a sua tarefa. Encerrada a”Ave Maria”, o retrato estava “pronto e acabado”. Daí para a forma do busto o tempo foi recorde. No dia 2 de maio de 1956, era inaugurado o “busto de Major Eustáquio”, na praça Rui Barbosa, com todas autoridades municipais presentes, a banda do 4º.Batalhão executando marchas, dobrados e os estudantes as escolas municipais, cantando o hino da cidade! O busto de major Eustáquio, era a”cara” do João de Melo!

Passados quase meio século, vem um “engraçadinho” (que de engraçado não tem nada ), afirmando que a data de aniversário de Uberaba, não era 2 de maio e sim, 2 de março...mudou-se tudo em nome da Exposição de Zebu...


Luiz Gonzaga de Oliveira

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Tamareiras Park Hotel - Uberaba

Tamareiras Park Hotel
                                                                                             
 História 

                                                                                                     
Em plena Era do Zebu, um grande agropecuarista Mineiro, então amigo particular de Getúlio Vargas, constrói em Uberaba sua residência, entregando o projeto arquitetônico à um renomado austríaco.

Construída em estilo Mouro-Florentino, com material importado, vitrais alemães, pisos e azulejos portugueses, espelhos de cristal francês, e lustres de alabastro, colunas, escadarias e corrimão em mármore Carrara, a casa se tornou rapidamente uma atração na região do Triângulo Mineiro e em todo o Brasil.

Em 1985 um empresário uberabense adquiriu o imóvel, e deu início a construção do TAMAREIRAS PARK HOTEL, tomando o cuidado de manter a casa e suas características intactas. O prédio do Hotel possui 10 pavimentos, seguindo o mesmo estilo Mouro-Florentino da casa, e foi concluído em 1989.

O nome "TAMAREIRAS PARK HOTEL" advém do fato das tamareiras trazidas do Oriente em 1941, permanecerem no jardim até os dias atuais.

O TAMAREIRAS PARK HOTEL tornou-se atração turística em Uberaba, sendo ponto de parada obrigatória, aos que visitam a cidade, para lazer ou negócios.

O TAMAREIRAS PARK HOTEL possui 130 unidades habitacionais, que proporcionam conforto e tranquilidade aos nossos hóspedes.


Endereço: Rua Olegário Maciel, 187 - Centro - Uberaba - Minas Gerais.



Telefones:

(34) 3318-8500 (Geral)

(34) 3318-8600 (Fax)  

Site:http://www.tamareiras.com.br/

sábado, 18 de fevereiro de 2017

NA BARBEARIA DO “GENERAL” - UBERABA


Fachada do Salão do General - década de 1970



Ainda coisas leves nesse final de ano. O anedotário de Uberaba é notável. “Causos” sobre gente e coisas da cidade, vale a pena anotar. Sempre convivi com amigos “fornecedores” de histórias da terrinha bem mais que eu. Na barbearia do “General”, os gozadores de sempre, escolheram , por volta de 1960, figuras da cidade que pudessem representar a numeração do “jogo do bicho” na cidade. A lista é histórica. Acompanhe: Número 1- Primo Ribeiro, comerciante. 2- Secundino Lóes, dentista. 3- Tércio Camargo, fazendeiro. 4- José Torquatro, motorista. 5- Quintoliano Jardim, jornalista, dono do “Lavoura e Comércio”. 6- José Sexto Batista, bancário. 7- Sétimo Boscolo, empresário. 8- Oitávio Azevedo, contador. 9- Nono Prata, pecuarista. 10- Chiquito Des..cina, farmacêutico. 11- Onzório Adriano, ricaço da cidade. 12-Dozinho Bruno, advogado. 13- Antônio Trezzi dos Reis. Industrial. 14- José Catorze, puxador de carro, bastante conhecido da policia. 15- Quinzinho Maia, dono do bar “Tip-Top”. 16- Leão Borges, ex-deputado estadual por Uberaba. 17- “Coronel Delcides”, figura popular na terrinha e cujo apelido era “Macaco”. 18- “Sugismundo Mendes”, nome de rua de Uberaba. 19- Armando “Pavão”, comerciante aposentado. 20- “Peru” açougueiro no bairro São Benedito. 21- “Tourão”, eterno candidato à vereador e figura popular na cidade. 22- “Zé Onça”, bandido preso no Parque das Américas. 23- Ursulino, “vendeiro” no bairro Estados Unidos. 24- aí deu voz geral: cada um escolhe o seu. 25- Vaquinha, centro avante ídolo do futebol uberabense…
Então eu pergunto: alguém pode com a verve do uberabense, conversando em salão de barbeiro?
Aos seguidores do “Barão de Drummond”.


(Foto do acervo pessoal do Natal Rafael da Silva Maiolino)

Luiz Gonzaga de Oliveira

domingo, 5 de fevereiro de 2017

MARVADA PINGA


A família Borges de Araújo, pela sua honradez, pelo acendrado amor a Uberaba, é credora de todas as homenagens que a terrinha pode prestar a um dos ramos mais tradicionais que sempre propugnou pelo seu progresso, seu engrandecimento e crescimento populacional. Os Borges de Araújo detém uma árvore genealógica frondosa e muito ramificada. Borges casado com Araújo, Araújo casado com Borges, Borges casado com Cruvinel, Borges casado com Bento, Borges casado com Moraes, Borges casado com Prata, Borges casado com Oliveira, Borges casado com Cunha, Borges casado com Rodrigues da Cunha e por aí afora...O velho Abilio Borges de Araújo, nome de rua ( ou avenida?)no bairro da Abadia, foi um homem de coragem e empreendedor. Fazendeiro ativo, negociante de gado dos melhores, adentrava os sertões regionais, ``a procura das melhores cabeças de gado, machos e fêmeas. À acompanhá-lo nas viagens, um fiel grupo de peões, homens de sua inteira confiança e que, qualquer problema que houvesse nas suas andanças, resolviam a parada na hora e “à sua maneira”...entenda-se a dita cuja...
Lá pelos anos 40 do século passado, “seo”Abílio comprou uma boiada em Goiás, pelas bandas de Rio Verde e foi com a peonada, buscá-la. Seu irmão Totonho, também comprador de gado, adquiriu outra “partida”e seguiram juntos para aquelas ricas e férteis paragens. Totonho, na frente e um pouco mais atrás, o Abilio. Uma doença no gado começou a aparecer, peste ?, quem ia saber ?, o mano perdeu várias cabeças. Por um “estafeta”, tratou de avisar o irmão que vinha com a boiada bem mais longe. Ao receber o aviso, desorientado, com receio que a sua boiada “pegasse”também a doença, Abílio , que gostava e não dispensava uma “branquinha”, ordenou que a tropa parasse no primeiro “ponto”. Mal sabia ele que o “ponto”era uma aldeia de hansenianos , ou “doentes do mal” como se falava naquele tempo.Mesmo assim parou. Nervoso com o que podia acontecer com o gado, tomou umas doses meio avançadas da “água que passarinho não bebe”. Mais “prá lá do que prá cá”, convidou o chefe dos hansenianos a beber com ele.- “Mas, chefe”, ponderou o Vicentão.-“Que nada, vai buscar o homem, tô mandando”... Ordem dada, ordem cumprida.Beberam prá valer. Lá pelas tantas, Abílio, ofereceu ao doente os seus chinelos;depois, o colchão de dormir, em seguida, deu-lhe o prato e a colher que se servia nas refeições. Tudo na frente da peonada com cara de espanto e surpresa. No outro dia, não resistindo a tanta pinga ingerida, o doente morreu. Choro de todo o lado. Carregado pelos outros doentes no “bangüê”, um varal que carregava defunto, foi sepultado numa cova rasa à beira da estrada.