Mostrando postagens com marcador Uberaba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Uberaba. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Uberabense João Menezes conquista a medalha de Ouro para o tênis brasileiro no Pan de Lima

“O pessoal vê a pontinha do iceberg. Só a minha família sabe o que eu passei”.


A frase é de João Menezes, que surpreendeu a toda América e ficou com o ouro no tênis dos Jogos Pan-Americanos. A consagração vem sendo se olharmos a idade dele, apenas 22 anos. Mas quase também vem tarde demais. Alguns meses atrás, João estava depressivo e a um passo de deixar o sonho de ser um tenista profissional.
A história dele, ele mesmo conta.

“Eu sou João Menezes, natural de Uberaba, Minas Gerais. Do interior. Comecei a jogar por influência familiar, meu pai jogava, meu avô jogava. Eles iam para o clube e eu ficava brincando com a raquete. Minha família sempre foi apegada ao esporte. Para o futebol eu não levava muito jeito e fui para o tênis. Gostei, gostei, gostei e sempre fui uma pessoa que tem um compromisso muito sério com as coisas que eu faço, coloco bastante intensidade. E aí foi indo. Passa até um filme na cabeça, mas posso dizer que tudo está valendo a pena e é só o começo de uma grande caminhada que está por vir.

Dá para escrever um livro com as vezes que pensei em desistir. Foram quatro, cinco momentos de pensar que não vai dar. Eu tive muitas dificuldades. Primeiro quando eu saí de casa. Morei um ano em Uberlândia e até aí tudo bem. Mas mudei para Itajaí e fiquei quatro anos. A saudade pegou lá, a adaptação também. E como eu não tinha muito resultado era difícil. Tinha meninos da minha geração que ganhavam muito mais, eram muito mais badalados. E eu ficava em segundo, terceiro plano. Então era difícil me mantar bem, com convicção.

Fui tentar algo diferente e morei na Espanha por dois anos. Lá tive coisas muito boas, mas também coisas muito difíceis. Fiquei 10 meses sem ir para casa, fiquei um pouco depressivo. Dependia muito do resultado para estar feliz. Quando a vitória não vinha, ficava cabisbaixo. E no final o ano passado foi a principal vez que quase parei de jogar tênis. Mas assim: foi por muito pouco! Eu falei com minha antiga equipe de Itajaí e fizemos um acordo diferente, mais individual, mais especializado. A proposta foi muito boa e eu aceitei”.

João Menezes - Foto: Reprodução.

Se precisava de vitória para ser feliz, João conta que elas não vinham. Lembra que chegou a vencer apenas dois jogos em 12 torneios disputados. A família, claro, foi fundamental para que ele não parasse.

“Eu nunca fui o juvenil mais badalado, nunca joguei um Sul-Americano por equipe na base pelo Brasil, nunca tive o melhor ranking. Mas talvez eu fui o que mais persistiu, o que mais trabalhou. Talvez também seja um pouco de sorte, acaso, mas posso dizer que o trabalho tem uma parcela grande”, diz, consciente de que não pode se vislumbrar com o bom momento.

Mas, afinal, o que mudou em Itajaí que o transformou em um tenista de elite nas Américas?

“Eu credito esse momento ao trabalho. Eu montei um time só para mim desde novembro do ano passado, para começar a pré-temporada. E estamos trabalhando muito firme em Itajaí (SC). Quando você se sente bem fisicamente, capaz de jogar em alto nível, você precisa jogar torneio. Não comecei muito bem, mas é a questão de confiança. Quando você bota na cabeça que pode jogar nesse nível, você começa a ir melhor. E acho que é essa deslanchada que está acontecendo comigo agora. E eu posso ir bem mais longe, tenho convicção disso”, explica.

“No Brasil ninguém me conhecia. Antes dos Jogos Pan-Americanos, tenho certeza de que não tinham ideia de quem era. Agora pode mudar um pouquinho o cenário. Esse é o divisor de águas da minha carreira”, completa.

Claro que você pode ir mais longe, João. E sim, agora o Brasil te conhece: dono de uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos!


Igor Resende e José Renato Ambrosio, de Lima (PERU)

Transcrito de www.espn.com.br


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


sexta-feira, 28 de junho de 2019

UBERABA SOB TIROTEIO!

Da outra vez que bandidos balançaram o solo de Uberaba,- 06/11/2017-f ui acordado às 3:00h por tiros de pesadas armas que ecoavam norte a sul da cidade. Fiz uma crônica sobre o episódio que pode ser vista hoje como um pobre relato.

Agência do Banco do Brasil. Foto: Reprodução.  


Nesta madrugada a dose foi repetida com carga mais do que triplicada. Fecharam o tempo literalmente, mataram pessoa, partiram para cima de bancos, lojas, etc. Criaram o pânico geral, instalaram guerra campal merecendo reação imediata das nossas gloriosas; Polícia Militar e Civil. Na vez anterior as duas optaram por recuar. 

Hoje pode -se concluir que o cenário foi mais bem pensado e flancos previamente escolhidos facilitaram a ação engenhosa do grupo que, dizem, é composto por mais de 30. 

Volto na minha tecla: o Triângulo Mineiro está situado entre São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. Essa posição e exposição geográficas requerem que a nossa área seja vista como um barril de pólvora. Nossas autoridades também a veem? 

Amanhã será encontrada meia dúzia de larápios, feito a primeira vez, e estamos conversados. Não esperamos isso.

Hoje o Brasil é outro. Bandidos armados com a sociedade encurralada; o que podemos esperar? Reedição breve desta madrugada? Tiros, tiros, tiros e bombas! 

Cadê o veículo caveirão? Legislação? Helicóptero? COE ou BOPE? 


O mundo inteiro acompanhou em tempo real o nosso drama e uma das frases que recebi foi: “Muda desse país gente!”


Eu que sempre fui contra o armamento da sociedade começo a rever meus conceitos. Com o Congresso, o STF, o STJ e outros tribunais que possuímos, francamente...


Só não podemos perder a esperança e nem deixá-la morrer, ainda que seja por último. 
A confiança em Deus sim, deve ser inquebrantável.



João Eurípedes Sabino - Uberaba - Minas Gerais - Triângulo Mineiro - Brasil.




Cidade de Uberaba


sábado, 16 de fevereiro de 2019

Programa Viação Cipó - Uberaba - Minas Gerais.

Conhecido em todo estado de Minas Gerais, o programa "Viação Cipó" da TV Alterosa, afiliada do SBT em Belo Horizonte - dedicou uma edição exclusiva sobre o município de Uberaba. Foi destaque o patrimônio cultural: exibindo histórias, lugares, personagens, arquitetura, música, religiosidade, culinária - nas tradições do modo de ser, fazer e viver deste povo do Triângulo Mineiro.



Os três principais símbolos de Uberaba: "O Zebu, os Dinossauros e as reminiscências sobre a figura de Chico Xavier" não poderiam ficar de fora do programa. O apresentador Otávio Di Toledo visitou o Museu do Zebu no Parque Fernando Costa, sede da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu - ABCZ, onde destacou o papel do Zebu na história - demonstrando os principais motivos que fazem do Brasil um líder em tecnologias aplicadas a Pecuária, o que o coloca como maior produtor de carne no Mundo. Toledo também esteve na charmosa Peirópolis com seus Dinossauros e no Memorial Chico Xavier, que em breve será inaugurado com um amplo local para dar destaque a importância de Chico Xavier no imaginário social e religioso do espiritismo brasileiro.

O programa mostra ainda o Mercado Municipal, um lugar que aguça os sentidos e a imaginação, remetendo os visitantes ao passado pela sua arquitetura, além do artesanato e os deliciosos sabores de queijos, cachaças, doces, pastéis... As praças, escolas, os sobrados dos pioneiros do Zebu, igrejas - com ênfase na bela igrejinha de Santa Rita do século XIX, o único bem tombado na categoria Patrimônio Nacional no Triângulo Mineiro pelo Iphan - Instituto do Patrimônio Artístico Nacional, são alguns dos lugares apresentados.

História, causos e memória: acesse https://www.facebook.com/UberabaemFotos/


Cidade de Uberaba

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

O SAMBA UBERABENSE DE IBRAHIM SUED

No início dos anos 1950, despontou na imprensa carioca um novo colunista social, que iria fazer grande sucesso nas décadas seguintes. Descendente de árabes, de uma família pobre, Ibrahim Sued iniciou a carreira nos jornais como repórter fotográfico, ainda nos anos 1940. Nesse trabalho, revelou raro talento para infiltrar-se em locais restritos e obter boas informações, além da uma capacidade admirável de relacionamento com a fina flor da alta sociedade da então Capital Federal.

Trabalhou com grandes jornalistas, como Joel Silveira na revista “Diretrizes” e Carlos Lacerda na “Tribuna da Imprensa”, onde começou a escrever os primeiros textos. O sucesso viria a partir de 1954, quando foi contratado pelo jornal “O Globo” para assinar uma coluna social informal e inovadora para a época, com a qual fez fama e fortuna. Criou “bordões” que se tornaram célebres como “De leve”, “Sorry periferia”, “Ademã que eu vou em frente”, “Os cães ladram e a caravana passa”, dentre outros.

Curiosamente, Sued nunca foi escritor talentoso e – segundo seus detratores – tinha dificuldades com a gramática. Além disso, fazia amigos com a mesma velocidade com que colecionava desafetos. Causou surpresa quando, no início de 1956, revelou que estava dando início à carreira de letrista. Sua primeira música era o samba-canção romântico “Decepção”, composto em parceria com um músico também estreante, de família uberabense: Mário Jardim, neto de Quintiliano Jardim – jornalista e diretor do jornal “Lavoura e Comércio”. Mariozinho, como era conhecido, morava no Rio de Janeiro, onde trabalhava no Tribunal de Contas.

Em fevereiro daquele ano, a música foi lançada pela gravadora Sinter, interpretada por Neusa Maria, uma bela e jovem cantora que despontava nos programas de rádio da Capital. Em parte graças à curiosidade e à promoção dada por Ibrahim, o samba fez sucesso e foi incluído no primeiro LP da cantora, lançado meses depois. Uma busca no YouTube nos permite ouvir a gravação original: uma história triste de uma moça apaixonada, traída por falsas promessas de amor, bem ao gosto da época.

No mês de abril Ibrahim e Mário já anunciavam nova parceria no samba “Amor não é brinquedo”, quando uma revelação caiu como um bomba: a jornalista uberabense Iná de Souza reivindicava a autoria da letra e acusava o colunista de plágio. Não faltavam inimigos de Ibrahim na imprensa e a denúncia teve repercussão em diversos jornais e revistas. Iná foi entrevistada e contou sua história: a pedido de Mário, havia escrito a letra no inicio de 1954. O samba, gravado por uma cantora uberabense com arranjo do maestro Alberto Frateschi, teria feito sucesso no carnaval daquele ano. A letra supostamente escrita por Ibrahim tinha poucas palavras modificadas, a maior parte era rigorosamente igual, inclusive o título.

Desconhecida no Rio, Iná de Souza tinha certo prestígio em Uberaba. Filha de uma família de jornalistas que editava o jornal “O Triângulo”, Iná escrevia crônicas e poemas desde a década de 1940. Era também uma das responsáveis pela revista “Graça e Beleza”, de moda e comportamento. Durante a gestão de Antônio Próspero havia trabalhado por alguns anos na Prefeitura, como bibliotecária, diretora do serviço de estatística e chefe de gabinete do prefeito. Nos últimos anos, havia se licenciado do cargo e estava morando com uma irmã na capital de São Paulo – onde foi surpreendida ao ouvir na voz de Neusa Maria o samba que havia composto.

Questionado pela imprensa, a primeira explicação de Mario Jardim tinha cara de confissão de culpa: alegava que, na realidade, a letra era dele e Ibrahim Sued – que não sabia nem batucar em caixa de fósforo – havia composto a música. O próprio Ibrahim, então passando uma temporada na Europa, preferiu não se manifestar. Enquanto isso, Iná de Souza chegava ao Rio disposta a contratar um advogado para processar a dupla e garantir seus direitos. Dizia que tinha inúmeras provas e testemunhos do que afirmava. Mas que, infelizmente, a única gravação em acetato da música feita em 1954 havia sido subtraída de uma rádio uberabense pelo poderoso avô jornalista do coautor.

O que se seguiu nunca ficou muito claro. Aparentemente, a gravadora Sinter intermediou um acordo entre as partes. O fato é que assunto sumiu da imprensa, e ninguém tocou mais no assunto. Mário e Ibrahim continuaram a compor em parceria e Iná voltou a Uberaba, onde tornou-se uma conhecida agitadora cultural. Mas isso já é uma outra história.


(André Borges Lopes)



Cidade de Uberaba

terça-feira, 14 de agosto de 2018

A Pomba da Paz no município de Uberaba, MG

Na cidade de Uberaba tivemos a Estação da Estrada de Ferro Oeste de Minas, depois denominada Rede Mineira de Viação. Esta ferrovia não mais existe desde o ano de 1968 e tudo ficaria na normalidade não fosse o seu percurso no então perímetro urbano. Inaugurada no dia 10/11/1926 e passando num determinado trecho, em plenos cerrados e capoeiras na época, descrevia percurso sinuoso. Pois bem: no vai e vem das curvas em terreno plano, iniciou-se ali de forma imperceptível um estranho desenho no solo.

A Pomba da Paz - Imagem/crédito: Google

A cidade durante cerca de 20 anos permaneceu distante do tal percurso sinuoso, cerca de 3 quilômetros ou mais. Corredores boiadeiros foram surgindo com pequenas casinhas à beira da linha até que a cidade despertou. Houve o encontro lento e progressivo da parte urbanizada com a faixa da ferrovia. As fazendas viraram loteamentos e a ferrovia virou avenida: Av. Cel. Joaquim de Oliveira Prata e Av. do Contorno. Uma ave foi desenhada no chão bruto, sem qualquer projeto urbanístico. É interessante lembrar que a carência de equipamentos de engenharia naquela época, anos 1920, requereu a participação direta das mãos do homem combinada com a rusticidade e força dos burros, cavalos e bois. Uma única barra de trilho pesa aproximadamente 310 kg; imaginem um conjunto contendo duas paralelas com dormentes, pregos etc, etc! E mesmo assim ganhamos a POMBA DA PAZ! Visualizei a figura da ave já delineada pela expansão imobiliária no mapa de Uberaba, isso no ano de 1966 (Engenheiro Civil e de Segurança João Eurípedes Sabino, 2008).



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Equipe Infanto-Juvenil da Academia de Judô Oriente

Equipe Infanto-Juvenil da Academia de Judô Oriente.
Campeão do interior de Minas Gerais no ano de 1972, em Juiz de Fora.

Em pé: Tranquilo Baliana, Maxuel, Osório Neto, Danillo Augusto Cesar, Marcos Cordeiro.

Agachados: Daniel, José Mauro, Cláudio Berto, Cordeiro, José Francisco Kikuichi.


(Foto do acervo pessoal do prof.Tranquilo Baliana)

terça-feira, 8 de agosto de 2017

BLOG DA REVISTA DE POESIA DIMENSÃO

 Guido Bilharinho      

Revista de Poesia DIMENSÃO
A revista DIMENSÃO foi editada em Uberaba de 1980 a 2000, sendo lançados 30 números, alguns duplos. Sua digitalização pela então aluna Taís Iniz de Paiva em projeto do Curso de Letras da Universidade Federal do Triângulo Mineiro idealizado e coordenado pelo professor Osíris Borges Filho permitiu a presente disponibilização. Pelo poeta uruguaio Clemente Padín foi considerada, juntamente com a DOCK francesa e a TEXTURAS espanhola, uma das três mais importantes revistas de poesia de sua época.

   

sábado, 4 de março de 2017

O ANIVERSÁRIO (?) DE UBERABA

2 de maio, durante muitos anos, professoras e professores municipais ensinaram que era o dia de aniversário de fundação de Uberaba. Dia em que o pequeno povoado da “Farinha Podre” foi elevado à categoria de cidade. Aliás, os professores(as) das escolas primárias da terrinha jamais ousaram contestar nenhum dos nossos eminentes historiadores a repensar que a data não fosse verdadeira. Era 2 de maio e estamos conversados...

Em 1956, a cidade promoveu grandes festejos que duraram, exatamente, 7 dias para e comemorar o “centenário de Uberaba”, na administração do então prefeito Artur de Melo Teixeira. Formou-se uma íntegra comissão de figuras probas da sociedade uberabense para de forma pomposa, pudesse realizar uma série de programações com o fito, único e exclusivo, de comemorar “tão grata efeméride”, segundo os jornais da época...

O saudoso professor e poeta, Lúcio Mendonça de Azevedo,encarregado de escrever a letra do hino do centenário da cidade, maestro João Vilaça Júnior, incumbido de dar-lhe a corporificação musical; o professor Ervin Puhler , ficou responsável pela criação do “Museu de Uberaba”, entre tantas e tantas solenidades programadas.

Preocuparam-se os promotores do grandioso evento, encontrar alguma fotografia do major Eustáquio da Silva e Oliveira, fundador da cidade para que um busto fosse erguido na principal praça da terrinha, a Rui Barbosa e perpetuar, desta forma, a memória do bravo fundador da terrinha, Uberaba que, em tupi-guarani, quer dizer “águas claras e límpidas”.

Procura-se daqui, procura-se dalí, procura-se acolá e nada de encontrar uma foto do major. Recorreu-se a comissão de festas em vasculhar as igrejas da cidade e região e... nada!Cartórios foram acionados, pesquisados e... nada! Arquivos públicos? Que nada! Nem leve vestígio...Dia 2 de maio de 1956 chegando e como fazer o busto sem nenhum indicativo de como era a “figura do pai d a cidade”?

Malando, boêmio, “bom-vivant”, inteligente que era, uberabense nato, aconteceu o famoso “jeitinho”brasileiro. Dizem os historiadores, pesquisadores, curiosos e até os de “má língua”, que o artista plástico, Ovídio Fernandes, encarregado e contratado para a confecção do busto, teve a “genial idéia”... já que ninguém conhecia nem a foto do major, pediu ao seu amigo, colega de madrugadas, bom pintor de paredes e, nas horas vagas, árbitro de futebol, João de Melo, posasse para ele,de “chapéu bico comprido” e uma farda arranjada a última hora, ficasse estático uma tarde inteira para que pudesse pintá-lo. Ovídio, começou bem cedinho a sua tarefa. Encerrada a”Ave Maria”, o retrato estava “pronto e acabado”. Daí para a forma do busto o tempo foi recorde. No dia 2 de maio de 1956, era inaugurado o “busto de Major Eustáquio”, na praça Rui Barbosa, com todas autoridades municipais presentes, a banda do 4º.Batalhão executando marchas, dobrados e os estudantes as escolas municipais, cantando o hino da cidade! O busto de major Eustáquio, era a”cara” do João de Melo!

Passados quase meio século, vem um “engraçadinho” (que de engraçado não tem nada ), afirmando que a data de aniversário de Uberaba, não era 2 de maio e sim, 2 de março...mudou-se tudo em nome da Exposição de Zebu...


Luiz Gonzaga de Oliveira

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Tamareiras Park Hotel - Uberaba

Tamareiras Park Hotel
                                                                                             
 História 

                                                                                                     
Em plena Era do Zebu, um grande agropecuarista Mineiro, então amigo particular de Getúlio Vargas, constrói em Uberaba sua residência, entregando o projeto arquitetônico à um renomado austríaco.

Construída em estilo Mouro-Florentino, com material importado, vitrais alemães, pisos e azulejos portugueses, espelhos de cristal francês, e lustres de alabastro, colunas, escadarias e corrimão em mármore Carrara, a casa se tornou rapidamente uma atração na região do Triângulo Mineiro e em todo o Brasil.

Em 1985 um empresário uberabense adquiriu o imóvel, e deu início a construção do TAMAREIRAS PARK HOTEL, tomando o cuidado de manter a casa e suas características intactas. O prédio do Hotel possui 10 pavimentos, seguindo o mesmo estilo Mouro-Florentino da casa, e foi concluído em 1989.

O nome "TAMAREIRAS PARK HOTEL" advém do fato das tamareiras trazidas do Oriente em 1941, permanecerem no jardim até os dias atuais.

O TAMAREIRAS PARK HOTEL tornou-se atração turística em Uberaba, sendo ponto de parada obrigatória, aos que visitam a cidade, para lazer ou negócios.

O TAMAREIRAS PARK HOTEL possui 130 unidades habitacionais, que proporcionam conforto e tranquilidade aos nossos hóspedes.


Endereço: Rua Olegário Maciel, 187 - Centro - Uberaba - Minas Gerais.



Telefones:

(34) 3318-8500 (Geral)

(34) 3318-8600 (Fax)  

Site:http://www.tamareiras.com.br/

sábado, 18 de fevereiro de 2017

NA BARBEARIA DO “GENERAL” - UBERABA


Fachada do Salão do General - década de 1970



Ainda coisas leves nesse final de ano. O anedotário de Uberaba é notável. “Causos” sobre gente e coisas da cidade, vale a pena anotar. Sempre convivi com amigos “fornecedores” de histórias da terrinha bem mais que eu. Na barbearia do “General”, os gozadores de sempre, escolheram , por volta de 1960, figuras da cidade que pudessem representar a numeração do “jogo do bicho” na cidade. A lista é histórica. Acompanhe: Número 1- Primo Ribeiro, comerciante. 2- Secundino Lóes, dentista. 3- Tércio Camargo, fazendeiro. 4- José Torquatro, motorista. 5- Quintoliano Jardim, jornalista, dono do “Lavoura e Comércio”. 6- José Sexto Batista, bancário. 7- Sétimo Boscolo, empresário. 8- Oitávio Azevedo, contador. 9- Nono Prata, pecuarista. 10- Chiquito Des..cina, farmacêutico. 11- Onzório Adriano, ricaço da cidade. 12-Dozinho Bruno, advogado. 13- Antônio Trezzi dos Reis. Industrial. 14- José Catorze, puxador de carro, bastante conhecido da policia. 15- Quinzinho Maia, dono do bar “Tip-Top”. 16- Leão Borges, ex-deputado estadual por Uberaba. 17- “Coronel Delcides”, figura popular na terrinha e cujo apelido era “Macaco”. 18- “Sugismundo Mendes”, nome de rua de Uberaba. 19- Armando “Pavão”, comerciante aposentado. 20- “Peru” açougueiro no bairro São Benedito. 21- “Tourão”, eterno candidato à vereador e figura popular na cidade. 22- “Zé Onça”, bandido preso no Parque das Américas. 23- Ursulino, “vendeiro” no bairro Estados Unidos. 24- aí deu voz geral: cada um escolhe o seu. 25- Vaquinha, centro avante ídolo do futebol uberabense…
Então eu pergunto: alguém pode com a verve do uberabense, conversando em salão de barbeiro?
Aos seguidores do “Barão de Drummond”.


(Foto do acervo pessoal do Natal Rafael da Silva Maiolino)

Luiz Gonzaga de Oliveira

domingo, 5 de fevereiro de 2017

MARVADA PINGA


A família Borges de Araújo, pela sua honradez, pelo acendrado amor a Uberaba, é credora de todas as homenagens que a terrinha pode prestar a um dos ramos mais tradicionais que sempre propugnou pelo seu progresso, seu engrandecimento e crescimento populacional. Os Borges de Araújo detém uma árvore genealógica frondosa e muito ramificada. Borges casado com Araújo, Araújo casado com Borges, Borges casado com Cruvinel, Borges casado com Bento, Borges casado com Moraes, Borges casado com Prata, Borges casado com Oliveira, Borges casado com Cunha, Borges casado com Rodrigues da Cunha e por aí afora...O velho Abilio Borges de Araújo, nome de rua ( ou avenida?)no bairro da Abadia, foi um homem de coragem e empreendedor. Fazendeiro ativo, negociante de gado dos melhores, adentrava os sertões regionais, ``a procura das melhores cabeças de gado, machos e fêmeas. À acompanhá-lo nas viagens, um fiel grupo de peões, homens de sua inteira confiança e que, qualquer problema que houvesse nas suas andanças, resolviam a parada na hora e “à sua maneira”...entenda-se a dita cuja...
Lá pelos anos 40 do século passado, “seo”Abílio comprou uma boiada em Goiás, pelas bandas de Rio Verde e foi com a peonada, buscá-la. Seu irmão Totonho, também comprador de gado, adquiriu outra “partida”e seguiram juntos para aquelas ricas e férteis paragens. Totonho, na frente e um pouco mais atrás, o Abilio. Uma doença no gado começou a aparecer, peste ?, quem ia saber ?, o mano perdeu várias cabeças. Por um “estafeta”, tratou de avisar o irmão que vinha com a boiada bem mais longe. Ao receber o aviso, desorientado, com receio que a sua boiada “pegasse”também a doença, Abílio , que gostava e não dispensava uma “branquinha”, ordenou que a tropa parasse no primeiro “ponto”. Mal sabia ele que o “ponto”era uma aldeia de hansenianos , ou “doentes do mal” como se falava naquele tempo.Mesmo assim parou. Nervoso com o que podia acontecer com o gado, tomou umas doses meio avançadas da “água que passarinho não bebe”. Mais “prá lá do que prá cá”, convidou o chefe dos hansenianos a beber com ele.- “Mas, chefe”, ponderou o Vicentão.-“Que nada, vai buscar o homem, tô mandando”... Ordem dada, ordem cumprida.Beberam prá valer. Lá pelas tantas, Abílio, ofereceu ao doente os seus chinelos;depois, o colchão de dormir, em seguida, deu-lhe o prato e a colher que se servia nas refeições. Tudo na frente da peonada com cara de espanto e surpresa. No outro dia, não resistindo a tanta pinga ingerida, o doente morreu. Choro de todo o lado. Carregado pelos outros doentes no “bangüê”, um varal que carregava defunto, foi sepultado numa cova rasa à beira da estrada.

DISCURSO DOS BORGES


Uberaba, ao contrário do que muitos pensam, teve outros políticos bons, independentemente dos mais tradicionais , conhecidos e famosos, Mário Palmério, Fidélis Reis e João Henrique Sampaio Vieira da Silva. Isso, apesar de apenas um deles ter nascido na sagrada terrinha, Fidélis Reis, já que Mário Palmério veio ao mundo em Monte Carmelo (MG) e João Henrique, no Maranhão. De lá prá cá, não preciso dizer mais nada. Todos conhecem a péssima safra de “representantes de Uberaba” que tivemos e... temos!...
Mas, como soe a acontecer em cidades como a nossa, à falta de oportunidades , os filhos da terrinha se mandavam , iam ( e vão até hoje)conquistar outras plagas, o seu lugar ao sol na política. Homens como o inesquecível prefeito do Rio de Janeiro, então capital federal, a “cidade maravilhosa” já teve, Alaor Prata, o ex-governador de Mato Grosso do Sul ( apesar dos pesares),Marcelo Miranda Soares, o irmão e ex-senador por Goiás, Mauro Miranda, o ex-prefeito e deputado federal por Londrina e norte do Paraná, Wilson Moreira,além de outros menos votados. Um deles, embora não muito conhecido na terrinha onde nasceu, pontificou-se na política de Goiás, senador pelo vizinho Estado por 4 (sim, 4 !)legislaturas. Seu nome ?Antônio Borges de Araújo, conhecido como Totonho Borges de Araújo, do tronco de duas das mais tradicionais famílias uberabenses, os “Borges” e os “Araújo”. Totonho, no dizer dos políticos da época, mandava no sertão goiano, pois que, uma das suas “virtudes” era ser sogro do famoso e lendário Governador de Goiás, Pedro Ludovico, o construtor da capital, Goiânia e o mais ilustre mandatário das terras goianas até aos dias de hoje.
Na última eleição que participou, o velho Totonho Borges, andava “meio em baixa” com seus eleitores da região de Rio Verde, Jataí e adjacências, seu reduto eleitoral. Precisando de ajuda, escreveu longa e chorosa carta ao irmão, em Uberaba, político e vereador atuante na terrinha, o “coronel” Lucas Borges, que, em dias de hoje, tem nome de avenida no bairro do Fabricio. Bem falante, orador de “primeira”, o “coronel” Lucas Borges encomendou um discurso ao Militino Pinto de Jesus, jornalista da “Gazeta do Triângulo” e, de posse do dito cujo, se mandou para Rio Verde, a fim de ajudar na reeleição do irmão.
Um grande comício marcado para a praça principal de Rio Verde, Lucas Borges, mostra ao irmão, Totonho, o discurso que ia fazer. Totonho, gostou do que estava escrito, tomou o discurso do irmão e, de forma eloquente,foi aplaudidíssimo. Ao ser apresentado como irmão do senador e vereador em Uberaba, naqueles saudosos e velhos tempos, conhecida com a “capital do Triângulo”, Lucas, sem o discurso em poder do irmão, não perdeu a “pose”; começou sua “fala” de maneira entusiasmada:- “Goiás- terra desgraçada- povo infeliz e sofredor- na minha Uberaba nunca passei de um pobre chefe político- eis que aqui nessa terra, tenho um irmão que é senador!”
Fim da história : o “coronel” Lucas Borges e seu irmão, Totonho Borges, desceram do caminhão aplaudidíssimos , carregados nos ombros dos goianos e Totonho, com a reeleição garantida...
Bom fim de semana a todos. Segunda-feira, conto um “causo”de gonorreia...

Luiz Gonzaga de Oliveira

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE X FAZENDEIROS

(Próxima escola a desfilar na avenida: Unidos do Pé de Cana....Cor? Verde...)


Ganha repercussão nacional o enredo da E.S.”Imperatriz Leopoldinense”,várias vezes campeã do mais famoso carnaval do mundo, o da “Marquez do Sapucaí”, no Rio de Janeiro. O tema enfoca o “Parque Nacional do Xingu”, índios, devastação da floresta amazônica e “meio ambiente”. O tema alcançou dimensões enormes em se tratando do “vespeiro” que o carnavalesco da “Imperatriz”,Cahe Rodrigues, autor do enredo, se meteu. Todas as entidades classistas ligadas ao agronegócio,inclusive a nossa ABCZ, a mais influente do setor, se levantaram de forma uníssona, protestando o que chamou de “grande ofensa” da atividade que representa 22% do PIB nacional. 
O samba-enredo da escola”Xingu-o clamor que vem da floresta”, aborda a contribuição dos povos indígenas à cultura brasileira, numa mensagem de respeito à preservação da natureza e a biodiversidade. A preservação sem controle , a derrubada das matas, as queimadas e outros feitos desenfreados em nome do progresso e do desenvolvimento nacional. O uso excessivo do agrotóxico, o risco que causa à saúde, sem sinalizar o setor do agronegócio e seus trabalhadores. É uma mensagem, ao dizer da “Imperatriz”, “de preservação, respeito, tolerância e paz. Nada mais que isto”. 
Na contestação, as lideranças do agronegócio, afirmam que o agrotóxico e defensivos agrícolas são produzidos por “multinacionais” e acobertados pelos órgãos sanitários brasileiros, que não pode induzir a nossa gente que o produtor está incorrendo em delito ou ato ilícito.
A polêmica está aberta !
Que a safra de grãos este ano será a maior de todos os tempos,é sensacional! Que o setor emprega 19 milhões de trabalhadores, é uma grande verdade. O campo sustenta a nação !
À sua reflexão: - o desmatamento sem controle da floresta brasileira, é inegável. Que terras indígenas são tomadas, griladas, diáriamente, não se tem como desmentir. A obsessiva e desmensurada invasão de terras no sudeste, noroeste e norte do Brasil, com homicídios indiscriminados de gente da terra, a imprensa noticía, cotidianamente. Que o Brasil está repleto de “gringos” (principalmente no norte do país), todo mundo sabe.Inclusive as nossas autoridades. Que as nossas riquezas naturais, extrativas, florais e outras por nós desconhecidas, estão sendo exportadas (?), é uma cristalina e imperiosa verdade.Só não vê que não quer ver. 
Não precisa ir muito longe, não. Na “nossa cara”, nas nossas fazendas, o gado “sumiu”.Mudou de pastagem. A agricultura alimentar “foge” à passos largos. Nossas terras, ontem agricultáveis, principalmente depois de criado o “Polocentro” e a “Bolsa de Arrendamento de Terras”, que bateu recordes de produção graneleira, tornaram-se florestas verdes de cana de açúcar. Em qualquer direção regional, para qualquer lado onde se olha, desapareceu o gado de linhagem pura,teve fim a bacia leiteira, as plantações de arroz, milho, feijão, soja, sorgo, café e etc., cederam lugar à vastidão do plantio da cana de açúcar. As poderosas e modernas máquinas, tomaram o lugar dos “bóias-fria” de ontem. 
Até a nossa tradicional Expozebu,tem como escopo principal o avanço genético das raças indianas. Campeões,motivo de orgulho dos uberabenses, vão para outras paragens...
À volta da nossa micro-região, vê-se apenas cana de açúcar.A migração do homem do campo para a cidade, é inconteste. Uberlândia, Delta,Pirajuba, Conceição das Alagoas, Campo Florido, Nova Ponte, mantém suas usinas de álcool e açúcar.Pergunto: quantos empresários uberabenses são proprietários e ou acionistas dessas usinas? Qual a grande arrecadação de impostos que Uberaba recebe?
Ainda:centro maior do agronegócio brasileiro, Uberaba pergunta:-Cadê a Copervale? Onde foram parar os nossos curtumes? E o grande abatedouro de aves,suínos e bovinos, tão almejado? E as nossas fábricas de rações? Quando voltaremos a ter uma indústria de esmagamento de grãos? Por que não pensar numa planta de implementos agrícolas, à espera do gasoduto e da planta de amônia? E a efetiva implantação da ZPE para escoamento dos nossos produtos do campo? Qual a razão de não se criar a Universidade Rural do Brasil Central? A ABCZ é mantenedora de todos os cursos de formação do homem do campo .Qual a dificuldade em reunir as Faculdades em uma Universidade específica, a exemplo da Universidade Rural de Campo Grande, no Rio de Janeiro?
Seria grande resposta para um “mixuruca” samba-enredo de escola de samba carioca...


Luiz Gonzaga de Oliveira

IMPERATRIZ X FAZENDEIROS - Final


A controvérsia em que estão envolvidos carnavalescos da “Imperatriz Leopoldinense”, do Rio de Janeiro e fazendeiros de todo o Brasil, liderados pela ABCZ de Uberaba, rende alguns contornos e merece alongar um pouquinho em comentário. O tema da escola carioca” Xingu- o clamor que vem da floresta”, mostra uma realidade brasileira. Não é segredo, embora a grande imprensa brasileira, “finge não ver, nem ouvir e muito menos registrar nas lentes da TV”, que a região amazônica prolifera uma quantidade absurda de pastores dito evangélicos americanos que, além de doutrinar os nossos silvícolas à sua religião, não escondem seu principal “trabalho”: pesquisar, extrair e roubar as riquezas da Amazônia. A extração do ouro, prata e outros riquíssimos minerais que vão enriquecer os projetos espaciais do governo americano. A devastação da nossa flora verdejante de plantas medicinais, a fauna fantástica exportada para os EE.UU., é de estarrecer e corar a face do mais humilde brasileiro !

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A equipe de natação da Associação Esportiva e Cultural de Uberaba.

 Equipe de Natação da Associação Esportiva e Cultural de Uberaba


Ano: 1942


A equipe de Natação da Associação Esportiva e Cultural de Uberaba.
Da esquerda para direita, Hércules, Raimundo Sarkis, Júlio, Cícero, Reynildo Chaves e Vicente.

Foto: Autoria desconhecida



(Acervo pessoal da família Chaves Mendes)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

ENSAIOS DE CRÍTICA CINEMATOGRÁFICA



                                                DE GUIDO BILHARINHO



Uberaba (livraria Lemos & Cruz, av. Maranhão, 1419) Outras Cidades (pelo e-mail
guidobilharinho@yahoo.com.br, mediante cheque ou vale postal para Caixa Postal 140 - Uberaba,
38001-970 - ou depósito CEF, Ag. 2854, c/c 01000101-2). Valor único: R$ 23,00 o exemplar.
O FILME MUSICAL
(de 2006 - 292 p.)
Análises dos principais musicais do cinema, a
exemplo de O Picolino, Os Sapatinhos Vermelhos,
Sinfonia de Paris, Cantando na Chuva, A Roda da
Fortuna, Cármem Jones, Sete Noivas Para Sete Irmãos,
Cinderela em Paris, Amor, Sublime Amor, Cabaret,
Hair, Fama e Chorus Line, entre outros.


.

O FILME DRAMÁTICO EUROPEU




(de 2010 - 360 p.)






Análises de filmes dos cineastas René Clair, Jean Vigo, Jacques Feyder, Jean Renoir, Alain Resnais,Jacques Tati, Claude Chabrol, De Sica, Rossellini,Bertolucci, Ettore Scola, Carlos Saura, Almodóvar,David Lean, Carol Reed, Fritz Lang, Wim Wenders,Karel Reisz, Cacoyannis, Carl Dreyer, Lars Von Trier,Max Ophuls, Andrzej Wajda, Costa Gravas e outros.




O CINEMA DE BUÑUEL,


KUROSAWA E VISCONTI

(de 2013 - 292 p.)


Apresentação e análise das filmografias desses cineastas desde os filmes iniciais surrealistas de Buñuel, realistas de Kurosawa e neorrealistas de Visconti.
               

Uberaba (livraria Lemos & Cruz, av. Maranhão, 1419) Outras Cidades (pelo e-mail
guidobilharinho@yahoo.com.br, mediante cheque ou vale postal para Caixa Postal 140 - Uberaba,
38001-970 - ou depósito CEF, Ag. 2854, c/c 01000101-2). Valor único: R$ 23,00 o exemplar.

Trilogia Sobre Uberaba



Guido Bilharinho

Trilogia Sobre Uberaba



CURSO DE FORMAÇÃO DE LEITORES E ESCRITORES DE NARRATIVAS CURTAS



Biblioteca Pública Municipal Bernardo Guimarães - Foto:Enerson Cleiton


Escritor, jornalista, editor, tradutor e orientador de laboratórios
de ficção e não ficção em São Paulo

Dias 30/01 a 03/02/17

(18h30 às 21h30)

Cinco aulas de três horas cada

Biblioteca Municipal de Uberaba

Informações e Contato

    Acesse em:   https://www.catarse.me/laboratorio_de_escrita_contos_para_o_proximo_milenio_com_ronaldo_bressane_em_uberaba_mg_1678?ref=facebook&utm_source=facebook.com&utm_medium=social&utm_campaign=project_share_insights

Primeiros Filmes de Júlio Bressane



CARA A CARA


O Tudo e o Nada

                                                                                                                          Guido Bilharinho






Quando Júlio Bressane (Rio de Janeiro/RJ, 1946-) - um dos mais importantes cineastas do mundo contemporâneo - estreia no longa-metragem com Cara a Cara (1967), a estética cinemanovista está praticamente exaurida, sobrevivendo, ainda, em espécimes realizados apenas pelos seus prógronos, em tentativa de correspondência com a nova realidade objetiva e subjetiva emergente, antagonizadora das bases teóricas e políticas fundadoras do cinema novo.
         As novas gerações jazem política, social e culturalmente sufocadas e alijadas de toda possibilidade de interferência e influência no contexto.
         Cara a Cara emerge, pois, num momento de interseção, no qual a liberdade e os ideais do passado recente, sepultado pelo golpe militar de 1º de abril de 1964 - dito de 31 de março - ainda lutam por espaço de ação e atuação, que lhe seria total e provisoriamente (por alguns anos) interditado. Dos escombros dessa liberdade e desses ideais, momentaneamente reprimidos, origina atitude de impotência, desânimo e até desespero.
         Cara a Cara é considerado filme transicional entre o cinema novo e o cinema marginal que a partir daí se instaura. E o é por conter em si, em amalgamada síntese, a bipolaridade estético-política do cinema brasileiro de então.
         No paralelismo das duas estórias nele desenvolvidas encontra-se a simultânea convivência espaço-temporal do nada com o tudo.
         O protagonista, dilacerado entre desejo inalcançável e existência anônima afogada em rotina, tristeza, miséria e falta de perspectivas, pode muito bem representar a impotência política e social dos segmentos sociais antes impulsivos, esperançosos e dinâmicos, mas, à época, presos de idêntica sintomatologia.
         Em contraste, situa-se o político articulado, elegante, determinado e... inescrupuloso, significando o predomínio e a capacidade de ação e coordenação dos grupos dominantes antes acuados e temerosos.
         O filme reúne e põe lado a lado, pois, as duas faces da mesma moeda brasileira no momento que passa, isto é, na oportunidade de sua própria realização.
         Por ambos os aspectos humano-sociais e políticos abordados traduz visão haurida do cinema novo, que, então, por sinal, lança alguns de seus filmes onde mais diretamente focaliza a atuação dos grupos dominantes em contraposição à ação (ou inação) das classes sociais dominadas.
         Assim, sob tais enfoques, constitui revelação denunciadora das manobras e propósitos dos primeiros e amostragem das condições de vida de elemento símbolo das segundas, formalizando crítica da situação do país.
         Contudo, e isso o distingue e o eleva acima da média, mesmo sendo filme de estreante, não a faz direta, parcial e primariamente. Basta-lhe, a Bressane, recriar os ambientes físico-sociais onde vivem e agem as personagens e, mais importante, o modo de ser de suas duas figuras emblemáticas: o servidor público e o político.
         A disparidade visual, social e cultural que estabelece entre esses mundos torna-se mais profunda e grave por sua proximidade física, mesmo e até por isso, não se tocando, não se encontrando nem, muito menos, se comunicando.
         Essas contiguidade e contemporaneidade ampliam e exacerbam o distanciamento abismal que os separa e aparta.
         Nada mais apropriado para fixar esse antagonismo irremediável do que a impossibilidade de realização do mais orgânico dos impulsos, o sexual.
         O contato desses dois mundos antípodas dá-se por meio do maior dos desencontros possíveis, quando as forças paroxísticas que às vezes governam o ser humano, por emergidas inopinadamente do fundo recalque de sua natureza e dos elementos que a compõem e a conformam, entram em insopitável ebulição, desencadeando o caos, o crime, a violência.
         O abismo entre essas classes, entre as benesses e possibilidades que aureolam uma e as agruras, carências e impossibilidades que manietam, confinam e sufocam outra, é, então, transposto, mesmo sendo verticalmente profundo e horizontalmente amplo.
         No choque daí resultante igualam-se os desiguais, porque, só aí e então, põe lado a lado o que seus representantes realmente são: simples seres humanos.
         Todas as barreiras caem face à tragédia humana, a mais violenta e radical, que, de uma vez por todas e em definitivo, sela a desigualdade, deflagrando o ódio.
         Tal encaminhamento e desfecho da trama poderia, no entanto, constituir e desaguar em mero e espúrio dramalhão, como inúmeros que infestam telas, livros e palcos, ofendendo a inteligência.
         No entanto, no caso, mercê de concepção e propósito conjugados com seguro domínio dos meios expressionais do cinema, tem-se depurado, parcimonioso e adequado tratamento temático e formal, que redunda contido e equilibrado. O uso sofisticado da imagem e das possibilidades dos movimentos e enquadramentos da câmera aliado à seleção rigorosa e criteriosa dos décors de interiores e de locações e aspectos dos exteriores resultam, por sua vez, em construção fílmica de rara beleza imagética num filme de requintada elaboração estética sob a simplicidade de seu aparato infraestrutural.

(do livro Seis Cineastas Brasileiros. Uberaba,
Instituto Triangulino de Cultura, 2012)

(Leia na página Obras-Primas do Cinema Brasileiro
toda segunda-feira novo artigo -

                  

______________

Guido Bilharinho é advogado atuante em Uberaba, editor da revista internacional de poesia Dimensão de 1980 a 2000 e autor de livros de Literatura (poesia, ficção e crítica literária), Cinema (história e crítica), História (do Brasil e regional).


terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Troféu Raimundo Sarkis - 2016 - Uberaba

Raimundo Sarkis e Luís Alberto Medina.


Raimundo Sarkis e Luís Alberto Medina, Presidente da Funel.


Foto: Autoria desconhecida


(Acervo pessoal de Raimundo Sarkis)