Mostrando postagens com marcador Borges Sampaio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Borges Sampaio. Mostrar todas as postagens

domingo, 3 de janeiro de 2021

Fundadores de escolas

No século XIX, ainda na monarquia, uma das maiores dificuldades para a população do do Brasil era conseguir estudar. Fora das grandes cidades, contavam-se nos dedos os estabelecimentos de ensino disponíveis, na grande maioria iniciativas particulares ou religiosas. Tanto o governo imperial como os das províncias dedicavam pouquíssima atenção à oferta de educação pública. O resultado desse descaso apareceu de forma dramática no primeiro recenseamento nacional, realizado pelo Império em 1870: 77% dos homens livres e 87% das mulheres livres não sabiam ler e escrever. Entre a população escrava esse número superava os 99%. No conjunto da população do país, 4 em cada 5 brasileiros eram completamente analfabetos.

O problema era ainda mais grave quando se pensa na oferta de escolas de nível médio ou superior. Num país que era essencialmente rural, qualquer jovem que desejasse estudar além do nível básico tinha como única opção mudar-se para uma capital ou matricular-se em um colégio interno. Cursos superiores eram ainda mais raros. Os filhos da aristocracia frequentemente buscavam instrução em Portugal ou algum outro país da Europa.

Por isso, era sempre saudada com entusiasmo a fundação de escolas nas cidades do interior. Não foi diferente quando, em 1º de outubro de 1854, o engenheiro Fernando Vaz de Mello anunciou a abertura do primeiro “Collegio Uberabense” (outro, com o mesmo nome, seria aberto em 1903). A escola foi montada em um pequeno prédio nas imediações da atual Praça Dom Eduardo, onde, décadas depois, instalou-se o Colégio Marista. Oferecia “Instrução Primária de 2º Grau” e “Ensino Colegial” – o que seria algo equivalente aos atuais Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Entre as disciplinas, Gramática, Latinidade, Francês, Geografia, Aritmética, Álgebra e Geometria. Havia ainda aulas de Catecismo Romano.

Em agosto do ano seguinte, o Colégio contava com mais de 100 alunos, dos quais 25 colegiais e 77 do ensino primário apresentaram-se para os exames de avaliação – realizados entre os dias 13 e 18. Um grupo de examinadores convidados reuniu-se no salão da Câmara Municipal para avaliar os estudantes. Compunham a banca, entre outros, o Cônego Hermógenes, o jornalista e historiador Borges Sampaio, o juiz de direito Manoel Pinto de Vasconcelos e o presidente da câmara Francisco Barcellos. Embora tenha havido algumas reprovações – na sua maioria de alunos matriculados há pouco tempo – relatos da época dizem que o resultado geral superou as expectativas.

Infelizmente, como era comum em Uberaba nessa época, a alegria durou pouco. Em 1856, Fernando Vaz de Mello envolveu-se na luta política local. Publicou um artigo no qual criticava a inoperância da Justiça e o número de assassinos e criminosos que circulavam impunemente pela província, muitos sob a proteção dos proprietários de terras e coronéis da região. O texto melindrou parte das famílias abastadas, que se sentiram ofendidas e passaram a dirigir ataques anônimos ao colégio e a seu diretor. Matrículas foram canceladas e, no ano seguinte, a escola fechou as portas, frustrando a população.

Fernando era um homem de posses e, por algum tempo, tentou permanecer na cidade. Entre 1857 e 1858, desenvolveu por conta própria um extenso levantamento dos rios Pardo e Mogi Guaçu, com o objetivo de implantar uma linha de navegação que oferecesse ao Triângulo Mineiro uma alternativa de transporte com os portos do Rio de Janeiro e Santos – na época feito em lombo de burro e carros de boi. O memorial foi publicado pela província de São Paulo em 1859, mas as sugestões de obras e melhorias nunca foram implantadas por falta de interesse e de verbas.

Não descobri a data exata em que Fernando Mello deixou o Triângulo. Aparentemente, mudou-se para a então capital mineira Ouro Preto, onde um de seus filhos, Cornélio Vaz de Mello (nascido em Uberaba em 10/01/1855) completou os estudos. Cornélio foi para o Rio de Janeiro, onde formou-se em Medicina em 1884. De volta a Minas Gerais, tornou-se professor de Anatomia e História Natural na Escola de Farmácia de Ouro Preto. Entrou para a política, filiando-se ao Partido Liberal e mudou-se para a nova capital, Belo Horizonte. Seguindo os passos do pai, fez parte do grupo de médicos que, em março de 1911, fundou a Faculdade de Medicina de Belo Horizonte, ocupando a primeira vice-diretoria. Durante o governo de Delfim Moreira (1914-1918), o uberabense Cornélio exerceu o cargo de prefeito da capital mineira.

André Borges Lopes

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

O Barão de Ponte Alta

Foi Antonio Elói Cassimiro de Araújo, personagem importante da vida econômica, social e política de Uberaba.

Filho natural do Cônego Hermógenes Cassimiro de Araújo Brunswick (Fundaddor de Sacramento-MG) e de D. Ludovina Clara dos Santos. 

Antonio Elói Cassimiro de Araújo, Barão de Ponte Alta. 
Foto do acervo pessoal da família Araújo.

Nasceu no antigo Julgado de Desemboque, no dia 16 de maio de 1816. Teve nove irmãos, dos quais lhe sobreviveu apenas uma, D. Maria Cassimira de Araújo Sampaio, a qual foi esposa do Coronel Antônio Borges Sampaio, personalidade de grande projeção na história de Uberaba.

Barão com todos os netos no dia de seu aniversário 15 de Agosto de 1.964 - Foto do acervo Pessoal da família Araújo.


Casou-se a primeira vez em 1840 com D. Marcelina Florinda da Silva e Oliveira, com quem teve dez filhos.

Próximo a foz do Ribeirão Ponte Alta, meia légua distante do Rio Grande e quatro léguas e meia da vila de Uberaba estabeleceu sua fazenda em lugar chamado Correguinho, com casa grande e demais dependências utilitárias. Abriu a trânsito público o Porto de Ponte Alta, no rio Grande, ligando Uberaba e região em comunicação e comércio com as praças de Campinas, Franca, Santos, São Paulo e as capitais de Goiás e Mato Grosso.

Sua fazenda foi pousada de muitos presidentes de província, comandantes de armas, senadores, deputados, chefes de polícia, engenheiros, carreiros, tropeiros e caminhantes, aos quais acolhia com grande hospitalidade de forma gratuita.

Tendo enviuvado em 1863, casou-se pela segunda vez com D. Francisca Augusta de Oliveira, a baronesa de Ponte Alta, com quem teve mais nove filhos. 

O 18° filho do Barão foi Abadio Cassimiro de Araújo, o nosso saudoso, Vô Barão.
O Barão da Ponte Alta foi fazendeiro, comerciante, Juiz de Paz, vereador, deputado e alferes da Guarda Nacional, em 1858 recebeu a patente de Tenente Coronel e posteriormente promovido a Coronel Comandante, tendo prestado relevantes serviços ao governo do imperador D. Pedro II por ocasião da Guerra do Paraguai.

Em 02 de agosto de 1879 foi agraciado com o título de Barão da Ponte Alta, título que nenhum outro cidadão do Triângulo Mineiro conseguiu.

O Barão faleceu as dez horas da manha do dia 25 de setembro de 1903, em sua fazenda do Correguinho, devido a problemas cardíacos. Seu cadáver foi conduzido para Uberaba à mão, por amigos e parentes.

O jornal Lavoura e Comércio manifestou-se: “Com o falecimento do Exmo Sr Barão de Ponte Alta, desapareceu um dos mais proeminentes vultos da política mineira no passado regímen.”

Fausto Rocha de Araújo - Historiador
(Referência: Uberaba, história, fatos e homens de Borges Sampaio)


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

A IGREJA DOS NEGROS QUE DESAPARECEU

Muitos uberabenses pensam que a bela igrejinha de Santa Rita, no morro defronte ao Mercado Municipal é a igreja mais antiga de Uberaba. Construída em 1854 e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico (IPHAN) desde 1939, a Santa Rita é a única sobrevivente das igrejas da época do império. Mas antes dela existiu a pioneira Capela de Santo Antônio e São Sebastião de Berava, erguida em 1818 na região onde está a praça Frei Eugênio, a primeira matriz da paróquia. E também a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, que foi construída entre 1839 e 1842 no lado direito da Rua do Comércio, na época a principal rua da cidade, atual Artur Machado. Era uma igreja de duas torres em estilo colonial, relativamente grande e bonita, erguida encostas do morro onde hoje está a Av. Presidente Vargas.

Igreja do Rosário

A devoção a Nossa Senhora do Rosário é muito antiga. Teria surgido na Europa, entre os dominicanos, ainda na Idade Média. A primeira irmandade do Rosário foi criada em Colônia (Alemanha), em 1408. A ordem chegou ao Brasil em meados do século XVI, sendo a Irmandade dos Homens Pretos de Olinda a mais antiga do país.

Durante o período da escravidão, brancos e negros não podiam frequentar as mesmas igrejas – uma segregação que, na prática, persistiu por décadas, mesmo após a abolição em 1888. A pesquisadora Marina de Mello Souza, autora do livro “África e Brasil Africano” conta que, no tempo dos escravos, e ensino e a catequese de todo africano escravizado era de obrigação dos seus senhores. Com apoio desses proprietários, as comunidades negras se reuniram em irmandades leigas de devoção. Tanto a igreja católica quanto a administração colonial usavam a conversão à fé católica como instrumento de controle sobre a população negra, seus costumes e suas crenças – procurando “desafricanizar” a identidade cultural dos escravos.

Cabia aos membros das irmandades cuidar das festas de seu padroeiro, enterrar os irmãos mortos e ajudar as famílias dos falecidos que não possuíssem recursos. Os principais santos de devoção das irmandades dos “homens pretos”, segundo Souza, eram Nossa Senhora do Rosário, Santa Efigênia e São Benedito.

Uberaba contava com uma grande quantidade de negros, escravos e libertos, no século XIX. O historiador Borges Sampaio relata que, no censo realizado em 1955, a vila de Uberaba tinha 1923 habitantes, sendo 1391 pessoas livres e 532 escravos, de ambos os sexos. A população do município era maior, pois a maioria dos habitantes vivia na zona rural. O censo de 1868 encontra 7681 moradores em toda a paróquia, sendo 1636 escravos. Entre os homens livres, havia significativa quantidade de mestiços e negros libertos.

Em 1839, coube ao padre Zeferino Batista Carmo (de quem já falamos aqui na coluna) propor que se erguesse na cidade uma igreja que atendesse a essa população, proibida de frequentar a Matriz. Construída com a mão de obra dos próprios negros, ela foi inaugurada oficialmente em 1842. Depois da Lei Áurea, a Igreja do Rosário continuou reunindo a comunidade negra, servindo de palco para as festas do 13 de Maio. Entre as comemorações que aconteciam na igreja no início do século XX, Borges Sampaio destaca “a festa anual dos pretos” e a “missa com ladainha em todos os sábados”, eventos que contavam com a participação da conceituada banda de música “União Uberabense”.

O surgimento de novas igrejas no bairro, como a Santa Rita e a São Domingos (1904) causou um lento abandono da igreja do Rosário. A Cúria Metropolitana deixou de cuidar da sua manutenção e o prédio entrou em decadência, num momento em que a Rua do Comércio vivia seu apogeu – não apenas como centro de negócios, mas também como porta de entrada da cidade para quem chegava pelo trem da Cia Mogiana. Seria preciso fazer uma obra cara de restauração, para a qual não havia recursos.

Diante dessa situação, o então prefeito Leopoldino de Oliveira decidiu demolir o antigo templo. Em 1927 a velha igreja foi removida para dar lugar a um largo e um jardim. Restaram dela poucas lembranças. Há apenas três fotos conhecidas: uma feita à distância por volta de 1895, do alto da Santa Terezinha, onde aparece de frente. Outra mostra apenas a escadaria que dava acesso às portas principais. Na última, ela é vista por trás, do alto do morro, já em mau estado de conservação, pouco antes de ser demolida.


(André Borges Lopes)



Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba