Mostrando postagens com marcador Barão de Ponte Alta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Barão de Ponte Alta. Mostrar todas as postagens

sábado, 31 de dezembro de 2016

ANTÔNIO BORGES SAMPAIO - UBERABA

Antônio Borges Sampaio

Nascido na província de Beira Alta, em janeiro de 1827, órfão de pai e mãe vitimas de cólera-morbo, Antônio Borges Sampaio foi criado pelos tios sem nunca ter frequentado a escola. Em novembro de 1844 Antônio Borges Sampaio aporta em Santos, litoral de São Paulo, onde permanece por cerca de três anos empregado como caixeiro em um estabelecimento comercial. Desempenhando um bom trabalho, ele é designado pelo proprietário do comércio para administrar uma filial, situada em Uberaba, onde chegou em setembro de 1847, se casou e constituiu sua família. Sampaio permanece a frente da referida filial até agosto de 1848, quando faz uma sociedade com seu futuro cunhado, o Barão de Ponte Alta, Antônio Elói Cassimiro de Araújo. Em 1851 Sampaio abre uma farmácia na cidade e gerencia ela até 1852, quando enfim a sociedade com o barão termina. Com o passar dos anos, Sampaio passa a exercer diversas funções públicas na cidade, desde inspetor de ensino (de 1852 a 1868), até diretor da Escola Normal (de1883/1885 e 1889) hoje chamada Escola Estadual Marechal Humberto Castelo Branco. Sampaio atuou também na área da Justiça e da policia, além de advogado provisionado, curador de órfãos, promotor público, contador e distribuidor, subdelegado e suplente de delegado. Na Guarda Nacional ele atinge a patente de tenente-cirurgião em 1859 e tenente-coronel chefe do Estado Maior do Comando Superior de Uberaba e Prata de 1865 a 1874. Além de todas essas atividades, Sampaio foi ainda o grande historiador de Uberaba no século XIX, área em que nesse período também se destacam Vigário Silva, Antônio Cesário da Silva e Oliveira Junior. Coronel Sampaio foi correspodente do “Jornal do Commercio” e de outras publicações do Rio de Janeiro e de Niterói por 60 anos.
“Um vago nome numa vaga rua, com afundamento melancólico na indiferença popular, eis a injustiça que se deve corrigir em relação a Antônio Borges Sampaio” (Santinho Gomes de Matos, em 1971)