Mostrando postagens com marcador cidade de Uberaba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cidade de Uberaba. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

UBERABA TEM SUA ACADEMIA DE LETRAS DESDE 1962

A Academia de Letras do Triângulo Mineiro foi idealizada por um grupo de intelectuais e escritores de Uberaba, entre eles José Mendonça, Edson Gonçalves Prata, Monsenhor Juvenal Arduini e Lúcio Mendonça de Azevedo. Foi fundada em 15 de novembro de 1962, a partir de uma reunião realizada na sede da Sociedade Rural do Triângulo Mineiro, então situada na Rua Manoel Borges, nº. 84, sob a Presidência de José Mendonça, coordenador do movimento para a sua fundação, ocasião em que foi sugerido e, posteriormente, aprovado o seu estatuto: Tem por finalidade a cultura da língua, da literatura, especialmente do Triângulo Mineiro, e o estudo dos problemas sociais e científicos, a união dos intelectuais do Brasil Central, a difusão de suas obras e conhecimentos gerais.

Reconhecida de Utilidade Pública Municipal, pela Lei nº. 1.125, de 21 de setembro de 1963; e Utilidade Pública Estadual pela Lei nº. 9.470, de 21 de dezembro de 1987, a ALTM constitui-se de 40 membros efetivos, além dos sócios correspondentes até o máximo de 40.

A eleição é feita por voto secreto, em Assembleia Geral. Cada cadeira tem o seu Patrono, que foi indicado pelo seu respectivo sócio fundador, ou pelo primeiro acadêmico que dela tomou posse. A escolha do Patrono, embora de livre vontade dos acadêmicos, teria que ser, necessariamente, de um intelectual ilustre das letras brasileiras, de preferência vinculado ao Estado de Minas Gerais e em especial à região do Triângulo Mineiro.

A ALTM foi instalada, de forma solene, em 22 de dezembro de 1962, no Salão Nobre da Associação Comercial e Industrial de Uberaba, com posse de sua primeira diretoria, eleita em 25 de novembro daquele ano, biênio 63/ 64; e de seus acadêmicos fundadores. 


Acadêmicos Fundadores:


José Mendonça, Cadeira n° 1

Santino Gomes de Matos, Cadeira n° 2

Victor de Carvalho Ramos, Cadeira n° 3

Padre Thomaz de Aquino Prata, Cadeira n° 4

Monsenhor Juvenal Arduini, Cadeira n° 5

Rui de Souza Novaes, Cadeira n° 6

Ari Rocha, Cadeira n° 7

Padre Antônio Thomas Fialho, Cadeira n° 8

César Vanucci, Cadeira n° 9

Antônio Édson Deroma, Cadeira n° 10

Raimundo Rodrigues de Albuquerque, Cadeira n° 11

João Rodrigues da Cunha, Cadeira n° 12

Augusto Afonso Neto, Cedeira n° 13

Maurício Cunha Campos de Moraes e Castro, Cadira n° 14

George de Chirée Jardim, Cadeira n° 15

Lúcio Mendonça de Azevedo, Cadeira n° 16

Quintiliano Jardim, Cadeira n° 17

João Henrique Sampaio Vieira da Silva, Cadeira n° 18

Lauro Savastrano Fontoura, Cadeira n° 19

Mário de Ascenção Palmério, Cadeira n° 20

Dom Alexandre Gonçalves Amaral, Cadeira n° 21

Jacy de Assis, Cadeira n° 22

Soares de Faria, Cadeira n° 23

João Edson de Mello, Cadeira n° 24

Pereira Brasil, Cadeira n° 25

Lycidio Paes, Cadeira n° 26

Edson Gonçalves Prata, Cadeira n° 27


 Sede da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, na Rua Lauro Borges, nº 347, em Uberaba - Minas Gerais.


==========================
Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba



domingo, 3 de novembro de 2019

ENSAIOS DE CRÍTICA CINEMATOGRÁFICA


VINTE ANOS – MIL ARTIGOS           


                                                                                                                       Trajetória e Circunstâncias 


A circulação do livro de papel caiu sensivelmente nos últimos vinte anos. Precisamente em 1999 foi iniciada em Uberaba a publicação da coleção Ensaios de Crítica Cinematográfica com a edição de um livro por ano, iniciando-se com O Cinema de Bergman, Fellini e Hitchcock. 

Conquanto não contando com nenhum apoio midiático no eixo Rio-São Paulo ou no triângulo constituído pelo eixo e Belo Horizonte, a coleção foi comercializada nessas cidades por distribuidoras nelas radicadas e que por sua iniciativa contataram o autor para essa finalidade. 

Além disso, em São Paulo, mesmo não tendo nenhuma cobertura da mídia impressa, televisiva e radiofônica, foi a coleção comercializada pela dinâmica e versátil 2001 Vídeo, que chegou a ponto de adquirir de 30 a 40 exemplares por mês de seus diversos títulos. 

A livraria Cultura promoveu os livros da coleção em seu site, adquirindo-os à medida das solicitações dos interessados. 

Livros Físicos e Eletrônicos - Guido Bilharinho.

Tudo isso, porém, esvaiu-se. Uma ou duas das citadas distribuidoras fecharam. A portentosa 2001 Vídeo, com seis ou sete grandes lojas nos principais shoppings de São Paulo, vendendo e alugando DVDs e CDs de filmes e músicas e livros sobre cinema, encerrou as portas. A Cultura está em recuperação judicial, como também a Saraiva. 

Com a mais recente edição da coleção, em 2017, do livro físico O Cinema de Hitchcock e Woody Allen, que comercializou poucos exemplares, encerrou-se também a edição de livros em papel da mencionada coleção, por sinal, a primeira, única e possivelmente em papel a última a existir e atuar no país. 

Observou-se nesse período de 20 anos (1999-2019) descenso espantoso do interesse pelo conhecimento, fruição e estudo do cinema como forma de arte e cultura e, acredita-se, de todas as demais formas de arte e de conhecimento. 

Até mesmo o acesso a filmes antigos e lançamentos de filmes de valor vem paulatinamente sendo dificultado pela crescente marginalização provocada pelas atuais gigantes de projeção de filmes, como a Netflix e o Youtube, este ainda apresentando filmes antigos, porém, raríssimos clássicos no estrito sentido cultural da arte. 

Os estabelecimentos de ensino ignoram completamente a existência da arte cinematográfica e quando neles algum grupo promove projeções de filmes, são elas presididas quase inteiramente pelo interesse temático e não cultural e artístico. 

Em consequência, tem restado para as edições de novos títulos da coleção Ensaios de Crítica Cinematográfica o amplo espaço eletrônico, no qual, no blog: https://guidobilharinho.blogspot.com/, existente desde setembro de 2017, juntamente com livros de outros gêneros, já foram editadas nada menos de dez obras sobre cinema, a exemplo de Obras-Primas do Cinema Brasileiro, Obras-Primas do Cinema Europeu, Filmes de Ficção Científica e O Cinema de Godard. 

Dois aspectos salientam-se nessa nova prática editorial: ausência de custos e planetária difusão, já tendo o citado blog, até 30 de setembro último, mais de 950 (novecentos e cinquenta) acessos nos EE.UU. e mais de 200 (duzentos) na Rússia, além de dezenas de acessos em mais de 20 países, notadamente europeus, mesmo estando os livros vazados em português. 

Livros Físicos e Eletrônicos 

Desde 1999 é editada em Uberaba, como informado no artigo anterior, a coleção Ensaios de Crítica Cinematográfica. 

Até 2017 foram publicados quinze livros físicos, enfocando tanto o cinema brasileiro quanto o cinema de outros países. 

No primeiro caso, seguiu-se o critério cronológico, contemplando o cinema nacional por décadas, iniciada pela de 1990, com dois livros, retroagindo-se em seguida aos períodos anteriores e encerrando-se esse ciclo com a obra Seis Cineastas Brasileiros (2012), contendo análises das filmografias de Mário Peixoto, Humberto Mauro, Nélson Pereira dos Santos, Gláuber Rocha, Paulo César Saraceni e Júlio Bressane. 

Já a cinematografia estrangeira abrangeu tanto estudos sobre filmes de grandes realizadores (Bergman, Fellini, Hitchcock, Buñuel, Kurosawa, Visconti e Woody Allen), quanto livros específicos dedicados aos clássicos do cinema mundo, faroeste, segunda guerra, musical e filmes dramáticos europeus e estadunidenses. 

A maioria desses livros contêm índices, fichas técnicas de filmes, classificações qualitativas e ilustrações. 

No já referido ano de 2017, quando se publicou o último livro em papel da coleção, O Cinema de Hitchcock e Woody Allen, iniciou-se a edição dos livros eletrônicos da coleção no blog editorial Um Livro Por Mês (https://guidobilharinho.blogspot.com/), já estando nele publicados, juntamente com livros sobre outros assuntos, nada menos de dez novos títulos, desde Obras-Primas do Cinema Brasileiro e Europeu a livros específicos sobre filmes de guerra, terror, ficção científico, policiais e outros temas, bem como a segunda edição consideravelmente aumentada do livro sobre Bergman e Fellini, além de obras sobre as filmografias de Antonioni, Pasolini, Godard e referentes a filmes europeus dos anos de 1990 (neste mês) e dos EE.UU. (novembro próximo), neste enfocando, além das produções convencionais, os filmes de seu excelente cinema independente. 
Tais livros eletrônicos encontram-se disponibilizados no referido blog, podendo ser gratuitamente acessados, gravados, impressos e transferidos a tablets. 

Mil Artigos 

No total, esses vinte e cinco títulos da coleção abrangem aproximadamente 1.000 (mil) artigos de análise e avaliação de filmes.

__________________

Guido Bilharinho é advogado em Uberaba e autor de livros de literatura, cinema, estudos brasileiros, História do Brasil e regional editados em papel e, desde setembro/2017, um livro por mês no blog https://guidobilharinho.blogspot.com.br/.


==========================



sexta-feira, 25 de outubro de 2019

O MORRO DA ONÇA

Uberaba tem, como em toda cidade, seus caprichos e mistérios. As verdades locais vão perdendo o viço com o passar dos dias... pois bem, quem não conhece o bucólico Morro da Onça? Por que leva esse nome? É lá, na subida da Rua Senador Pena, em direção à Igreja Santa Terezinha.... mas como surgiu essa denominação? Lembro que quando criança, ao deslocar-me ardendo em febre, nos braços de minha mãe, para enfrentar a longa fila dos desvalidos disputando ficha para atendimento médico no INPS, passava no sopé do Morro. Creio que a febre aumentava, tamanho o pavor da tal onça... mas qual o quê. Muitas febres, inúmeras filas, medo e pavor e nada, nadinha de nada dessa onça mostrar as fuças.

Rua: Senador Pena - Popularmente conhecido como "O Morro da Onça". Foto: Antonio Carlos Prata.
E com onça ou sem onça o tempo levou minha infância me fez homem. E foi aí que resolvi passar essa história à limpo. O Morro, nos idos tempos era uma mataria só, poucas casas, uma capoeira de mato fechado, lugar ermo e isolado. Algumas quadras dali, o prefeito, médico Boulanger Pucci tinha lá suas excentricidades e uma delas era criar uma bicharada em casa. Belo dia, um descuido do tratador e a malvada fugiu da jaula e foi reinar no Capão do Morro. Percebendo a fuga, Dr Boulanger, a contra gosto, no insucesso da captura da bicha viva, sabendo do perigo iminente, autorizou a força policial a passar fogo na danada. A onça morreu, a história se perdeu, mas o MORRO DA ONÇA tá lá, firme e sereno, atiçando a curiosidade dos uberabenses.


Autor: Marco Túlio  Oliveira Reis


==========================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


quarta-feira, 23 de outubro de 2019

JORNAL DE UBERABA, 33 ANOS A SERVIÇO DA INFORMAÇÃO

No meu artigo de hoje, escrevo sobre minha passagem com muita honra no Jornal de Uberaba, desde sua fundação no dia 7 de setembro de 1986. O JORNAL DE UBERABA iniciou suas atividades no prédio onde funcionava o Colégio Cristo Rei, depois mudou-se para o Palácio Episcopal, e em 1995, para sua sede própria, na avenida Leopoldino de Oliveira. Com muito orgulho, sou um dos fundadores do JU, onde trabalhei por muitos anos como repórter, repórter fotográfico e subeditor, cobrimos muitos acontecimentos nacionais, sempre com o aval de Fabiano Fideles, como sua grande e experiente visão jornalística, aprovava sempre nossas coberturas nos principais acontecimentos no país, principalmente as decisões de campeonatos esportivos em Belo Horizonte, São Paulo e Rio de janeiro, além da seleção brasileira.

Paulo Nogueira - Jornalista - Membro da Associação Brasileira de Jornalismo Científico.
Fui um dos primeiros jornalistas a ser convidado a integrar a equipe do jornal. Trabalhava com o Fabiano Fideles no Jornal de Brasília, como correspondente em Uberaba e na região, quando o Fabiano teve a ideia de montar um jornal diário em Uberaba. Fomos a luta e conseguimos o prédio onde funcionou o Colégio Cristo Rei. Ali ficamos por alguns anos, depois passamos para o Palácio Episcopal, onde após trabalhar algum tempo, fui para o Jornal O Triângulo, em Uberlândia, adquirido pelo Fabiano, onde trabalhei na redação como subeditor.

Posteriormente, retornei a Uberaba, para a Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, a convite do professor Valdemar Hial, diretor na época, para ser o assessor de Comunicação da Instituição.

No esporte por exemplo há várias passagens inéditas que acontecerem comigo. Precisando vencer o Brasil em pleno Maracanã para se classificar para a Copa do Mundo da Itália de 1990, o Chile protagonizou uma das maiores farsas da história do futebol. Com sua equipe perdendo de 1 a 0 e dando adeus ao sonho de disputar o Mundial, o goleiro Roberto Rojas se aproveitou do fato de um foguete sinalizador ter sido atirado no gramado próximo a ele, tirou da luva uma gilete, e se cortou, simulando ter sido atingido pelo artefato.

Durante o tumulto, os jogadores do Chile que estavam no banco, tentaram me tirar o equipamento fotográfico, quando notaram que havia sido o único jornalista a ter clicado o lance polêmico. Retirei o filme da máquina e coloquei dentro da meia, para minha garantia, eles queriam o filme de toda maneira. A CBF solicitou as fotos e as mesmas foram colocadas no processo contra o Chile.

Outro fato, foi uma entrevista exclusiva que fizemos com o então deputado Ullisses Guimarães, que fez na época revelações bombásticas sobre a política nacional. Registramos com exclusividade a visita do então presidente Fernando Collor ao médium Chico Xavier, também as fotos foram cedidas a todas as agências noticiosas do mundo. Foram muitas as matérias exclusivas e importantes que cobrimos, que em sua maioria eram cedidas para várias agências noticiosas. 

No dia 15 de agosto de 2016, após alguns dias internado, falece Fabiano Fideles, uma perda irreparável. Sua esposa Nancy, passa ser a diretora do jornal, até abril de 2017. Nesta data, o advogado uberabense Lawrence Borges, adquire o jornal, que com muito equilíbrio, continua fazendo do JU um órgão de imprensa sério, com um só compromisso, o de bem informar, com transparência e a credibilidade. Parabéns ao Lawrence e toda sua equipe, fazendo com que o leitor esteja diariamente sempre por dentro dos principais acontecimentos da cidade, da região, do País, e, do mundo. Meu abraço ao experiente e competente editor do JU, jornalista Júlio César de Oliveira, sua equipe, e a todos os funcionários deste prestigioso órgão de imprensa que engrandece a nossa cidade. 


Paulo Nogueira - Jornalista - Membro da Associação Brasileira de Jornalismo Científico.

==========================

Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba


MORRE O JORNALISTA E ESCRITOR SAULO GOMES

Com muito pesar e dor do coração que divulgo esta notícia. Meu amigo e meu eterno professor no jornalismo, Saulo Gomes, que me ensinou os primeiros passos na TV, morreu na madrugada desta quarta-feira (23), em Ribeirão Preto (SP).. Ele tinha 91 anos e foi vítima de um infarto. O velório está previsto para começar às 13h na Sala Diamante do Memorial Campos Elíseos. O enterro será às 10h desta quinta-feira (24). Nascido no Rio de Janeiro (RJ), Saulo ingressou no jornalismo em janeiro de 1956, quando foi o primeiro colocado entre 200 jovens que disputavam uma vaga de repórter na Rádio Continental. O nome de Gomes também consta entre os pioneiros da televisão brasileira. Entre os pontos altos da carreira dele estão entrevistas com o médium Chico Xavier: em 1968, em Uberaba (MG), e em 1971, no programa Pinga Fogo, na TV Tupi.

Saulo Gomes e Paulo Nogueira.

Saulo e Paulo Nogueira.

Aliás, consta na biografia que ele protagonizou um momento triste e histórico da televisão no país, quando, às 16h21 de 2 de maio de 1980, anunciou ao vivo que TV Tupi deixava de gerar suas imagens.

(Jornalista Paulo Nogueira)

==========================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

terça-feira, 22 de outubro de 2019

AS PRENSAS FRANCESAS DO DOUTOR EDGARD

Em maio de 1956, Uberaba celebrou seu primeiro centenário em grande estilo. Por meses, uma comissão nomeada pela Câmara Municipal encarregou-se de organizar as festas, bailes e eventos que – aproveitando o período da Expozebu – estenderam-se por todo o mês. Mas, por pouco, a celebração não deu errado: no dia 2, uma tempestade quase impediu a chegada dos aviões com convidados e acabou forçando o adiamento do desfile cívico na Praça Rui Barbosa, o ponto alto das comemorações. O Douglas DC-3 da FAB que trouxe o presidente Juscelino Kubitscheck só conseguiu pousar à noite, debaixo de forte chuva, na pista de terra do aeroporto.

Dr. Edgard (de camisa clara e gravata) supervisiona o início das obras da Produtos Ceres em Outubro de 1953.
Em meio à festa, um evento passou quase despercebido. Na manhã do dia 3, Juscelino e o governador mineiro Bias Fortes aproveitaram para conhecer uma planta industrial que estava prestes a ser inaugurada. Nos cafundós do alto da Boa Vista, ao lado da linha férrea da Companhia Mogiana, engenheiros e operários completavam os testes na fábrica da Produtos Ceres SA. Na placa da obra, uma ideia da ambição de seu criador: ali seriam produzidos óleos vegetais de algodão, arroz, amendoim, babaçu e soja. Lance ousado para uma cidade interiorana onde a população cozinhava em fogões de lenha com banha de porco e manteiga de leite. E cuja economia dependia da agricultura familiar e dos humores do mercado de gado Zebu.

Detalhe da placa:

======

Obras da fábrica de óleos vegetais

PRODUTOS CERES SA

Indústria e Comércio

            
  Algodão                                                                                                                       
                             Arroz 
                                      Amendoim
                                                         Babaçu
                                                                      Soja

Por trás dessa ousadia estava Edgard Rodrigues da Cunha. Aos 45 anos de idade, esse uberabense conhecia a realidade local mas, desde cedo, sonhava alto. Nascido na Fazenda da Cruz, no então Distrito de Uberabinha (atual Uberlândia), Edgard fora estudar Direito no Rio de Janeiro. Em 1937, voltou e deu início a uma bem sucedida carreira de advogado. Seu pai, Gustavo, havia sido um dos responsáveis por trazer a Uberaba o primeiro caminhão. No negócio dos transportes conheceu o empreiteiro Santos Guido e acabou tornando-se gerente da sua serraria.

Dr, Edgard Rodrigues da Cunha mostra ao presidente Juscelino a nova planta industrial da Produtos Ceres SA, 03/05/1956
Foto do acervo do Arquivo Nacional.
Por anos, Gustavo alimentou o sonho de montar uma fábrica de rações animais e produtos derivados de milho e mandioca. Em 1941, ele e dois de seus filhos homens, Edgard e Aparício, criaram a Produtos Ceres Ltda. Poucos anos depois, o pai decidiu passar suas cotas na companhia para os filhos, mas continuou na ativa, assumindo a chefia da produção. O engenheiro Aparício permaneceu na sociedade, mas mudou-se para ir trabalhar na construção da Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda. E coube ao advogado Edgard assumir o leme da empresa.

Planta industrial da Produtos Ceres nos anos 1960, no Alto da Boa Vista. Hoje, só resta preservado um pedaço da chaminé.

No final dos anos 1940, a Produtos Ceres já era uma indústria de destaque em Uberaba. Havia comprado um grande terreno nos limites da cidade, onde erguera um moderno galpão projetado pelo engenheiro italiano Ernesto Gullo. Com máquinas importadas dos Estados Unidos, fabricava derivados de milho para uso culinário e uma linha de rações balanceadas para bovinos, suínos e aves. Entre as modernidades da fábrica, ela dispunha de vestiário com chuveiros para os operários, coisa rara nessa época. Mas Edgard não estava satisfeito. Alinhado com o espírito desenvolvimentista da época, ele queria montar uma grande indústria que alavancasse o potencial agrícola da região e oferecesse empregos de qualidade à população uberabense.
Equipamentos franceses da Produtos Ceres SA. Foto: Prieto.
Desde meados do século XIX – quando fora inaugurada a fábrica de tecidos do Cassu – tentava-se incrementar a produção de algodão no Triângulo Mineiro. O uso têxtil do algodão gerava como subproduto grande quantidade de caroços que, por muito tempo, eram descartados. Foram os norte-americanos que primeiro desenvolveram um processo para extrair dessas sementes um óleo que, purificado e desodorizado, servia como alternativa alimentar à gordura animal. No início do século XX, outros grãos como o amendoim e a (então pouco conhecida) soja, também começaram a ser usados com essa finalidade. Todos esses processos industriais dependiam de maquinário caro e sofisticado. Por isso, apenas grandes empresas (em geral multinacionais) se arriscavam nesse setor. Mas Dr. Edgard não se intimidou e começou a mexer os pauzinhos.

Equipamentos franceses da Produtos Ceres SA. Foto: Prieto.
O primeiro dever de casa foi pesquisar. No início de 1952, entrou em contato com industriais norte-americanos e europeus, buscando a melhor alternativa técnica e os custos mais atraentes. Em algumas das correspondências trocadas nessa época, Edgard questiona os fabricantes sobre novos métodos de extração de óleo que, recentemente descobertos, sequer estavam disponíveis para venda. Um nível de interesse e de conhecimento técnico surpreendente para alguém que não tinha formação na área, especialmente numa época em que o acesso a informação atualizada era muito mais difícil do que hoje.

Vista externa da fábrica da Produtos Ceres. Foto: Prieto
Foram meses de perguntas, projetos, propostas e acertos comerciais. Edgard acabou fechando o negócio com ajuda da Sobemec, do Rio de Janeiro – um escritório de representação de grandes empresas francesas. Da França viriam as prensas, os equipamentos de purificação e a sofisticada tecnologia para a extração dos óleos com uso de solventes. Para levantar o capital necessário, Edgard transformou a Ceres em Sociedade Anônima e convidou para assumir a presidência o Sr. João Severiano Rodrigues da Cunha (conhecido como “Coronel Joanico”), empresário respeitado, que já havia sido prefeito de Uberlândia por três mandatos.

Anúncio da Produtos Ceres no jornal Lavoura e Comércio

O fornecimento de energia elétrica – ainda precário nessa época – e da matéria prima para a usina seria um segundo desafio. Foi preciso montar um grupo gerador próprio e, por muitos anos, a Produtos Ceres (em parceria com o Banco do Brasil) estimulou o plantio de milho, algodão e amendoim em Uberaba e nos municípios vizinhos. A empresa garantia aos agricultores a compra de toda a safra colhida, pagando o preço praticado na Capital Paulista, abatido o custo do frete. Mas boa parte dos grãos teria de vir do noroeste do estado de São Paulo, onde as culturas já estavam mais consolidadas. Toda semana, toneladas de carga chegavam em vagões da Cia. Mogiana carregados de caroços de algodão vindos da outra margem do Rio Grande.                                      
                                                       
Cartão com a linha de óleos vegetais da Produtos Ceres.

Ao mesmo tempo, era preciso levantar os recursos para a obra. Edgard, que fora diretor da Sociedade Rural do Triângulo Mineiro, buscou investidores entre os pecuaristas da região. Oferecia aos futuros acionistas da Ceres a garantia do fornecimento de “tortas” para alimentação bovina nos meses de seca – um subproduto altamente nutritivo da extração do óleo de algodão. Além disso, suas boas relações com JK, desde o tempo em este que ocupava o governo de Minas, facilitaram a liberação das linhas de crédito e das divisas em moeda estrangeira para a importação do maquinário.

Em outubro de 1955, cinco carretas trouxeram do Porto de Santos as novas máquinas. Com elas, vieram técnicos e um engenheiro francês, encarregados da montagem e de treinar o pessoal. No terreno da fábrica, que fora ampliado por novas aquisições, silos, galpões e prédios administrativos já haviam sido erguidos sob medida, projetados em estilo moderno pelo arquiteto Germano Gultzgoff. No final do ano seguinte, poucos meses após a visita de Juscelino, os mercados do interior do Brasil começavam a receber as latas do óleo de algodão Banquete e do óleo de amendoim Bem Bom. As Indústrias Matarazzo e as multinacionais Swift e Anderson Clayton tinham na pequena Uberaba um novo concorrente.


(André Borges Lopes / Uma primeira versão desse texto foi publicada originalmente na coluna Binóculo Reverso do Jornal de Uberaba.



===========================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba

sábado, 19 de outubro de 2019

A SRTM NA RUA SÃO SEBASTIÃO E OS ZEBUS NO "QUINTAL DO BISPO"

Entre 1935 e 1940, a Sociedade Rural do Triângulo Mineiro (SRTM, antecessora da ABCZ) realizou suas exposições de gado Zebu em uma sede provisória que ficava na Rua São Sebastião, a pouco mais de uma quadra da Praça da Matriz.

Palácio Episcopal, o "quintal do Bispo".

Hoje há nesse local (nº 183) um edifício residencial (Condomínio São Jerônimo). A sede se comunicava com um enorme terreno descampado que havia aos fundos, onde ficavam os estábulos cobertos. Em 1938, a revista O Cruzeiro fez uma matéria sobre a "Rural" e seus diretores.

Matéria publicada na Revista Cruzeiro de 14/05/1938.
Acervo da Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional.

Posição aproximada do terreno da sede provisória da SRTM e da área ao fundo, onde foram realizadas as exposições da gado Zebu entre 1935 e 1940.
Foto atual do Google Maps.


Livro "ABCZ 100 ANOS: história e histórias", lançado em 25 de abril de 2019.

Com a inauguração do prédio da SRTM na Rua Manoel Borges (1940) e do Parque Fernando Costa (1941) a sede provisória foi desativada e vendida.

Essa história é contada em um trecho do livro "ABCZ 100 ANOS: história e histórias", de Maria Antonieta Borges Lopes e Eliana Mendonça Marques de Rezende, lançado em 2019, durante a última Expozebu.

(André Borges Lopes)


====================


A EXTINÇÃO DA HBZ E A SEDE PROVISÓRIA


"As primeiras reuniões da nova sociedade realizaram-se na residência de Joaquim Machado Borges na Praça Rui Barbosa (Palacete Machado Borges, prédio tombado que hoje hospeda a Fundação Cultural de Uberaba), mesmo local onde anteriormente se faziam os encontros da Associação do Herd Book Zebu.

Logo na primeira reunião, ficou decidido que a SRTM incorporaria e assumiria as funções da HBZ (que foi extinta) – retomando a luta para a oficialização do registro junto ao Ministério da Agricultura. Em dezembro de 1934, os Estatutos da SRTM foram modificados: foi criado o Conselho Técnico do Serviço de Registro e também a Associação Brasileira de Gado Zebu (dentro da estrutura da SRTM), cabendo-lhe o registro genealógico das raças Indubrasil, Gir, Guzerá e Nelore.

Em fevereiro de 1935, a Sociedade Rural adquiriu de seu associado João Ferreira Gabarra um terreno situado à Rua São Sebastião, próximo ao centro da cidade. O engenheiro Abel Reis foi o responsável pela adaptação do local para sediar a associação e acomodar as exposições anuais de gado. No mês seguinte, as reuniões já se transferiram para a nova sede. Segundo informou um antigo funcionário, apesar da entrada imponente, o prédio era extremamente precário, semelhante a um grande barracão.

A primeira exposição realizada no local foi aberta no dia 2 de junho de 1935, que é também data provável da inauguração oficial da sede provisória. Os currais e estandes eram montados pelos próprios expositores nos fundos do terreno, que emendava com uma área descampada que havia atrás do Palácio Episcopal – conhecida por isso como “quintal do Bispo”.

A sede provisória alojou seis edições anuais da exposição, entre 1935 e 1940. Foram, basicamente, reuniões de trabalho e de negócios. Ainda que estivesse a poucos quarteirões da praça da matriz, a severa limitação do espaço disponível impossibilitava que a SRTM desse ao evento o caráter popular e recreativo dos certames de 1911 e 1934. Ao fim de cada dia, os animais expostos tinham de ser levados para chácaras nas vizinhança da cidade, retornando na manhã seguinte."

====================

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba


quarta-feira, 9 de outubro de 2019

O PIANO ERUDITO DE DINORAH

Corria o mês de julho de 1934 e Uberaba estava em festa. Inaugurada no mês anterior, a Exposição Feira Agropecuária espalhava-se pelo amplo terreno da Santa Casa oferecendo atrações inéditas à população: cassino, shows musicais, circo, restaurante e parque de diversões. Nunca antes a pacata cidade havia visto um evento dessa dimensão. Aberta ao público por mais de 30 dias, o enorme sucesso da Feira animou os pecuaristas uberabenses a fundar a Sociedade Rural do Triângulo Mineiro (antecessora da ABCZ) que desde então passou a realizar as exposições anuais de gado zebu. Mas a agitação não se limitava ao recinto da Feira. Na noite de 11 de julho, a Prefeitura aproveitou a ocasião para receber com pompa uma consagrada artista uberabense, no auge de sua carreira. No salão nobre do Paço Municipal da praça Rui Barbosa, apresentou-se a pianista e compositora Dinorah de Carvalho.

Dinorah de Carvalho em 1919 – revista "Vida Moderna" (SP).

Segundo sua certidão de nascimento, Dinorah Gontijo de Carvalho nasceu em Uberaba, no dia 1º de junho de 1895 em uma família grande e abastada: era filha do comerciante (e músico amador) Vicente Gontijo e de Dona Julia de Carvalho Gontijo. Residiam em um sobrado no início da antiga Rua do Comércio (atual Artur Machado) onde, décadas mais tarde, funcionou por certo tempo a agência local dos Correios. Com a morte de Vicente, em 1904, a mãe mudou-se com os filhos mais jovens para a capital paulista. No ano seguinte, aos 10 anos de idade, Dinorah foi matriculada no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, onde teve aulas com o professor Carlino Crescenzo e fez amizade com os colegas Mário de Andrade e Francisco Mignone. Data de 1912 sua primeira composição: uma valsa intitulada "Serenata ao Luar". Diplomada com nota máxima em 1916, seu enorme talento como pianista não tardou a ser notado. Um ano depois, fez sua primeira apresentação profissional em Uberaba.

Programa da apresentação de Dinorah em Uberaba no jornal Lavoura e Comércio, 11/07/1934.

No final de 1920, o Congresso Legislativo de Minas Gerais lhe concedeu uma bolsa de 20 contos de reis para um aperfeiçoamento na Europa. No ano seguinte, Dinorah já vivia em Paris, tendo aulas com o pianista e compositor húngaro Isidor Philipp. A temporada na França impediu que participasse da Semana de Arte Moderna, organizada por seus amigos paulistanos. Em troca, sua música ganhou os ares do Velho Mundo: em dezembro de 1922, Dinorah e a também pianista e cantora Sigrid Nepomuceno (filha do compositor cearense Aberto Nepomuceno) interpretaram Villa-Lobos e outros autores brasileiros em um concerto que foi transmitido ao vivo pelo recém inaugurado “serviço de rádio telefonia” da Torre Eiffel.

Primeiras linhas da música "A Ti Flor do Céu" em partitura manuscrita por Dinorá de Carvalho.

De volta ao Brasil em 1924, Dinorah foi apresentada por Mário de Andrade ao maestro italiano Lamberto Baldi e incentivada a se dedicar à composição erudita – um território quase exclusivamente masculino na época. Nas décadas seguintes, Dinorah escreveu mais de 100 obras para instrumentos solistas, corais, coral e orquestra, conjuntos de câmara, piano e orquestra, orquestra sinfônica, além de música para teatro e canções. Fez arranjos para canções de tradição africana, musicou peças folclóricas e textos de poetas como Menotti del Picchia, Cassiano Ricardo, Carlos Drummond de Andrade e Cecília Meireles. Seu pioneirismo abriu as portas para que outras mulheres se dedicassem ao ofício de compor.

Ao mesmo tempo, consagrou-se também como intérprete, regente e professora. Nos anos 1930, organizou audições de piano na Radio Educadora Paulista e criou a Orquestra Feminina São Paulo, sendo a primeira mulher a dirigir uma orquestra no Brasil. Em dezembro de 1936, compôs as músicas e regeu, no Teatro Municipal paulistano, a produção "Noite de São Paulo" – uma fantasia em três atos com versos de Guilherme de Almeida e textos de Alfredo Mesquita e Mário de Andrade. Em 1939, foi nomeada inspetora de ensino superior no Conservatório Dramático e Musical, onde trabalhou até a aposentadoria. Na década de 1940, tornou-se a primeira mulher a integrar a Academia Brasileira de Música. Criadora de um método inovador de ensino musical, montou em casa uma escola particular que formou dezenas de pianistas. Em 1954, recebeu a medalha de ouro do IV Centenário da Fundação de São Paulo por seu trabalho de formação musical das crianças paulistas.

Dinorah casou-se em 1938 com o paranaense José Bittencourt Muricy, que era seu admirador e oito anos mais jovem – uma tremenda ousadia para a época. Viveram juntos por 40 anos, até a morte de Muricy em 1978. Não tiveram filhos, mas a tradição musical da família teve continuidade por meio de um sobrinho (filho de uma irmã mais velha de Dinorah): o também uberabense Joubert de Carvalho.

Em 1960, Dinorah voltou à Europa, dessa vez como convidada do Ministério da Educação e Cultura para uma Missão Cultural, onde apresentou suas obras e as de outros compositores brasileiros. Em 1969, compôs "Salmo XXII do Rei David, o bom pastor", peça para barítono e seis instrumentos, baseada nos versos bíblicos traduzidos por Goffredo Telles. Atuou ainda como crítica musical em periódicos paulistas – dentre os quais a revista Vanitas e os jornais A Noite e Diário de São Paulo – e foi integrante da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte). Faleceu em 1980, muito lúcida e ativa aos 84 anos de idade, vitimada por um enfarte.

Após décadas de relativo esquecimento, nos últimos anos suas composições têm sido recuperadas por pesquisadores acadêmicos. Não encontrei registro de que ela tenha se apresentado novamente em Uberaba. Mas o programa daquela noite de julho de 1934 reserva uma curiosidade. Dividido em três partes, na primeira e na última Dinorah interpretou peças clássicas de Brahms, Beethoven, Chopin e outros. Na segunda, mostrou composições próprias e, dentre essas, fez a primeira apresentação de um curioso “Estudo só para a mão esquerda”, (composta, talvez, como homenagem à sua colega Sigrid Nepomuceno). Infelizmente, a partitura manuscrita dessa peça pouco usual perdeu-se no tempo.

Quem tiver interesse em conhecer o repertório da virtuose e compositora erudita uberabense pode encontrar algumas de suas músicas no YouTube (buscando pela grafia atualizada do nome: Dinorá de Carvalho) ou então na página https://www.dinoradecarvalho.com, organizada pelo músico e pesquisador Flávio Carvalho.

(André Borges Lopes – uma primeira versão desse artigo foi publicada originalmente na coluna Binóculo Reverso do Jornal de Uberaba em 29/09/2019)


====================



Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

JUDOCA UBERABENSE NO JAPÃO

Em 1980, o judoca Sergio Leite Neto – pertencente ao Centro Educacional Desportivo de Judô Oriente e integrante da Seleção Brasileira de Judô – foi convocado para competir nas Olimpíadas de Moscou. 

Afrânio e Tranquilo. (Foto do acervo pessoal de Tranquilo Baliana)

Professor Afrânio de Almeida (1938-2010) fundador do Centro Oriente e grande incentivador do judô em Uberaba – ao lado do judoca Tranquilo Baliana em uma cerimônia de mudança de faixa em 1967.

Recorte - Jornal Lavoura e Comércio.

O grupo fez uma temporada de preparação de dois meses no Japão. Por uma infelicidade, Sérgio machucou-se e não pode acompanhar a Seleção nas Olimpíadas. Era o único atleta de Minas Gerais a ter alcançado esse patamar.


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba


EI MOÇOS ! (*)

HOMENAGEM AO DIA DO IDOSO


Jovem passa pelo idoso
Como se não visse Ninguém 
Um dia verá quão é doloroso 
Ser ignorado assim também 

Existem jovens bem educados 
Que respeitam a longevidade
Outros até são bem letrados
Mas estão longe da civilidade

O que de errado o idoso fez?
Além de fazer o mundo atual?
Agora não pode ter a sua vez ?
Com tratamento digno e leal?

A juventude surge e passa
Como o vento que sopra e vai 
Feito uma rosa cheia de graça
Que murcha no galho e cai 

Jovens! A criança o adulto e o idoso
Respiram o mesmo ar feito por Deus
Por quê tratar de jeito desdenhoso
Aquele que construiu os dias seus?

Ceder o assento ao idoso é educação
Dar seu lugar a ele nas filas é fineza
Ignorar tudo isso traduz desatenção 
Somada à absoluta falta de lhaneza

Vi uma mãe idosa chorando
Por uma agressão que sofreu 
Seu coração estava sangrando
Um tapa na face a filha lhe deu

Tonico e Tinoco cantam:
“Todo veio já foi moço
Todo moço foi criança
A veisse é o fim da vida
Onde morre a esperança”

Deus com seu senso Supremo 
Da destinos sempre especiais
Aos filhos que tratam com amor extremo 
E àqueles que espezinham a seus pais

Oh! Estatuto do Idoso
Feito com o fim de protegê-lo
Dar tratamento carinhoso
A quem fez por merecê-lo

Ei moços! Procurem amar e respeitar!
Os nossos idosos e serão respeitados 
A hora de vocês certamente vai chegar
E lá na velhice serão julgados

Prestes à morte de um patriarca idoso
Indagaram-lhe:o que quer realizar?
Enfático ele se expressou desejoso:
“Sonho ver o velho no seu devido lugar”


(*) - João Eurípedes Sabino.
* Presidente da Academia de Letras do Triângulo Mineiro
* Membro da Academia Municipalista de Letras de Minas de Minas Gerais
* Cronista do Jornal da Manhã e Rádio Sete Colinas-Uberaba/MG/Brasil.




Cidade de Uberaba


24 ANOS NA FALTA DELE...

Oi, turma!


(Cidadania ! Um bem que se deve conservar.)


Uberaba perdeu Mário Palmério


Em 24/9/1996, a maior personalidade cultural, educacional e política de toda a nossa história. Nascido em Monte Carmelo (MG), a família veio nos anos 20 para Uberaba. Palmério, aqui estudou, formou sua vocação, tanto para o magistério quanto o político. Fim dos anos 40, quando mais acesa era a luta de classe no país, começava a despontar a sua grande visão para os problemas brasileiros e em especial os de Uberaba. Estudou no Colégio dos Maristas, onde desejou e teve cumprido esse desejo, seu corpo foi velado na tradicional capela.

Ocuparia páginas inteiras, lembrando Mário Palmério, o único político que teve a coragem de “peitar” e quebrar as arcaicas estruturas da terrinha e os “coronéis” que a dominavam com mãos de ferro. Aliás, ainda hoje, com roupagens diferentes, os descendentes e afilhados daquela velha oligarquia, contando com o bafejo e comodismo de uma imprensa trôpega, quase sempre, dão as cartas na cidade em que mudaram até a data de sua elevação a condição de cidade e ainda querem mantê-la como “currutela”.

Mário Palmério. Foto/Reprodução.

Palmério, com bravura, força, estoicismo e coragem, evitou que isso acontecesse. Daí, a ira dos ricos e poderosos contra aquele jovem destemido e valente, que não teve medo de enfrentar a opulência, os endinheirados que a tudo e a todos compravam, inclusive seus atos e opiniões. Os velhos caciques da terrinha, sucumbiram ante a vontade indômita daquele “professorzinho”. Sem abandonar seu irresistível desejo de ensinar, fundou o Colégio Triângulo, misto e para todas as classes sociais. Vieram depois, os cursos superiores, Odontologia, Direito, Engenharia, entre outros, transformando a vida cultural e econômica de Uberaba, avariada na metade da década de 50.

Uberaba, era uma cidade “quebrada”, endividada, com a queda do zebu. Foi quando Palmério despontou. Criar a Universidade, seu grande sonho. Concretizou. Na política , venceu os “barões” quantas vezes quis. Escrevo, sem medo de errar, Uberaba, históricamente, deve ser dividida em duas eras. – antes e depois de Mário Palmério.- Na política, teve atuação soberba. Arrebentou os grilhões que emperravam a grandeza de Uberaba. Médicos, advogados, dentistas e engenheiros, eram privilégios dos ricos, em condições de manterem os filhos estudando nos grandes centros culturais.

Formados, eram recebidos na “gare” da Mojiana, com foguetório, passeata e banda de música. Mário Palmério, desmontou essa ostentação. Trouxe as Faculdades onde os jovens podiam ombrear-se aos “ doutores recém chegados”. Sem distinção de classe social, raça, cor ou credo, Palmério, alargou os horizontes da nossa juventude, antes por domínio espúrio, vivendo com vizeiras e tapa- olhos, sem perspectivas de crescimento educacional e profissional. Profetizando Maomé, “ ele trouxe a montanha aos nossos pés”.

Hoje, Uberaba, orgulha-se do trabalho de Palmério. Enfrentando inimigos traiçoeiros, áreas adversas que tentavam manter os privilégios, venceu todos os obstáculos. Como deputado federal, sozinho, fez muito mais que todos os outros políticos de Uberaba, juntos e agrupados. Amigo das maiores personalidades brasileiras da época (JK.Getúlio, Tancredo, Jango, Santiago Dantas, Itamar Franco, entre outros ), teve seu nome indelevelmente marcado nessa, hoje, sofrida e quase órfã de liderança, a nossa muito amada e querida Uberaba.

(Luiz Gonzaga Oliveira)




Cidade de Uberaba

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

UBERABA DE MINHA INFÂNCIA

Madrugada. Ao longe os grunhidos de um cão quebram o silêncio da noite enluarada. Acordo. Abro a janela e vejo, no céu de nuvens tartamudas, a lua cheia triunfante no espaço sideral que Deus lhe reservou. Os prédios e árvores mais altos quebravam os raios auríferos que banhavam nossa Uberaba no seu natalício. 

Não sei como ou siquer porquê mas, lentamente, desprende-se de meu corpo a alma, quem sabe o espírito ou apenas a mente e vai se misturando às ruas, praças, à cidade enfim. Encontro-me com o passado em épocas diferentes naquele passeio cósmico nos locais onde passei minha infância e juventude. As saudades estão guardadas silenciosamente em minha memória.

Inicio a jornada a bordo da Rede Mineira de Viação no trecho Amoroso Costa estação da Rede que ficava onde hoje se ergue a Rodoviária. Os trilhos na rua Cel Joaquim de Oliveira Prata, a fumaça estonteante, as brasas entrando pelas janelas e lá fora poucas casas, além do apito estridente e prolongado: assim era a chegada de quem vinha da capital montanhesa, após mais de 30 horas. Chego à estação e, em frente, vejo o Prado. Enorme arquibancada servia aos aficionados em corridas a cavalo. Desativado, passou a receber alunos após as aulas para um futebol animado. Me vi ali com o Erasto, o Luiz Humberto, Milberto Scaf, Antônio Franco, Hely Tarquínio, Luiz Hueb, Ildeu Bertoldi, Lester, Nilo, Adalberto, Romes Castanheira e tantos outros colegas do Colégio Triângulo.

Saindo do local dirijo-me ao mangueiral que havia na Vila Maria Helena. Quarteirões das famosas mangas Sabino entre as ruas Cruzeiro do Sul e Major Eustáquio. As mesmas mangas que se encontravam nos mangueirais da Avenida da Saudade e da antiga rua Carangola, aos milhares de pés desta fruta adorada principalmente pelas crianças e adolescentes. Desço até o local onde seria no futuro a Av Santos Dumont: mato denso, córrego límpido e aberto, pequenas lagoas na época de chuva onde nós, moleques, nadávamos , éramos felizes e não sabíamos... De lá avistávamos a Chácara da Manteiga onde hoje é a Av Pedro Salomão. Nos fundos da Chácara construíamos “entancados” no córrego, feitos com troncos de árvore, mato, argila e o que mais aparecesse. O que nos interessava era ver um “poço” para nadar. Havia muita água limpa, árvores, 
pássaros, liberdade para a meninada...Agostinho, Bené, Bugre, Zicada, Sapatão, Ticoco, Ely Boy, Nego Boy, Delcino, Varistim, Vicente, Pedroca, Geraldão e tantos outros “moleques” da Vila...

Continuando meu passeio espiritual vejo-me na Praça Ruy Barbosa onde, no coreto, a Banda do 4º BPM povoa os ares com acordes românticos: Aqueles Olhos Verdes, Perfídia, Tequila... No cine São Luiz enorme fila para assistir Doroty Dandridge e Harry Belafonte em Carmen Jones. Enquanto isto nas escadarias da Catedral D.Alexandre profere o Sermão das 7 Palavras para centenas de fiéis atentos e cheios de fé.

Desço até a Leopoldino de Oliveira, passando pela porta do centenário Lavoura e Comércio que, em um mural na parede, anuncia a abertura da semana santa com suas comemorações religiosas. Próximo vejo o Bar do Mosquito, o salão de snooker do Sarong, a livraria ABC, a farmácia do Sr Zequinha, a escola Normal, a inesquecível Notre Dame e tantos outras saudades...

Na Leopoldino o córrego aberto e ainda límpido, coroado por árvores e ausência de poluição. Armazém Central, cine Metrópole e lá no final da Artur Machado a frondosa gameleira...

Na porta do Grupo Minas Gerais vejo centenas de colegas: Rodrigo Sarmento, Carlos, Daniel Fabre, Benedito, Agostinho, Puccega, Rosália Bunazar, Auricedes, Miriam, Maria Antonieta, Maria Auristela, e tantas mais. Também vi as mestras, lideradas por d. Esmeralda Rocha Bunazar, eterna diretora e Maria de Lourdes, Tereza de Melo, Rita, Elza e muitas outras...

Subo a Guilherme Ferreira que existia somente até a Carlos Rodrigues da Cunha. Me vejo saindo do Colégio Triângulo junto aos mestres Cavatorta, Olga Oliveira, Kalapodopulus, Nair, Terezinha Maciotti, Perez, Guimarães, Silveira, Puhler, Koshiba, Pepão, Pepinho, Marinho, Lemos, o disciplinário Manoel... Dali para frente fundos de quintais e o córrego que serpenteando era coberto por pinguelas nas ruas Constituição e Dr Ludovice. Mais à frente a frondosa “Mata das Freiras”.

No Abadia escutei o som do alto falante da igreja: “ave Maria, cheia de graças...” velas nas mãos, contritos, os fiéis acompanham a procissão mais tradicional da região; “o senhor é convosco, bendito sois vós...” – pés descalços, terços nas mãos, pedras na cabeça... tudo é fé, tudo esperança em N Senhora; “ entre as mulheres, bendito é o fruto...” – e lá se vai a procissão... Terminada a mesma o alto falante continua com músicas da época: – “alguém oferece a alguém e este alguém sabe quem”. Que beijinho doce, foi ela quem trouxe, de longe prá mim – era campeã.

Mas o sonho acordado está acabando... fecho a janela e retorno ao meu leito onde durmo, retornando de onde era muito feliz, e não sabia...

(Dedico este artigo a meu mestre de Português, saudoso prof José Guimarães e à minha querida Uberaba. Infelizmente há controvérsia sobre a data certa do aniversário. Voltarei ao assunto oferecendo uma sugestão para acabar com este infausto acontecimento)


(Hely Araújo)


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba


segunda-feira, 23 de setembro de 2019

SONETO: “O GATO DA ACADEMIA”

Quem poderia imaginar
Que em nossa Academia 
Um gato fosse madornar
Em pleno sol do meio dia


Busto do imortal Mário Palmério. Foto: João Sabino. 

O busto de Mário Palmério 
Serviu de cama acolhedora
Desligou-se e sem vitupério 
O gato na sombra protetora

O felino seu pulo não ensina
Palmério jogou a forma fora
Ambos convivem na esquina

Bem-vindo belo gato vigilante 
Da Casa que a cultura aflora
Seu leito aqui será constante!


João Eurípedes Sabino - Presidente da Academia de Letras do Triângulo Mineiro - Uberaba/Minas Gerais/Brasil.


Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba  
                      

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

História de Uberaba

Uberaba está inserida em uma região que já pertenceu à Capitania do Espírito Santo, São Paulo, Goiás e finalmente Minas Gerais. 


De 1660 a 1670 a Região do Triângulo Mineiro, onde está localizada a cidade de Uberaba, era conhecida como Sertão do Novo Sul, Sertão Grande, Sertão Sul e Geral Grande. Posteriormente, passou a ser conhecida como “Sertão da Farinha Podre”, termo nascido em 1807, quando uma bandeira saiu do Desemboque e invadiu os sertões do Pontal do Triângulo Mineiro até as margens do Rio Grande. Para justificar a denominação “Sertão da Farinha Podre” os viajantes deixavam sacos de farinha no caminho para se alimentarem na volta. Ao retornarem ao local encontravam a farinha apodrecida. Outra explicação mais plausível para a denominação é que seria originária de uma região portuguesa de onde vieram alguns portugueses exploradores. 

Centro de Uberaba - Foto - Arquivo Público Mineiro. Ano:1900

Finalmente, em 1884 a região ficou conhecida como Triângulo Mineiro, denominação idealizada pelo Dr. Raymond Henrique Des Genettes, médico francês, jornalista e político, radicado em Uberaba, por saber que a região situava-se entre os rios Grande e Paranaíba, terminava na junção desses dois rios, formando o Rio Paraná, e apresentava a forma aproximada de um triângulo. 

Os primeiros habitantes da região foram os índios tupis, depois os tremembés, os caiapós e os araxás, de tradições seminômades, cujas tribos se movimentavam de um local para outro. Eles viviam em grupos de poucas famílias, com simplicidade e sobreviviam do que a natureza oferecesse. 

Portugal passou a ter interesse pela Região a partir dos fins do século XVI, tendo como objetivo encontrar os minerais preciosos, amansar os índios e, se fosse preciso, até exterminá-los para que as metas da Coroa Portuguesa fossem cumpridas. 

A primeira investida do colonizador português, ou seja, do homem branco, sobre a Região do Triângulo Mineiro, começou em fins do Século XVI, precisamente a partir do ano de 1590, data da primeira “bandeira” (expedição), chefiada pelo capitão Sebastião Marinho, que partiu de São Paulo e atingiu o Rio Tocantins, em Goiás. 

Por volta de 1600 surgiu a Aldeia de Santana do Rio das Velhas (hoje Araguari), considerado o primeiro núcleo de povoamento branco na área que seria o futuro Estado de Minas Gerais, fundado pelos padres jesuítas com o objetivo de aculturar os índios, ou seja, catequizá-los. 

Posteriormente, inúmeras “bandeiras” paulistas foram organizadas ao longo dos séculos XVII e XVIII, com a mesma finalidade. As mais significativas para a Região do Triângulo Mineiro são descritas abaixo: 

– Em 1615 partiu de São Paulo uma “bandeira” liderada por Antônio Pedroso de Alvarenga que atravessou a Região do Triângulo Mineiro com destino a Goiás. 

– Outra “bandeira” partiu de São Paulo em 1682 e também atravessou o Triângulo Mineiro até alcançar Goiás, sendo liderada por Bartolomeu Bueno da Silva (o velho Anhanguera) que levou seu filho Bartolomeu Bueno da Silva Filho de apenas 12 anos. 

– Em 1722 partiu outra “bandeira” de São Paulo rumo a Goiás, visando para a abertura de uma estrada para a exploração de minas de ouro, prata e pedras preciosas. Essa missão ficou a cargo de Bartolomeu Bueno da Silva Filho (filho de Anhanguera). Ao passarem pela região se depararam com os índios caiapós. Essa expedição era composta por 152 homens, entre os quais 20 índios carregadores, 3 religiosos, 20 índios, 1 mascate francês e 39 cavalos. Ela partiu de São Paulo seguindo os rios Atibaia, Camanducaia, Moji-Guaçu, Grande (Porto da Espinha), passando em Uberaba, a sessenta metros dos fundos do atual cemitério São João Batista. Depois a expedição continuou a viagem em direção ao Rio das Velhas e penetrou em Goiás pelo Rio Corumbá. Segundo alguns relatos da época, a expedição passou por terras de Uberaba. Esta rota ficou conhecida como Estrada Real ou Anhanguera, que consistia em um importante caminho para que as autoridades portuguesas implantassem a colonização, a produção e escoamento dos minerais preciosos. Na verdade, a maioria das riquezas minerais do Brasil-Colônia foi levada para Portugal e utilizada para o pagamento de suas dívidas em relação à Inglaterra. 

– Posteriormente, a expedição do filho de Anhanguera fundou em 1725 o povoado de Vila Boa em Goiás. Dessa forma foi aberta a estrada que passava pelas terras de Uberaba. Por esse feito, Bartolomeu Bueno da Silva Filho recebeu como recompensa a nomeação de Capitão-Mor Regente das minas de Goiás e o direito de conceder “sesmarias” (concessão de terras para povoamento). 

– Em 1727,Antônio de Araújo Lanhoso foi o primeiro homem branco que se fixou na região de Uberaba e um dos primeiros a receber sesmarias ao longo da estrada de Anhanguera, a 15 km de Uberaba, no córrego do Lanhoso, que corre paralelo à rodovia para Uberlândia. 

– Outra estrada denominada Picada de Goiás foi aberta em 1736, saindo de Minas Gerais e passando do lado oriental da Serra da Canastra, atingindo terras de Araxá em direção à Vila Boa. A estrada foi terminada em 1738, ligando as minas goianas a São João Del Rei e Vila Rica. Ao longo dessas estradas foram concedidas também sesmarias, ou seja, terras que aos poucos foram sendo ocupadas pelo colonizador branco. 

Uberaba tem, então, a sua origem na ocupação do Triângulo Mineiro, que ficou sob a jurisdição de Goiás até 1816, quando a região passou a pertencer à província de Minas Gerais, de acordo com o Alvará de D. João VI, de 04/04/1816. 

A exploração e o povoamento de todo o Triângulo Mineiro, de modo geral, ocorreu, como em todo o “Brasil-Colônia”, pelo amansamento e extermínio das populações indígenas e dos negros nos quilombos. As estradas para a Região do Triângulo Mineiro e Goiás tornaram-se palco de batalhas entre os exploradores dos sertões e os índios. A invasão de terras indígenas provocou muitas vezes sangrentas guerras contra os caiapós, no antigo Sertão da Farinha Podre (Triângulo Mineiro). Vários quilombos também foram ameaçados pelos exploradores brancos. 

Diante dessa insegurança, o governo de Goiás viabilizou o policiamento das estradas e nomeou, em 1742, o coronel Antônio Pires de Campos Filho para policiar, amansar e até mesmo exterminar os índios caiapós da região do Triângulo Mineiro. Fato constatado com a matança dos caiapós, sendo em sua maioria derrotados, submetidos e alojados também com tribos bororo, do Mato Grosso, em 18 aldeias ao longo da estrada. Uma dessas aldeias de índios mansos (Aldeia de Uberaba Falso) ficava onde se fundou Uberaba, próxima à Barra do Córrego da Lage. O coronel instalou apenas quatro dessas 18 aldeias ao longo da Estrada de Anhanguera para proteger as caravanas que nela trafegavam. Mais tarde, em 1751, o coronel Pires de Campos faleceu em Paracatu, vítima de uma flechada, ocasionando septicemia. 

Em 1766 foi criado o Julgado de Nossa Senhora do Desterro das Cabeceiras do Rio das Velhas (Desemboque), sob a administração de Goiás, abrangendo a região do Triângulo e quase todo o sul de Goiás. Era um local rico em minas auríferas e de intensa exploração. A posse desse arraial pelo governo de Goiás era vantajosa aos moradores de Minas Gerais, pois estavam livres do pagamento de imposto sobre minerais, denominado “derrama”, cobrado em Minas Gerais. Desemboque teve o seu esplendor até 1781, quando as minas auríferas se esgotaram. Algum tempo depois grande número de pessoas migrou para outras terras, ou seja, para o Arraial de Uberaba, fundado por Major Eustáquio. Portanto, a história do Desemboque é de fundamental importância para compreender o povoamento de Uberaba. 

– Em 1807 um grupo de homens (Januário Luís da Silva, Pedro Gonçalves da Silva, José Gonçalves Heleno, Manuel Francisco, Manuel Bernardes Ferreira e outros) oriundos de Desemboque adentrou e ficou no Córrego da Lage. Segundo o historiador Borges Sampaio, o cirurgião prático Pedro Gonçalves da Silva, cujo apelido era Pedro Panga, aproveitando-se da vizinhança de índios mansos, se fixou e construiu, em 1809, uma casa, próxima de onde se encontra atualmente o Hospital Dr. Hélio Angotti. 

Prosseguindo a exploração das terras, o governo de Goiás para dinamizar a administração dos Sertões, nomeou em 1809, Antônio Eustáquio da Silva Oliveira (major Eustáquio), para a função de comandante “Regente do Sertão da Farinha Podre” (Triângulo Mineiro) e, em 1811 foi nomeado por Ato Governamental, “curador de índios”. Ele era natural de Ouro Preto e residente em Desemboque. 

– Em 1810, major Eustáquio organizou no Desemboque uma “bandeira”, passando por terras de Uberaba e seguindo até o Rio da Prata, formado pelos rios Piracanjuba e do Peixe. 

– Outra expedição chefiada por José Francisco Azevedo, atingiu a cabeceira do Ribeirão Lajeado, fundando o arraial da Capelinha em 1812, aproximadamente a 15 km do Rio Uberaba, próximo ao povoado de Santa Rosa. O povoado chegou a ter vinte casas e foi erguida uma capelinha com as imagens de Santo Antônio e São Sebastião. O Arraial era conhecido como Lageado ou Capelinha. Entretanto, não se desenvolveu por falta de água e terras férteis, conforme constatou major Eustáquio em visita ao local. 

– Para prosseguir a colonização, o “Regente dos Sertões” major Antonio Eustáquio da Silva Oliveira (conhecido como major Eustáquio e fundador de Uberaba), comandou outra expedição em fins de 1812, composta por 30 homens, com o objetivo de procurar novas terras para se estabelecerem. A expedição chegou ao Rio Uberaba e fixou-se na margem esquerda do Córrego das Lages com o Rio Uberaba, onde foi edificada a Chácara da Boa Vista (hoje Fazenda Experimental da Epamig na Univerdecidade). Major Eustáquio constatou que Uberaba tinha três condições para o povoamento: recursos hídricos, terras férteis e posição estratégica favorável. Junto com o major Eustáquio (considerado o fundador de Uberaba) vieram fazendeiros e aventureiros que passaram a produzir e comercializar com as caravanas que ligavam Goiás a São Paulo. Em 1816 o major Eustáquio construiu um retiro para o gado, uma tenda de ferreiro e a sua residência na Praça Rui Barbosa. A sua função consistia em dar proteção para os colonos e índios mansos, além de expulsar para longe do arraial os índios bravos e quilombolas. Consequentemente, grande número de pessoas e famílias do arraial da Capelinha e do Desemboque, sabendo das condições propícias do arraial de Uberaba, e do prestígio e segurança que o comandante major Eustáquio oferecia, migraram para o novo arraial. Era uma população muito heterogênea: mineiros que se estabeleceram como fazendeiros, boiadeiros, mascates, comerciantes, criadores de gado, ferreiros e até criminosos foragidos. Os moradores construíram suas casas térreas de pau-a-pique ao redor do retiro de major Eustáquio, formando a “Rua Grande” (atualmente Rua Manoel Borges e Vigário Silva). Edificaram suas casas e estabelecimentos comerciais acompanhando as ondulações dos terrenos e serpenteando os pequenos regatos. Os moradores do Arraial da Capelinha trouxeram para Uberaba os seus santos protetores e com autorização do major Eustáquio construíram uma Capela (atual Praça Frei Eugênio, hoje Escola Estadual Minas Gerais), tendo como oragos Santo Antônio e São Sebastião. Posteriormente a capela foi transformada em Matriz, com a criação da Paróquia, benzida em 1818 pelo vigário do Desemboque Hermógenes Cassimiro de Araújo Brunswick. Assim foi estabelecido o reconhecimento do povoado pela Igreja, instituição que tinha prestígios decisórios junto aos governos. A Igreja Católica estava unida ao Estado e a bênção de uma capela oficializava, na administração, o nome do Arraial, que passou a chamar-se “Arraial de Santo Antônio e São Sebastião da Farinha Podre”, designação ostentada até 1820. 

Segundo o historiador Borges Sampaio, “o Arraial se desenvolveu e tinha 30 casas e já contava com 1.621 habitantes, dos quais 417 eram escravos”, o que demonstra a riqueza dos proprietários de terras e a grande exploração da mão-de-obra escrava. A atividade econômica predominante era a agricultura de subsistência, necessária para alimentar a sua população, além das tropas que passavam pelo arraial. Em 1819 havia criadores com 500 e até 1.000 cabeças de gado, fato que demonstra grande atividade pecuarista. As casas eram construídas com material simples e sem jardim, erguendo-se no alinhamento das ruas e serpenteando a naturalidade dos córregos. 

O colonizador branco foi ocupando as terras à medida que os índios eram aculturados ou expulsos de suas terras formando-se extensas propriedades, devido o baixo valor da terra e a isenção de impostos sobre elas. 

O arraial foi crescendo e isso permitiu que em 2 de março de 1820, o rei D. João VI decretasse a elevação do Arraial de Santo Antônio e São Sebastião à condição de Freguesia (Paróquia). (documento oficial mais antigo de Uberaba) 

Freguesia era o termo eclesiástico que designava o território de atuação de um vigário. Com isso ocorreu um desligamento dos laços religiosos que subordinavam o Arraial de Santo Antônio e São Sebastião (Uberaba) à Vila do Desemboque. O decreto constituiu um grande avanço para a comunidade. Significou a emancipação e gerência própria em assuntos de ordem civil, militar e religiosa. Foi o reconhecimento oficial tanto pela Igreja, quanto pelo Governo Real. Dada a importância histórica de 02/03/1820, quando a cidade foi elevada à Freguesia, (Decreto: documento oficial mais antigo do Município), instituiu-se oficialmente tal data para que se comemorasse o aniversário de Uberaba a partir de 1995. 

A Catedral (Igreja do Sagrado Coração de Jesus) também comemora 199 anos em 2019, pois em 1820 foi criada por decreto, a Freguesia (termo eclesiástico), que deu autonomia em relação a Desemboque em assuntos eclesiásticos na Freguesia. 

O fundador e comandante de Uberaba major Eustáquio e os fazendeiros mais importantes passaram a exigir a criação da Câmara Municipal. Entretanto, o fundador de Uberaba faleceu em 1832 e assumiu a liderança da Freguesia o seu irmão capitão Domingos da Silva Oliveira. Nessa época o Governo Regencial (1831 a 1840) implantou no Brasil uma política descentralizadora, viabilizando a elevação de Vila em muitos locais do País. A Freguesia de Uberaba em pouco tempo mostrava grande desenvolvimento e já contava com um número considerável de habitantes: agricultores, pecuaristas, comerciantes e de outras profissões, reunindo as condições para ser elevada à condição de Vila. Devido a esses fatos o Governo Provincial de Minas Gerais elevou Uberaba (Freguesia) à condição de Município (Vila) de Santo Antônio de Uberaba em 02 de fevereiro de 1836, tornando-se autônomo, com território demarcado e com a Câmara Municipal. Esta foi instalada em 1837, em um prédio na Praça Rui Barbosa, que também abrigou a cadeia, uma tradição dos tempos coloniais. Os primeiros vereadores eleitos eram comerciantes prósperos, fazendeiros e representantes do clero. A Vila cresceu e assumiu importância pela posição geográfica e pela grande atividade econômica. 

Uberaba, em 1840 passou a sediar uma Comarca pela Lei provincial mineira nº 171, com a finalidade de implantar a justiça na região, tendo como primeiro juiz de Direito Joaquim Caetano da Silva Guimarães. 

O crescimento econômico e populacional da Vila de Santo Antônio de Uberaba viabilizou em 1846 a conquista de um Colégio Eleitoral, vindo a ser sede de grande colégio, que era responsável pela nomeação de um Deputado Geral e de um suplente para a Assembléia Legislativa. Tornou-se um importante centro comercial, com uma população de aproximadamente duas mil pessoas e 337 habitações. 

Em 1850 teve início a industrialização, com a implantação da fábrica de chapéus por Luís Soares Pinheiro. 

A primeira escola pública feminina de Uberaba foi criada em 1953 e o engenheiro Fernando Vaz de Melo funda em 1854 o 1º estabelecimento de ensino Secundário de Uberaba. 

A Catedral Metropolitana do Sagrado Coração de Jesus, situada na Praça Rui Barbosa, iniciou a celebração dos atos paroquiais em 1856, muito antes do término de sua construção iniciada em 1827. 

Devido ao seu grande crescimento de Uberaba que era uma vila, mereceu o título de Cidade em 02 de maio de 1856, pela Lei Provincial Mineira nº 759. 

A Igreja Santa Rita, construída em 1856, é a primeira edificação de Uberaba tombada em 1939 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan pelo seu grande valor histórico, arquitetônico e cultural. 

Na década de 1860 a cidade tentou produzir algodão para a exportação, atendendo os interesses das indústrias de tecelagem. 

Teatro São Luiz, localizado na Praça Rui Barbosa entrou em funcionamento em 1864 promovendo eventos e espetáculos. 

Em 1865 passou a funcionar o primeiro Centro Espírita de Uberaba, por iniciativa do professor João Augusto Chaves. 

Sabe-se que a história e o desenvolvimento de Uberaba na década de 1870 estão diretamente ligados à guerra do Paraguai, que ocorreu entre 1865 a 1870, com o consequente bloqueio do Rio da Prata que desviou todo o trânsito destinado à Província de Mato Grosso para Uberaba, esta passou a ter sua atividade comercial intensamente ampliada e serviu como ponto de passagem das tropas rumo ao Mato Grosso. Aconteceu em Uberaba o encontro de tropas que compuseram o Corpo Expedicionário, tendo como um dos membros o visconde de Taunay. Houve a construção do Cruzeiro do Cachimbo, próximo do 4º Batalhão, considerado um marco histórico pela celebração da missa em intenção ao Corpo Expedicionário que seguiu para a guerra do Paraguai. Hoje, o Cruzeiro do Cachimbo é um bem tombado pelo Conphau e instalado na Praça Magalhães Pinto. 

O jornal Gazeta de Uberaba foi fundado em 27/04/1879 por João Caetano de Oliveira e Sousa e Tobias Antônio Rosa. 

Entre 1881 e 1882 foi construída a igreja em homenagem a Nossa Senhora da Abadia, padroeira de Uberaba. A primeira festa ocorreu em 15 de agosto de 1882 e as obras foram concluídas em 1899. 

Em 1882 foi inaugurada a iluminação pública por meio de vinte e cinco lampiões a querosene. 

A Fábrica de Tecidos do Cassu foi fundada em 1882 pelos irmãos Zacarias. Mais tarde, a fábrica, foi denominada Cia. Têxtil do Triângulo Mineiro e funcionou até 1993. 

O Colégio Nossa Senhora das Dores foi fundado em 1885, pelas irmãs dominicanas, e está em pleno funcionamento até hoje. 

O progresso de Uberaba se acentuou com a inauguração da Estrada de Ferro em 1889, um acontecimento que viabilizou: 

– A partir de 1890, desenvolvimento da pecuária zebuínaa pecuária que buscou melhoria da qualidade bovina, nascendo a zebuinocultura, que projetou o criatório uberabense e transformou Uberaba em centro difusor de tecnologia e pesquisa genética das raças de origem indiana; 

– O desenvolvimento comercial e intercâmbio com os grandes centros de Minas Gerais e São Paulo; 

– A aceleração da urbanização. Crescimento de edificações urbanas e comerciais; 

– A vinda do imigrante europeu para a Uberaba. Os primeiros imigrantes foram os italianos que criaram inclusive um consulado na cidade. Depois vieram os portugueses, espanhóis, árabes, alemães, chineses, japoneses. Consequentemente, acentuou-se o desenvolvimento cultural e econômico de Uberaba que passou a refletir na estrutura urbana, onde surgiram requintadas construções no estilo eclético. Muitas dessas edificações foram projetadas e construídas pelos imigrantes italianos e espanhóis que trouxeram de seus países de origem a técnica e a experiência. Muitos fazendeiros uberabenses transferiram suas residências do campo para a cidade e passaram a morar nos palacetes em estilo eclético. Estas requintadas residências constituíam locais de encontros políticos, sociais e festivos, eventos que permitiram muitas decisões que definiram a história do município. 

A população do município crescia, assim como os atos ilegais e devido a isso era preciso um aparato policial para resguardar os cidadãos uberabenses. Em 06 de maio de 1890 o governador de Minas Gerais, João Pinheiro da Silva, institui um decreto s/nº, que em seu artigo 8º organizou “quatro corpos militares” e estabeleceu os locais de estacionamento, com o objetivo de dar maior segurança para as regiões de Minas Gerais. 

– Primeiro Corpo – Capital (Ouro Preto); 

– Segundo Corpo – Uberaba (Triângulo Mineiro); 

– Terceiro Corpo – Juiz de Fora; 

– Quarto Corpo –Diamantina. 

Uberaba foi contemplada com o Segundo Corpo Militar, respondendo por todo o Triângulo Mineiro. Entretanto, teve uma efêmera permanência na cidade, pois o Decreto nº 1.631 de 26/08/1903, assinado pelo Dr. Francisco Sales, o transferiu para a capital do Estado de Minas Gerais, a população de Uberaba desassistida de proteção militar. Apenas permaneceu em Uberaba um pequeno efetivo da corporação. Foi somente em 25 de novembro de 1909 que a Força Militar se estabeleceu definitivamente na cidade, quando foi criado o 4º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, sediado em Uberaba. Inicialmente, a força policial se estabeleceu em um prédio na Rua Arthur Machado até o ano de 1932. Depois o 4º Batalhão foi instalado na Praça Frei Eugênio (Prédio do Senai) até 1947, quando foi instalado definitivamente em prédio próprio na Praça Magalhães Pinto e permanece, até a presente data. 

O Instituto Zootécnico de Uberaba, proposto por Alexandre Barbosa, foi inaugurado no dia 5 de agosto de 1895, com a finalidade de formar profissionais cientificamente preparados para orientar a produção pecuária. O Instituto foi instalado em uma fazenda desapropriada pelo governo do estado de Minas Gerais para abrigar essa nova instituição de ensino. 

Em 1899 foi fundado o Clube Lavoura e Comércio com o objetivo de defender a lavoura e a pecuária, combatendo os altos impostos e as interferências do novo governo republicano na atividade rural. Foi lançado o jornal Lavoura e Comércio que, em seu primeiro número, ocupou toda sua primeira página, expondo os ideais dos ruralistas. 

O Colégio Marista iniciou o ensino para 86 alunos internos e externos, em 1903, por iniciativa dos irmãos maristas que vieram da França. 

Em 1904 inaugurou-se a Igreja São Domingos, um marco para os dominicanos, pelo fato de ser a primeira igreja da ordem dominicana construída no Brasil. 

Em 1905 foi implantada a energia elétrica pela empresa Ferreira, Caldeira & Cia, fato que impulsionou o desenvolvimento da cidade. 

Em 1906, tiveram início as exposições de gado bovino, que foram muito prestigiadas, notadamente pelo Presidente da República Getúlio Dorneles Vargas, nas décadas de 1930 a 1950. 

A Diocese de Uberaba foi criada em 1907, tendo como primeiro bispo D. Eduardo Duarte Silva e foi elevada à categoria de Arquidiocese em 1962. 

O Agente Executivo Felipe Aché criou em 1909 a primeira Biblioteca Pública Municipal de Uberaba, denominada “Bernardo Guimarães”, estabelecendo-a em um porão da Câmara Municipal de Uberaba, um fato que denotou na época a pequena importância dada à educação e à cultura do município. 

Em 1909 foi inaugurado pelo estado de Minas Gerais o primeiro grupo escolar de Uberaba, denominado Grupo Escolar Brasil, localizado até hoje na Praça Comendador Quintino. 

Pela iniciativa de José Maria dos Reis, o governo do Estado de Minas Gerais criou, em 1917, a primeira instituição de ensino agrícola de Uberaba, denominada Aprendizado Agrícola Borges Sampaio. 

Em 1926 criou-se a primeira instituição de ensino superior na área da saúde bucal e da farmacologia, conhecida como Escola de Farmácia e Odontologia, que recebia alunos das mais diversas regiões do Brasil e até do exterior. 

Os primeiros protestantes de Uberaba foram os metodistas, cujos missionários iniciaram seus trabalhos em 23/08/1896 nas casas de fiéis e amigos. O templo foi inaugurado em 1924, na Rua Moreira César, no bairro Fabrício. 

Mário Palmério fundou em 1947 a Faculdade de Odontologia do Triângulo Mineiro, oportunizando mais tarde o ensino em outras áreas do conhecimento, na década de 1950, com as Faculdades Integradas de Uberaba (Fiube) e, desde 1988 Universidade de Uberaba (Uniube). 

Em 1949 as irmãs dominicanas fundaram a Faculdade de Filosofia e Letras São Tomás de Aquino. 

As irmãs concepcionistas chegaram a Uberaba em 1949 e em 1961 inauguraram a Igreja da Medalha Milagrosa. 

A Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro se estabeleceu em 1954 e foi transformada em Universidade Federal do Triângulo Mineiro em 2005, oferecendo cursos em diversas áreas do conhecimento. 

Nas décadas de 1970 e 1980 foram instalados os primeiros distritos industriais da cidade, apoiados com investimentos do Governo Federal. 

Na década de 1990 nasceu a Univerdecidade-Parque Tecnológico de Uberaba para viabilizar a pesquisa e o ensino técnico-profissionalizante, relacionados à ciência da informação e à agroindústria, notadamente para a genética vegetal e animal. 

O Centro de Pesquisas Paleontólogicas Llewellyn Ivor Price e Museu dos Dinossaurosforam criados em 1992. O museu é um dos mais importantes do Brasil, possuindo fósseis de 65 a 72 milhões de anos de idade. Localizado em Peirópolis, o museu é conhecido pela população regional e por visitantes de outros estados e países. 

Uberaba conta com marcos reconhecidos no Brasil e no mundo: a expressão espiritual de Chico Xavier, o desenvolvimento da pecuária zebuína e a paleontologia. 

Nos primórdios da sua história fora um Arraial, e hoje, no terceiro milênio (Século XXI) representa um centro comercial dinâmico; uma agricultura produtiva; uma pecuária seletiva, com importação de reprodutores e matrizes da Índia; um parque industrial diversificado, uma estrutura de ensino desenvolvida; uma planejada estrutura urbana, com características culturais sui generis, que têm atendido as demandas nos aspectos econômicos, culturais e de serviços essenciais à população. 


Marta Zednik de Casanova
Superintendente do Arquivo Público de Uberaba


==============================





Cidade de Uberaba