Mostrando postagens com marcador Carlos Ticha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Carlos Ticha. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Resenha esportiva no Restaurante Bons Tempos

 Restaurante Bons Tempos. Foto: Waldir Kikuichi.

Nesta segunda-feira (13) de maio de 2019. Sob o comando de Manuel Zaidan O Audaz. Os craques de futebol do passado se reúnem para falarem do atual... que tristeza. Carlinhos Babão, Tinoco, Saraiva, Luiz Cecilio, João Carlos Sapucaia e Normandes Lima sob a análise de Claudio Zaidan, Carlos Ticha e David Augusto.

(Waldir Kikuichi)


Diversos pratos caseiros, além de cervejas e música, em casinha com varanda e decoração que remete ao passado.

Telefone: (34) 3316-1513


Cardápio: restaurantebonstempos.com.br

Pedido: ifood.com.br

Endereço: Av. Alberto Martins Fontoura Borges, 164 - São Benedito, Uberaba - MG, 38022-070



Cidade de Uberaba


sábado, 16 de março de 2019

Fu Manchu alegrou o centro anunciando jogos de Uberaba no anos 80

No Bico da Chanca

Toque de Primeira

 Fu Manchu /Coluna de Carlos Ticha - JM


Ele morou num corredor na r. Manoel Borges, próximo da esquina com a r. Major Eustáquio

(Luiz Alberto Molinar)

Cidade de Uberaba

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Um dos maiores laterais-direitos da história do futebol, Djalma Santos

O NOME DE BATISMO era Dejalma dos Santos, mas no futebol ficou conhecido como Djalma Santos. Nasceu em São Paulo, no dia 27 de fevereiro de 1929 e faleceu em Uberaba, minha terra amada. Morreu em 23 de julho de 2013. Estaria hoje com 90 anos. Lateral-direito que nunca foi expulso de campo. Terminou como treinador de jovens em Uberaba.

Dejalma dos Santos - Foto: Wikipédia.
Eleito pela FIFA como o maior lateral-direito de todos os tempos, tendo participado de quatro copas do mundo, 54, 58, 62(anos em que sagrou-se bi campeão mundial) e também em 66. Ídolo do Palmeiras, onde se consagrou, também jogou pela Portuguesa, no início da carreira, e pelo antigo Atlético Paranaense, já se despedindo da bola. O grande Nelson Rodrigues, um dia, escreveu sobre ele: "Djalma Santos põe, no seu arremesso lateral, toda a paixão de um Cristo Negro". Nossa saudade, nossa reverência...!


( jornalista e comentarista esportivo Fernando Antonio Vanucci Braz )


====================

Paulo Nogueira e Djalma Santos
90 anos, estaria fazendo hoje se estivesse entre nós, o zagueiro Dejalma dos Santos. No futebol, ficou conhecido como Djalma Santos. Nasceu em São Paulo, no dia 27 de fevereiro de 1929 e faleceu em Uberaba no dia 23 de julho de 2013.

(Jornalista Paulo Nogueira)


==================

 Djalma Santos e esposa Dona Esmeralda - Parque de Exposição Fernando Costa (Abcz) - Última foto em vida de Djalma Santos - 3 de maio de 2013 - Foto - Autoria: Antonio Carlos Prata.

====================

Tive a honra de entrevista-lo para o então, "Jornal dos Baixinhos" - semanário que editei no Jornal de Uberaba, quando Djalma Santos , anos 90, era professor na Escola de Futebol para crianças e adolescentes, através da Prefeitura Municipal!

( Jornalista Márcia Ribeiro Borges)

====================

A última entrevista do Djalma Santos foi no meu programa. Ademir de Meneses participou. Foi fantástico.

(Comentarista e colunista esportivo Carlos Ticha)

====================


Cidade de Uberaba

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Um pouco Pedro Fu Manchuda lenda

Um pouco da lenda Pedro Fu Manchu. Ele ganhou esse apelido devido ao seriado “Tambores de Fu Manchu”, que passava no Cine Royal, ali na praça do Grupo Brasil. Na verdade, Fu Manchu era um chinês de barbicha e bigode longos.

 Fu Manchu

Na minha adolescência, participei junto com outros amigos da vida do Pedro, na época, na Vila Frei Eugênio, onde morou em uma casinha de taipa feita por ele, que ficava encostada no muro da residência dos De Vitos. Foi vizinho de muita gente importante, como a família Nascimento (Pepinho), dona Filinha, Policarpo Capim e do antigo jogador do USC, Gabardo, que tinha uma oficina de ferreiro. Pedro Fu Manchu foi o melhor anunciante de eventos da cidade. Com seu famoso megafone, ele anunciava os jogos do USC.


Carlos Ticha



Cidade de Uberaba

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Lavoura e Comércio

Diretores, funcionários, colaboradores e visitantes do jornal Lavoura e Comércio 

Fundado por pequenos e grandes produtores rurais que tinham algo em comum, eram contra o governo mineiro, por causa do fisco estadual. Resolvem fundar um jornal para ser o porta voz de seus interesses, o periódico Lavoura & Comércio, transformou-se em muito mais que um jornal,foi muito além, foi a expressão e o perfil de Uberaba e região, durante a passagem de 3 séculos distintos.
Antônio Garcia Adjunto, foi o primeiro diretor do Lavoura e Comércio. Em 1906, o jornal passa para a família Jardim. Os irmãos Francisco e Quintiliano Jardim, melhoraram ainda mais a linha editorial e ampliaram a abrangência do jornal para alem das fronteiras de Minas Gerais. Quintiliano Jardim dirigiu o Lavoura até sua morte, em 1966, passando para seus filhos George de Chirée, Raul e Murilo Jardim a direção. O Lavoura possuía então uma credibilidade tão grande que seu lema na época era, “Se o Lavoura não deu, em Uberaba não aconteceu”. Desde a fundação até aos quase 104 anos de existência, o jornal somente não circulou durante dois dias, na década de 1980, devido a uma greve dos gráficos.
Em 27 de outubro de 2003, a ultima notícia: “Após 104 de veiculação ininterrupta, o Lavoura & Comércio paralisa suas atividades por questões econômicas e financeiras”. O jornal outrora importante, que fora distribuído em diferentes cidades de diferentes estados, que vendeu milhares de exemplares, e que se constituiu em dos mais ricos arquivos brasileiros, estava fechado. Era o mais antigo jornal de Minas Gerais e o terceiro mais antigo do país ainda em circulação.
Foto/Acervo pessoal de Carlos Ticha (Comentarista e colunista esportivo)

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

TIME DE CRONISTAS ESPORTIVOS DE UBERABA



Ataque fulminante do time dos cronistas esportivos. Paulo Silva, Ticha, Wellington, Ernani e Deizinho. Ai não tinha crise. Era bola no barbante. Década de 60.
(Acervo pessoal de Carlos Ticha)