Mostrando postagens com marcador Chico Xavier. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Chico Xavier. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

JORNAL DE UBERABA, 33 ANOS A SERVIÇO DA INFORMAÇÃO

No meu artigo de hoje, escrevo sobre minha passagem com muita honra no Jornal de Uberaba, desde sua fundação no dia 7 de setembro de 1986. O JORNAL DE UBERABA iniciou suas atividades no prédio onde funcionava o Colégio Cristo Rei, depois mudou-se para o Palácio Episcopal, e em 1995, para sua sede própria, na avenida Leopoldino de Oliveira. Com muito orgulho, sou um dos fundadores do JU, onde trabalhei por muitos anos como repórter, repórter fotográfico e subeditor, cobrimos muitos acontecimentos nacionais, sempre com o aval de Fabiano Fideles, como sua grande e experiente visão jornalística, aprovava sempre nossas coberturas nos principais acontecimentos no país, principalmente as decisões de campeonatos esportivos em Belo Horizonte, São Paulo e Rio de janeiro, além da seleção brasileira.

Paulo Nogueira - Jornalista - Membro da Associação Brasileira de Jornalismo Científico.
Fui um dos primeiros jornalistas a ser convidado a integrar a equipe do jornal. Trabalhava com o Fabiano Fideles no Jornal de Brasília, como correspondente em Uberaba e na região, quando o Fabiano teve a ideia de montar um jornal diário em Uberaba. Fomos a luta e conseguimos o prédio onde funcionou o Colégio Cristo Rei. Ali ficamos por alguns anos, depois passamos para o Palácio Episcopal, onde após trabalhar algum tempo, fui para o Jornal O Triângulo, em Uberlândia, adquirido pelo Fabiano, onde trabalhei na redação como subeditor.

Posteriormente, retornei a Uberaba, para a Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, a convite do professor Valdemar Hial, diretor na época, para ser o assessor de Comunicação da Instituição.

No esporte por exemplo há várias passagens inéditas que acontecerem comigo. Precisando vencer o Brasil em pleno Maracanã para se classificar para a Copa do Mundo da Itália de 1990, o Chile protagonizou uma das maiores farsas da história do futebol. Com sua equipe perdendo de 1 a 0 e dando adeus ao sonho de disputar o Mundial, o goleiro Roberto Rojas se aproveitou do fato de um foguete sinalizador ter sido atirado no gramado próximo a ele, tirou da luva uma gilete, e se cortou, simulando ter sido atingido pelo artefato.

Durante o tumulto, os jogadores do Chile que estavam no banco, tentaram me tirar o equipamento fotográfico, quando notaram que havia sido o único jornalista a ter clicado o lance polêmico. Retirei o filme da máquina e coloquei dentro da meia, para minha garantia, eles queriam o filme de toda maneira. A CBF solicitou as fotos e as mesmas foram colocadas no processo contra o Chile.

Outro fato, foi uma entrevista exclusiva que fizemos com o então deputado Ullisses Guimarães, que fez na época revelações bombásticas sobre a política nacional. Registramos com exclusividade a visita do então presidente Fernando Collor ao médium Chico Xavier, também as fotos foram cedidas a todas as agências noticiosas do mundo. Foram muitas as matérias exclusivas e importantes que cobrimos, que em sua maioria eram cedidas para várias agências noticiosas. 

No dia 15 de agosto de 2016, após alguns dias internado, falece Fabiano Fideles, uma perda irreparável. Sua esposa Nancy, passa ser a diretora do jornal, até abril de 2017. Nesta data, o advogado uberabense Lawrence Borges, adquire o jornal, que com muito equilíbrio, continua fazendo do JU um órgão de imprensa sério, com um só compromisso, o de bem informar, com transparência e a credibilidade. Parabéns ao Lawrence e toda sua equipe, fazendo com que o leitor esteja diariamente sempre por dentro dos principais acontecimentos da cidade, da região, do País, e, do mundo. Meu abraço ao experiente e competente editor do JU, jornalista Júlio César de Oliveira, sua equipe, e a todos os funcionários deste prestigioso órgão de imprensa que engrandece a nossa cidade. 


Paulo Nogueira - Jornalista - Membro da Associação Brasileira de Jornalismo Científico.

==========================

Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba


sexta-feira, 5 de julho de 2019

DE TODA ESQUINA, QUAL O REMÉDIO PARA UBERABA?

Você visitaria Uberaba?


 Se não tivesse nascido aqui, se não conhecesse a cidade, se nunca tivesse passado por Uberaba, você a visitaria? 

Pelos atrativos turísticos você sentiria interesse em conhecer a terra do Zebu, dos dinossauros, de Chico Xavier?

 Pela importância histórica, pelos duzentos anos?

Pelos casarões remanescentes, as igrejas centenárias, os parques, praças, opções de lazer e cultura?

Pelos teatros, centros de eventos, bares? 

Pelos grandes eventos culturais, pelos artistas, músicos, dançarinos, pelos festivais de todos os gêneros? 

Pelas festas universitárias, pelas universidades, pelas escolas?

Você viria para a terra das águas claras?

O que a cidade pode se orgulhar? 

Acessos, sinalização, limpeza, trânsito seguro, transporte público de qualidade?

A empregabilidade, as indústrias, o comércio forte, os shoppings, a economia borbulhante, as obras? 

O que existe, ou deveria existir em Uberaba que faria com que as pessoas viessem para cá?

A hospitalidade do povo, aquele café da avenida, o pastel da feira, o doce do mercado?

Por que Uberaba ainda não é uma cidade reconhecidamente turística? 

O que precisamos ser, fazer, ter para que isso aconteça, para que os próprios uberabenses fiquem na cidade nos feriados, nas férias, nos finais de semana? 

Além das farmácias em cada esquina, onde encontramos, ou despertamos esta cultura de sermos e estarmos? Uberaba precisa, merece ou quer?

Você viria para a cidade, mesmo se não fosse só para encontrar remédio em qualquer lugar?


Publicado em 04/07/1990

Coluna de Cultura do Jornal de Uberaba.






Cidade de Uberaba


segunda-feira, 1 de julho de 2019

Maria Boneca e Chico Xavier

No início da década de 70, Chico Xavier saboreava um cafezinho em conhecido estabelecimento comercial, na Praça Rui Barbosa, em Uberaba, em companhia do Dr. Jarbas Varanda e de seu filho Luciano Varanda, quando eles percebem a aproximação de uma senhora, conhecida sob a alcunha de Maria Boneca, vivendo no clima de uma loucura pacífica, mas que chamava a atenção de toda a comunidade. Muitas pessoas a ridicularizavam e brincavam com sua insanidade, já que Maria Boneca retinha, entre os braços, uma boneca que considerava como filha.


Chico Xavier saboreando um cafezinho na praça Rui Barbosa.

Maria Boneca, ao perceber a presença de Chico no interior do estabelecimento afasta-se daqueles que a ridicularizam e dirige-se ao seu encontro. E, fato inusitado, ao se aproximar de Chico, ela recupera temporariamente sua lucidez e conversa com o Chico naturalmente, como se fossem grandes amigos. Ao se despedir, abraça o inesquecível amigo, beija-lhe as mãos e se afasta. Do lado de fora do estabelecimento, ela volta a ser a Maria Boneca de sempre, vivendo em suas próprias imagens mentais.

Chico, com toda a espontaneidade, relata ao Dr. Jarbas:
- Como somos abençoados, acabo de ser abraçado por uma rainha de França.

Algum tempo depois, o livro intitulado “Mãe” traz um poema do Espírito de Epiphanio Leite, em mensagem psicografado por Chico Xavier, retratando o drama de Maria Boneca cujo conteúdo retratamos abaixo:


MARIA BONECA

Epiphanio Leite



(Versos dedicados à dama feudal que abraçamos por devotada amiga, há três séculos, e que hoje expia, na via pública, sob a alcunha de Maria Boneca, o delito de haver exterminado o filho jovem que lhe estorvava a existência de irresponsabilidade e prazer.)


Reencontrei-te, por fim, esmolando na rua.
Nada recorda em ti a dama do castelo.
Lembro-me!... Dás à fossa o filho louro e belo.
Esqueces, gozas, ris... E a festa continua...

Depois, a morte vem... A memória recua...
Escutas em ti mesma o trágico libelo.
Choras, nasces de novo e trazes por flagelo
A sede de ser mãe que a demência acentua!...

Como dói ver-te agora os tristes olhos baços!
Guardas, louca de amor, um boneco nos braços.
Em torno, há quem te apupe a trilha merencória...

Mas bendize, senhora, a lei piedosa e austera.
Alguém vela por ti: o filho que te espera
E há-de levar-te aos Céus em cânticos de glória!...



Epifânio Leite de Albuquerque nasceu e morreu em Fortaleza, Ceará (1891-1942). Autor do livro de poesias “Escada de Jacó”, membro da Academia Cearense de Letras, foi juiz de Direito em Baturité, no mesmo Estado. 


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


domingo, 30 de junho de 2019

17 ANOS SEM CHICO XAVIER



!7 anos sem Chico Xavier. Foto: Paulo Nogueira

A morte do médium Chico Xavier completa 17 anos hoje, 30/06/2019. O Brasil inteiro experimentou uma mistura de sentimentos no dia 30 de junho de 2002. Pela manhã, alegria e comemoração pela conquista do penta pela Seleção Brasileira na Copa do Mundo. No começo da noite, tristeza e emoção, morria o médium em Uberaba. (Jornalista Paulo Nogueira)



Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram:  instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


sábado, 16 de março de 2019

HISTÓRIA DE UBERABA

OS CIENTISTAS – I

ALUÍZIO PRATA.

Os pesquisadores são os heróis anônimos do ramo de saúde. São os epidemiologistas, sanitaristas, parasitologistas, imunologistas, biólogos, geneticistas, bioquímicos, clínicos, dentistas, enfermeiros e profissionais de outras especialidades, os responsáveis pela ampliação da expectativa de vida, permanente redução da mortalidade infantil e o bálsamo para a maioria dos tormentos provocados por doenças. 

Uberaba, centro médico reconhecido de alto nível, sempre teve médicos pesquisadores de renome internacional no campo das Doenças Tropicais. Neste aspecto, tanto no passado como no presente, tem do que se orgulhar.
Professor Aluízio Prata
Um dos maiores nomes brasileiros da pesquisa, reconhecido internacionalmente, é o do uberabense Professor Aluízio Prata, falecido em 2011 aos 91 anos de idade. 

Deixou sua marca na maioria dos Estados do Brasil desde que se formou em Medicina no Rio de Janeiro. De lá para Mato Grosso e depois para Bahia onde residiu por muitos anos e que a convite do governo da Bahia, dirigiu a “Fundação Gonçalo Muniz”. Mudou posteriormente para Brasília onde também permaneceu por um longo período até retornar à Uberaba.

Na FMTM era professor da área de Doenças Tropicais e Infecciosas. No setor de medicina Tropical, principalmente em relação à Doença de Chagas, Malária e Esquistossomose, sempre foi referência primeira no país.

Suas centenas de trabalho sobre profilaxia, clínica e tratamento da Malária, Doença de Chagas, Esquistossomose, Leishmanioses e outras endemias constituem ainda referências básicas para todos aqueles que se preocupam com estes temas.

Sempre manteve intercâmbio com pesquisadores internacionais na experimentação de vacinas. Seu prestigio trouxe para Uberaba o XXVII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical o qual teve repercussão internacional.

O Seu reconhecimento foi atestado pelos cargos que ocupou no Organização Mundial de Saúde e na Organização Panamericana de Saúde.

Segundo o depoimento do também pesquisador José Rodrigues Coura na Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical em 2010, que entre os numerosos feitos do Professor Aluizio Prata podem ser destacados-

A - As Três Escolas de “Medicina Tropical” criadas na Bahia, Brasilia e Uberaba, povoando o Brasil inteiro de pesquisadores desta área.

B - Seu pioneirismo na criação das áreas de estudo de campo em Caatinga do Moura, São Felipe, Três Braços, Catolândia e Brejo do Espírito Santo, na Bahia, Mambaí, em Goiás, Água Cumprida em Minas, Lábrea e Costa Marques no Amazonas, entre outros estados brasileiros.

Há que se considerar ainda que o Professor Aluisio Prata escreveu 7 livros, publicou 289 artigos e 175 trabalhos científicos, tendo ainda participado de 75 eventos de caráter cientifico no exterior e 420 no Brasil.

E o que representou isto? Segundo o Ex- Ministro da Saúde, Adib Jatene, que já foi médico em Uberaba e professor da FMTM, o Brasil deu um exemplo ao mundo ao reduzir a incidência da Doença de Chagas de 100 mil casos existentes em 1981 para cerca de 5 a l0.000 casos em 1991. Uberaba teve participação expressiva na redução desta doença.

Pelo seu expressivo trabalho, Aluizio Prata recebeu em 1974 a “Comenda da Ordem do Rio Branco” ( Ministério das Relações Exteriores ), em 1980, o “Prêmio Alfred Jurzykovski” ( Academia Nacional da Medicina), em 2001, a “Medalha Capes 50 anos” e no mesmo ano, a “Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Cientifico” ( Presidência da República do Brasil ).

Em abril de 2002, em comemoração ao recebimento desta ultima Comenda, tivemos a oportunidade de prestar ao Professor Aluizio uma singela homenagem na presença de seus familiares, na Casa do Folclore.

Acredito que, por uma questão de justiça, o Poder Público, a Câmara Municipal e todas as Entidades de Uberaba, vinculadas ou não a Medicina, deveriam se unir para prestar uma homenagem imorredoura ao grande cientista de nossa cidade que é reconhecido pela comunidade cientifica de seu país e do exterior.

Chico Xavier, alvo de expressivas e merecidas homenagens, foi um grande consolador de almas sofridas. Aluisio Prata que foi um dos grandes responsáveis pela salvação de centenas de milhares de vidas tem direito ao mesmo reconhecimento.

Fontes; Revista Goiana de Medicina ( Edison Reis Lopes e Edmundo Chapadeiro ).
Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. ( 2010 )
Proficiência – Academia Brasileira de Ciência.

J.M. – Artigo de Gilberto Rezende de 27-11-1992.


Postado pela Associação Cultural Casa do Folclore em 27 de abril de 2018



Cidade de Uberaba

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Programa Viação Cipó - Uberaba - Minas Gerais.

Conhecido em todo estado de Minas Gerais, o programa "Viação Cipó" da TV Alterosa, afiliada do SBT em Belo Horizonte - dedicou uma edição exclusiva sobre o município de Uberaba. Foi destaque o patrimônio cultural: exibindo histórias, lugares, personagens, arquitetura, música, religiosidade, culinária - nas tradições do modo de ser, fazer e viver deste povo do Triângulo Mineiro.



Os três principais símbolos de Uberaba: "O Zebu, os Dinossauros e as reminiscências sobre a figura de Chico Xavier" não poderiam ficar de fora do programa. O apresentador Otávio Di Toledo visitou o Museu do Zebu no Parque Fernando Costa, sede da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu - ABCZ, onde destacou o papel do Zebu na história - demonstrando os principais motivos que fazem do Brasil um líder em tecnologias aplicadas a Pecuária, o que o coloca como maior produtor de carne no Mundo. Toledo também esteve na charmosa Peirópolis com seus Dinossauros e no Memorial Chico Xavier, que em breve será inaugurado com um amplo local para dar destaque a importância de Chico Xavier no imaginário social e religioso do espiritismo brasileiro.

O programa mostra ainda o Mercado Municipal, um lugar que aguça os sentidos e a imaginação, remetendo os visitantes ao passado pela sua arquitetura, além do artesanato e os deliciosos sabores de queijos, cachaças, doces, pastéis... As praças, escolas, os sobrados dos pioneiros do Zebu, igrejas - com ênfase na bela igrejinha de Santa Rita do século XIX, o único bem tombado na categoria Patrimônio Nacional no Triângulo Mineiro pelo Iphan - Instituto do Patrimônio Artístico Nacional, são alguns dos lugares apresentados.

História, causos e memória: acesse https://www.facebook.com/UberabaemFotos/


Cidade de Uberaba

sábado, 28 de julho de 2018

Pinga-Fogo com Chico Xavier - julho 1971 - TV Tupi - SP

Pinga-Fogo com Chico Xavier


47 anos do Programa Pinga-Fogo com Chico Xavier

Comemoramos hoje 47 anos do Programa Pinga-Fogo com Chico Xavier - TV Tupi-SP, que aconteceu em 28 de julho de 1971.
Um marco na história do jornalismo e uma das maiores reportagens da minha vida profissional.

(Repórter Investigativo Saulo Gomes)


segunda-feira, 2 de abril de 2018

Chico Xavier

Chico Xavier


Nascido em Pedro Leopoldo-MG, em 02 de abril de 1910, Chico Xavier foi batizado com o nome de Francisco de Paula Cândido, em homenagem ao santo do dia de seu nascimento.

Em 1966, mudou, oficialmente, seu nome para Francisco Cândido Xavier quando chegou da sua segunda viagem aos Estados Unidos.

Escreveu mais de quatrocentos livros, mas nunca admitiu ser o autor de nenhuma obra, pois insistia reproduzir apenas o que os espíritos ditavam. Nunca aceitou o dinheiro lucrado com a venda de seus livros, doando os direitos autorais para a FEB – Federação Espírita Brasileira.

Parnaso de Além-Túmulo, o seu primeiro livro com 256 poemas atribuídos a poetas mortos, foi publicado, pela primeira vez, em 1932.

Psicografou mais de quatrocentos livros. Vendeu mais de cinquenta milhões de exemplares em português, com traduções em inglês, espanhol, esperanto, francês, alemão, italiano, russo, mandarim, romeno, sueco, grego, húngaro, braile, e etc..

Psicografou cerca de dez mil cartas “de mortos para suas famílias”, nunca tendo cobrado por isso. As cartas eram tidas como psicografias autênticas pelos familiares e algumas chegaram a ser aceitas como provas em casos de julgamentos jurídicos.

Sua entrevista, ao vivo, cedida ao programa Pinga-Fogo da TV Tupi, em 28 de julho de 1971, conseguiu a maior audiência da história da TV brasileira.
Ao longo de sua vida, Chico Xavier recebeu o titulo de cidadania em aproximadamente 80 cidades brasileiras;

Foi homenageado em filmes e documentários como: “Chico Xavier – O Filme”, “As Mães de Chico Xavier” e “100 Anos com Chico Xavier – Gratidão e Homenagem”;

Cantores como Roberto Carlos, Gilberto Gil, Fábio Júnior, Moacir Franco, Nando Cordel, Vanusa e Lucas e Luan, compuseram músicas em sua homenagem

Em 1981 foi indicado para o Premio Nobel da Paz;

Em 1999, o Governo de Minas Gerais instituiu a “Comenda da Paz Chico Xavier”, lei do Deputado Estadual Paulo Piau, atual prefeito de Uberaba-MG – condecoração que é outorgada anualmente a pessoas físicas ou jurídicas que trabalham pela paz e pelo bem estar social;

Em 2000, Chico Xavier foi eleito o “Mineiro do século XX”; por um concurso popular realizado pela Rede Globo de Minas Gerais, tendo vencido com 704.030 votos;

Após Chico Xavier falecer, a casa onde ele morou entre 1948 e 1959 e a casa em que ele morou entre 1959 e 2002 foram transformadas em museus sem fins lucrativos, em referência a sua vida e obra, e o interior da Fazenda Modelo de Pedro Leopoldo, local onde ele trabalhou como datilógrafo entre 1930 e o final dos anos 50, também foi transformado em um memorial em sua homenagem;

Em 2006, em uma votação popular promovida pela Revista Época, Chico foi eleito o “O Maior Brasileiro da História“;

Em 2009, a Lei nº 12.065 deu o nome “Chico Xavier” ao trecho da rodovia BR 050, entre a divisa dos Estados de São Paulo e Minas Gerais e a divisa dos municípios de Uberaba e Uberlândia;

Em 2010, o Correio Brasileiro lançou o selo e o cartão postal comemorativo em homenagem ao centenário do médium. No mesmo ano, a Casa da Moeda do Brasil lançou a “Medalha Comemorativa do Centenário de Chico Xavier”;

Em 2 de abril de 2010, data em que Chico completaria 100 anos, estreou, nos cinemas, “Chico Xavier – O Filme”, baseado na biografia “As Vidas de Chico Xavier”, do jornalista Marcel Souto Maior, dirigido e produzido pelo cineasta Daniel Filho. Nesse filme, Chico Xavier é retratado pelos atores Matheus Costa, Ângelo Antônio e Nelson Xavier, respectivamente, em três fases de sua vida: de 1918 a 1922 – 1931 a 1959 e 1969 a 1975. O filme alcançou a marca de mais de 3,5 milhões de espectadores nos cinemas;

Em Outubro de 2012, no programa “O Maior Brasileiro de Todos os Tempos”, transmitido pelo SBT, Chico foi eleito, por voto popular, como “O Maior Brasileiro de Todos os Tempos“. Na semifinal do programa, disputou com Ayrton Senna, venceu com 63,8% dos votos. Na final do programa, Chico disputou com Santos Dumont e Princesa Isabel, vencendo com 71,4% dos votos. Esse programa foi ao vivo e o repórter Saulo Gomes foi quem defendeu Chico, com embaixador nomeado pelo SBT.
Em 2012, recebeu homenagem póstuma do Sport Club Corinthians Paulista – como torcedor nº 000326 – Semper Fidelis.

Chico Xavier desencarnou, em Uberaba, em 30 de junho de 2002, com 92 anos de idade.

O Memorial Chico Xavier é uma obra construída pelo Instituto Chico Xavier e a Prefeitura de Uberaba-MG, em homenagem a Chico Xavier, para que sua história seja perpetuada.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

UBERABA ESTÁ EM TODAS...

Tenho imorredoura saudade de dois amigos fraternos que estão no Plano Celestial: Ataliba Guaritá Neto e Raul Jardim. Netinho e Raul, foram jornalistas de têmpera; inigualáveis. Deixaram nas páginas do saudoso “Lavoura e Comércio” e nos microfones da sempre lembrada P.R.E.-5, uma vida de paixão e amor por Uberaba.Seriam nomes nacionais se, obstinadamente, teimaram em não deixar a sagrada terrinha ! Aqui era o seu canto, encanto,encontro e desencontro. Despiam-se de vaidades pessoais para enaltecer feitos de uberabenses que brilharam e/ou brilhavam Brasil afora. Uma frase quase épica, é reverenciada até hoje, por todos nós: -“ Uberaba está em todas !”

Mário Palmério,Joubert de Carvalho, Aluizio Prata, Alaor Prata,Leopoldino de Oliveira,Chico Xavier, Jacob Palis Júnior,Avelino Inácio de Oliveira, Glaycon de Paiva, Pedro Moura, Antenógenes Silva, Fidélis Reis, entre outra dezena de uberabenses que honraram e orgulharam a nossa sempre amada Uberaba,enaltecendo-a em todos os quadrantes nacionais. Com que orgulho, num misto de alegria e vitória, Netinho e Raul, registravam feitos gloriosos desses uberabenses de cepa !

Ainda em vida,Raul e Netinho, escreveram o sucesso dos irmãos Ayrton e Alaor Gomes,Joel Lóes,Paulo Marquez,Wilson Moreira,Wilmar Palis,Orlando de Almeida,os irmãos Augusto e César Vannucci, José Viana,Gontijo Teodoro,Wanderley Greiffo, Yara Lins, que, nas letras,voz e canto, sempre que perguntados de onde vieram, gritavam ,alto e bom som:” sou de Uberaba!”, como fazem nos dias atuais, Fernando Vannucci e Fábio William.

De uns tempos, até cá essa parte, a frase foi, lamentavelmente, sendo deturpada, perdendo o sentido da honraria, do valor, merecimento, tão valorizada em épocas passadas. Netinho e Raul, devem estar remoendo na morada eterna, quando ouvem, lêem, vêem, o nome de Uberaba tão achincalhado, mal visto, por filhos natos uns, “filhos-postiços” outros, que não souberam honrar e dignificar cidadania tão respeitada e orgulhosamente afamada.

Vieram os fatos escabrosos envolvendo gente da terrinha no escândalo do “mensalão”, de triste memória,trazendo à baila, um ex-Ministro de Estado,deputado e ex-Prefeito, agora “ficha suja” e seu fiel escudeiro, na lama moral do “mensalão”. Ainda outro dia, outro uberabense-“postiço”, ficou longo período preso, depois de descoberta as falcatruas do ex-deputado e secretário de Estado, de uma “cidade das águas” que jamais será concretizada.

Depois, um “delator da Lava Jato”, que teve uma ascensão politica meteórica, é “hóspede” de uma das mais famosas prisões brasileiras: a “Papuda”, em Brasília...Ainda no desdobramento do “petrolão”, um dirigente da Petrobras, devolveu 90 milhões de dólares ao governo brasileiro, dinheiro obtido no “propinoduto” da estatal, casado com a filha de um ilustre uberabense...Não parou por aí.Carioca,fazendeiro,desposou prendada senhorinha da nossa melhor sociedade. Com ele, está preso também o seu pai, Presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Dirão os uberabenses :-“é muito peso para o meu pobre caminhãozinho”...

Se nomes não cito desses dois últimos lamentáveis episódios,é o respeito que me merece as famílias,inocentemente atingidas pelo infausto acontecimento. Quanto a falta de citação nominal dos outros transgressores da Lei, é que não posso compará-los aos verdadeiros e honrados uberabenses mencionados no tópico inicial do texto.

Ah!Raul e Netinho! Quanta saudade me traz a frase de ontem:-“Uberaba está em todas!”.Hoje........
                                                                                                                            

Luiz Gonzaga de Oliveira

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

NOSSO QUERIDO CHICO XAVIER - UBERABA

CHICO XAVIER FALA DE SEUS BENS MATERIAIS
                     

Década:1980



 Fotógrafo:Paulo Nogueira                                                                                                                         
                                                                                                                           

CHICO XAVIER FALA DE SEUS BENS MATERIAIS

“Partirei desta vida sem um níquel sequer... Tudo o que veio a mim, em matéria de dinheiro, simplesmente, passou por minhas mãos. Graças a Deus, a minha aposentadoria dá para os meus remédios... Roupas?! Os amigos, quando acham que eu estou mau vestido, me doam... Sapatos, eu custo a gastar um par... Em casa, a nossa comida é simples... Não tenho conta bancária, talão de cheques, nenhuma propriedade em meu nome, a não ser esta casa que eu já passei em cartório para outros, tenho apenas o usufruto... Nunca tive carros, nem mesmo uma carroça... De modo que, neste sentido, nada vai me pesar na consciência. Fiz o que pude pelos meus familiares, se não fiz mais, é porque mais eu não podia fazer... Nunca contei o dinheiro que trazia no bolso, mesmo aquele que alguns amigos generosos colocavam no meu paletó...”.

(Chico Xavier)



domingo, 15 de janeiro de 2017

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O TÚMULO DE CHICO XAVIER

O túmulo de Chico Xavier


Francisco Cândido Xavier, ou Chico Xavier, foi o médium mais conhecido e respeitado, por espíritas e não espíritas, no Brasil e no exterior. Foi o responsável por divulgar o Espiritismo no Brasil. Publicou o incrível número de mais de 400 obras psicografadas. Cujo corpo está enterrado na quadra O, número 623, do Cemitério São Batista. (Avenida da Saudade) Uberaba.

Nascimento: 2 de abril de 1910, Pedro Leopoldo, Minas Gerais

Falecimento: 30 de junho de 2002, Uberaba, Minas Gerais.

Filiação: Maria João de Deus, João Cândido Xavier.

Acervo pessoal de Aloísio Póvoas

CHICO XAVIER – O MÉDIUM DOS PÉS DESCALÇOS

O quarto de Chico Xavier


O quarto do nosso amado Chico Xavier
Fonte – Memória Espirita

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

ENTREVISTA CONCEDIDA POR FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER PARA A LBV. A CONVERSA ABAIXO FOI FEITA NO DIA 5 DE JANEIRO DE 1954.



Entrevista concedida por Francisco Cândido Xavier para a LBV.
A conversa abaixo foi feita no dia 5 de janeiro de 1954.
Pergunta: – Poderíamos ter alguns informes a respeito de Antúlio?
Chico Xavier: – Vejo, aqui, nosso diretor espiritual, Emmanuel, que nos diz que um estudo acerca da personalidade de Antúlio exigiria minudências relacionadas com a história, no espaço e no tempo, que, de imediato, não podemos realizar. De modo que, tão somente, pode afiançar-nos que se trata de uma entidade de elevada hierarquia, no plano espiritual; vamos dizer; um ASSESSOR, ou um daqueles ASSESSORES, que servem nos trabalhos de execução do plano divino, confiado ao Nosso Senhor JESUS CRISTO, para a realização do progresso da Terra, em geral.
Esclarece nosso amigo que JESUS CRISTO, como GOVERNADOR de nosso mundo, no sistema solar, conta, naturalmente, com grandes instrutores, para a evolução física e para a evolução espiritual, na organização planetária. E, subordinados a esses ministros, para o progresso da matéria e do espirito, no plano que nós habitamos presentemente, conta Ele com uma assembléia de múltiplos INSTRUTORES, de variadas condições, que lhe obedecem as ordens e instruções, numa esfera, cuja elevação, de momento, escapa à nossa possibilidade de apreciação. Antúlio forma no quadro destes elevados servidores.
Pergunta: – Que pode o irmão dizer-nos a respeito do astro que se avizinha, segundo a predição de Ramatís?
Chico Xavier: – Esclarece nosso orientador espiritual que o assunto alusivo à aproximação de um Planeta ou de Planetas, da zona – ou melhor da aura da Terra – deve, naturalmente, basear-se em estudos científicos, que possam saciar a curiosidade construtiva das novas gerações renascentes no mundo.
O problema, desse modo, envolve acurados exames, com a colaboração da ciência e da observação de nossos dias.
Razão por que pede ele que não nos detenhamos na expressão física dos acontecimentos que se vizinham, para marcar maiores acontecimentos – acontecimentos esses de natureza espetacular – na transformação do plano em que estamos estagiando, no presente século.
Afirma nosso amigo que o progresso da óptica e das ciências matemáticas, serão portadoras, naturalmente, de ilações, conclusões da mais alta importância para os nossos destinos, no futuro próximo.
Pergunta: – Pode Emmanuel dizer-nos algo a respeito da verticalização do eixo da Terra e das transformações que esta sofrerá, segundo Ramatís?
Chico Xavier: – Afirma nosso Orientador espiritual que não podemos esquecer que a Terra, em sua constituição física, propriamente considerada, possui os seus grandes períodos de atividade e de repouso.
Cada período de atividade e cada período de repouso da MATÉRIA PLANETÁRIA, que hoje representa o alicerce de nossa morada temporária, pode ser calculado, cada um, em duzentos e sessenta mil (260.000) anos.
Atravessando o período de repouso da matéria terrestre, a vida se reorganiza, enxameando de novo, nos vários departamentos do Planeta, representando, assim, novos caminhos para a evolução das almas.
Assim sendo, os GRANDES INSTRUTORES da Humanidade, nos PLANOS SUPERIORES, consideram que, desses 260.000 anos de atividade, 60 a 64 mil anos são empregados na reorganização dos pródomos da vida organizada.
Logo em seguida, surge o desenvolvimento das grandes raças que, como grandes quadros, enfeixam assuntos e serviços, que dizem respeito à evolução do espírito domiciliado na Terra.
Assim, depois desses 60 a 64 mil anos de reorganização de nossa Casa Planetária, temos sempre grandes transformações, de 28 em 28 mil anos.
Depois do período dos 64 mil anos, tivemos duas raças na Terra, cujos traços se perderam, por causa de seu primitivismo.
Logo em seguida, podemos considerar a grande raça Lemuriana, como portadora de uma inteligência algo mais avançada, detentora de valores mais altos, nos domínios do espírito.
Após a raça Lemuriana – em seguida aos 28.000 anos de trabalho lemuriano propriamente considerado – chegamos ao grande período da raça Atlântida, era outros 28.000 anos de grandes trabalhos, no qual a inteligência do mundo se elevou de maneira considerável.
Achamo-nos, agora, nos últimos períodos da grande raça Ariana.
Podemos considerar essas raças, como grandes ciclos de serviços, em que somos chamados de mil modos diferentes, em cada ano de nossa permanência na crosta do planeta, ou fora dela, ao aperfeiçoamento espiritual, que é o objetivo de nossas lutas, de nossos problemas, de nossas grandes questões, na esfera de relações, uns para com os outros.
Assim considerando, será mais significativo e mais acertado, para nós, venhamos a estudar a transformação atual da Terra sob um ponto de vida moral, para que o serviço espiritual, confiado às nossas mãos e aos nossos esforços, não se perca em considerações, que podem sofrer grandes alterações, grandes desvios; porque o serviço interpretativo da filosofia e da ciência está invariavelmente subordinado ao Pensamento Divino, cuja grandeza não podemos perscrutar.
Cabe-nos, então, sentir, e, mais ainda, reconhecer, que os fenômenos da vida moderna e as modificações que nosso “habitat” terreal vem apresentando nos indicam a vizinhança de atividades renovadoras, de considerável extensão.
Daí esse afluxo de revelações da vida extra-terrestre, incluindo sobre as cogitações dos homens; esses apelos reiterados, do mundo dos espíritos; essa manifestação ostensiva, daqueles que, supostamente mortos na Terra, são vivos na eternidade, companheiros dos homens em outras faixas vibratórias do campo em que a humanidade evolui.
Toda essa eclosão de notícias, de mensagens, de avisos da vida espiritual, devem significar para o homem, domiciliado na Terra do presente século, a urgência do aproveitamento das lições de JESUS.
Elas devera ser apreciadas em si mesmas, e examinadas igualmente no exemplo e no ensinamento de todos aqueles que, em variados setores culturais, políticos e filosóficos do globo – lhe traduzem a vontade divina, que na essência é sempre a nossa jornada para o Supremo Bem.
*Os termos da comunicação obtida em Curitiba (a “Conexão de Profecias”, de Ramatís) são de admirável conteúdo para a nossa inteligência, de vez que, realmente, todos os fatos alusivos à evolução da Terra, e referentes a todos os eventos, que se relacionam com a nossa peregrinação para a vida mais alta, estão naturalmente planificados, por aqueles MINISTROS de Nosso Senhor JESUS CRISTO; os quais, de acordo com Ele, estabelecem programas de ação para a COLETIVIDADE PLANETÁRIA, de modo a facilitar-lhe os vôos para a divina ascensão.
Embora, porém, esta mensagem, por isso mesmo, seja digna de nosso melhor apreço, contudo, na experiência de companheiro mais velho, recomenda-nos nosso Orientador Espiritual (Emmanuel) um interesse mais efetivo, para a fixação de valores morais em nossa personalidade terrena, de conformidade com os padrões estabelecidos no Evangelho de nosso Divino Mestre.
Porque, para nossa inteligência, os fenômenos renovadores da existência que nos cercam têm qualquer coisa sensacional, de surpreendente, nosso coração de inclinar-se, humilde, diante da Majestade do Senhor, que nos concede tantas oportunidades de trabalho, em nós mesmos, a revelação dos grandes acontecimentos porvindouros; novo soerguimento íntimo, novo modo de ser, a fim de que estejamos realmente habilitados a enfrentar valorosamente as lutas que se avizinham de nós, e preparados para desfrutar a Nova Era que, qual bonança depois da tempestade, facilitará nossos círculos evolutivos.
Será, todavia, muito importante encarecer, que não devemos reclamar, do TERCEIRO MILÊNIO, uma transformação absolutamente radical, nos processos que caracterizam, por enquanto, a nossa vida terrestre.
O prazo de 47 anos é diminuto, para sanar os desequilíbrios morais, de tantos séculos, em que o nosso campo coletivo e individual adquiriu tantos débitos, diante da sabedoria e diante do amor, que incessantemente apelam para nossa alma, no sentido de nos levantarmos, para um clima mais aprimorado da existência.
Não podemos esquecer, que grandes imensidades territoriais, na América, na África e na Ásia, nos desafiam a capacidade de trabalho.
Não podemos olvidar, também, que a Europa, superalfabetizada, se encontra num Karma de débitos clamorosos, à frente da LEI, em doloroso expectação, para o reajuste moral, que Ihe é necessário.
Aqui mesmo, no Brasil, numa nação com capacidade de asilar novecentos (900) milhões de habitantes, em quatrocentos e alguns anos de evolução, mal estamos – os espíritos, encarnados na Terra em que temos a bênção de aprender ou recapitular a lição do Evangelho – mal estamos passando das faixas litorâneas.
Serviços imensos esperam por nossas almas no futuro próximo.
E, se é verdade que devemos aguardar, em nome de Nosso Senhor JESUS CRISTO, condições mais favoráveis para a estabilização da saúde humana, para o acesso mais fácil às fontes da ciência; se nos compete a obrigação de esperar o melhor para o dia de amanhã cabe-nos, igualmente, o dever de não olvidar que, junto desses direitos, responsabilidades constringentes contam conosco, para que o Mundo possa, efetivamente, atender ao programa Divino, através, não somente da superestrutura do pensamento científico – que é hoje um teto brilhante para os serviços de inteligência do mundo – mas também, através de nossos corações, chamados a plasmar uma vida, que seja realmente digna de ser vivida por aqueles que nos sucederão nos tempos duros; entre os quais, naturalmente, milhões de nós os reencarnados de agora, formaremos, de novo, como trabalhadores que voltam para o prosseguimento da tarefa de auto acrisolamento, para a ascensão sublime, que o Senhor nos reserva.
Considerando, assim, a questão sob este prisma, cabe-nos contar com o concurso da ciência, no setor das observações de ordem material; com a evolução dos instrumentos de óptica; com o avanço dos processos de exame, na esfera da QUÍMICA PLANETÁRIA, na qual os mundos podem ser analisados, como ÁTOMOS DA AMPLIDÃO DE UNIVERSOS, que se sucedem uns aos outros, no infinito da Vida.
Será lícito, então, esperar que certas afirmativas, referentes a vida material, se positivem satisfatoriamente, para mais altas concepções da MENTE PLANETÁRIA; de vez que, muito breve, o homem estará ligado à glória da RELIGIÃO CÓSMICA, da Religião do Amor e da Sabedoria, que o CRISTIANISMO RENASCENTE, no Espiritismo de hoje, edificará para a Humanidade, ajustando-a ao concerto de bênçãos, que o grande porvir nos reserva.
Pergunta: – Foi, de fato, há 37.000 anos que submergiu a Atlântida?
Chico Xavier: – Diz nosso Amigo (Emmanuel) que o cálculo é, aproximadamente, certo, considerando-se que as últimas ilhas, que guardavam os remanescentes da civilização atlântida, submergiram, mais ou menos, 9 a 10 mil anos, antes da Grécia de Sócrates.
Pergunta: * – Acha nosso irmão que a Mensagem de Ramatís deva ser divulgada com amplitude?
Chico Xavier: – Diz nosso Orientador que a Mensagem é de elevado teor…
E todo trabalho organizado com o respeito, com o carinho e com a dignidade, dentro dos quais essa Mensagem se apresenta, merece a nossa mais ampla consideração, de vez que todos nós, em todos os setores, somos estudiosos, que devemos permutar as nossas experiências e as nossas conclusões para a assimilação do progresso, com mais facilidade em favor de nós mesmos.
Revista Boa Vontade, Ano 1, n0 4 – Outubro de 1956.”

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Roberto Carlos e Chico Xavier - Uberaba

Roberto Carlos e Chico Xavier


Roberto Carlos e Chico Xavier. Todos sabem que Roberto Carlos é católico. O que nem todos sabem é que desde os anos 70. ele era grande admirador e amigo de Chico. Foto de 1992

GRUPO ESPÍRITA DA PRECE, 17 DE JUNHO 1983 (UBERABA MG)

Grupo Espírita da Prece

(EMMANUEL/CHICO XAVIER)

Grupo Espírita da Prece, 17 de junho 1983 (Uberaba MG)
Convidados difíceis
(Os assistidos insatisfeitos nas atividades beneficentes)
1 A caridade, em algumas ocasiões, encontra problemas aparentemente contraditórios.
2 Aparecem os irmãos necessitados, diante dos recursos assistenciais que se lhes reserva; e o júbilo da gratidão lhes brilha no olhar, a iluminar-lhes a face antes pálida e triste.
3 Entretanto, para logo se destaca o grupo dos insatisfeitos.
4 Muitas vezes se aproximam dos amigos que lhes entregam o carinho materializado da beneficência e reclamam com azedume.
5 Habitualmente, afirmam-se lesados na expectativa que mantinham acerca das doações que recolhem.
6 Desejariam obter os recursos que não lhes foram doados.
7 Referem-se a privações ocultas.
8 Relacionam as doenças de que se acreditam portadores.
9 Quereriam mais dinheiro e mais facilidades, além dos benefícios que lhes são oferecidos e, em muitos casos, se desmandam em acusações gratuitas e indiretas.
10 Se integras essa ou aquela equipe de assistência aos irmãos em penúria e se te vês à frente desses companheiros inconformados, silencia, sempre que lhes não possas atender as exigências.
11 Sobretudo, não lhes reproves a dor.
12 Quase todos esses amigos que descambam para a queixa indébita são nossos associados de existências do pretérito que se transviaram, um dia, nos abusos da finança e do poder.
13 Menosprezando os valores que a vida lhes confiou, ignoram presentemente como aceitar a carência e a provação.
14 Não lhes acolhas as lamentações no vinagre da crítica. Ao invés disso, escuta-lhes as referências descabidas com serenidade e entendimento. 15 São todos eles herdeiros de Deus, tanto quanto nós, e convidados de Cristo, para o banquete da beneficência, do qual te fazes servidor. 16 Junto deles, nossos irmãos descontentes, é que descobrimos, com mais segurança, o ensejo de aprender como entesourar as forças da humildade e a maneira mais fácil de acender, em nosso próprio espírito, a luz da abnegação.
.Emmanuel
(Grupo Espírita da Prece, Uberaba (MG), 17 de junho de 1983).

CHICO, O AMIGO DOS ANIMAIS.

Chico Xavier



Todos aqueles que conhecem a vida de Chico Xavier, vêm observando, ao longo do tempo, o seu grande amor pelos animais.
Em sua casa, ele tinha dois cachorrinhos da raça pequinês, chamados Brinquinho e Fofa.
Brinquinho, apesar de encontrar-se cego e doente, acompanhava o Chico em todos os seus movimentos dentro de casa.
Enquanto o médium trabalhava, psicografando páginas e mais páginas dos Amigos Espirituais, Brinquinho permanecia debaixo da mesa, aos pés do dono, como se estivesse orando …
À chegada de alguém, ele latia ou aproximava-se mais de seu benfeitor, no intuito de protegê-lo
Brinquinho só faltava falar, pois Chico conversava muito com ele, e o mais espantoso é que ele compreendia tudo e respondia a seu modo.
No dia 12 de outubro, quando comemorávamos o Dia da Criança, ele partiu para o Mundo Espiritual.
Apesar de não se queixar, percebemos a dor do Chico, com a separação transitória do “grande amigo”, qual ele se referia sempre ao cachorrinho.
O amigo dos animais o enterrou no quintal de sua casa, bem próximo de seu quarto. Chico contou-nos um lindo fato sobre Brinquinho, evidenciando que ele era um cachorro diferente.
Em certa época, havia em sua casa uma gata que tinha dado à luz a muitos gatinhos. Eles, porém, eram muito pequeninos e tinham muita dificuldade de aproximarem-se da mãe, para mamar.
Brinquinho, então, conduzia-os ternamente, com a boca, até a “mamãe gata”, da mesma forma que ela procedia para carregá-los …
Ao recordar do amigo, os olhos de Chico brilhavam pelas lágrimas de saudades!
Fofa, a outra cachorrinha, que ainda permanece ao lado do médium, também sentiu muita falta de branquinha, e a cada dia apega-se mais ao seu grande protetor…
E. muitas vezes, ao distanciar-se dele, ela o chama, num som bem nítido: “Chi … Chi …”
Outro lado interessante do amor de Chico aos animais é o que acontece quando ele vai à Goiânia, nas vésperas do Natal, visitar os irmãos hansenianos na Colônia Santa Marta.
Como mensageiro da esperança, a sua presença é o melhor presente de Natal, como dizem os próprios doentes.
Mas, a chegada de Chico à Colônia é precedida de grande inquietação, não somente por parte dos amigos que lá residem, mas, sobretudo, por um cão…
Contam alguns amigos goianenses que este cachorro tinha uma doença na pele e estava destinado a ser sacrificado …
Ao vê-lo na Colônia, Chico aproximou-se, ajoelhou e abraçou-o.
Desde então, ele curou-se. Chico deu-lhe o nome de Menino.
Ele parece pressentir quando o amigo está para chegar, pois fica todo agitado, ganindo muito. Quando o carro que conduz Chico estaciona, Menino tenta soltar-se da coleira para ir ao seu encontro.
Ele que era um cão feroz, devido à erupção na pele, agora é dócil, principalmente com o seu grande amigo de Uberaba.
Os animais têm alma, e Chico é sensível a esta realidade, auscultando-lhe o psiquismo e, em sua vida de renúncia, eles lhe valem por grandes companheiros em suas horas de solidão.
[Do livro “Chico Xavier – Mediunidade e Ação”, escrito por Carlos Antônio Baccelli, de Uberaba, MG]
Márcia Q. Silva Baccelli
(Foto do acervo pessoal de Eurípedes Higino)

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

PRESENTE DE ANO NOVO (LEONEL VARANDA/CINEMATECA BRASILEIRA – 2016)



Encontro com Roberto Carlos. Nas distribuições na periferia de Uberaba com Guiomar Albanesi, Eurípedes Higino, Carlos Antônio Baccelli, Weaker Batista, Iolanda Cezar. Eventos públicos com Oswaldo Godoy Bueno, Marlene Nobre, Dr Freitas Nobre, e outros amigos que contamos com vossa ajuda para identificar...

Excertos de entrevistas:

1) Maior emoção: reencontro com sua Mãe desencarnada

2) Sistema de compreensão humana e entendimento fraterno para atenuar os conflitos; Guerra é soma nefasta do ódio, ressentimentos, aversões que cultivamos na intimidade doméstica e que vão para vida pública. Amor com Jesus poderá nos livrar dessa calamidade

3) Discrição de Chico ao dizer que sua mediunidade não tem capacidade para a interpretação do Apocalipse, esse grande documentário do Apóstolo João Evangelista...


Créditos: direitos autorais da Cinemateca de São Paulo adquiridos por Leonel Varanda, filho de Dr Jarbas Leone Varanda, querido amigo de Chico Xavier. Agradecimentos a Leonel Varanda e seu sobrinho Roberto Salgado Gonçalves Filho Lar Espírita Jarbas Leone Varanda

O DIA QUE CHICO XAVIER, PEIRÓPOLIS E ZEBU QUASE VIRARAM ESCOLA DE SAMBA

Encerro, hoje, reminiscências do carnaval de Uberaba, com um fato acontecido em 2014. Um daqueles malandros de escolas de samba do Rio de Janeiro, veio a Uberaba “oferecendo” um samba enredo envolvendo os principais pontos turísticos da cidade. Chico Xavier, Peirópolis e Zebu, para desfile na “Marquês de Sapucaí”. O preço, módico, da promoção seria “ apenas” de 10 MILHÕES DE REAIS ! Nossas autoridades municipais entusiasmaram-se com a “proposta” e, não fosse a gritaria de uma parte da imprensa, o “negócio” teria saído… As “otoridades” ficaram tristes por não ter realizado o evento, mas, prometendo para o ano seguinte(2015), que o assunto seria estudado com muito carinho. Felizmente, a vontade gorou. Dias após a desistência uberabense, encontro na caixa postal aqui de casa, o “poeminha” que guardei com carinho e que, agora, vou torná-la pública. Além de real e sincera, encerra uma boa dose de humor:
O DIA QUE CHICO XAVIER, PEIRÓPOLIS E ZEBU QUASE VIRARAM ESCOLA DE SAMBA
I
Noite dessa sonhei que apanhei
De dor, saudade, males outros e infelicidade
Quis reagir- qual nada- em vão – meio tarde
Zombavam da minha dor. Gritei !
Il
UBERABA- como fazem maldade com Você !
Filhos que nem dessa terra são, judiam de ti
Quanta amargura, desventura, não posso esquecer
Tôlo, bobo, tapas, bofetões, sem reagir, não esqueci
III
Agora, eles querem um carnaval bacana
Não mais no Tutunas, nem no ciclo- parque
Querem voar mais longe- pasmem ! – Copacabana
Misturar dinossauro- religião e carne de charque
IV
Casar Chico Xavier com dinos jurássicos
Zebu chupar cana com gás e amônia
Montar fantasias com laços elásticos
Gastar nosso dinheirinho sem cerimônia
V
Quanta insensatez – descaramento- Deus meu !
Ridículo tem limite – vergonha , um pouco mais
Moral, costume, honestidade, tudo morreu?
Desfaçatez ganha força … pudor nunca é demais…
VI
Dinheiro do povo é dinheiro sagrado
Não se joga no ralo da inutilidade
Pobre trabalha e o seu labor é suado
Nunca servir à imoralidade e desonestidade
VII
Quem quiser carnaval, faça do próprio bolso
Cortesia com chapéu alheio é feio
Não deve ser usado para estranho reembolso
É como roubar dos pássaros seu mavioso gorgeio !
VIII
Chico não precisa de samba enredo
Peirópolis quer turismo e atenção
Zebu é mais conhecido que floresta de arvoredo
UBERABA quer progresso – não enredo e ilusão
IX
Chegou a hora de dizer não aos patrões
Pão e circo podem esperar um pouco mais
Nossos problemas carecem soluções
Basta de burrocracia e preguiça formais
X
No desfile da Sapucaí- que é aquilo ?
Chico Xavier – dono de fazenda de dinos ?
Zebu – pastando e flutuando sobre a cana ?
Fazendeiros de chapéu aba larga, ultra finos?
Peirópolis faceira- rainha jurássica- mostrada soberana…
XII
Preocupante é o desfecho do terrível desfile-enredo
Dinossauro procurando o boi zebu
Chico Xavier – divertindo-se – alegremente- no folguedo
O boi escondendo o rabo, à evitar um maior rebu
XIII
Não vi peixe sentado em nelore de tonelada
Chico Xavier, sorridente, não puxava dinossauro pela corrente
Estava de volta a minha Uberaba , hospitaleira, ordeira e decente!
Acordei do pesadelo, confesso, sem nenhuma mágoa guardada…

Luiz Gonzaga de Oliveira

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

CHICO XAVIER – LUZ MISTERIOSA FILMADA EM HOSPITAL - UBERABA

Algo estranho foi visto na webcam do programa “Breakfast News” do canal regional Look North da BBC, no dia 04 de agosto de 2009. Um feixe de luz prateada passou diante da tela no momento em que o apresentador Colin Briggs lia as manchetes. A BBC Look North chegou a pedir aos telespectadores para que eles dissessem o que eles acharam que a webcam mostrou.

Quando assisti ao vídeo da webcam, lembrei daquele outro feixe de luz prateada que filmaram voando rumo ao quarto do hospital onde o médium Chico Xavier se encontrava internado no dia 30 de junho de 2001 em Uberaba, vítima de uma pneumonia, ficando entre a vida e a morte . Logo após o incidente da luz, Chico melhorou de maneira espantosa!

Como estes dois feixes de luz se parecem tive então a idéia de editar este vídeo, colocando as duas filmagens para comparação. O vídeo que editei está com qualidade ruim, mas mesmo assim dá pra notar a semelhança entre estes dois misteriosos feixes de luz.

Espíritas e espiritualistas dizem que o que as câmeras filmaram podem ser espíritos de Luz, espíritos estes que já são tão elevados que nem possuem mais uma forma humana.

Já vários ufólogos dizem também que o que as câmeras filmaram são na verdade Rods. Na ufologia, Rod (em inglês: Bastonete) São estranhos objetos em forma de bastão que voam em altíssima velocidade e que são filmados em todo mundo, sendo geralmente vistos somente em câmera lenta. Os Rods tem um aspecto meio transparente, sendo possível ver o céu que está por detrás deles. Eles também são chamados de “aeroformas”, podendo ser classificados em Nebulosos, Translúcidos e Gelatinosos. Os Rods se comportam de maneira “inteligente”. A ideia de os Rods serem bioformas não é exatamente uma novidade.

Neste vídeo, alguns estudiosos analisam a filmagem da luz misteriosa que voou rumo ao hospital, verificando se o filme trata-se de uma fraude ou ilusão de ótica.

Espíritos? Fenômenos da natureza? Ilusões de ótica? Objetos extraterrestres? Rods?

Um clima de muito mistério ronda estes dois vídeos!


Fernando Lima Ribeiro