Mostrando postagens com marcador Ataliba Guaritá Neto. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ataliba Guaritá Neto. Mostrar todas as postagens

sábado, 5 de junho de 2021

O cabeleireiro que encantou os jovens e irritou os coronéis

Como em um jogo de cartaz marcadas, o destino preparou para Ronaldo exatamente o local onde anos antes dera início ao exercício de sua profissão

O jornalista e radialista Ataliba Guaritá Neto, o Netinho, titular na coluna Observatório, no extinto centenário Lavoura e Comércio tentou por três vezes cortar o cabelo no novo e já badalado salão, instalado no recém inaugurado Edifício Rio Negro, ocupando uma sala na galeria comercial mais charmosa de Uberaba e região, entregue à comunidade entre o final de 1969 e início de 1970. Depois de três tentativas frustradas, Netinho aceitou então a norma estabelecida pelo cabeleireiro Ronaldo Perfeito da Cunha e agendou dia e hora para que fosse atendido. No procedimento, ouviu de Ronaldo a garantia de que quando chegasse, a cadeira estaria livre para se sentar.

O jornalista gostou do atendimento, do corte e ainda do bate-papo com o jovem Ronaldo. Para a surpresa do cabeleireiro, na edição do dia seguinte, ao foliar o vespertino, deparou-se com nota de abertura na coluna Observatório, onde o ilustre cliente do dia anterior tecia elogiosos comentários ao seu trabalho e ao formato de seu micro empreendimento, o Salão Ronaldo Cabeleireiro. "Para evitar espera, o cabeleireiro Ronaldo, instalado na Galeria do Edifício Rio Negro, trabalha no estilo dos grandes salões do eixo Rio-São Paulo. Devido ao elevado número de clientes e para evitar a espera, o profissional abriu seu salão para trabalhar nos moldes dos grandes cabeleireiros brasileiros, ou seja, com hora marcada para o corte de seu cabelo", assinalou o colunista na nota.

Ronaldo Perfeito da Cunha - Foto Antonio Carlos Prata.


Ronaldo iniciou-se ainda muito jovem na profissão. Nascido em 1943, em Uberaba, aos 13 anos de idade teve sua primeira experiência em salão de cabeleireiro, porém, em Uberlândia, onde esteve uma temporada morando e trabalhando de engraxate no salão do tio. Dali, foi um passo para rapidamente aprender a cortar cabelo. De volta a Uberaba, o adolescente Ronaldo teve o incentivo de uma namoradinha para que procurasse um salão para trabalhar. Quem sabe, pesou ele, ao ouvir a sugestão da namorada, que trazia no detalhe o fato de ser quatro anos mais velha que ele. Sua primeira experiência foi exatamente onde seria erguido o edifício Rio Negro, onde no futuro se instalaria em uma sala na charmosa galeria. Era 1961 e o Salão Avenida, na av. Leopoldino de Oliveira, onde ele havia se iniciado, deu lugar a um canteiro, após a demolição do antigo prédio para início das obras de fundação do arranha-céu. Seu espaço para trabalhar, no entanto, limitava-se aos sábados ou aos horários em que o proprietários lhe disponibilizava a cadeira e instrumentos.

Jamais ele imaginaria, no entanto, que sua mudança para um outro salão, no ano seguinte, onde conseguiu vaga para trabalhar de segunda a sexta-feira, em horário comercial, o traria problemas com grandes pecuaristas de Uberaba (coronéis como eram tratados à época}, já em projeção por todo o país pela excelência na seleção do gado Zebu. Propriedade de Geraldo Luiz da Silva, o Salão Lord, instalado no hall de entrada do edifício onde funcionava o Palace Hotel, na praça Rui Barbosa, esquina da Rua São Sebastião, em frente a residência do pecuarista Cel. Manoel Mendes. Elvis Presley já era sucesso pelo mundo todo e os Beatles também já embalavam a juventude em todo o mundo rock and Roll, no ritmo do iê iê iê. Cabelos longos, cobrindo a orelha e a nuca, franja, enlouqueciam sobretudo as meninas. O jovem cabeleireiro Ronaldo, roqueiro assumido, usava corte de cabelo da moda, com formato extravagante para a época, sobretudo para sociedade conservadora em terra dominada pelos coronéis do Zebu. Seu comportamento, sua maneira de se vestir, seu gosto musical aguçaram a preferência dos filhos dos pecuaristas para a contrariedade dos pais. Diziam que até seu corte de cabelo influenciava seus filhos

Um grupo de pais, procurou então o proprietário do Salão Lord para exigir que o jovem cabeleireiro voltasse a usar corte de cabelo denominado à época americano, como usara no período em que esteve alistado ao Serviço Militar, encerrado no ano anterior. Ronaldo não acatou a ordem vinda do pais de seus clientes, através do proprietário do salão e "o tempo fechou". Uma campanha entre famílias fora desencadeada para mudar o comportamento do jovem cabeleireiro, que na opinião dos conservadores influenciava seus filhos a aderir à moda dos cabelos longos. Veio o Golpe Militar em 1964 e com ele duros ataques a opositores e aos jovens com comportamento considerado subversivo à ordem e a tradições. Ronaldo ainda fazia uso de lança-perfume, comum à época, sobretudo nos bailes de carnaval, até esta ter seu uso proibido, em 1966. Nesse período, como todo jovem considerado fora dos padrões sociais da época, Ronaldo recebeu o rótulo de comunista e pagou alto preço por teimar em usar cabelos longos e curtir rock and. Roll. Um processo e a ausência dos clientes, sobretudo os filhos dos pecuaristas, esvaziou seu salão e pôs fim, aparentemente, a um futuro promissor para ao jovem profissional. Deixou o Salão Lord e moveu ação trabalhista contra o proprietário Geraldo Luiz da Silva. Perdeu a causa, pois não havia vínculo empregatício, alegou o reclamado e o Juiz do Trabalho arquivou o processo.

Salão Novo, vida nova

Como em um jogo de cartaz marcadas, o destino preparou para Ronaldo exatamente o local onde anos antes dera início ao exercício de sua profissão (Salão Avenida), mais ainda em antigo prédio onde no futuro próximo seria instalado o seu exuberante salão, acomodado na charmosa galeria, no novo edifício Rio Negro, onde atendeu o badalado jornalista, já em 1970. Ronaldo acertou a vida com mais essa oportunidade e abriu o reinicio de suas atividades profissionais. Em negociação com diretores da empreendedora, responsável pelo projeto de construção do Rio Negro, o cabeleireiro aguardou somente o término das obras, uma vez que já havia assegurado com o proprietário da empresa a locação de uma sala para instalar seu salão, o primeiro somente seu. Enquanto aguardava a entrega da sala, com a obra em fase final, se mandou para São Paulo para escolher a sua cadeira nova, a primeira sob sua aquisição e usada até hoje, porém, em outro espaço, no Edifício Chapadão, à rua Major Eustáquio. Era 1968, anos de mudanças na vida social e política do país, com a edição do Ato Institucional 5, o AI-5, e Ronaldo cuidou primeiro de atender a sua nova clientela. Tudo diferente e usual para a época em se tratando de salão de cabeleireiro em Uberaba: sem espera e com hora marcada, ar condicionado, tapete, sofá, revistas à disposição em uma mesinha se centro e, claro, o garoto engraxate. Sucesso total e o mais procurado da cidade.

De volta à política

O cabeleireiro Ronaldo deu sequência à sua profissão, com salão lotado diariamente, já casado com Neusa Ribeiro da Cunha, pai de três filhas (Patrícia, Débora e Taciana) no início dos anos de 1970, acumulando respeito entre clientes, simpatia, popularidade, mantendo-se longe da política, já que o próprio regime Militar impedia atuação democrática, pois foi adotado a partir de 1965 pelos militares o bipartidarismo, com apenas Arena(situação) e MDB(oposição).

De volta aos estudos

Na década de 1970, Ronaldo voltou à escola que havia abandonado ainda na adolescência para se dedicar ao trabalho. Formou-se em direito em 1979, colando grau em janeiro de 1980. Um ano antes, no entanto, aceitou convite do amigo, também advogado Vicente Paulo Oliveira e com ele fundou o diretório municipal do Partido Democrático Trabalhista PDT, logo após o início do processo de abertura democrática do pais, quando a sigla teve como fundador Leonel Brizola, ainda no exilio, quando promoveu o primeiro congresso dos trabalhistas em Lisboa, Portugal. Hoje Ronaldo Perfeito da Cunha conta que passou a admirar Leonel Brizola, quando tomou conhecimento de que o gaúcho havia doado terras de sua propriedade para um programa de Reforma Agraria no Rio grande do Sul. A sigla PDT também serviram de iniciais para os nomes das filhas, Patrícia, Débora e Taciana. Montou seu escritório para advogar junto ao seu novo salão, pois havia se transferido em 1978 para o Edifício Chapadão, onde está até hoje, em sala adquirida por ele com tudo que ganhara trabalhando no estabelecimento da av. Leopoldino de Oliveira, na charmosa galeria. Filiado ao PDT, com cargo de vice-presidente na Executiva do Diretório Municipal da agremiação, Ronaldo engajou-se na luta pela anistia e no processo de redemocratização do país, exercendo a advocacia e a profissão de cabeleireiro. Candidatou-se a vereador em 1982, primeiras eleições democráticas, mas só alcançou 29 nove votos. "Não havia tempo e muito menos dinheiro para a campanha", conta.

Advogou por dois anos, voltou a se candidatar a vereador seis anos depois, em 1988, mas desistiu da campanha a uma semana do pleito por discordar de negociatas e conchavos, segundo ele, da direção da sigla com os interesses que elegeriam Hugo Rodrigues da Cunha(PFL) prefeito de Uberaba. Mesmo assim, embora tenha abandonado a campanha obteve 299 votos. A advocacia deixou quando teve negado na Justiça a seu acompanhamento à Ação Popular contra Wagner do Nascimento, no processo conhecido como "Escândalo da Amgra". Ao tentar protocolar petição na tentativa de ter acesso aos autos, foi barrado pelo Juiz Márcio Antônio Correa, sob a justificativa de que o processo corria em segredo de Justiça. "Como em segredo de Justiça se é uma ação popular". Indagou em seu desentendimento com o magistrado. Ele diz não se conformar até hoje com o ocorrido. Contudo, à época, preferiu deixar a advocacia e voltar-se tão somente à profissão de origem.

Perseguição e rótulo de comunista

Mais uma vez, agora no final da década de 1980, Ronaldo sofre perseguições da elite conservadora devido a seu comportamento e desta vez por militância política, sobretudo por se alinhar às fileiras formadas por um ex-exilado que voltara ao pais com a anistia, trazendo na bagagem suas velhas teses socialistas. Para seu espanto a campanha contra ele não era liderada pelos coronéis, mas pelos filhos destes, os mesmos jovens clientes do passado que lhe acompanhavam no modelo do corte de cabelo quando foi perseguido, no início da década de 1960, levando a irritação os pais coronéis, no início de carreira. Mais uma vez rotulado como comunista, agora pela sua adesão ao movimento socialista de Leonel Brizola e o seu discurso contra a candidatura conservadora de Hugo Rodrigues da Cunha. Tudo isso justamente no bate-papo estabelecido quando cortava o cabelo do velhos clientes, agora na faixa de quarenta anos e que no passado também lhe rendera popularidade e a fama, aliadas a simpatia.

A partir daí, nunca mais seu salão de cabeleireiros apresentou filas, formatadas em sua agenda de papel, ainda sobre a mesa de trabalho com uma caneta e um telefone fixo. Nunca mais sua clientela foi a mesma em volume e numerário, embora até hoje ainda atenda à terceira e quarta gerações de alguns poucos clientes do passado. Na década de 1990, viu sua clientela ser reduzida ainda mais, devido suas opiniões sobre os destinos da Nação, embora desta feita somente como cidadão e eleitor. Nunca mais desde que desistiu de sua candidatura a vereador, em 1988, militou em política partidária, embora mantenha a sua filiação ao PDT.

Novo Golpe, novas perdas

Mais uma vez, seus comentários nos bate-papos com clientes, mesmo procurando reserva para se resguardar de perseguições o cabeleireiro Ronaldo viu acentuar ainda mais a queda da clientela. Hoje ele ainda trabalha, aos quase 77 anos a completar em julho próximo, mas com agenda de papel em páginas quase vazias, atendendo um ou outro cliente ou descendentes de alguns daqueles dos bons tempos. Para Ronaldo, sua posição ao desenrolar de um planejamento pela direita que culminou com a queda do governo Dilma Rousseff, com o retrocesso, que levou ao poder novamente os conservadores, sob a liderança de Jair Bolsonaro, de certa forma, coloca a si e seu salão em situação de esvaziamento como tudo que ocorreu em toda a Nação em se tratando de extinção dos avanços alcançados a duras penas nos anos sucedidos pela abertura democrática. "Não me arrependo, faria tudo de novo, hoje pelo futuro de meus seis netos e a construção de um país melhor para as gerações que virão, certamente após a minha partida deste mundo", garante ele.


(Walter Farnezi / Uma primeira versão desse texto foi publicada no Jornal de Uberaba em 28/03/2020)

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

OS “ CORONÉIS “

A fase do “coronelismo” em Uberaba, é muito antiga. Secular, até. Nefasto legado pelos nossos antepassados que, não fosse a “ louca” figura de Mário Palmerio, trazendo cursos universitários ( Escolas superiores) para a santa terrinha, até hoje, estaríamos vivendo apenas a era do Diocesano, Nossa Senhora das Dores e Escola Normal. Os filhos dos ricos “ coronéis” indo estudar nas grandes Universidades brasileiras e os filhos da pobreza , amargando tão somente o curso técnico profissionalizante da Escola “ José Bonifácio”... Meninas estudando no “ colégio das freiras” e os meninos no “ Marista”.. .Autênticos clubes do “bolinha” e “ luluzinha”... Palmério, criou o Colégio Triângulo, onde estudavam juntos, moças e rapazes, independentemente da classe ou categoria social, sem distinção de credo, cor ou raça . Daí a raiva que quase transformou-se em ódio da “ coronelada” devotada ao grande líder.

Ataliba Guaritá Neto, o eterno Netinho de inesquecível presença, nasceu em berço confortável .Rico ? nem tanto.. .Estudou no Rio de Janeiro, sem contudo, concluir curso universitário. Não precisou. Era tão ou mais inteligente e capaz que muitos daqueles jovens possuidores de “ canudos” que, sem atividade fixa, perambulavam pelas ruas da cidade. Netinho, vocação ímpar para a comunicação, ao retornar à terrinha que tanto amava , foi trabalhar no rádio (PRE-5) e no jornal (“Lavoura e Comércio”). Seu talento saía pelos poros. Versátil, improvisador incomum, despontou. Amigo sem defeito, conquistou mercê a sua esmerada educação, companheirismo e lealdade, toda Uberaba. 

Redemocratizado o País, candidatou-se à vereador. A cidade gostava dele. Ganhou com” um pé nas costas”. Despontava ali, uma grande liderança. Filiado à UDN, a “ eterna vigilância”, fazia oposição aos PTB, de Palmério e Boulanger Pucci, eleito Prefeito, com elegância acima de tudo. Netinho, era a “ coqueluche” política da terrinha. Tempos seguidos, vieram as eleições proporcionais. Netinho. tinha tudo para tornar-se deputado e ser o grande porta-voz de uma cidade que retomava o caminho do progresso e sede de crescimento. 

Pré -candidato, próceres da UDN, encantados com o prestigio popular do seu filiado, tinha como “ favas contadas”, a sua eleição . Àquele tempo( 1946), havia mais honestidade, lealdade de princípios, seriedade em compromissos assumidos, além de uma campanha modesta, sem gastar os “ rios de dinheiro” dos dias atuais. Netinho, empolgado com a aceitação popular, fazia planos como recompensar o carinho, respeito e confiança que lhe eram depositados, mesmo sendo só pré-candidato. Da riqueza da terrinha aos mais humildes, seu nome era unanimidade. 

De repente, a decepcionante, desagradável e covarde “ rasteira”. Sorrateiramente, na convenção do partido, a UDN” houve por bem”, escolher o nome do pecuarista araguarino, Max Nordeau de Rezende Alvim, como candidato à deputado estadual, no lugar de Netinho ! A decepção não só tomou conta do uberabense ilustre, mas, também, de toda a cidade. Ele e todos os eleitores, não imaginavam que os políticos fossem tão desonestos, falsários e sujos como “ pau de galinheiro”... As desculpas mais esfarrapadas , saiam das bocas sujas dos mais “elegantes, austeros, sérios e intocáveis dirigentes udenistas “.. Autêntica água na fervura... 

Não demorou, veio à tona, toda a trama . O secretário da UDN, com a conivência do partido, “vendeu” a candidatura de Netinho, por um “ jeep”, novinho em folha, zero quilômetro... O político desfilava, leve solto, pelas ruas da cidade, todo garboso e altaneiro. A decepção moeu o coração de Netinho. Daí em diante, recusou todos os convites políticos que lhe eram feitos . Perguntado, respondia: - “ a melhor política da minha vida, foi deixar a política “...Abraços do “ Marquez do Cassú. 





segunda-feira, 18 de junho de 2018

Ramon Franco Rodrigues

Lembrando nomes que fizeram história na crônica esportiva da terrinha, trago hoje, a figura emblemática, simpática e folclórica do inesquecível Ramon Franco Rodrigues. Pelas mãos do não menos famoso, Raul Jardim e o incomparável Ataliba Guaritá Neto, o Netinho, Ramon começou a escrever no falecido ‘ Lavoura e Comércio”, em 1952, ao tempo em que colaborava com o semanário esportivo “ A Bola”, dirigido pelo grande Raimundo Sarkis. Se o saudoso Sebastião Braz, depois o correto Rui Miranda, mais tarde a pena brilhante de netinho, foram os primeiros responsáveis pela página de esportes do jornal, a chegada de Ramon Rodrigues, o “Lavoura “ ganhou um novo colorido noticioso opinativo.
Ramon, tinha “ tiradas” que só pertenciam a ele. “Adiós mariquita linda”, referindo-se a derrota , ou do Uberaba ou Nacional, além de outras frases espirituosas, fizeram dele, o mais lido jornalista da cidade. Ao sentir a versatilidade do companheiro, Netinho, titular dos esportes da saudosa P.R.E.-5, viu nele o parceiro ideal. Inteligente,versátil, atualizado, palavra fácil, suas intervenções ficaram além , com frases inteligentes e bem humoradas. Em determinada transmissão, jogo dos rivais, USC e Uberlândia, num ataque do time visitante, a defesa colorada ficou em polvorosa. O sempre lembrado, Leite Neto, o “ locutor metralha”, quis saber a opinião de Ramon. Sem maldade, nenhum resquiscio de obscenidade, “ soltou”, sem cerimônia, a resposta:-“Leite, ainda bem que o Uberaba safou-se daquele cu de boi na área”...

O cronista esportivo Ramon Franco Rodrigues, o jornalista Luiz Gonzaga de Oliveira e o colunista Ataliba Guaritá Neto

Foto:Autoria desconhecida - Década de 60.


Ramon tinha três paixões esportivas: Fabricio, Uberaba e Botafogo (RJ) .No “morto” estádio “Boulanger Pucci”, qualquer jogo, o árbitro marcasse falta contra o Uberaba, microfone na mão, o estádio inteiro ouvia:-“ Juiz Ladrão ! Sem vergonha ! Pega esse soprador de apito” , ”Safado”... tá roubando contra o Uberaba! “... Xingatório que não acabava...

Com o advento da TV-Uberaba ( também virou cinzas...), Ramon, era um dos comentaristas, ao lado de Netinho, Farah e Jorge Zaidan, equipe que tive a honra de dirigir. O programa “ Papo de Bola”, era a coqueluche dos telespectadores. O Papo” ir ao ar, ao vivo, (não tinha chegado a época do “vídeo-tape”), após o grande sucesso de audiência que era “ Nico Trovador” ,de saudosa memória...

Certa vez, começamos o programa. Sem Ramon. Apenas Farah Zaidan e eu. De repente, passos apressados, entra Ramon, esbaforido, quase ofegante e senta-se ao nosso lado. Perguntei-lhe:- “Tudo bem, mestre ?”

-“Bem nada!”, respondeu nervoso, semblante carregado. “Desculpe o atraso. Alí na general Osório, um caminhão bateu num carro e embucetou todo o trânsito e eu atrasei”, desculpou.

Farah Zaidan, ao ouvir a “ explicação”, escorregou da cadeira, foi para debaixo da mesa e saiu de “fininho”, rindo escancaradamente. Fiquei “firme”, “segurando” o programa. Quando olhei, ”Zé do Socorro”, cenógrafo,” Alemão”, o câmera e o Wanderley Alves, que dirigia o programa do “switch”, sumiram dos seus postos.... Ramon , quando percebeu a balbúrdia no estúdio, tentou “ consertar”:- “Calma pessoal, quando eu falei embocetar, foi no bom sentido!”....

A TV ficou quase 5 minutos com o “slide” e a equipe em gargalhadas homéricas ...
Ramon Franco Rodrigues, descansa no céu, à direita de Deus Pai Todo Poderoso .


Luiz Gonzaga Oliveira

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

UBERABA ESTÁ EM TODAS...

Tenho imorredoura saudade de dois amigos fraternos que estão no Plano Celestial: Ataliba Guaritá Neto e Raul Jardim. Netinho e Raul, foram jornalistas de têmpera; inigualáveis. Deixaram nas páginas do saudoso “Lavoura e Comércio” e nos microfones da sempre lembrada P.R.E.-5, uma vida de paixão e amor por Uberaba.Seriam nomes nacionais se, obstinadamente, teimaram em não deixar a sagrada terrinha ! Aqui era o seu canto, encanto,encontro e desencontro. Despiam-se de vaidades pessoais para enaltecer feitos de uberabenses que brilharam e/ou brilhavam Brasil afora. Uma frase quase épica, é reverenciada até hoje, por todos nós: -“ Uberaba está em todas !”

Mário Palmério,Joubert de Carvalho, Aluizio Prata, Alaor Prata,Leopoldino de Oliveira,Chico Xavier, Jacob Palis Júnior,Avelino Inácio de Oliveira, Glaycon de Paiva, Pedro Moura, Antenógenes Silva, Fidélis Reis, entre outra dezena de uberabenses que honraram e orgulharam a nossa sempre amada Uberaba,enaltecendo-a em todos os quadrantes nacionais. Com que orgulho, num misto de alegria e vitória, Netinho e Raul, registravam feitos gloriosos desses uberabenses de cepa !

Ainda em vida,Raul e Netinho, escreveram o sucesso dos irmãos Ayrton e Alaor Gomes,Joel Lóes,Paulo Marquez,Wilson Moreira,Wilmar Palis,Orlando de Almeida,os irmãos Augusto e César Vannucci, José Viana,Gontijo Teodoro,Wanderley Greiffo, Yara Lins, que, nas letras,voz e canto, sempre que perguntados de onde vieram, gritavam ,alto e bom som:” sou de Uberaba!”, como fazem nos dias atuais, Fernando Vannucci e Fábio William.

De uns tempos, até cá essa parte, a frase foi, lamentavelmente, sendo deturpada, perdendo o sentido da honraria, do valor, merecimento, tão valorizada em épocas passadas. Netinho e Raul, devem estar remoendo na morada eterna, quando ouvem, lêem, vêem, o nome de Uberaba tão achincalhado, mal visto, por filhos natos uns, “filhos-postiços” outros, que não souberam honrar e dignificar cidadania tão respeitada e orgulhosamente afamada.

Vieram os fatos escabrosos envolvendo gente da terrinha no escândalo do “mensalão”, de triste memória,trazendo à baila, um ex-Ministro de Estado,deputado e ex-Prefeito, agora “ficha suja” e seu fiel escudeiro, na lama moral do “mensalão”. Ainda outro dia, outro uberabense-“postiço”, ficou longo período preso, depois de descoberta as falcatruas do ex-deputado e secretário de Estado, de uma “cidade das águas” que jamais será concretizada.

Depois, um “delator da Lava Jato”, que teve uma ascensão politica meteórica, é “hóspede” de uma das mais famosas prisões brasileiras: a “Papuda”, em Brasília...Ainda no desdobramento do “petrolão”, um dirigente da Petrobras, devolveu 90 milhões de dólares ao governo brasileiro, dinheiro obtido no “propinoduto” da estatal, casado com a filha de um ilustre uberabense...Não parou por aí.Carioca,fazendeiro,desposou prendada senhorinha da nossa melhor sociedade. Com ele, está preso também o seu pai, Presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Dirão os uberabenses :-“é muito peso para o meu pobre caminhãozinho”...

Se nomes não cito desses dois últimos lamentáveis episódios,é o respeito que me merece as famílias,inocentemente atingidas pelo infausto acontecimento. Quanto a falta de citação nominal dos outros transgressores da Lei, é que não posso compará-los aos verdadeiros e honrados uberabenses mencionados no tópico inicial do texto.

Ah!Raul e Netinho! Quanta saudade me traz a frase de ontem:-“Uberaba está em todas!”.Hoje........
                                                                                                                            

Luiz Gonzaga de Oliveira

quinta-feira, 9 de março de 2017

Ataliba Guaritá Neto, o netinho, da coluna Observatório de Galileu.


A falta que ele faz...

E quando menos vimos, já se passaram onze anos da partida do nosso maior cronista de todos os tempos, Ataliba Guaritá Neto. A 14 de setembro de 2000, nós o vimos partir e até hoje a lacuna que deixou aberta permanece impreenchível. Seus seguidores lutam para imitá-lo, inclusive eu, mas o “danado” levou a forma consigo.

Netinho, do alto da sua eloquência, tendo ao fundo a música Verão em Veneza executada pela orquestra de Mantovani, por mais de quarenta anos nos brindou, pela Rádio Sociedade do Triângulo Mineiro, com a inesquecível: “A crônica ao meio-dia”. O improviso era o seu forte e até hoje ninguém ousou fazer o mesmo por essas bandas. É que o filho desmedidamente apaixonado por Uberaba estendia o seu amor a tudo que fazia. Suas crônicas estavam nesse elenco. Aí morava a diferença.

No ano de 1961, iniciei minha admiração por Ataliba Guaritá Neto, quando levei a ele a renda auferida por uma Folia de Reis infantil, na qual eu fazia a segunda voz. Numa tarde, no salão de vendas de uma loja (Loja da Fábrica), situada na Rua Artur Machado, aquele homenzarrão, ou melhor, um semideus para mim, atendeu-me com requintes de um gentleman. Ele direcionou a doação que fizemos e depois prestou contas nas páginas do jornal Lavoura e Comércio.

No instante em que eu concebia esta crônica, recebi a grata visita do amigo jornalista César Vanucci, vindo de Belo Horizonte. Sem que ele esperasse, perguntei-lhe: César, quem foi para você Ataliba Guaritá Neto? E ele respondeu: - Netinho, se quisesse, além do vereador que foi, poderia ter galgado todos os cargos eletivos da nossa terra e quiçá do Estado. Concordei com César e conversamos muito sobre a dura decepção de Netinho com a política. Luiz Gonzaga de Oliveira que também o diga.

Por mais que nos esforcemos, é difícil defender Uberaba como fazia A. G. Neto. Está certo quem diz que o Uberaba Sport Club não teria chegado onde chegou se Netinho vivo ainda estivesse.

O Centro Administrativo do nosso Município tem o nome do colunista social, homem de rádio e TV, além do exímio cronista que há onze anos nos provoca saudade. Tudo isso é pouco diante da falta que ele faz para a sua querida terra. Estamos lhe devendo uma comenda com o título: Ataliba Guaritá Neto.

16/09/2011

João Eurípedes Sabino 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Raul Jardim e a jornalista Ana Luiza Brasil

Raul Jardim e a jornalista Ana Luiza Brasil


"Essa foi uma das minhas milhares e felizes manhãs, na sala do meu pai no Jornalismo, mestre Raul Jardim, quem me norteou pelo caminho… e a quem eu rendo todas as minhas homenagens…

FOTO tirada por Ataliba Guaritá Netto, o Netinho, registrando o nosso ambiente de trabalho, no Jornal Lavoura e Comércio de Uberaba, em novembro de 1980… (acervo jornalista Ana Luiza Brasil)
======================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

O POPULISMO RADIOFÔNICO EM UBERABA

 O Rádio sempre foi um meio de comunicação de bastante abrangência e, em Uberaba, não foi diferente! Desde o surgimento da primeira emissora, a PRE-5 (atual, Rádio Sociedade AM), na década de 1930, esse veículo de comunicação sempre noticiou, distraiu e cumpriu seu papel social perante os ouvintes.
 
Construção do edifício Abadia Salomão -  Prédio da Ford Derenusson. PRE-5 (atual, Rádio Sociedade AM.
 Foto: Nau Mendes - Década 1960.
 
 Consequentemente, os locutores criaram uma proximidade muito grande com os espectadores e, claro, ganhando notoriedade, muitos se tornaram bastante populares e se aventuraram pela política, disputando eleições.


Ataliba Guaritá Neto. Foto: Acervo da família Guaritá.

Em 1950, o radialista Ataliba Guaritá Neto – o Netinho, que também assinava uma coluna no jornal Lavoura e Comércio – foi o pioneiro, elegendo-se vereador. Oito anos depois, Eurípedes Craide, um jovem narrador esportivo, também chegava ao Legislativo Municipal. Por dois mandatos, esteve na Câmara e foi eleito seis vezes Deputado Estadual.
 
 
Jesus Manzano.  Foto: Acervo da família Manzano.

Jesus Manzano, em 1966, foi eleito vereador e teve mandato por diversas legislaturas, Quatro anos depois, Edson Quirino de Souza, o Edinho, (Filho do casal Toninho e Marieta, artistas da música sertaneja) chegava à Câmara, onde se manteve na vereança até 1983. Em 1988, foi a vez dos radialistas Tony Carlos e Além-Mar Paranhos ocuparem suas cadeiras no poder legislativo. Tony cumpre, atualmente, o quarto mandato.
 
Toninho e Marieta. Foto: Acervo da família Quirino.
 

No ano de 1990, o comunicativo  Toninho e Marieta, da Rádio Sociedade, elegeu-se Deputado Estadual, cumprindo apenas um mandato. Em 1992, Edivaldo Santos e Paulo Silva estreavam na Câmara Municipal, onde permaneceram até 2000.

Em 2008, Almir Silva foi o vereador mais votado em nossa cidade, repetindo o feito de Eurípedes Craide, em 1962, e de Jesus Manzano, em 1976.

Mais do que saber aproveitar favoravelmente a oportunidade de se tornar popular que o rádio oferece, esses radialistas, por meio do microfone, conquistaram simpatia, notoriedade e muitos votos.

Danilo Costa Ferrari