Mostrando postagens com marcador Rádio PRE-5. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rádio PRE-5. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 5 de março de 2020

UM VIVA À WILMA CESARINI!


Luiz Alberto Molinar

“Me segura!”, era seu bordão para algo tido como segredo revelado ou assunto constrangedor. Minha professora particular nos anos 70 e companheira de mesa na Choperia do Mário, nos 90. Ao som do Trio Irakitan, Nelson Gonçalves e Orlando Silva, que ela cantarolava junto, com alegria, degustávamos porções e sucos. Gostava de ouvir suas histórias. A levei aos shows de Inezita Barroso e dos Demônios da Garoa.

Wilma Cesarini

Wilma Cesarini (18/12/1929-4/3/2020), desde a década de 1930, morou na rua Artur Machado. No final de tarde, ficava debruçada sobre seu portãozinho, vigiando a vizinhança e cumprimentando comerciários que voltavam do trabalho.

Afilhada do líder espírita e psiquiatra Inácio Ferreira, era também adepta da mesma doutrina. Se sentia ofendida com convites a missas e festas católicas. Solidária, contribuía com casas assistenciais. Ranzinza, vez ou outra entrava em conflito com vizinhos.

O marido de Wilma, Alaor Araújo, adquiriu da viúva do memorialista Hildebrando Pontes seu acervo de jornais. Com a morte do companheiro, ela doou a mim esse tesouro. Parte dele, edições dos anos 1960 do “Lavoura & Comércio”, decorou paredes do primeiro endereço da Choperia do Mário.

Gostava de sua casa na qual permanecia 24 horas por dia. Guardava orgulhosa móveis antigos e porcelanas de seus pais. Um incêndio destruiu tudo em 2017, quando ela já morava em hotel geriátrico. Por sorte a casa foi apagada de sua memória, nunca quis voltar lá ou sequer perguntava por ela. 

Restou um banco de jardim e um suporte de vaso, de madeira entalhada, e com pernas curvas, que ficavam no alpendre. Os bombeiros retiraram para combater as chamas e deixaram no passeio. Ficaram lá, abandonados...

Além das lembranças, foi o que ficou da minha vizinha – desde 1964 -, estão no meu jardim, e bem guardados! 


*Paixão pelo Uberaba Sport*


Aos domingos à tarde, quando se ouvia – em alto e bom som - a “Marcha Uberaba Sport”, no quinto quarteirão da rua Artur Machado, principalmente nos anos 1970, época áurea do clube, era o anúncio e comemoração de gol do USC. Antes do hino, o grito do narrador esportivo da rádio já prenunciava a música. 

Nas manhãs vitoriosas de segunda-feira, a vitrola lembrava comerciantes e comerciários da vizinhança o êxito do dia anterior, principalmente se havia torcedores do arquirrival Nacional Futebol Clube por perto. E se o triunfo fosse sobre o Naça, a música era tocada inúmeras vezes.

Os ruídos de alegria partiam da residência número 615, da Wilma. Apaixonada, acompanhava o seu Uberaba desde a década 1940 pela Rádio PRE-5, a Sociedade do Triângulo Mineiro. Do programa diário às 10h, o “Parada Alvi-rubra”, nos anos 1970, era ouvinte cativa. Gazeteiro do “Lavoura” entregava todo dia o exemplar da torcedora, que buscava mais informação sobre o USC.

Aos 90 anos, residia no Recanto Hotel Geriátrico, na rua José de Alencar, 184, São Benedito, há cinco anos. A incomodava morar no bairro do Nacional. Ficava contrariada, quando passeava pelas redondezas, ao ver o comércio mais ativo que o da sua Artur Machado. Continuava firme, por rádio e pelo “Jornal de Uberaba”, acompanhando a paixão de uma vida. A alegrou ao ler, em 2017, a revista “Replay” comemorativa do centenário do USC.

Cidade de Uberaba