Mostrando postagens com marcador Maria Boneca. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Maria Boneca. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

A Uberaba do Meu Tempo

Havia no meu tempo uma Uberaba

Era calma, suave, cheia de tardes bucólicas.

A cidade da minha infância tinha um absoluto céu azul,

Chuvas fininhas, intermináveis, irritantes.

Aventura era encontrar Maria Boneca portando o brinquedo

E fugir, para descansar sob a sombra da Gameleira.

Na exposição de gado meus pais compravam mexericas

Levando-me a preferir, sempre, mexericas ao Zebu.



No meu tempo Uberaba tinha córregos a céu aberto

Guardados por muretas que nos serviam de encosto

Antes das sessões do Metrópole, do Palace

Esperando caronas do Padre Nicolau após aulas no Cristo Rei.

Brincava no Mangueirão, passeava pelos trilhos da Mogiana,

No parque infantil da Praça Rigoleto de Martino (hoje só resta a Codau!)

O autor do Hino do Uberaba Sport, o time que, na Uberaba do meu tempo

Rivalizava com o Independente, o Nacional…

No Boa Vista éramos todos sobrinhos da Tia Carola.

Fazíamos teatro com a Belinha

Sabíamos que era maio pelas congadas

E que era dezembro no presépio de d. Castorina.

Foram tempos de festas constantes

Quando bastavam as quermesses de santos e santas, soando sinos e cânticos nas sete colinas de Uberaba.

Parque Fernando Costa

A minha Uberaba tinha crônica ao meio-dia

O festival do Chapadão de Teatro e de Música

O Observatório, no Lavoura e Comércio,

Tudo criação do Ataliba Guaritá, o Netinho.

Raul Jardim fazia o “Escutando e Divulgando”

Lídia Varanda reinava na PRE-5

E Nhô Bernardino terminava o dia na hora do Ângelus.

Noite de Uberaba tinha o Parque Boa Vista (Eu era o filho do rei!)

O circo do Cheiroso, batuques no terreiro de Mãe Marlene

Cartas pelas mãos abençoadas de Chico Xavier

Mamãe rezando terço, aguardando-me dormir na noite sempre calma da cidade.

Recordo o café oferecido pelas freiras do Carmelo

As aulas na Escola Estadual Fidélis Reis

As tardes de jogos no pátio da Igreja Nossa Senhora das Graças…

Tantas coisas como essas que continuam na Uberaba de hoje.

Que vejo longe, sei de ler, de ouvir contar

A cidade de agora é de quem por lá está.

Há uma Uberaba que é minha, feita de sonhos acalentados

De planos vitoriosos, de projetos engavetados.

Guardada por todo o sempre e sempre teimando em sair à tona

Aquela cidade ganha meus dias, ocupa minhas noites de insônia.

A cidade de agora é porque um dia foi outra

Essa outra que chamo “minha”

Impregnada em ruas e morros, acalentando ternamente o coração transforma-se sempre

Vive o hoje, comemora o agora

Segue rumo ao tempo em que alguém, lá longe, lembrará:

A Uberaba do meu tempo… 


Valdo Resende


segunda-feira, 1 de julho de 2019

Maria Boneca e Chico Xavier

No início da década de 70, Chico Xavier saboreava um cafezinho em conhecido estabelecimento comercial, na Praça Rui Barbosa, em Uberaba, em companhia do Dr. Jarbas Varanda e de seu filho Luciano Varanda, quando eles percebem a aproximação de uma senhora, conhecida sob a alcunha de Maria Boneca, vivendo no clima de uma loucura pacífica, mas que chamava a atenção de toda a comunidade. Muitas pessoas a ridicularizavam e brincavam com sua insanidade, já que Maria Boneca retinha, entre os braços, uma boneca que considerava como filha.


Chico Xavier saboreando um cafezinho na praça Rui Barbosa.

Maria Boneca, ao perceber a presença de Chico no interior do estabelecimento afasta-se daqueles que a ridicularizam e dirige-se ao seu encontro. E, fato inusitado, ao se aproximar de Chico, ela recupera temporariamente sua lucidez e conversa com o Chico naturalmente, como se fossem grandes amigos. Ao se despedir, abraça o inesquecível amigo, beija-lhe as mãos e se afasta. Do lado de fora do estabelecimento, ela volta a ser a Maria Boneca de sempre, vivendo em suas próprias imagens mentais.

Chico, com toda a espontaneidade, relata ao Dr. Jarbas:
- Como somos abençoados, acabo de ser abraçado por uma rainha de França.

Algum tempo depois, o livro intitulado “Mãe” traz um poema do Espírito de Epiphanio Leite, em mensagem psicografado por Chico Xavier, retratando o drama de Maria Boneca cujo conteúdo retratamos abaixo:


MARIA BONECA

Epiphanio Leite



(Versos dedicados à dama feudal que abraçamos por devotada amiga, há três séculos, e que hoje expia, na via pública, sob a alcunha de Maria Boneca, o delito de haver exterminado o filho jovem que lhe estorvava a existência de irresponsabilidade e prazer.)


Reencontrei-te, por fim, esmolando na rua.
Nada recorda em ti a dama do castelo.
Lembro-me!... Dás à fossa o filho louro e belo.
Esqueces, gozas, ris... E a festa continua...

Depois, a morte vem... A memória recua...
Escutas em ti mesma o trágico libelo.
Choras, nasces de novo e trazes por flagelo
A sede de ser mãe que a demência acentua!...

Como dói ver-te agora os tristes olhos baços!
Guardas, louca de amor, um boneco nos braços.
Em torno, há quem te apupe a trilha merencória...

Mas bendize, senhora, a lei piedosa e austera.
Alguém vela por ti: o filho que te espera
E há-de levar-te aos Céus em cânticos de glória!...



Epifânio Leite de Albuquerque nasceu e morreu em Fortaleza, Ceará (1891-1942). Autor do livro de poesias “Escada de Jacó”, membro da Academia Cearense de Letras, foi juiz de Direito em Baturité, no mesmo Estado. 


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


quarta-feira, 19 de junho de 2019

Maria de Almeida, conhecida carinhosamente como "Maria Boneca".

Maria de Almeida, conhecida carinhosamente como "Maria Boneca".

Glória Maria da Silva, com Maria Boneca, hoje com 112 anos.


Maria de Almeida é conhecida por não largar suas bonecas por onde anda.


O leitor Gilberto Maluf Filho revela que interna do Lar do Idoso “Inês Maria de Jesus”, localizado na rua Visconde do Abaeté, Bairro Abadia, dirigido por dona Glória e sua família, tem a mulher mais idosa de Uberaba. Trata-se de Maria de Almeida, a conhecida Maria Boneca, com 112 anos documentados. Ela desfruta de boa saúde e é muito alegre, mas tem muitas limitações de fala e no andar. Com isso já são três mulheres identificadas pela coluna. São elas: Amélia Rosa da Silva, 110 anos, e Francisca Custódio, 108 anos. A mulher mais idosa do mundo é Japonesa Misao Okawa, com 117 anos. Fonte: Jornal da Manhã-Coluna (CÁ ENTRE NÓS) jornalista Alexandre Pereira em 16 de junho de 2015. Foto: Jornal de Uberaba/ Enerson Cleiton - 10/05/2015.







Cidade de Uberaba


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

MARIA DE ALMEIDA, CONHECIDA CARINHOSAMENTE COMO “MARIA BONECA”

“Maria Boneca”


Maria de Almeida, conhecida carinhosamente como “Maria Boneca”.
Glória Maria da Silva, com Maria Boneca, hoje com 112 anos.
Maria de Almeida é conhecida por não largar suas bonecas por onde anda.
O leitor Gilberto Maluf Filho revela que interna do Lar do Idoso “Inês Maria de Jesus”, localizado na rua Visconde do Abaeté, Bairro Abadia, dirigido por dona Glória e sua família, tem a mulher mais idosa de Uberaba. Trata-se de Maria de Almeida, a conhecida Maria Boneca, com 112 anos documentados. Ela desfruta de boa saúde e é muito alegre, mas tem muitas limitações de fala e no andar. Com isso já são três mulheres identificadas pela coluna. São elas: Amélia Rosa da Silva, 110 anos, e Francisca Custódio, 108 anos. A mulher mais idosa do mundo é Japonesa Misao Okawa, com 117 anos. Fonte: Jornal da Manhã-Coluna (CÁ ENTRE NÓS) jornalista Alexandre Pereira em 16 de junho de 2015.
Foto: Jornal de Uberaba/ Enerson Cleiton – 10/05/2015.