Mostrando postagens com marcador Zebu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Zebu. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Uberaba terá filme sobre a história dos pioneiros uberabenses em busca do Zebu na Índia

A Prefeitura de Uberaba anunciou a assinatura de contrato, entre a empresa Almix Distribuidora de Produtos Alimentícios e a empresa Technoscope Films, para o repasse de R$ 100.876,82 para a produção do curta-metragem “Diários de Uma Vida Sem Fim”. O filme conta a odisseia da busca do zebu na Índia, por jovens uberabenses “destemidos e empreendedores” no início do Século XX, produzido pela Technoscope Films e o Polo de Audiovisual do Triângulo Mineiro (Pátria). 

Segundo a secretária adjunta de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovação, Anne Roy Nóbrega, o recurso é oriundo da lei de incentivos fiscais de estímulos econômicos. Esse filme genuinamente uberabense conta a história da grande odisseia de desbravamento do desconhecido, para trazer o desenvolvimento econômico, social e cultural de Uberaba e do Brasil, “já que o Zebu é elemento fundamental no agronegócio nacional e internacional”, salientou. “Participa ainda do fortalecimento do Pólo Regional Pátria que reúne numerosos profissionais premiados do setor audiovisual em geral e cinematográfico, especificamente na região do Triângulo”, disse.

O empresário Diovani Milhorim escolheu fazer o investimento nesse projeto, já que se tratava de contrapartida ao Poder Público em razão da cessão de área no DI-II. Ele optou por transferir os recursos para a produção cinematográfica, considerando que “mais do que gerar empregos e renda, a empresa precisa pensar na comunidade e na cultura da cidade.”

Essa contrapartida “traz esse presente para nós”, afirmou o titular da Pasta, José Renato Gomes, considerando que o filme vai mostrar para a população de Uberaba e o mundo a importância da importação do Zebu. “É um marco! Uberaba é rica em História e esse com certeza é somente o primeiro de uma série de outros filmes que poderão ser produzidos mostrando a saga do Zebu”, afirmou.

Muito satisfeito com o projeto, o prefeito Paulo Piau observou que “Uberaba é uma cidade surpreendente e se o uberabense soubesse pelo menos 50% do que aconteceu na história dessa cidade e ainda acontece, com certeza as pessoas amariam mais esse pedacinho aqui”.

Piau conta que a produtora genuinamente uberabense Technoscope Films e o Polo Audiovisual do Triângulo (Pátria) apresentaram para a Prefeitura de Uberaba, no início do ano, o projeto de produção desse filme sobre o zebu, além de outros dois, que contam a história do Espiritismo e dos Dinossauros. Lembra que é nesse tripé no qual se baseia o Geopark Uberaba - Terra de Gigantes, “é um grande projeto que ainda vai dar muita alegria, empregos, renda e negócios para Uberaba”.

Aldo Pedrosa, junto com Ari Morais e Alexandre Ferreira – que é também presidente do Conselho Municipal de Política Cultural - são os representantes da produtora. Segundo eles, o Pátria é um grupo que reúne, reagrupa e fortalece produtores de audiovisual da região do Triângulo Mineiro.

A proposta é realizar um curta-metragem, com duração entre 10 e 15 minutos, para dar uma amostra de como será o longa para os futuros financiadores. A obra está orçada em cerca de R$ 4 milhões. “Trata-se de um pequeno produto audiovisual que pode ser compartilhado nas diversas plataformas para divulgação, a fim de chamar a atenção e dar a ideia do que virá a ser o filme completo”, destacou Pedrosa.

O cronograma de produção é de 20 meses, e assim que estiver finalizado terá início a fase de captação de recursos. Esse trabalho será feito pela empresa Imposto Ativo, que fica dentro do Instituto Agronelli, visando a despertar interesse, tanto nas pessoas físicas, quanto jurídicas, sobre os benefícios do direcionamento de impostos. 

O responsável pela empresa Imposto Ativo, Terence Melo, informa que Uberaba tem capacidade de captação de recursos da ordem de R$25 milhões por ano, somente através de pessoas físicas. O empresário pode ajudar o Município sem tirar um real do bolso, já que pode direcionar valores devidos ao Poder Público, como fez a Almix.

O empreendimento tem como parceiro o Museu do Zebu, da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ). O gerente executivo, Thiago Riccioppo conta que “Diários de Uma Vida Sem Fim” é baseado na história do pioneiro do Zebu, João Martins Borges. Junto com seu irmão Virmondes Martins Borges e o primo Otaviano Borges Júnior fizeram parte de um processo muito rico de histórias e passagens, nas três expedições realizadas por eles à Índia, em 1917. Durante uma das expedições, o protagonista faleceu aos 27 anos e, seus restos mortais, levaram 60 anos para serem trazidos de volta a Uberaba, o que aconteceu somente em 1965. “Mesmo com o falecimento, naquele ano, os pioneiros conseguiram mandar cinco navios de gado para o Brasil, marcando assim definitivamente o rumo da história do país”, concluiu.

Jorn. Maria Cândida Sampaio

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

A Uberaba de Doca Ferreira em 40 fotos

Nascido em 1887, Orlando "DOCA" Ferreira, era filho do comerciante Bento José Ferreira. Seminarista na juventude, tornou-se jornalista, escritor e um opositor ferrenho da Igreja Católica. Criticava acidamente os políticos locais, boa parte das famílias tradicionais da cidade e a Empresa Força e Luz local – identificados por ele como responsáveis pelo precário desenvolvimento do município.

Capa do livro "Terra Madrastra: um povo infeliz", publicado pelo próprio autor e lançado em 1928.



Folha de Rosto e Dedicatória de "Terra Madrasta", 1928

Rua São Sebastião, provavelmente no trecho entre a rua Irmão Afonso e Praça Dom Eduardo Uberaba, MG – circa 1925

Rua do Comércio, atual Artur Machado. Ao fundo, a Catedral. Uberaba, MG – circa 1925


Rua do Comércio, atual Rua Artur Machado. Uberaba, MG – circa 1925


Praça Comendador Quintino; ao fundo o prédio do antigo Grupo Brasil e, no canto direito, as torres da Igreja de São Domingos. Uberaba, MG – circa 1925


Rua Vigário Silva, trecho não identificado. Uberaba, MG – circa 1925


Rua São Miguel, atual Dr. Paulo Pontes, antiga zona de prostituição da cidade. Ao fundo o Largo da Misericórdia, atual Praça Manoel Terra. Uberaba, MG – circa 1925




Local aproximado, em foto de 2013 do Google Street View





Rua da Constituição, trecho não identificado, Uberaba, MG – circa 1925


Rua do Cotovelo, atual Padre Jerônimo. Ao fundo o Mercado Municipal (esq.) e a antiga Penitenciária (dir.). atual Faculdade de Medicina. Uberaba, MG – circa 1925



Local aproximado, em foto de 2017 do Google Street View.

Praça Cel Aristides Borges, atual Praça Santa Terezinha. Na casa do meio da foto funciona hoje a Padaria Beliske. Uberaba, MG – circa 1925



A casa como está hoje, em foto de 2017 do Google Street View.

Rua Dr. José Felício dos Santos, no alto das Mercês, na época periferia da cidade. Uberaba, MG – circa 1925



Local aproximado, em foto de 2011 no Google Street View.

Rua 15 de Junho (atuais Jaime Bilharinho e Hidelbrando Pontes), no alto das Mercês, na época periferia da cidade. Uberaba, MG – circa 1925


Não consegui descobrir qual seria essa rua na época denominada "Paschoal Totti" Uberaba, MG – circa 1925


Essa antiga Rua Godofredo Rodrigues da Cunha é a atual Rua Cel. Carlos Rodrigues da Cunha (há outra rua no alto do São Benedito que ganhou o nome de Godofredo, provavelmente nos anos 1930).
Esse trecho de subida acentuada pode ser logo acima do cruzamento com a Rua Santo Antônio ou do outro lado da Av. Guilherme Ferreira, entre a Rua do Carmo e a Praça Tomaz Ulhoa. Uberaba, MG – circa 1925



Rua Major Eustáquio, no trecho entre as Rua Manoel Borges e São Sebastião. Uberaba, MG – circa 1925




Trecho aproximado, em foto de 2017 no Google Maps.


Mercado Municipal e, ao fundo, a antiga Penitenciária (atual Faculdade de Medicina da UFTM). Uberaba, MG – circa 1925


Rua Santo Antônio, entre as ruas Paulo Pontes e Carlos Rodrigues. Uberaba, MG – circa 1925





Trecho aproximado, em foto de 2017 no Google Street View.

Praça Dom Eduardo, vendo ao fundo a atual Rua Hidelbrando Pontes. A casa maior, da família Miziara, ainda existe. Uberaba, MG – circa 1925



A casa, em foto de 2017 do Google Street View
Praça Frei Eugênio que, nessa época, ocupava todo o quarteirão do antigo Cemitério São Miguel. Poucos anos mais tarde, foram erguido nesse local o Liceu de Artes e Ofícios (Sesi/Senai) e a Escola Estadual Minas Gerais. Uberaba, MG – circa 1925




Largo da Misericórdia, atual Praça Dr. Tomáz Ulhoa, vendo-se ao fundo o antigo prédio do Colégio Nossa Sra. das Dores. Na década de 1940, foi erguido no local o Uberaba Tênis Clube.Uberaba, MG – circa 1925





Rua do Comércio, atual Artur Machado, vista no sentido do Bairro. Uberaba, MG – circa 1925



Antiga Rua 24 de Fevereiro, atual Rua Olegário Maciel, pouco acima da Praça Rui Barbosa, em direção à Praça Frei Eugênio. Uberaba, MG – circa 1925





Local aproximado, em foto de 2017 do Google Street View.


Antiga Ladeira do Rosário, atual Av. Presidente Vargas, subida para a praça Comendador Quintino. Uberaba, MG – circa 1925




Local aproximado, em foto de 2017 do Google Street View.


Ladeira do Rosário, atual Av. Presidente Vargas. A casa da esquerda ainda resiste. Uberaba, MG – circa 1925

O mesmo local em foto de 2017 do Google Street View.


Rua Frei Paulino, alto da Abadia, nas imediações do atual Hospital de Clinicas da UFTM. Uberaba, MG – circa 1925


O primeiro prédio da Santa Casa de Miséricordia – construído por Frei Eugênio Maria de Gênova na décadas de 1860 a 1880 – foi destruído em um incêndio em fevereiro de 1921.
Antes mesmo do incêndio, em função da decadência do prédio, a instituição já havia sido transferida "provisoriamente" para a Casa de Frei Eugênio, que se vê nessa foto, de onde só saiu em 1935 – quando foi inaugurado o prédio novo na Praça Thomaz Ulhoa. Essa Casa de Frei Eugênio ocupava o terreno de esquina onde hoje se encontra a Reitoria da UFTM.


Uberaba, MG – circa 1925

Seu livro "TERRA MADRASTA: um povo infeliz", lançado em 1928, é especialmente incisivo contra o grupo político "bernardista" (apoiadores de Artur Bernardes, ex-Presidente da República e líder do Partido Republicano Mineiro) a quem Doca culpa pelo atraso do Estado de Minas Gerais em comparação com a relativa pujança de São Paulo – que nessa ocasião já alcançava Minas em número de habitantes. Doca defendia a anexação do Triângulo Mineiro ao estado vizinho.


Rua Vigário Silva, trecho não identificado. Uberaba, MG – circa 1925


Escadaria da antiga Igreja do Rosário (demolida no final dos anos 1920) que ficava na esquina da Rua do Comércio (atual Artur Machado) com a Ladeira do Rosário (atual Av. Presidente Vargas). A casa ao fundo ainda resiste. Uberaba, MG – circa 1925


Antiga Rua Godofredo Rodrigues da Cunha (atual Carlos Rodrigues da Cunha). As duas casas da esquerda estão onde hoje fica o Hotel Tamareiras. Uberaba, MG – circa 1925

Rua Manoel Borges, no cruzamento sobre o Córrego da Manteiga, hoje canalizado sob a avenida Santos Dumont. Uberaba, MG – circa 1925



Praça Comendador Quintino, provavelmente vista da frente do antigo Grupo Brasil. Uberaba, MG – circa 1925


Rua São Sebastião, esquina não identificada. Uberaba, MG – circa 1925

Rua da Constituição, provavelmente no cruzamento do vale do Córrego do Capão da Igreja (canalizado sob a atual Av. Guilherme Ferreira) em direção ao alto da Abadia. Uberaba, MG – circa 1925

Antiga Escola Normal de Pirassununga, SP – inaugurada em 1921.


Mapa do "futuro Estado de São Paulo", anexando o Triângulo Mineiro e algumas cidades do Sul de Minas.



Os algozes de Uberaba nos anos 1920, segundo Doca Ferreira: a Administração, a Política, o Clero e a Empresa Força e Luz.



Antigo prédio do Fórum de Uberaba, situado na subida da Rua Lauro Borges, demolido nos anos 1960. Uberaba, MG – circa 1925




O mesmo local em foto de 2017 do Google Street View.




Rua São Sebastião, esquina não identificada. Uberaba, MG – circa 1925





No dia-a-dia, acusava os gestores municipais de desviar os impostos arrecadados, que não eram devidamente empregados em melhorias urbanas e serviços públicos de qualidade. E criticava os moradores ricos e poderosos por seu descaso com o aspecto da suas moradias e por não se preocuparem com a aparência das ruas da cidade.

Denuncia, ainda, que em Uberaba havia corrupção, assassinatos, espancamentos, compra de votos, suborno e registros em atas falsas, nos pleitos eleitorais.

Há no livro cerca de 40 fotos e ilustrações que mostram uma Uberaba que não aparecia nos cartões postais de então. Feitas durante a década de 1920, as imagens mostram ruas e praças de uma cidade feia, pobre e decadente – incompatível com a alegada "fortuna" que havia sido amealhada pelos criadores de gado Zebu e com o pretensioso título de "Princesinha do Sertão". As legendas são originais do autor.

Doca ainda publicou "Forja de Anões" (1940) e "Pântano Sagrado" (1948). Esse último foi recolhido e queimado em praça pública como resultado de um processo movido pelo bispo Dom Alexandre Amaral. //

(André Borges Lopes, baseado em informações recolhidas por Marise Soares Diniz)


Cidade de Uberaba