Mostrando postagens com marcador Triângulo Mineiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Triângulo Mineiro. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

CONSTRUTORES DE PONTES

Imagens resgatadas dos arquivos da Companhia Mogiana.


A primeira é bastante conhecida: mostra as obras da ponte rodoferroviária sobre o Rio Grande, ligando Igarapava (SP) e Delta (MG), na época ainda pertencente ao município de Uberaba.

Nessa versão em alta resolução é possível ver alguns detalhes do processo de construção e, principalmente, os destemidos trabalhadores que erguiam as estruturas, sem qualquer preocupação com a segurança individual – algo impensável nos dias de hoje. A legenda original nos revela a data (20 de abril de 1915) e o também nome do fotógrafo: O. Pasetto.

Construção da ponte rodoferroviária da Cia. Mogiana de Estradas de Ferro entre Igarapava (SP) e  Delta (MG) em 20/04/1915. Crédito: O. Pasetto./ acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo

  Detalhe da construção da ponte rodoferroviária da Cia. Mogiana de Estradas de Ferro entre Igarapava (SP) e Delta (MG) em 20/04/1915.

   Construção da ponte ferroviária da Cia. Mogiana de Estradas de Ferro sobre o Rio Uberaba no trecho entre entre Uberaba e Uberlândia (MG), circa 1894.

 Detalhe da construção da ponte ferroviária da Cia. Mogiana de Estradas de Ferro sobre o Rio Uberaba no trecho entre entre Uberaba e Uberlândia (MG), circa 1894. 

   Ponte ferroviária da antiga Cia. Mogiana de Estradas de Ferro sobre o Rio Uberaba no trecho entre entre Uberaba e Uberlândia (MG). Foto de 2016. Crédito: Google Earth.

Nota-se ainda um detalhe curioso, que pouca gente conhece: a falta do último vão metálico do lado de Igarapava. A Cia Mogiana mudou o traçado da ferrovia depois que a estrutura da ponte já havia sido encomendada na Europa. No novo local de travessia, o rio era ligeiramente mais largo e foi preciso adicionar um quinto vão à ponte. Com o início da 1ª Guerra Mundial, foi impossível comprar essa estrutura extra, e a ponte teve de ser inaugurada (em outubro de 1915) com um vão provisório, feito em madeira. Só depois de 1919 ele foi substituído pela estrutura metálica (um pouco menor que as outras quatro) que está lá até hoje.

A segunda imagem é mais antiga e bem menos conhecida: mostra a construção da ponte sobre o Rio Uberaba, já no trecho Uberaba-Uberlândia da ferrovia. A foto não tem data, mas deve ter sido tirada por volta de 1894, quando esse prolongamento estava sendo construído (foi inaugurado em 1895). É possível que seja a mesma ponte que se encontra lá até hoje, cruzando o rio logo atrás da pedreira da empresa Jasfalto, e que pode ser vista do alto no Google Earth.

Não achei na Internet fotos recentes dessa ponte. Que não deve ser confundida com a outra que passa sobre o Córrego Alegria (um afluente do Rio Uberaba) na antiga linha Uberaba-Ibiá, inaugurada em 1925 – onde aconteceu o famoso acidente que deixou a cidade sem água por semanas em 2003.

Crédito das imagens PB: acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo.

(André Borges Lopes)

                             ==========================

Em 1971, a antiga Companhia Mogiana de Estradas de Ferro foi incorporada à empresa estatal paulista Fepasa. Na década de 1990, todas as linhas de longo curso remanescentes da Fepasa foram transferidas para a Rede Ferroviária Federal e, em seguida, divididas em lotes e privatizadas. O Arquivo Público do Estado de São Paulo, conseguiu que os acervos históricos das antigas empresas ferroviárias paulistas ficassem sob sua guarda. Nesse acervo, encontrei algumas fotos originais das linhas de trem da Cia Mogiana no Triângulo Mineiro.


Fanpage:  https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

sexta-feira, 28 de junho de 2019

O facínora Manoel Prego

A pesquisa histórica em jornais antigos envolve riscos. Sempre que o noticiário trata de fatos de natureza político-partidária, é preciso tentar desvendar os interesses e motivações de cada um dos que escrevem – o que nem sempre é fácil para quem está distante das paixões e complexidades da política local de cada época. A complicação se torna maior quando as questões políticas migram para o noticiário policial. Informações prestadas por autoridades policiais, investigadores, promotores, advogados e réus devem sempre ser vistas com ressalvas, já que há inegáveis interesses envolvidos. Na mais branda e legítima das hipóteses, é usual que autoridades divulguem informações falsas ou incompletas, com o intuito de não atrapalhar investigações em curso. Nas piores situações, as falsidades podem ter o objetivo de confundir o leitor e proteger criminosos.

Um exemplo dessas situações ocorreu no Triângulo Mineiro, em meados da década de 1930, quando as disputas políticas entre adversários e apoiadores dos governos de Getúlio Vargas e seu interventor estadual Benedito Valadares eram exacerbadas. Na cidade de Ituiutaba, uma das personalidades de grande destaque era o Cel. Pedro de Freitas Fenelon, que havia apoiado Getúlio na revolução de 1930 e participado ativamente dos combates contra o levante paulista de 1932. Três anos mais tarde, a disputa política continuava quente. Pedro Fenelon era líder do Partido Progressista e oficial do Registro Civil em Ituiutaba. Às nove da noite do dia 13 de outubro de 1935, ele deixava o fórum da cidade quando foi abatido a tiros de revolver no meio da rua, por um assassino que fugiu do local.

A morte causou grande comoção em Uberaba, onde Fenelon tinha parentes e amigos. Desde logo, suspeitou-se de crime com motivações políticas. Benedito Valadares nomeou para as investigações o delegado Oswaldo Machado, de Belo Horizonte, que veio para o Triângulo com plenos poderes. Um mês após o crime, a imprensa divulgava que o delegado estava no encalço de um matador de aluguel de nome Manoel Prego, suspeito de ser o executor do crime.

Em dezembro, o jornal uberabense Lavoura e Comércio divulga que Machado havia apreendido na região de Ituiutaba um enorme arsenal de armas de guerra, inclusive metralhadoras. Poucos dias antes, fora sufocado em diversas cidades do país um levante de militares simpatizantes do Partido Comunista (a chamada “Intentona”), mas a polícia garantia que as armas pertenciam a Manoel Prego que, de mero pistoleiro, havia sido elevado à categoria de “chefe de terrível quadrilha de salteadores”. Dois dias depois, o Lavoura publicou sem destaque uma carta contestando a informação: invocando o testemunho das autoridades policiais de Ituiutaba, os remetentes afirmavam que o arsenal havia sido apreendido nas casas e fazendas de apoiadores do finado Pedro Fenelon, entre eles o prefeito Jaime da Luz.

Foi preciso um ano de perseguições para que a polícia pusesse as mãos no terrível Manoel Prego. Em 9 de dezembro de 1936, o assassino foi surpreendido nas cercanias de Santa Rita do Paranaíba, Goiás, “em residência da horizontal Ana Cataloa”. Apesar da surpresa e da situação constrangedora, Manoel – um negro alto e forte – teria oferecido “terrível resistência” à captura, só se entregando depois de baleado. Na delegacia, confessou uma série de crimes praticados em cidades do noroeste paulista, Triângulo mineiro e sul de Goiás. Contou em detalhes o assassinato de Pedro Fenelon, que teria sido praticado a mando de um respeitável adversário político local, o Sr. Tobias Gomes Junqueira, pela quantia de dois contos de reis. Disse ainda ser amigo de vários fazendeiros da região, que lhe ofereciam abrigo em troca de serviços.

Seu verdadeiro nome era Manoel Eduardo de Andrade, um pistoleiro de aluguel que atuava sozinho. Considerado de alta periculosidade, foi transferido por questões de segurança para a Penitenciária de Uberaba. No final de março de 1937, foi levado a Frutal a pedido do Juiz de Direito local para depor em um processo. Poucos dias depois, detido na cadeia local, teria tentado fugir e acabou baleado e morto pelos policiais de plantão. Levou consigo os segredos dos crimes e seus mandantes. Da “terrível quadrilha” e das armas de guerra apreendidas, ninguém mais deu notícias.


(André Borges Lopes)



Fanpage:  https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba


UBERABA SOB TIROTEIO!

Da outra vez que bandidos balançaram o solo de Uberaba,- 06/11/2017-f ui acordado às 3:00h por tiros de pesadas armas que ecoavam norte a sul da cidade. Fiz uma crônica sobre o episódio que pode ser vista hoje como um pobre relato.

Agência do Banco do Brasil. Foto: Reprodução.  


Nesta madrugada a dose foi repetida com carga mais do que triplicada. Fecharam o tempo literalmente, mataram pessoa, partiram para cima de bancos, lojas, etc. Criaram o pânico geral, instalaram guerra campal merecendo reação imediata das nossas gloriosas; Polícia Militar e Civil. Na vez anterior as duas optaram por recuar. 

Hoje pode -se concluir que o cenário foi mais bem pensado e flancos previamente escolhidos facilitaram a ação engenhosa do grupo que, dizem, é composto por mais de 30. 

Volto na minha tecla: o Triângulo Mineiro está situado entre São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. Essa posição e exposição geográficas requerem que a nossa área seja vista como um barril de pólvora. Nossas autoridades também a veem? 

Amanhã será encontrada meia dúzia de larápios, feito a primeira vez, e estamos conversados. Não esperamos isso.

Hoje o Brasil é outro. Bandidos armados com a sociedade encurralada; o que podemos esperar? Reedição breve desta madrugada? Tiros, tiros, tiros e bombas! 

Cadê o veículo caveirão? Legislação? Helicóptero? COE ou BOPE? 


O mundo inteiro acompanhou em tempo real o nosso drama e uma das frases que recebi foi: “Muda desse país gente!”


Eu que sempre fui contra o armamento da sociedade começo a rever meus conceitos. Com o Congresso, o STF, o STJ e outros tribunais que possuímos, francamente...


Só não podemos perder a esperança e nem deixá-la morrer, ainda que seja por último. 
A confiança em Deus sim, deve ser inquebrantável.



João Eurípedes Sabino - Uberaba - Minas Gerais - Triângulo Mineiro - Brasil.




Cidade de Uberaba


domingo, 20 de janeiro de 2019

Ponte que divide os estados de Minas Gerais e São Paulo, em Delta, no Triângulo Mineiro.

Outra vista da velha ponte do Rio Grande, publicada em julho de 1968 pela finada Revista Manchete, em matéria especial sobre o Triângulo Mineiro. Do lado esquerdo (São Paulo) vemos ao fundo as chaminés da Usina Junqueira. Do lado direito (Minas Gerais) o Uberaba Country Clube e a sede campestre da Associação Atlética Banco do Brasil.

Ponte São Paulo, em Delta, no Triângulo Mineiro. Foto de Mituo Shiguihara /Revista Manchete. 

Ainda não havia as represas de Volta Grande (1974) e Igarapava (1998) e nem a nova ponte ligando a BR-050 com a Via Anhanguera (2001). O rio tinha um longo trecho navegável para barcos de pesca e lanchas de recreio. 

A foto foi publicada invertida na revista, aqui está na posição correta). 

1968_Dupla de locomotivas General Motors Diesel G-12 da Cia Mogiana puxando uma composição de cargas para Minas Gerais sobre a ponte Igarapava-Delta no Rio Grande. 

Dupla de locomotivas sobre a ponte Igarapava-Delta no Rio Grande. Foto de Mituo Shiguihara /Revista Manchete. 

Por décadas os trens dividiram o tráfego por essa ponte com carros, carroças, caminhões, boiadas e pedestres desde a sua inauguração em 1915 até o início de 1979 – quando foi aberta ao tráfego a variante Entroncamento-Amoroso Costa, que passou atravessar o rio em uma nova ponte ferroviária, construída cerca de 10 km abaixo desse local e ainda em operação. 

A rodovia BR-050 só ganhou uma ponte nova em 2001.




Cidade de Uberaba


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

LINHA AÉREA SÃO PAULO – UBERABA

Linha aérea São   Paulo - Uberaba

Uberaba foi a primeira cidade fora do estado de São Paulo a ser servida pelas linhas aéreas da extinta VASP, logo após a sua fundação, em 1933. Cinco anos depois, a VASP passou a voar para o Triângulo Mineiro com os seus novíssimos aviões alemães Junkers Ju 52 – de três motores e capacidade para 17 passageiros – com escalas alternadas em Araraquara, Ribeirão Preto e Franca. Na época, esse modelo da Junkers era um dos aviões de passageiros mais modernos do mundo. Voava a 250 Km/h e, em vôo direto, ligava Uberaba ao aeroporto de Congonhas em São Paulo em 1 hora e 55 minutos.

O vôo inaugural aconteceu em janeiro de 1938, com a aeronave de prefixo PP-SPD ”Cidade de São Paulo”. A chegada em Uberaba atrasou em um dia por conta de um curioso incidente no então precário campo de pouso de Ribeirão Preto: uma das rodas no avião afundou em um enorme formigueiro que havia no meio da pista de terra. Na foto que ilustra a matéria do Estadão, feita em Ribeirão pouco antes do incidente, é possível ver as dimensões do avião – enorme para os padrões da época.


(André Borges Lopes)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

LIMA DUARTE, NOME ARTÍSTICO DE ARICLENES VENÂNCIO MARTINS (NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO DO DESEMBOQUE E DO SAGRADO SACRAMENTO), 29 DE MARÇO DE 1930.

Lima Duarte


Nossa Senhora da Purificação do Desemboque e do Sagrado Sacramento. Essa cidade de nome estranho e comprido, que fica no Triângulo Mineiro, viu nascer Lima Duarte, que como a cidade, também tem um nome diferente: Ariclenes Venâncio Martins. Era o dia 29 de março de 1930.


Lima Duarte


Descendente de dona de escravos e bugres, ajudava seu pai a cuidar da pequena invernada onde moravam, juntamente com a mãe e mais dois irmãos. O pai se chamava Antônio Martins e a mãe, América Martins Sua mãe trabalhava em circo. Fazia circo-teatro, pois muitos circos montavam pecinhas, após a parte de malabarismos.

Ali começou a paixão de Lima Duarte pela arte. Seu primeiro papel, no circo, foi numa peça chamada “A Ladra”, onde sua mãe fazia o papel-título e ele, o filho. Mas ele sonhava mais e aos 15, para 16 anos, veio para São Paulo,capital, num caminhão de manga. De carona.Começou, como é lógico, a trabalhar no Mercado Central da Cidade. Até que Madame Paulette, dona da casa onde morou durante 3 anos, levou-o à Rádio Tupi para um teste. Ele ficou muito feliz. Mas pelo seu modo caipira de falar, foi reprovado. Ganhou até um apelido:” voz de sovaco”.

Mas gostaram dele e ele ficou na casa trabalhando como operador de som. Depois como sonoplasta. E aí se transformou em tão bom sonoplasta, que ganhou todos os prêmios da época. Um dia, Oduvaldo Viana, que era diretor artístico da Rádio Difusora, o convidou para uma “fala” em uma radionovela. Deu certo. Foi então que mudou seu nome para Lima Duarte e teve início sua carreira

Em rádio fez muitas novelas e foi ganhando treino. Passar para a televisão foi pura conseqüência. Ele estava lá quando a TV Tupi de São Paulo, a pioneira, foi inaugurada.

Tupi permaneceu durante 27 anos. Menino simpático e amigável, fez bastante amizade com os intelectuais da casa, entre eles Cassiano Gabus Mendes, Dionísio Azevedo, Walter George Durst.

E eles imaginaram fazer o “TV de Vanguarda”, que iria se constituir em uma peça inteira, de 3 atos, levada ao ar no domingo à noite, horário nobre. A primeira a ser montada foi: “O Julgamento de João Ninguém”, direção e script de Dionísio Azevedo, tendo Lima Duarte no papel título. Foi a consagração de Lima. Daí para a frente , fez mais de 30 TVs de Vanguarda, entre 1952 e 1959, nos quais podemos destacar: “Hamlet”, “Otelo”, “Macbeth”, “O Homem que vendeu a Alma”; “O Inspetor Geral”; “De Ratos e de Homens”; “Massacre”; “Os Amantes de Verona”;”O Chapeu de Três Bicos”; “O Lobo do Mar”; “O Grande Gabbo”; “Ralé”; e muitíssimos outros.

Lima Duarte sempre foi protagonista. Participou também de algumas novelas, entre as quais a primeira, que foi: “Sua Vida me Pertence”, em 1951. Fez também “O Direito de Nascer” (1964), “A Gata” (1964), “Um Rosto Perdido” (1965), “Olhos Que Amei” (1965), “O Mestiço” (1965)”Calúnia” (1966) e “Paixão Proibida” (1967).

Em 1968 resolveu passar para a direção. Dirigiu a novela “Beto Rockfeller” junto de Walter Avancini, sucesso estrondoso de audiência. Esta foi a primeira trama a ter tomadas aéreas e a usar o merchandising em cena: era do medicamento “Engov”, que o personagem principal interpretado por Luiz Gustavo tomava após exagerar nas doses de wisky.

Na sequência, se revezou entre atuar e dirigir as principais novelas da TV Tupi. Ainda em 1968, atuou em “O Décimo Mandamento” e dirigiu “O Rouxinol da Galiléia”. Em 1970, dirigiu “Toninho on the Rocks” e atuou em “As Bruxas”. Entre 1971 e 1972, atou em “A Fábrica”.

Foi então que, após quase três décadas na TV Tupi, transferiu-se para a TV Globo, ainda em 1972. Estreiou dirigindo a novela “O Bofe”, sua primeira e única experiência como diretor na emissora.

A partir de então, fez inúmeras novelas: “Os Ossos do Barão” (1973), “O Bem Amado” (1973), “O Rebu” (1974), “Pecado Capital” (1975), “Espelho Mágico” (1977), “Marrom Glacê” (1979), “Pai Herói” (1979), “O Bem Amado (seriado baseado na novela, exibido entre 1980 e 1984), “Paraíso” (1982), “Champagne” (1983), “Partido Alto” (1984), “Roque Santeiro” (1985), “O Salvador da Pátria” (1989), “Meu Bem, Meu Mal” (1990), “Rainha da Sucata” (1990), “Pedra sobre Pedra” (1992), “Fera Ferida” (1993), “A Próxima Vítima” (1995), “O Fim do Mundo” (1996), “A Indomada” (1997), “Pecado Capital (1998, remake), “Corpo Dourado” (1998), “Uga Uga” (2000), “Porto dos Milagres” (2001), “Sabor da Paixão” (2002), “Senhora do Destino” (2004, participação especial), “Da Cor do Pecado” (2004), “Belíssima” (2005), “Desejo Proibido” (2007), “Caminho das Índias” (2009) e “Araguaia” (2010).

Fez ainda:”O Tempo e o Vento” (1985, minissérie), “Agosto” (1993, minissérie), diversos episódios do “Você Decide” (entre 1993 e 2000), “Engraçadinha” (1995, minissérie), “O Auto da Compadecida” (1999,minissérie que também foi adaptada para o cinema), “O Quinto dos Infernos” (2002,minissérie), “O Pequeno Alquimista” (2005,microssérie), “Amazônia – de Galvez a Chico Mendes” (2007), além de diversas participações especiais em outras novelas, seriados e afins.


Fonte: BIOGRAFIA DE LIMA DUARTE PARA O MUSEU DA TELEVISÃO BRASILEIRA