Mostrando postagens com marcador Jorge Alberto Nabut. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jorge Alberto Nabut. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

100 anos de Hélvio Fantato

Hélvio Fantato nasceu em Uberaba em 1920, tendo falecido em 1997.

Iniciou seus estudos na escola infantil ou jardim da infância, como se denominava, dirigida pela célebre professora Edite Novais França, cursando posteriormente a Escola de Comércio José Bonifácio, onde foi aluno dos renomados professores Amadeu Pascoalini, José Maciotti e Raul de Melo Resende, de quem, então, fez inúmeras caricaturas.

Hélvio Fantato - Foto/Divulgação


Em 1935 iniciou suas atividades comerciais, trabalhando com João Laterza, seu tio e pai do filósofo Moacir Laterza.

No decorrer de toda sua vida exerceu a profissão de comerciante, tendo montado em sociedade com seu primo Mozart Laterza e outros importante loja de material elétrico no quinto quarteirão da rua Artur Machado, na qual sempre atendeu no balcão.

Em 1942 iniciou, nas horas vagas, suas atividades de pintor, que daí em diante exerceu no decorrer de sua existência, legando considerável obra pictórica, posteriormente acrescida com trabalhos de escultura.

Destituído totalmente das excentridades e idiossincrasias de grande número de artistas, que se julgam acima de seus semelhantes, Hélvio Fantato caracterizou-se pela simplicidade de viver e afabilidade no trato pessoal.

A respeito, o arquiteto Demilton Dib, afirmou: “o que mais me fascina e alcança grande importância, além da obra em si, é a pessoa de Hélvio Fantato [...] Sua simplicidade, seu despojamento, o ‘fazer’ sem o menor conhecimento técnico, esse autodidata” (depoimento à Marisa Dexheimer, in “Hélvio Fantato Mostra Sua Obra Recente Amanhã”, Jornal de Uberaba, 25 abril 1990).

Por necessitar de espaço, tanto para exercitar sua arte quanto para acomodar e guardar o crescente número de quadros e esculturas, montou estúdio em imóvel situado na saída de Uberaba, nas proximidades da antiga estação ferroviária de Amoroso Costa, onde, entre outras, recebeu a visita do pintor Israel Pedrosa.

Aí, nesse refúgio artístico, cultivou sua arte pictórica e, à certa altura da vida, expandiu-a consideravelmente com a dedicação à escultura.

Exposições Individuais

Na sua modéstia e nenhuma pretensão de publicidade e de aplausos, contentando-se e atendo-se tão somente às imposições vocacionais e ao prazer da criação artística, Hélvio nunca se propôs a expor seus quadros e, muito menos, a organizar exposições para essa finalidade, aptidão que, de resto, não tinha.

Contudo, conhecedores e admiradores do valor de sua obra se propuseram a esse cometimento, promovendo dela algumas marcantes e significativas exposições.

Jóquei Clube de Uberaba - 1964

Promovida principalmente por Paulo Sousa Lima e José Sexto Batista de Andrade, este então vice-presidente do Clube, grandes animadores das artes em Uberaba.

Nessa mostra, segundo Jorge Alberto Nabut, “vende o primeiro quadro [.... o que] veio modificar um pouco o seu modo de encarar sua obra, mesmo não tendo abandonado o hábito de doá-las” (“Hélvio Fantato: A Arte de Fazer Arte Sem Nunca Ter Estudado Arte”, Jornal da Manhã, 18 abril 1976).

Nessa exposição vende nada menos de 15 (quinze) quadros dos 25 (vinte e cinco) expostos.

Livraria Ponto de Encontro - 1968

Nessa livraria foram expostas 13 (treze) quadros.

Folha de S. Paulo – Novembro 1968

Na galeria desse jornal paulistano realizou-se exposição de seus quadros.

Jóquei Clube de Uberaba – Outubro 1969

Outra exposição de sua obra no Jóquei Clube de Uberaba.

Jóquei Clube de Uberaba – Outubro 1974

Nova exposição de quadros de Hélvio, com grande afluência de público, foi idealizada por Jorge Alberto Nabut, então coordenador de cultura do Clube, e organizada por ele e Demilton Dib, com apoio de Lincoln Borges de Carvalho, Salvador Cicci Neto, Cecílio de Castro Silva e outros.

Jóquei Clube de Uberaba – Junho 1980

Em comemoração aos 80 (oitenta) anos do Clube, foi idealizada e organizada por Jorge Alberto Nabut a primeira retrospectiva das obras de Hélvio, reunindo 90 (noventa) peças entre quadros e esculturas sobre estruturas metálicas concebidas por Demilton Dib e executadas por Vandir Laterza.

Galeria de Arte Reis Júnior / Fiube – Junho 1982

Nova mostra retrospectiva de Fantato, pinturas e esculturas, foi realizada na referida galeria, inaugurada na oportunidade, sob a curadoria do professor e crítico de artes Marco Antônio Escobar.

Fantato Atelier – Abril 1990

Nesse atelier, Fantato expôs na ocasião pinturas e esculturas recentes.

Fundação Cultural de Uberaba – Agosto 1993

Quando funcionando no prédio situado no pátio da igreja São Domingos, a Fundação Cultural promoveu nova exposição de pinturas e esculturas de Fantato.

Exposições Coletivas

Em diversas mostras coletivas realizadas em Uberaba, geralmente promovidas pela Fundação Cultural de Uberaba, também foram expostas pinturas e esculturas de Fantato, salientando-se, todavia, entre elas, por sua realização no exterior, a efetuada na

Galeira Debret – Paris/França – Setembro 1996

Idealizada, promovida e organizada por Jorge Alberto Nabut, foi realizada na mencionada galeria a exposição Triangle des Arts composta de quadros de 10 (dez) pintores uberabenses, entre eles Fantato.

Outras Mostras

Obras de Fantato ainda integraram outras mostras e exposições coletivas, a exemplo das que se seguem.

Galeria Municipal de Arte instituída pela Prefeitura na praça Rui Barbosa em abril de 1971; Exposições Coletivas da Feira de Arte/Participação organizadas, feira e mostras, por Hélio Siqueira em 1981, 82, 83, 84 e 90; 2ª Mostra de Arte Uberabense, promovida por Maison Interiores em abril/maio de 1983; Panorama da Pintura Uberabense na galeria de arte da Fundação Cultural de Uberaba em abril/maio de 1984; 1º Salão de Artes Plásticas Cidade de Uberaba promovido pela Fundação Cultural de Uberaba no pavilhão Henry Ford em abril/maio de 1995; Acervo da Fundação Cultural de Uberaba, mostra realizada na galeria de arte da Oficina Cultural de Uberlândia em fevereiro de 1998; A Pintura Brasileira nas Coleções em Uberaba, módulo I, na galeria de arte da Fundação Cultural de Uberaba em fevereiro/março de 2000; 1º Panorama das Artes Plásticas de Uberaba, como um dos homenageados, na galeria de arte da Fundação Cultural de Uberaba em setembro/outubro de 2001.

Catálogo e Vídeo

Fantato integra o importante catálogo Uberaba Mostra Seus Artistas, às p. 21 e 22, editado em 1996 pela Fundação Cultural de Uberaba.

Em 2010 André Laterza montou vídeo de 15 (quinze) minutos referente à obra de Fantato, num “filme de poucas palavras [....] mas um registro sensível de um artista que merece sempre voltar à tona, pois que foi um divisor de águas nas artes plásticas uberabenses” (Jorge Alberto Nabut, “Adágio da Dor nas Telas de Fantato”, Jornal da Manhã, 16 janeiro 2011).

Literatura

Não se sabe quando Fantato iniciou sua produção literária, mas o fato é que escreveu diversos contos – os dois ou três datados são de 1992 – dos quais pelo menos um, “Dedão”, foi publicado numa das duas ou três únicas edições do Caderno de Cultura editado pelo poeta Tony Gray Cavalheiro no Jornal Jumbinho de 25 de novembro de 2000.

Crítica

No ensejo de cada exposição surgiram análises, comentários e críticas atinentes à obra de Fantato, expendidas por Paulo Sousa Lima, Jorge Alberto Nabut, Marco Antônio Escobar, Marisa Dexheimer e Moacir Laterza.

(do livro Personalidades Uberabenses)

__________________

Guido Bilharinho é advogado em Uberaba e autor de livros de literatura, cinema, fotografia, estudos brasileiros, História do Brasil e regional editados em papel e, desde setembro/2017, um livro por mês no blog https://guidobilharinho.blogspot.com.br/

domingo, 7 de junho de 2020

AS FESTIVIDADES DE MAIO EM UBERABA

PASSOU o primeiro de maio, sem alarde de manifestantes; dois de maio, sem comemoração tradicional do aniversário da cidade; três de maio, sem inauguração da Exposição no Parque Fernando Costa, sem baile do governador no Uberaba Tênis Clube, sem Schroden, nem Prieto ou Akira explodindo flashes e tirando fotos de políticos que eram ídolos do país – pasmem, mas naquele tempo existia isso! – acenando para multidões ou levando às pistas de dança as moças mais lindas da cidade, no dois-pra-lá, dois-pra-cá ou nos rodopios embalados pelas melhores orquestras do país e da cidade.

JK com Daça Rodrigues da Cunha, hoje Barbosa, em desfrute no Baile do Presidente, Jockey Club de Uberaba

Mas ainda é dia cinco de maio e, se me permitem, podemos entrar no clima daquelas festividades que se prolongavam até dia 10. Portanto, estamos dentro do período festivo e, usando de artifício – uma janela para a história –, retomamos a época de ouro que fez de Uberaba referência nacional de elegância e savoir vivre.

Adalberto Rodrigues da Cunha com o presidente Getúlio Vargas

Para resumir o período, os anos de 1940, 1950 e até 60 foram fascinantes para a classe média alta uberabense – mulheres de longos e homens de smoking, levando o glamour ao apogeu – e tiveram como ícones dois dos maiores políticos brasileiros: Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. Ambos se encontravam em Uberaba durante as exposições de gado, arregimentando profissionais de todas as áreas, da segurança aos bufês, no rigoroso sistema de segurança, no caso do Pai dos Pobres (Vargas).

Tancredo Neves, Celuta Leite Rodrigues da Cunha, Juscelino Kubitschek e o prefeito Antônio Próspero

Para quem os viveu, aqueles momentos foram “coisa de cinema”. Para quem não fez e aconteceu por lá, entre beldades e autoridades, a salvação vem através do acesso que eu tive, e agora o leitor, em versão reduzida, aos álbuns de fotografia de Dadaça Barbosa – guardiã da memória da família. Estas relíquias trazem de volta a memória da casa paterna. Era na residência de seus pais que Getúlio Vargas se hospedava e a magia dos anos 50 ressoa através das imagens congeladas em papel de qualidade.

Elegância dos homens de smoking em jantar chez Celuta e Adalberto

A residência de Celuta e Adalberto Rodrigues da Cunha, presidente por 15 anos da Sociedade Rural do Triângulo Mineiro (leia-se ABCZ), tinha aspecto cerimonioso no período da Exposição, pois lá se hospedava o presidente Getúlio Vargas, amado pelas mulheres, que com ele alçaram o direito a voto, e admirado pelos homens, que, com ele, obtiveram carteira de trabalho e aposentadoria. Tido por vários historiadores como o maior estadista brasileiros de todos os tempos, Getúlio chegava com seu entourage, incluindo militares de destaque, seguranças e a guarda montada, que fazia a ronda, 24 horas/dia, pelo quarteirão compreendido entre Segismundo Mendes, Alaor Prata, praça Manuel Terra e Leopoldino de Oliveira, local da residência.

Três mesas para o banquete; confiram os detalhes

Os hostess se adaptavam muito bem às exigências protocolares do hóspede famoso. Getúlio ocupava a suíte do casal – o quarto, propriamente dito, mais quarto de vestir (closet), banheiro e terraço, com vista para os jardins e para a avenida [não seria boulevard o nome correto?] –, por onde corria o córrego a céu aberto, arborizada por imensas tipuanas. Gregório, o homem de confiança do presidente, depois ditador, hospedava-se no quarto ao lado, dito “das crianças”. No anexo da casa, que, no futuro, seria transformado em boate, se juntavam os vários seguranças.

1956 – Chiquérrimo Adalberto com JK, no Parque Fernando Costa

Crianças, em casa, nem pensar. Antônio Carlos, Soninha, Dadaça, Luiz Carlos e Rosinha (Joãozinho ainda não era nascido) chispavam para a casa da avó, Lídia Leite. As empregadas domésticas entravam com Getúlio e só podiam sair da casa na despedida dele. Nada de entrar pela manhã e sair à noite.


Outro momento de JK e Adalberto no Parque de Exposição

A casa, projetada e construída pelo arquiteto austríaco Carlos Simoneck, em torno de 1942, se adequava, perfeitamente, aos jantares oferecidos a Getúlio Vargas e demais personalidades do mundo político nacional. Às vezes, à mesa de jantar se somavam duas outras, no formato de U, criando o aspecto tradicional de banquete. Sobre o toalhado de linho bordado em richelieu, vindos da Ilha da Madeira, os grandes arranjos de crisântemos, replicados nas corbeilles, ao fundo das salas, ampliavam o requinte da decoração.
Celuta e Adalberto recebiam como poucos e procuravam descontrair o ambiente em momento de cerimonial rigoroso.

Luiz Carlos, Renato e Soninha, Rosinha, Juscelino e Dadaça no Baile do Presidente, Jockey Club de Uberaba

Vargas não era homem de pista de dança, mas, numa das exceções, enlaçou Vitória Helena pela cintura, no salão do Jockey Club, no embalo de alguns ritmos da época; um bolero, possivelmente.


Rodney, fi lho de Maria Alice e o médico Carlos Smith

Os filhos de Celuta e Adalberto só tiveram acesso aos bailes quando, já grandinhos, Juscelino Kubitschek, que antes se hospedava na mansão de Marico Rodrigues da Cunha (Hotel Tamareiras), ocupou a Presidência da República, num dos períodos mais vertiginosos da vida brasileira. JK, sim, era pé-de-valsa, e queria dançar, de preferência a noite toda, com todas as belas do baile.

Estatueta do presidente Getúlio Vargas: coleção historiadora Sônia Fontoura

Que seja agradável a viagem do leitor ao futuro do pretérito desta história! Eu gostaria... eu poderia... Mas não pode mais. Uma pena! Viajar neste futuro somente Woody Allen, em “Era uma Vez em Paris”. Pois vamos às fotografias e desfrutemos delas, com agradecimentos à Dadaça!

(Jorge Alberto Nabut _Uma primeira versão desse texto foi publicada no Jornal da Manhã, em 05/05/2020 )






=========================================


TAPETE VOADOR

• Preservação - A residência de Celuta e Adalberto foi salva da destruição ao ser comprada, restaurada e adaptada para atender à Boticário. Um dos raros exemplos bem-sucedidos de utilização do patrimônio arquitetônico da cidade.

• Uma árvore de lembrança - Como lembrança da avenida de sua infância e juventude, Dadaça plantou em sua residência uma tipuana. Nada mais coerente com sua história de vida.

• Caindo na real - Agora, sim, podemos fechar o álbum, respirar fundo e retomar a realidade, tão exasperadora do período em que nos encontramos, dominados por um inimigo comum e invisível, possivelmente criado para nos devastar da face da Terra e denominado Covid-19.

• Choradeira – O amor do brasileiro por Getúlio Vargas era tamanho que, no dia em que ele se suicidou – 24 de agosto – a confeiteira que fazia o bolo para um aniversário saiu chorando e foi um custo para trazê-la de volta ao ofício.

• Bonequinho – Paixão por Getúlio levava brasileiros a colocarem foto dele na sala de visitas e a adquirir imagens do presidente, como fizeram os pais da historiadora Sônia Fontoura, que a conserva como preciosidade.

• Morte de Getúlio – O país praticamente entrou em pânico com a morte de Getúlio Vargas. As revistas traziam na capa a inumerável multidão que acompanhou seu corpo até o aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Minha mãe guardou o exemplar da Manchete como relíquia.

• Getúlio no carnaval – Getúlio Vargas foi tema de várias marchinhas de carnaval e uma delas o leitor poderá se deliciar na nossa edição online de hoje. Trata-se de “A Menina Presidência” (1937), de Nássara e Cristóvão Alencar, na interpretação de Sílvio Caldas.

• A Menina Presidência - A marchinha brinca com as idas e vindas da campanha eleitoral de 1936/37. No momento em que a música foi gravada, duas candidaturas pareciam destinadas a polarizar a disputa: a do paulista Armando Salles, seu Manduca, pela oposição, e a do gaúcho José Américo de Almeida, seu Vavá, um dos principais nomes da Revolução de 30, pelo governo.




** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do JORNAL DA MANHÃ e UBERABA EM FOTOS

O conteúdo é de responsabilidade exclusiva do autor.


=========================





Cidade de Uberaba



quarta-feira, 3 de junho de 2020

UBERABA SOB OLHAR CARIOCA

COMO disse ontem no Tapete Voador, o pesquisador André Borges Lopes está se aventurando, com resultados excelentes, pelas histórias do cinema em Uberaba. Já encontrou documentos raros, desde 1907, ano mais remoto a que chegou. Enquanto vasculha os primórdios, não dá trégua ao tempo presente. Entre lá e cá, entre preciosidades de todos os tipos, uma delas, que não se limita ao cinema, merece nosso desfrute. Trata-se de reportagem feita pela revista Cinelândia, do Rio de Janeiro, na edição de 29 de maio de 1949, assinada por certo Pedro Lima. De sabor inigualável, a matéria, de nome Snapshot de Uberaba, nos eleva ao patamar top do país. O texto é também uma crônica da cidade daquela época e vem completo somente na edição online.

A pandemia nos permite retroagir ao passado, em larga escala.

• “Uberaba é uma cidade de Minas Gerais, conhecida no mundo, tanto quanto o Rio de Janeiro ou São Paulo. Possui uma população de cerca de 70 mil almas, sem contar os zebus. A religião predominante é o ‘zebuísta’, dividida em quatro cismas: a Nelore, a Gir a Guzerá e a Indubrasil.
Não se fala outra língua que não a do ‘plantel de animais’. Possui um clima ameno e é uma terra de mulheres belas, de porte esbelto e de sorriso mais bonito que os lábios deixam ver através de dentes alvos e uniformes.”

• “São quatro os cinemas de Uberaba. Dois deles, o Metrópole e o Vera Cruz, estariam melhor na Cinelândia carioca. São casas amplas, bonitas e as preferidas de todos do lugar e forasteiros. Pertencem à Empresa São Luís, que, apenas do nome, não tem nada com o trust que domina a maioria dos cinemas do país.”

• “O cinema Metrópole talvez seja o único do Brasil que oferece matinées dançantes aos domingos e feriados. As moças chegam uma hora mais cedo e, antes do início da sessão, uma orquestra na sala de espera embala os pares ao som das músicas mais modernas. De quando em vez, um cantor faz ouvir sua voz ao microfone e, por tudo isso, muita gente desejaria que as exibições começassem atrasadas...”

• “Outro costume interessante: todas as moças nas sessões em que não se dança entram com a revista O Cruzeiro na mão; é chic, na sala de espera, folhear a revista, até que a sineta marque que a sessão vai principiar. Depois do programa, que consta de uma única função, meia hora de footing na calçada do cinema, onde, no mesmo prédio, funciona o Grande Hotel, e a cidade volta ao sossego, exceto para os grupinhos que fazem roda separadamente, não para falar da vida alheia e de política, mas do zebu.”

• “Vendo-se as moças de Uberaba, conhecendo-se as fazendas, pelas suas belezas naturais e pelos ricos plantéis de gado, fica-se admirado porque nossos produtores ainda não se lembraram de fazer filmes com um material tão nosso e tão rico, ao invés de fitinhas com cheiro de suor, sambinhas e sambistas, piadas de Otelo e de Oscarito, para só se falar no que temos de melhor.”

• “Vimos alguns filmes projetados nas telas dos grandes cinemas locais. Os da Warner, então, estão em péssimo estado. Faltam cenas, estão arranhados, deixam muito a desejar. Vimos, lá, Os Últimos Dias de Pompéia, da RKO Rádio. Parece um filme salvo do terremoto de Pompeia, depois do Vesúvio.”

• “E o que falar, então, dos shorts nacionais. Até pura propaganda é exibida dentro da obrigatoriedade. Alguns filmezinhos ‘novos’ apresentam o presidente Getúlio sob o regime Dipearo (relativo ao DIP, Departamento de Imprensa e Propaganda do governo Vargas).”

• “Uberaba, afinal de contas, é uma cidade que não pertence a Minas, porque é um dos orgulhos da pecuária nacional que atrai os estrangeiros para o Brasil, com seus plantéis de zebu que fizeram cair o queixo dos ganadeiros e do ministro da Venezuela.”


Jorge Alberto Nabut
Escritor e colunista/Uma primeira versão desse texto foi publicada no da Jornal da Manhã em 03/06/2020)


=======================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

Cinema falado e revolução

Popularizado na Europa a partir de 1895, pelos irmão franceses Auguste e Louis Lumière, o cinema chegou ao Brasil logo no ano seguinte, mas demorou um bom tanto para dar as caras em Uberaba. No seu livro “Coisas que me contaram, crônicas que escrevi”, o jornalista Jorge Nabut relata que as notícias mais antigas de exibições de filmes na cidade datam de 1908 – ocasião em que o Sr. José Pires Monteiro, da vizinha cidade de Franca, teria feito algumas projeções na sala do então Teatro São Luiz, na praça Rui Barbosa. Nas décadas seguintes, a cidade conviveu com diversas salas de espetáculos, a maioria de vida curta. Uma das famosas foi o Cine Teatro Polytheama, instalado num amplo galpão do início da Rua Manoel Borges, local onde hoje funciona a Lojas Brasileiras. O próprio São Luiz sofreu extensa reforma e foi convertido em cine-teatro: sobreviveu por décadas, até ser definitivamente fechado em 2008.

Nos 20 anos seguintes, o mundo viveu o apogeu do cinema mudo. Nas produções mais sofisticadas, enquanto as imagens eram projetadas na tela, músicos executavam ao vivo partituras especialmente compostas para acompanhar as películas. Vários instrumentistas que mais tarde se consagraram garantiam assim parte do seu ganha-pão. Nas melhores salas de cinema, algumas orquestras chegaram a ganhar fama. As películas vinham em rolos que tinham duração de 15 a 20 minutos e, como a maioria dos cinemas dispunha de apenas um único projetor, as sessões tinham breves intervalos para troca dos rolos e pausa para a orquestra. Os primeiros filmes com trilha sonora integrada surgiram só no final de 1927, nos Estados Unidos.

Segundo o pesquisador e cinéfilo Guido Bilharinho, autor da obra “Uberaba: dois séculos de história”, o cinema “falado e sincronizado” teria estreado na cidade em 7 de março de 1930. O Brasil estava na ocasião em plena ebulição política. Após uma acirrada disputa, o candidato situacionista Júlio Prestes, ex-governador de São Paulo, acabara de derrotar a chapa de oposição formada pelo gaúcho Getúlio Vargas e o paraibano João Pessoa, numa eleição presidencial permeada por denúncias de fraudes e arbitrariedades. Vargas havia ganho em Uberaba e em boa parte de Minas Gerais. A Velha República estava prestes a ruir.

Bilharinho, com base em notícia publicada pelo jornal local “A Concentração” nos conta que a novidade cinematográfica foi apresentada pela primeira vez no Cine Alhambra, que funcionava desde outubro de 1928 no primeiro quarteirão da rua Artur Machado. Propriedade da empresa Damiani, Bossini & Cia, era então a sala mais sofisticada da cidade. O filme exibido foi “Paris de Contrabando” (The Rush Hour), comédia da Paramount com Marie Prevost e Harisson Ford. A notícia procede, mas a história é um pouco mais complicada. 

Produção de 1928, The Rush Hour é na verdade um filme mudo. Segundo o jornal “Lavoura e Comércio”, após a exibição desse filme o artista Umberto Marsicano, contratado pelo Alhambra, iria apresentar uma série de curta-metragens sonoros. O público, que lotou a sala para conhecer a novidade, teve enorme decepção ao descobrir que tratava-se de um simulacro: quatro filmes mudos sincronizados de forma rudimentar com uma trilha sonora precária que saía de um gramofone. A ira só não foi maior porque Sebastião Braz e Teobaldo Bosini, donos do Alhambra, convenceram o público de que eles também haviam comprado gato por lebre.

Seis meses depois, em 1º de agosto, o Brasil recebeu atônito a notícia do assassinato do ex-candidato João Pessoa, levando a tensão política às alturas. Nesse mesmo dia, os donos do Alhambra anunciaram que haviam comprado por 90 contos de reis um equipamento completo de cinema falado da marca “RCA Photophone”, com dois projetores e capacidade de sincronização com discos e fitas sonoras. O mesmo equipamento que já era usado com sucesso no glamoroso Teatro Pedro II, em Ribeirão Preto. A estreia em Uberaba foi programada para o final de setembro, mas o país pegou fogo com a escalada das tensões, que logo desaguaram nas batalhas armadas da Revolução de 1930.

Getúlio Vargas já havia tomado posse à frente do governo provisório quando, finalmente, a promessa frustrada em março pode ser concretizada. Em duas sessões lotadas, às 7h30 e 9h30 da noite de 13 de novembro de 1930, o filme “Alvorada de Amor” (The Love Parade) – uma comédia musical norte-americana com o astro Maurice Chevalier, Jannet Mac Donald e Lillian Roth – marcou a entrada da Princesinha do Sertão na era do cinema sonoro.

(André Borges Lopes / Uma primeira versão desse texto foi publicada na coluna Binóculo Reverso do Jornal de Uberaba em 24/05/2020)


===========================


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

quinta-feira, 5 de março de 2020

GENEALOGIAS UBERABENSES


Guido Bilharinho


Desconhecidas ou ignoradas pela maioria das pessoas, as genealogias têm dado importante contribuição à História, visto que essas pesquisas e levantamentos familiares implicam indivíduos e gerações que compuseram, participaram e contribuíram com sua existência e atuação para a formação histórica no tempo e no espaço.

Uberaba, pelo seu posicionamento espácio-temporal e as peculiaridades que condicionaram e direcionaram seu desenvolvimento, atraiu e reuniu consideráveis núcleos familiares, que, alguns dos quais, paulatinamente, por meio de um ou outro de seus membros mais qualificados que se propuseram a tais pesquisas, tiveram procedidos seus levantamentos genealógicos.

Em consequência disso, inúmeros já são os livros atinentes ao assunto, aqui referenciados, pela ordem cronológica de suas publicações, os que chegaram às nossas mãos, dos quais, pelo momento, apenas se fornecem breves informações.

A primeira obra nesse sentido de que se tem notícia deve-se ao incansável historiador Hildebrando Pontes, que se não limitou a proceder à genealogia de apenas uma família, o que já seria digno de encômios, mas se lançou a produzir toda uma série delas, que intitulou de “Genealogia Mineira”, da qual publicou o TÍTULO I – RODRIGUES DA CUNHA, em 1929, composto de 87 (oitenta e sete) páginas, não obstante a tenha iniciado em maio de 1905, conforme informa na introdução ao livro. 

Após o pioneirismo de Hildebrando Pontes é editado, em 1956, o livro HISTÓRIA VERÍDICA, de Dalila Soares de Azevedo, levantamento da descendência do capitão Domingos da Silva e Oliveira, irmão do major Eustáquio e primeiro agente executivo (prefeito) do município, precedida a obra de “Sinopse da Vida de Uberaba”.

Trinta e quatro anos depois surge o livro DO SILVA AO PRATA, de autoria de Délia Maria Prata Ferreira, editado em 1990 com 175 (cento e setenta e cinco) páginas e diversas ilustrações, que provavelmente serviu de incentivo à série de outros que lhe seguem em breves intervalos nos anos seguintes.

Nem bem seis anos são transcorridos, Paulo Medina Coeli edita MEDINA COELI – HISTÓRIA E GENEALOGIA, com 160 (cento e sessenta) páginas, no qual, ao invés do tradicional quadro familiar sucessório, expõe a genealogia dos Medina Coeli por meio de narrativas contextualizadas e ilustradas.

Da mesma forma, Jorge Alberto Nabut edita em 2001 o livro FRAGMENTOS ÁRABES, com 278 (duzentas e setenta e oito) páginas e inúmeras ilustrações, no qual, para além dos limites do estrito levantamento familiar, enfoca poética e contextualmente a chegada e atuação de várias famílias árabes na região.

Quatro anos depois, em 2005, vem à lume o livro NOSSO PASSADO E NOSSA GENTE, de Fausto de Vito, com 214 (duzentas e catorze) páginas, concernentes à família De Vito, reportada à sua origem italiana.

Encurtando cada vez mais o intervalo entre uma e outra das publicações do gênero, é editada em 2008, em dois alentados volumes, a obra OS RODRIGUES DA CUNHA – A SAGA DE UMA FAMÍLIA, de Antônio Ronaldo Rodrigues da Cunha e Marta Amato, contendo no primeiro, em 584 (quinhentas e oitenta e quatro) páginas, a genealogia familiar e, no segundo, expressivo álbum fotográfico de membros da família.

Já no ano seguinte, 2009, Marta Junqueira Prata lança o livro OS REIS – HISTÓRIA E GENEALOGIA DE UMA FAMÍLIA, com 152 (cento e cinquenta e duas) páginas e abrangente índice onomástico.

Nem bem discorridos dois anos desse último lançamento, Plauto Riccioppo Filho publica, em 2011, a obra RAÍZES ARBËRESCHË – HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DA FAMÍLIA RICCIOPPO, também em alentado volume de 614 (seiscentas e catorze) páginas, fartamente ilustradas. 

Após um tanto dilatado período intervalar, eis que há dias, precisamente em 21 de dezembro de 2019, é lançado no Museu do Zebu, na presença de centenas de Borges de diversas gerações, A ODISSEIA DOS BORGES, de Carla Mendes Bruno Brady e Randolfo Borges Filho, em projeto ideado e coordenado por Leila Borges de Araújo e Randolfo Borges Filho, em portentoso volume de nada menos de 980 (novecentas e oitenta) páginas ilustradas, focalizando os troncos e ramos familiares: Martins Borges, Borges de Araújo, Gonçalves Borges, Alves Borges, Borges de Gouveia e Antônio Borges Sampaio, o célebre historiador.

*

Além dos livros acima mencionados, existem diversas outras genealogias, veiculadas por enquanto em edições mimeografadas.

A mais longeva delas consiste na GENEALOGIA DA FAMÍLIA SILVA E OLIVEIRA, efetuada por ninguém menos do que o múltiplo historiador Hildebrando Pontes, elaborada nos inícios do século XX e composta de 222 (duzentas e vinte e duas) páginas, justamente sobre a família Silva e Oliveira, a fundadora de Uberaba na pessoa de Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira, o major Eustáquio, mas, na verdade, família Távora, perseguida pelo marquês de Pombal e impedida, até sua reabilitação pela rainha Maria I, de utilizar seu legítimo nome, ao qual o pai do major não quis voltar.

A GENEALOGIA DA FAMÍLIA FERREIRA DE ARAÚJO é também da lavra de historiador Hildebrando Pontes, constituindo o Título II da série Genealogia Mineira que se propôs a fazer, composta de 90 (noventa) páginas manuscritas.

Por sua vez, em 1990, José Carlos Machado Borges (Juquita Machado) publica em mimeógrafo, em 244 (duzentas e quarenta e quatro) páginas, sua múltipla genealogia intitulada GENEALOGIAS por se referir, conforme explica o Autor em prêambulo, a seus quatro distintos troncos familiares: Machado dos Santos, Pepino, Borges de Araújo e José Bernardes.

Outras genealogias e histórias familiares provavelmente devem existir prontas ou em vias de elaboração, cumprindo apenas que sejam dadas à divulgação, como necessário.

__________________

Guido Bilharinho é advogado em Uberaba e autor de livros de literatura, cinema, estudos brasileiros, História do Brasil e regional editados em papel e, desde setembro/2017, um livro por mês no blog https://guidobilharinho.blogspot.com.br/


Cidade de Uberaba

terça-feira, 3 de março de 2020

MEMORIALISTAS DE UBERABA

Guido Bilharinho

À semelhança de todos os outros gêneros literários, históricos, genealógicos, biográficos e outros, a prática em Uberaba do memorialismo (no sentido próprio e correto do termo) ou autobiografia só pouco a pouco foi se desenvolvendo e, como não poderia deixar de ser, à medida do crescimento e desenvolvimento da cidade.

As Mais Antigas Memórias 

A mais longeva obra do gênero de que se tem notícia consiste nas NOTAS BIOGRÁFICAS que Antônio Borges Sampaio (1827-1908) elaborou em 1896 para atendimento de exigência do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil para sua admissão como membro e que se encontram publicadas em seu livro “Uberaba: História Fatos e Homens”, editado pela Academia de Letras do Triângulo Mineiro (ALTM) em 1971, p.217 a 230.

Conquanto somente editada em Goiânia/GO, em 2007, pela Universidade Católica de Goiás, as memórias do primeiro bispo de Uberaba, d.Eduardo Duarte Silva (1852-1924), intituladas PASSAGENS, estendem-se até o final de setembro de 1924, abrangendo 273 (duzentas e setenta e três) páginas.

Posterior a ela, Hildebrando Pontes (1879-1940) escreveu o que denominou MEUS CINQUENTA ANOS, completados em 1929, em que traça minuciosamente sua trajetória de vida até a referida idade, encontrando-se publicada no livro “Vida, Casos e Perfis”, p. 17 a 37, editado em 1992 pelo Arquivo Público de Uberaba, muito justamente denominado Hildebrando de Araújo Pontes.

Publicadas em dois volumes, o primeiro na década de 1990 e o segundo em 2002, as REMINISCÊNCIAS de Calixto Cecílio (Kalil Ibrhaim Cecin), traduzidas e editadas por seu neto, médico Hamid Alexandre Cecin, foram escritas, conforme registrado pelo Autor ao final de cada volume, o primeiro em 1942 e, o segundo, em 1951, contendo o primeiro 141 (cento e quarenta e uma) páginas e, o segundo, 171 (cento e setenta e uma), em que reporta sua vida desde a aldeia de Cheik-Taba, às margens do Mediterrâneo.

Em 2006, Lincoln Borges de Carvalho (1928-2013) publicou, em edição restrita, seu ROTEIRO CINZA de 270 (duzentas e setenta) páginas, diário-memória atinente aos anos de 1946 a 1949 de densa experiência vivencial, restado inédito por mais de meio século.

As Elaboradas Após 1950

Alaor Prata (1882-1964), que foi prefeito do Rio de Janeiro de 1922 a 1926, no decorrer de todo o Governo de Artur Bernardes, publicou em 1958 suas RECORDAÇÕES DA VIDA PÚBLICA.

Em 1965, o médico Benjamin Pável lançou pela editora Pongetti, do Rio de Janeiro, com bela e inventiva capa do artista uberabense Marco Antônio Escobar, suas memórias romanceadas, intituladas BESTA DE SELA, de 323 (trezentas e vinte e três) páginas.

Na década seguinte, precisamente em 1977, já editada em Uberaba e impressa na gráfica Vitória, o professor holandês Leonardus Paulus Smeele lançou CANOA VIAJADA, em que relata, em 252 (duzentas e cinquenta e duas) páginas, sua infância e vida na Holanda e no Brasil até agosto de 1945, inclusive do período de abril de 1942 a outubro de 1943, em que participou da Segunda Guerra.

Ataíde Martins, lançou em 1979 o livro MEU FILHO, MEU FILHO, falecido na época, e, em 1984, publicou o livro de memórias EVOCAÇÕES DE UM COMETA APOSENTADO, realçando o termo utilizado para designar os viajantes comerciais.

Em 1988, José Humberto Fernandes Rodrigues (ZéBeto) publicou no Rio de janeiro, onde então residia, a autobiografia NEM FICOU A PÁTRIA LIVRE NEM MORRI PELO BRASIL, com 127 (cento e vinte e sete) páginas, em que narra sua experiência nas lutas estudantis travadas no Rio sob o regime militar.

Em 1995, Jorge Alberto Nabut editou o livro MEMÓRIAS DE MARIANA ABDANUR NABUT, no qual sua mãe relata em 64 (sessenta e quatro) páginas sua vida, experiência e atividades profissionais como exímia bordadeira.

Sob redação de João Henrique Schiller, a cantora e compositora Vanusa publicou, em 1999, o livro de memórias VANUSA - NINGUÉM É MULHER IMPUNEMENTE, de 192 (cento e noventa e duas) páginas, no qual relata sua vida, estudos, infância e adolescência em Uberaba, onde, inclusive, atuou como atriz em peças teatrais encenadas pelo TEU.

As Dos Anos 2000

Além de possíveis outros, inúmeros livros de memórias foram publicados a partir de 2000, num ritmo, intensidade e diversidade inexistentes anteriormente.

Já em 2001 foram editadas as memórias do promotor de justiça Ariovaldo Alves de Figueiredo, A VIDA DE UM MENINO DA ROÇA, com 112 (cento e doze) páginas, relatando suas origens e vivências desde o Desemboque, atual distrito de Sacramento e primeiro núcleo urbano da região do Triângulo.

Nesse mesmo ano de 2001, em Porto Alegre/RS, onde passou a residir, o uberabense Alduísio Moreira de Sousa, psicanalista, lançou o primeiro volume de suas MEMÓRIAS QUASE ESQUECIDAS, com 315 (trezentas e quinze) páginas.

Por sua vez, em 2004 o jornalista Reinaldo Domingos Ferreira publicou o primeiro volume de suas memórias, AS RAPARIGAS DA RUA DE BAIXO, no qual, em 173 (cento e setenta e três) páginas, narra sua infância em Campo Florido. Em 2008 editou o segundo volume, no qual, em 279 (duzentas e setenta e nove) páginas, expõe suas lembranças da mocidade passada em Uberaba, onde se destacou nos meados da década de 1950 como diretor e dirigente do grupo teatral Núcleo Artístico e Cultural da Juventude.

Editado em 2008 em São Paulo, por José Expedito Prata, o livro MEMÓRIAS DA MEMÓRIA, de autoria do padre Tomás de Aquino Prata, no qual, por 320 (trezentas e vinte) páginas e inúmeras ilustrações, padre Prata relata ocorrências locais, familiares e pessoais, complementando a obra com poemas escritos por seu pai, Alberto Prata.

Nesse mesmo ano, em Uberaba, impresso na gráfica Vitória, o coronel e advogado Carlo de Abreu Lopes publicou ATOS E FATOS DE MINHA VIDA, por cujas 236 (duzentas e trinta e seis) páginas discorre sobre sua vida de militar e delegado de polícia em várias cidades e comarcas mineiras.

A vivência e a experiência de dois mandatos de vereador e seis mandatos de deputado estadual de Eurípedes Craide foram sintetizadas por ele nas 174 (cento e setenta e quatro) páginas do livro A HISTÓRIA DE EURÍPEDES CRAIDE, editado em 2011.

Em 2016, José Expedido Prata, irmão do padre Prata, editou em São Paulo seu livro de memórias 1971 - 45 ANOS DEPOIS, em que narra inúmeros episódios de sua vida no referido ano.

__________________

Guido Bilharinho é advogado em Uberaba e autor de livros de literatura, cinema, estudos brasileiros, História do Brasil e regional editados em papel e, desde setembro/2017, um livro por mês no blog https://guidobilharinho.blogspot.com.br/


Cidade de Uberaba

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

TV. REGIONAL REDE MANCHETE – FUNDAÇÃO CULTURAL DE UBERABA.

Década: 1990
Em 9 de junho, ao completar 35 anos de atividade, a Fundação Cultural promoverá um Fórum para se fazer balanço e perspectivas das Politicas Públicas de Cultura.
Enquanto isto não acontece vamos mostrando  como no passado se via a participação do Poder Público neste setor
Prefeito municipal – Luiz Guaritá Neto – (1992/1996)
Presidente da Fundação Cultural – Lídia Prata
Debate  Cultural – parte 04
Local – TV Regional
Coordenador – Ney Junqueira
Participantes – Lídia Prata, Guido Bilharinho, Jorge Alberto Nabut, Gilberto Rezende e Bethoven Teixeira.
O arquivo pertence ao acervo da Associação Cultural Casa do Folclore e foi postado dia 04 de junho de 2016.