Mostrando postagens com marcador UFTM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador UFTM. Mostrar todas as postagens

domingo, 19 de janeiro de 2020

MÉDICOS NA CADEIA



Nos últimos dias de novembro de 2019, reuniu-se em Uberaba um pequeno grupo de médicas e médicos veteranos. Alguns são da região, outros vieram de longe especialmente para o evento: Arlindo Pardini (de Belo Horizonte), Benito Ruy Meneghello, Hiroji Okano e Nilza Martinelli (de Uberaba), Honório Gomes de Mello (de Goiânia), José Ernesto Teixeira (de Brumadinho) e Zoé Sellmer (de São Paulo). Tinham em comum – além dos cabelos brancos, da longa experiência e da consagração na profissão que escolheram – a emoção de um reencontro: comemoravam os 60 anos de sua formatura na então Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. No final do distante ano de 1959, a FMTM concretizou a ousadia de um antigo sonho ao entregar os diplomas para sua primeira turma de doutorandos. E Minas Gerais passou a ter, de fato, mais uma faculdade de medicina.

Década de 1920 – a recém inaugurada Penitenciária de Uberaba, prédio construído pelos arquitetos italianos Luigi Dorça e Miguel Laterza. Foto do acervo do Arquivo Mineiro
Desde o início do século XX, Uberaba era um centro médico importante. Viajantes chegavam todos os dias das imensidões do sertão brasileiro em busca de atendimento. Com o tempo, multiplicaram-se os consultórios médicos, as clínicas, casas de saúde e hospitais. Era comum que os filhos dos pecuaristas e das demais famílias abastadas da cidade fossem estudar medicina fora – em geral no Rio de Janeiro ou em São Paulo, mas por vezes até no exterior. Formados e especializados, retornavam a cidade para exercer a profissão. A eles se juntavam médicos de vindos de outras partes do Brasil, atraídos pela promessa de uma clínica farta. Muitos conciliavam a prática médica com as atividades rurais – uma combinação que se tornou usual na região.

1953 (circa) – Prédio da penitenciária em obras para receber a Faculdade de Medicina. Fotógrafo não identificado.
Minas Gerais já era o terceiro estado mais populoso do Brasil, mas contava somente com a Faculdade de Medicina de Belo Horizonte. Fundada em 1911 e mais tarde incorporada à Universidade Federal (UFMG), foi lá que formou-se médico o futuro presidente da república Juscelino Kubitschek de Oliveira. Em janeiro de 1951, JK elegeu-se governador de Minas Gerais pelo PSD, com apoio de diversos partidos e a promessa de dar uma cara nova ao estado. Além do binômio “Energia e Transporte”, Juscelino queria aumentar o número de médicos. Decidiu apoiar duas iniciativas de abrir novas faculdades: uma em Juiz de Fora e outra no Triângulo Mineiro.

23 de março de 1954 – No Palácio Rio Negro (Petrópolis, RJ), o presidente Getúlio Vargas entrega ao deputado Mário Palmério a autorização de funcionamento da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. Foto do acervo do Arquivo Nacional.
Na época, Uberaba dava mostras de que estava vencendo uma antiga maldição: desde a fugaz experiência com o Instituto Agrotécnico (que entre 1895 e 1899 formou uma única turma de engenheiros agrônomos) a cidade colecionava fracassos nas tentativas de montar escolas de ensino superior. Até que, em 1947, o professor Mário Palmério – já dono do Colégio Triângulo e da Escola Técnica de Comércio – colocou em funcionamento uma Faculdade de Odontologia e, quatro anos mais tarde, um curso de Direito. Paralelamente, as Irmãs Dominicanas davam início à montagem do que se tornaria a FISTA – Faculdades Integradas São Tomás de Aquino. Mas com JK à frente do governo mineiro, Palmério – que havia sido eleito deputado federal pelo PTB – resolveu dobrar a aposta e buscou seu apoio para abrir na cidade uma faculdade de medicina,

1955 (circa) – Praça do Mercado e o prédio da Faculdade de Medicina, ainda em obras. Ainda não haviam sido erguidos os pavilhões nos fundos do prédio original. No canto direito, a Faculdade de Odontologia. Foto Postal Colombo.

        04 de maio de 1957 – Juscelino Kubitschek vem a Uberaba para a inauguração da Exposição de Gado Zebu. Estudantes se manifestam, pedindo a federalização da Faculdade de Medicina. Foto do acervo do Arquivo Nacional.

03 de maio de 1956 – Já como Presidente da República, Juscelino Kubitschek visita Uberaba e inaugura oficialmente o prédio da FMTM. Foto do acervo do Arquivo Nacional.
1960c – Prédio da FMTM nos primeiros anos de funcionamento da faculdade. Foto do acervo do IBGE.

Junho de 1968 – Alunos e professores da UFTM defronte ao prédio da faculdade. Foto publicada em matéria da revista semanal Manchete, do Rio de Janeiro.

Julho de 2013 – Prédio da Faculdade de Medicina da UFTM ao cair da noite. Foto de André Lopes.

Embora não fosse da região, Juscelino tinha um histórico de proximidade com Uberaba. Em 1934, acompanhou o interventor Benedito Valadares na visita a Exposição Agropecuária e deu início ao hábito de frequentar as feiras de gado zebu. Isso não impediu que, em abril de 1952, a cidade fosse palco de uma assombrosa revolta popular contra um aumento de impostos estaduais promovida por seu governo, que só foi contida por tropas enviadas da capital e resultou em dezenas de uberabenses presos. O motim deixou claro que crescia a força do movimento separatista do Triângulo Mineiro, que tinha em Palmério um dos seus entusiastas.

Velha raposa política, JK aproveitou a oportunidade para estreitar os laços com a região. Poucos dias depois da revolta, desembarcou na cidade em companhia do presidente Getúlio Vargas, de quem era fiel aliado. Reza a lenda que teria prometido transformar o belo prédio da praça do Mercado – construído em estilo eclético na década de 1910, por Luigi Dorça e Miguel Laterza, para sediar uma penitenciária estadual – em uma faculdade de medicina. No ano seguinte, um projeto de lei foi aprovado pela Assembleia Legislativa mineira cedendo o prédio e fornecendo apoio financeiro estadual ao projeto. Coube ao presidente Vargas autorizar o funcionamento do curso em 23 de março de 1954. O médico Mozart Furtado Nunes foi escolhido como o primeiro diretor, à frente de um grupo inicial de 18 professores. No mês seguinte, JK veio a Uberaba para dar pessoalmente a aula inaugural para os alunos aprovados no primeiro vestibular.

Estudar medicina deixava de ser um privilégio das famílias muito ricas da região mas, por alguns meses, os calouros da nova faculdade dividiram o grande prédio, ainda em obras, com algumas dezenas de detentos, que continuavam encarcerados no andar superior. “Eles gostavam da nossa presença: nos pediam cigarros, comida e conselhos médicos”, contou no evento o Dr. Hiroji Okano. Parte das aulas eram ministradas nas salas e laboratórios da Faculdade de Odontologia.

Eleito Presidente da República em 1955, JK relutou, mas acabou cedendo à pressão dos estudantes e da comunidade uberabense que pediam a federalização da escola, Em 1960, Uberaba passou a contar com seu primeiro curso superior público e gratuito. Com o passar dos anos, a FMTM ganhou cursos de pós graduação, programas de pesquisa e residência médica, angrariando respeito e prestígio dentro da comunidade científica brasileira e internacional. A partir do final dos anos 1980, novos cursos de graduação e pós graduação foram abertos na área de saúde. Em 2005, durante o governo do presidente Lula, a FMTM foi enfim transformada em uma Universidade Federal.

(André Borges Lopes / Uma primeira versão desse texto foi publicada na coluna Binóculo Reverso do Jornal de Uberaba em 08/12/2019)


terça-feira, 11 de junho de 2019

*CONVITE ESPECIAL - CONCERTO EM UBERABA:*



*UDI Cello Convida: Arnaldo Freitas, VagaMundo e Jack Will*



DIA: 13/ 06/ 19 (quinta-feira)

HORA: 19H30

LOCAL: Teatro SESI MINAS Uberaba

CLASSIFICAÇÃO: Livre


INGRESSOS: *Meia R$ 25,00 / Inteira R$ 50,00*
(meia entrada para crianças e idosos à partir de 60 anos de idade)


*VENDAS NO DIA DO CONCERTO - À PARTIR DAS 13H*


REALIZAÇÃO: Art Cello Produção Cultural
Apoio Cultural: Fundação Cultural de Uberba, UFTM, Sesi Minas
APOIO: Folia dos Reis, Marcio Spaolonse Fotografia


Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos



Cidade de Uberaba


domingo, 15 de janeiro de 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

Faculdade de Medicina de Uberaba


Década de 1950

Foto: Autoria desconhecida

O prédio que hoje abriga a UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro), foi construído no começo do século XX e serviu inicialmente para abrigar a Penitenciária de Uberaba. Sua planta foi assinada pelo arquiteto Luigi Dorça.
No ano de 1954, passou a ser ocupada pela Faculdade de Medicina de Uberaba. A federalização da Faculdade ocorreu no dia 18 de outubro de 1960, pela Lei n.º 9856, assinada pelo Presidente da República, Juscelino Kubitschek, acompanhado do Deputado Federal, Mário de Assunção Palmério.
Em 2005, o complexo educacional, conhecido como FMTM (Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro), ampliou-se, transformando-se, na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

 Arquivo Público de Uberaba

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Santa Casa de Misericórdia


Década de 1960
A primeira Santa Casa de Misericórdia foi construída por Frei Eugênio Maria de Gênova, em 1856, mas um incêndio a destruiu, em 1921. A reconstrução teve a iniciativa do médico e provedor da instituição, Dr. José de Oliveira Ferreira, que executou o novo projeto. Em 1926, as obras foram iniciadas sob patrocínio de grandes famílias uberabenses. O edifício foi inaugurado em 1935 e, em março de 1967, transformado em Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro. Santa Casa – Hospital das Clínicas – Anexo hoje ao Hospital Escola – Universidade Federal do Triangulo Mineiro – UFTM.
Praça Dr. Tomaz Ulhôa
Fotógrafo: João Schroden
Acervo: Arquivo Público de Uberaba.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL ESCOLA

Pronto Socorro do Hospital Escola - UFTM

Década: 1980
(UFTM) Universidade Federal do Triângulo Mineiro – Pronto Socorro do Hospital Escola – Avenida Frei Paulino, 30 – Bairro Abadia.
Foto: Autoria desconhecida
Acervo: Arquivo Público de Uberaba


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Serviços de Força e Luz

Serviços de Força e Luz
A energia elétrica em Uberaba foi inaugurada em 1905 num clima de grande júbilo por recebermos tão importante estigma da modernidade e do desenvolvimento. O suprimento, gerado pela Usina Monjolo (hoje desativada), era bastante limitado à zona urbana e ao consumo residencial.

No período pós-ditadura Vargas a industrialização haveria de chegar a Uberaba, que se mostraria fiscalmente receptiva às novas indústrias. Todavia, o Serviço de Força e Luz que administrava as questões referentes à eletricidade era deficiente e não acompanhava o ritmo do crescimento residencial e quiçá industrial que se viu extremamente comprometido. O vereador João Severiano Rodrigues da Cunha (1949) diz que o problema da eletricidade era primordial e recebe apoio de toda a Câmara para que este fosse solucionado. A solução parecia fácil: transferir a administração do Serviço de Força e Luz do governo estadual – omisso e negligente – ao município, que trataria de dispensar-lhe a atenção devida. Uma verdadeira enxurrada de ofícios foi enviada ao governador Milton Campos, mas os clamores uberabenses não foram prontamente atendidos deixando-nos o questionamento de como estaria nossa cidade hoje se nos finais dos anos 40 tivéssemos suporte para além de sermos a “cidade do zebu” pudéssemos também ser um desenvolvido pólo industrial.

Fontes

Livro de Ata da Câmara Municipal de Uberaba n. 11, p. 7-9.
BILHARINHO, Guido. Uberaba: Dois Séculos de História. Vol. 1. Uberaba: Arquivo Público de Uberaba, 2007, p. 195.

Escrito por Vitor Lacerda (História-UFTM).