Mostrando postagens com marcador Câmara Municipal de Uberaba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Câmara Municipal de Uberaba. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 25 de maio de 2021

13 DE MAIO IGNORADO(⁎)

Quando Tiradentes foi implacavelmente executado, nós triangulinos não éramos mineiros e sim goianos. Só a partir de 04 de abril de 1816 é que passamos a existir como sendo o “nariz de Minas”. Saber por aqui da atrocidade capital feita ao nosso alferes deve ter demorado um bom tempo devido à falta de comunicação. Passados 72 anos, ou seja, em 1888, aconteceu aqui um fato quhoje, 126 anos depois, merece a devida reparação pela nossa Egrégia Câmara Municipal: trata-se da omissão institucional do Município relativa à abolição da escravatura. Nosso governo municipal, dirigido pelo agente executivo Joaquim José de Oliveira Teixeira (1887/1890), não fez qualquer referência à entrada em vigor da Lei Imperial no 3.353 de 13/05/1888. Ou seja; o dia “13 de maio” foi ignorado.

Pesquisando nos alfarrábios oficiais, constatei que o assunto libertação dos escravos, ou Lei Áurea, não entrou em pauta na nossa Casa Municipal de Leis naquele ano e evaporou como se não tivesse ocorrido. Em contrapartida, no ano seguinte quando o Império foi derrubado em 15/11/1889; cinco dias depois se fez constar na ata da Câmara de 20/11/1889, o texto: “ A 15 do corrente foi declarada e proclamada na Capital do Brasil a República Federativa Brasileira. Reconhecendo Câmara o Governo Provizório Republicano, como consta na ata da sessão de hoje Pede aos seus concidadãos a maior circunspeção em todos os seus atos e todo obediência as autoridades hoje legalmente constituídas”.

Por que esse jogo de informação e desinformação? Vivíamos num Brasil de maioria analfabeta, em que a “leitura” era coisa rara e de acesso dificílimo aos menos aquinhoados. Portanto, era de se esperar que, enquanto o povo simples tinha os olhos vendados com a desinformação, os coronéis nadavam em privilégios. E o maior dos seus privilégios era a informação.


Câmara Municipal de Uberaba fez uma retratação pública
com escritura lavrada em Cartório.

Que Rui Barbosa, o nosso ícone do Direito, sugeriu fossem queimados documentos comprobatórios da transação de escravos, não é mais segredo. Que a província do Ceará foi a primeira a abolir o regime escravocrata em 1884, quatro anos antes da Lei Áurea e que, Francisco José do Nascimento (o Dragão do Mar) foi o grande lider daquela conquista, isso hoje eu sei. A essas informações só chegamos graças à democracia, daí a sua importância para a nossa formação cívica.

Estamos vendo pipocar país afora, movimentos a favor da mudança de nomes de logradouros públicos que homenageiam patrocinadores de regimes totalitários. Nada mais insano a meu ver. Os que foram tiranos enquanto no poder, precisam ter os nomes na história para nunca ser esquecidos. E, sendo lembrados, sejam motivos de reflexões.

(⁎) - João Eurípedes Sabino -Uberaba/MG/Brasil.

Publicado no Jornal da Manhã-16/05/2014-Enviado à revista Veja-09/02/2015.

Republicado atendendo a pedidos- 13/05/2021

===============

sábado, 8 de junho de 2019

Morre o ex-vereador Itamar Ribeiro de Rezende

O ex-vereador de Uberaba Itamar Ribeiro, 67 anos, morreu na noite desta sexta-feira (07/06/2019), no Hospital São Domingos, onde estava internado. O falecimento foi em decorrência de complicações cardíacas. Itamar foi vereador por quatro mandatos e, atuante também no futebol amador como Presidente do Clube Atlético da Abadia. Recentemente, integrava o governo do Prefeito Paulo Piau como superintendente da Fundação Municipal de Esportes e Lazer; posteriormente, Itamar passou a ocupar também cargo na Secretaria de Saúde.

Itamar Ribeiro de Rezende ✪ 17/01/51- 07/06/2019 ✞

O corpo de Itamar está sendo velado na Câmara Municipal de Uberaba, na Praça Rui Barbosa, Centro. O sepultamento está marcado para as 14h30 no Cemitério São João Batista.

terça-feira, 24 de julho de 2018

Câmara Municipal de Uberaba

Praça Rui Barbosa

Autor (Reprodução):Marcelino Guimarães

Época da imagem: 1900

O 1º prédio da Câmara Municipal de Uberaba foi construído pelo Capitão Domingos da Silva e Oliveira às custas da população, em 1836, e inaugurado, em 1837, para sediar o Governo Municipal.

O sobrado passou por várias reformas, preservando suas características, tais como: proporção, número de pavimentos, estruturas e decoração interna.



Câmara Municipal de Uberaba - Ano:1900

As reformas datam de 1888, 1893, 1918, sendo o prédio atual reinaugurado em julho de 1920. O arquiteto Luís Dorça modificou a antiga forma das edificações portuguesas para um estilo mais moderno.

A planta do prédio é de autoria do engenheiro e arquiteto, W. Brosenius. O construtor foi Santos Guido, que introduziu as ordens civis modernas.

No 2º Prédio funcionaram a Câmara e os Correios. Este prédio foi demolido para ser reconstruído em 1918.


O Cedro foi plantado, em 1881, de frente ao Paço Municipal, pelo Coronel e Historiador Antônio Borges Sampaio. A árvore foi derrubada por volta de 1933.


(Arquivo Público de Uberaba)



Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos


Cidade de Uberaba

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Câmara Municipal de Uberaba

 Câmara Municipal de Uberaba

Há quem diga que, à noite, o fantasma de Major Eustáquio faz ronda pelos corredores da Câmara Municipal de Uberaba. Lendas compõem o imaginário popular acerca da edificação política mais importante da cidade. O primeiro prédio, um sobrado de pau-a-pique e barro, foi construído por Capitão Domingos Silva, em 1836. Abrigou sessões do júri, colégios eleitorais e a primeira cadeia. Em 1917, deu lugar à belíssima arquitetura, restaurada em 1972.
Fotógrafo:Autoria:desconhecida
Fonte – Jornal da Manhã



Câmara Municipal de Uberaba


                Câmara Municipal de Uberaba  


Ano: 1976
Da direita para esquerda: vereador Álvaro Diniz de Deus, vereador Israel José da Silva e vereador Valdir Rodrigues Vilela.
Acervo: Arquivo Público de Uberaba


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

JOÃO SPERIDIÃO É MEMÓRIA VIVA DE UBERABA

 João Antônio Speridião e Evacira Coraspe


Com 95 anos de idade, João Antônio Speridião possui memória invejável. Bem articulado nas opiniões sobre política, Uberaba e suas personalidades, família, religião, governo e fatos do cotidiano, ele mantém o diálogo por várias horas.
Considerado muito inteligente, apesar de pouca formação acadêmica, Speridião  foi vereador na década de 70, líder do prefeito Arnaldo Rosa Prata e líder do partido Arena 1 na Câmara Municipal de Uberaba.
Após o mandato permaneceu no Legislativo como funcionário. No total foram 41 anos de atuação na vida pública. Hoje aposentado acompanha a política local e nacional pela imprensa. Adepto da leitura, sempre é presenteado com livros de toda natureza.
Foi casado com Dona Silvia Silveira Speridião por 73 anos. Ela faleceu no mês de setembro de 2014. Tem 4 filhos.
Jornalista Evacira Coraspe


domingo, 8 de janeiro de 2017

INAUGURAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR BRASIL

Inauguração do Grupo Escolar Brasil -  Ano:1909    


Situado na praça Comendador Quintino, o Grupo Escolar Brasil foi construído por iniciativa do Presidente da Câmara e Agente Executivo, Dr. Felipe Aché, com auxílio da Câmara Municipal de Uberaba e do Inspetor Técnico de Ensino, Sr. Ernesto de Melo Brandão. Sua pedra fundamental foi lançada em 13 de setembro de 1908, sendo inaugurado em 03 de outubro de 1909. Passou por reformas em 1932, depois de ter sido ocupado pelas forças policiais, nos anos revolucionários, e, em 1944. Em 1968, quando a edificação foi aterrada, o pátio interno sofreu algumas modificações e as tábuas do piso foram retiradas. O jardim da praça, com seus tanques, coreto e árvores foi também construído por iniciativa do Dr. Felipe Aché” (IEPHA, 1987).
Fotógrafo:José Severino Soares
Acervo: Arquivo Público de Uberaba


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Serviços de Força e Luz

Serviços de Força e Luz
A energia elétrica em Uberaba foi inaugurada em 1905 num clima de grande júbilo por recebermos tão importante estigma da modernidade e do desenvolvimento. O suprimento, gerado pela Usina Monjolo (hoje desativada), era bastante limitado à zona urbana e ao consumo residencial.

No período pós-ditadura Vargas a industrialização haveria de chegar a Uberaba, que se mostraria fiscalmente receptiva às novas indústrias. Todavia, o Serviço de Força e Luz que administrava as questões referentes à eletricidade era deficiente e não acompanhava o ritmo do crescimento residencial e quiçá industrial que se viu extremamente comprometido. O vereador João Severiano Rodrigues da Cunha (1949) diz que o problema da eletricidade era primordial e recebe apoio de toda a Câmara para que este fosse solucionado. A solução parecia fácil: transferir a administração do Serviço de Força e Luz do governo estadual – omisso e negligente – ao município, que trataria de dispensar-lhe a atenção devida. Uma verdadeira enxurrada de ofícios foi enviada ao governador Milton Campos, mas os clamores uberabenses não foram prontamente atendidos deixando-nos o questionamento de como estaria nossa cidade hoje se nos finais dos anos 40 tivéssemos suporte para além de sermos a “cidade do zebu” pudéssemos também ser um desenvolvido pólo industrial.

Fontes

Livro de Ata da Câmara Municipal de Uberaba n. 11, p. 7-9.
BILHARINHO, Guido. Uberaba: Dois Séculos de História. Vol. 1. Uberaba: Arquivo Público de Uberaba, 2007, p. 195.

Escrito por Vitor Lacerda (História-UFTM).