Mostrando postagens com marcador Cemitério São Miguel. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cemitério São Miguel. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Antigo Cemitério de São Miguel e sua Capela.

Encontrei essa foto no acervo do Arquivo Público Mineiro, onde – provavelmente – já deve ter dado entrada em mau estado de conservação. Trata-se de uma vista rara e muito interessante, feita da torre da Catedral de Uberaba, voltada para a parte de trás da igreja. No primeiro plano, avista-se o telhado da Catedral e a atual travessa Domingos Paraíso. À esquerda, a atual rua Olegário Maciel; à direita a Tristão de Castro.

O registro não tem data. Mas a pequena edificação de telhado inclinado que vemos logo atrás da Catedral é a estação retificadora da empresa "Ferreira, Caldeira e Cia", que inaugurou o serviço de luz elétrica em Uberaba em 30 de dezembro de 1905. E, na esquina à esquerda, avista-se um poste com fiação elétrica. A foto, portanto, deve ser posterior a essa data.

O detalhe mais interessante do registro é o que se vê ao fundo, no lado esquerdo: a localização exata da Capela de São Miguel, situada dentro do cemitério de mesmo nome (como era costume na época da sua fundação), ambos abertos por Frei Eugênio em 1856. Hoje, funciona no local dessa Capela o "Centro de Formação Profissional Fidélis Reis", do Senai. (veja em detalhe nos comentários)

Vistas dos fundos da Catedral de Uberaba - Minas Gerais,em foto tirada em por volta de 1910.

No alto à esquerda, a Capela e o Cemitério São Miguel (construídos em 1856 e demolidos em 1917) defronte ao “Largo da Matriz Velha”, atual Praça Frei Eugênio. Fotógrafo desconhecido. Acervo do Arquivo Público Mineiro. Restauração: André Borges Lopes.

           A foto original do Arquivo, antes da restauração.

Nessa mesma área, havia sido erguida anteriormente antiga capela de Santo Antônio e São Sebastião da Berava, aberta em 1818 pelo Cônego Hermógenes e primeira igreja Matriz ("Matriz Velha") da freguesia entre 1820 e 1853-54, quando foi aberta a Catedral na atual praça Rui Barbosa. O antigo "Largo da Matriz Velha" deu origem à Praça Frei Eugênio.

       A Capela e o Cemitério, em foto de 1889.
Comparando com a foto do post, acredito que ela tenha sido reformada após essa data.


Um detalhe ampliado da Capela.

Como vemos, a Capela de São Miguel continuou de pé por alguns anos após abertura do novo "Cemitério do Brejinho" (atual São João Batista) em 1900. É provável que só tenha sido demolida por volta de 1917, quando as tumbas do antigo cemitério foram retiradas e levadas para o novo. O terreno foi posteriormente cedido para a construção do "Liceu de Artes e Ofícios" (incorporado pelo SENAI em 1945) e do antigo "Grupo Minas Gerais".

(André Borges Lopes)



Cidade de Uberaba


quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Cemitério São Miguel

Cemitério São Miguel
À frente - Cemitério e ao fundo Capela de Santo Antônio e São Sebastião de Uberaba em1889. Núcleo de fundação de Uberaba - atual Praça Freio Eugênio - Escola Estadual Minas Gerais e Centro de Cultura José Maria Barra - FIEMG

Foto: Autoria desconhecida

Acervo: Arquivo Público de Uberaba


Cidade de Uberaba

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

INTERIOR DO CEMITÉRIO SÃO MIGUEL – PRAÇA FREI EUGÊNIO

Interior do Cemitério São Miguel – Praça Frei Eugênio

Cemitério São Miguel

Foto:setembro de 1889

Foto:Autoria desconhecida

Em 1856 iniciou a construção do cemitério São Miguel, situado onde hoje é a Praça Frei Eugênio, considerado o mais sólido e amplo do interior do Brasil, na época. Dentro do cemitério, Frei Eugênio construiu a Capela de São Miguel. A maioria dos túmulos era de madeira – o mármore somente entrou em Uberaba por volta de 1880, quando passou a ser empregado na construção de residências e túmulos, inclusive o de Frei Eugênio. O cemitério funcionou 44 anos, de 1856 a até 1900. Foram enterrados neste período cerca de 4.400 pessoas. Foi interditado depois da construção do Cemitério Municipal – na época conhecido por Cemitério do Brejinho, atual São João Batista –, e demolido em 1917.

Texto: Maria das Graças Salvador e Aparecida Manzan

Créditos para a foto: Arquivo Público Mineiro – APM .