Mostrando postagens com marcador Henrique Raimundo Des Genettes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Henrique Raimundo Des Genettes. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 8 de dezembro de 2020

GEÓLOGOS UBERABENSES: GLYCON DE PAIVA

Guido Bilharinho


O geólogo Glycon de Paiva é filho de Otávio Augusto de Paiva Teixeira, um dos formandos da única turma do legendário Instituto Zootécnico de Uberaba, e neto de José Augusto de Paiva Teixeira, o Casusa, que teve intensa atuação na Uberaba do último quartel do Século XIX, inicialmente como dirigente da tipografia do primeiro jornal uberabense, “O Paranaíba”, fundado pelo médico e escritor francês Henrique Raimundo des Genettes em 1874, depois como editor de inúmeros outros jornais e, por último, como político, chegando a ser Intendente (prefeito) no Conselho de Intendência empossado em 25 de janeiro de 1891, Conselho que desde 14 de fevereiro de 1890 substituiu a Câmara Municipal.

Glycon de Paiva, após fazer seus estudos colegiais em Uberaba, formou-se, como Avelino e Moura, na Escola de Minas de Ouro Preto.

Exerceu vários cargos no Departamento Nacional da Produção Mineral, sendo seu geólogo-chefe de 1934 a 1939. Chefiou, posteriormente, em 1943 e 1944, o Serviço de Produção Mineral da Coordenação da Mobilização Econômica, criado pelo Governo Vargas para promover a produção necessária à intervenção do Brasil na Segunda Guerra Mundial.

Em 1947 foi delegado do Brasil à Conferência Preparatória do Comércio e Emprego realizada em Genebra/Suíça e à Conferência de Energia em Haia/Holanda, integrando, ainda nesse ano, a Comissão Especial nomeada pelo Governo Dutra para elaborar o anteprojeto do Estatuto do Petróleo, que acabou sendo arquivado após discutido no Congresso.

Em 1948 representou o Brasil no VIII Congresso Científico Panamericano em Washington/EE.UU. e na Conferência Internacional de Comércio e Emprego em Havana/Cuba, passando, ainda, a integrar o Conselho Nacional de Minas e Metalurgia, bem como, nesse ano e no seguinte, compôs a Comissão de Exploração Mineral da Comissão Mista Brasileiro-[Norte-]Americana de Estudos Econômicos, da qual foi relator geral e, ainda, relator das subcomissões de manganês, de minerais e de fosfato. Em 1951 foi assessor econômico da delegação brasileira à IV Reunião de Consultas dos Ministros de Relações Exteriores das Repúblicas Americanas.

No Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico – BNDE (atual BNDES), criado pelo Governo Vargas, exerceu, a partir de 1952, inicialmente os cargos de diretor e, de 1954 a 1960, membro do Conselho Técnico de Economia e Finanças, ocupando, finalmente, sua presidência em 1955 e 1956.

Em 1955 foi ainda diretor da Companhia Vale do Rio Doce.

A partir de 1961 teve atuação participativo-política de tendência conservadora e contrária às diretivas autonomistas e nacionalistas do Governo Goulart, participando da organização e fundação, em 1962, do Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais – IPES, composta de empresários do Eixo Rio-São Paulo, sendo seu vice-presidente de 1962 a 1967, entidade que deixou de existir a partir de 1972, tendo atuado no golpe que depôs Goulart em 1964.

Na sua sempre intensa atividade, ainda integrou conselhos da Confederação Nacional do Comércio – CNC, da Mercedes Benz, da Siemens, da Confederação Nacional da Indústria – CNI, da Companhia Auxiliar de Empresas de Mineração – CAEMI, da editora APEC e do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social do Governo do prefeito carioca Israel Klabin.

Nem por isso tudo deixou de produzir livros e relatórios técnicos de alta significação e importância nas áreas abordadas, como “Carvão Mineral do Norte do Paraná” (1934, coautoria), “Gênese do Carvão do Norte do Pará” (1939), “Carvão Mineral de Barra Bonita e Carvãozinho – Estado do Paraná” (1941, coautoria), “Reavaliação das Possibilidades Petrolíferas do Brasil” (1962), “História da Campanha de Sondagens Para Pesquisa de Petróleo na Área de São Pedro” (1975), “Ouro e Bauxita na Região do Gurupi e Carvão Mineral do Piauí” (s/d), “A Defesa Nacional”, “Jazidas de Minério de Chumbo no Estado de São Paulo”, “Geologia do Município de Lajes – Santa Catarina”, além de relatórios de diversas das diretorias que ocupou e aproximadamente duas centenas de artigos sobre geologia, recursos minerais do Brasil, economia e demografia.

Por fim (mas não ainda tudo), à semelhança de Avelino e Moura, também sua contribuição à geografia no Brasil foi ressaltada pelo geógrafo José Veríssimo da Costa Pereira no ensaio anteriormente mencionado e constante de “As Ciências no Brasil”, obra em dois volumes organizada por Fernando de Azevedo.

===============

Guido Bilharinho - Advogado em Uberaba e autor de livros de literatura, cinema, fotografia, estudos brasileiros, História do Brasil e regional editados em papel e, desde setembro/2017, um livro por mês no blog https://guidobilharinho.blogspot.com.br/


quarta-feira, 4 de setembro de 2019

HENRIQUE DES GENETTES: UM AVENTUREIRO FRANCÊS NO SERTÃO DA FARINHA PODRE

Durante quase todo o século XIX, o “Sertão da Farinha Podre” e o sul da Província de Goiás compunham uma gigantesca terra de ninguém. Cenário único, misturava o pioneirismo violento das cidades do Velho Oeste americano – eternizadas nos filmes de bang-bang – com cenários selvagens e misteriosos das imensidões inexploradas da África. Poderia já ter rendido um sem número de romances, filmes e documentários. Tínhamos por aqui até mesmo alguns dos personagens mais curiosos desse tipo de narrativa: os aventureiros europeus que – sabe-se lá por quais motivos – deixavam o Velho Continente e vinham parar no que era, então, um legítimo fim-de-mundo.

Uberaba teve a sua cota de aventureiros. Um dos mais curiosos foi o francês Henrique Raimundo Des Genettes que, em sua longa existência pelos sertões, foi médico, cronista, explorador, mineralogista, geógrafo, líder político, administrador público, advogado, militar, jornalista, teatrólogo, educador e – finalmente – padre. Mas, ao contrário dos cowboys e desbravadores do cinema, esse herói sertanejo estava longe de ter o “physique du rôle” dos galãs de Hollywood. O memorialista Visconde de Taunay, a caminho da Guerra do Paraguai em 1865, o conheceu em Uberaba e foi impiedoso no relato: “apareceu-nos o Dr. Des Genettes a cavalo, carregando a sua fardinha esquisita de cirurgião da Guarda Nacional; feio, muito miudinho, muito magro, com os olhos esbugalhados sobre os quais havia uma enorme pala de boné (...) pronunciou um discurso engasgado, com pronunciado sotaque francês. Estava tão comovido que os joelhos lhe tremiam. (...) levou-me a tomar chá em sua casa, onde cantou ao violão ridículo dueto com a mulher. Conhecia alguma coisa de mineralogia e mostrou-me alguns cadernos destinados à imprensa”.

Talvez Taunay houvesse sido mais generoso se tivesse conhecimento da história prévia desse homenzinho, que tinha então 64 anos de idade e um nome de batismo imponente: François Henri Raimond Trigant Des Genettes. De sua vida na França sabe-se pouco. Nasceu em Pauillac, região de Bordeaux, em 1801. Seria descendente de Nicolas Dufriche, Barão Desgenettes, famoso médico das tropas de Napoleão, caído em desgraça após a derrota de Waterloo. Teria estudado Medicina na Universidade de Brest, mas não se sabe se concluiu o curso e os motivos que o trouxeram ao Brasil, onde chegou em 1835, como tripulante do navio francês MInerva – do qual foi expulso após matar, em duelo, um dos oficiais de bordo. Quatro anos depois, naturalizou-se brasileiro e foi morar em Ouro Preto, onde teve um breve casamento. Já viúvo, participou ativamente da Revolução Liberal de 1842, tendo ficado algum tempo preso junto com Teófilo Otoni, após a derrota do movimento.

Dois anos mais tarde, Des Genettes foi encarregado pelo governo imperial para explorar reservas salinas e nitreiras no Triângulo Mineiro. Na ocasião, visitou as cavernas de Sacramento e foi pioneiro em indicar as corredeiras de Jaguara como o melhor local para a construção de uma ponte sobre o Rio Grande – recomendação seguida quatro décadas depois pela Companhia Mogiana. Casou-se novamente em Araxá e tornou-se um dos primeiros moradores do garimpo de Bagagem (atual Estrela do Sul), de onde partia para pesquisar as reservas minerais do sul de Goiás e da Serra dos Cristais. Realizou também estudos sobre as possibilidades de navegação nos rios Pardo e Mogi Guaçu, em São Paulo, como alternativas de transporte rumo ao Triângulo.

Des Genettes - Foto: Arquivo Público Mineiro.

Des Genettes teria se mudado para Uberaba em 1854, onde estabeleceu-se como médico e boticário, em um sobrado na Rua Municipal (atual Manoel Borges). Tornou-se amigo do também farmacêutico e historiador português Antonio Borges Sampaio, com quem compartilhava a atração eclética pelas ciências humanas e naturais. Elegeu-se vereador, presidiu a Câmara Municipal e foi Agente Executivo (equivalente a prefeito) entre 1865 e 67. Fundou e lecionou em diversas escolas, apoiou a criação do Teatro São Luiz e escreveu peças para serem lá representadas. Esporadicamente, exerceu tarefas de defensor público e delegado de polícia. Organizou na região o recrutamento dos Batalhões Patrióticos que seguiram para a Guerra do Paraguai, ocasião em que conheceu Taunay. Foi um dos primeiros a propor a mudança do nome da região para "Triângulo Mineiro", e também a sua separação de Minas e incorporação à província de São Paulo.

Um dos seus maiores feitos foi a fundação de uma tipografia e do primeiro jornal uberabense: “O Paranaíba”, lançado em 1º de agosto de 1874 e logo renomeado “Echos do Sertão”. Dois anos mais tarde, após a morte da esposa, mudou-se para Goiás. Ordenou-se Padre em Pirenópolis, fundou e dirigiu escolas em Catalão* e Paracatu, onde elegeu-se deputado provincial. Em 1879, envolveu-se em uma confusão ao reprovar em seu colégio o filho de um delegado de polícia de Paracatu. Inconformado, o delegado queria expulsá-lo da cidade, onde só permaneceu graças ao apoio do Juiz de Direito da comarca, que lhe concedeu um "habeas corpus". Des Genettes faleceu dez anos depois, em 1889, no Distrito de Santo Antônio do Cavalheiro, nas imediações de Ipameri, do qual foi um dos fundadores.

(André Borges Lopes – artigo publicado originalmente na coluna "Binóculo Reverso" do Jornal de Uberaba, em 1ª/09/2019)

Fanpage:  https://www.facebook.com/UberabaemFotos/

Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Cidade de Uberaba