Mostrando postagens com marcador Google. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Google. Mostrar todas as postagens

domingo, 30 de dezembro de 2018

CODAU E SUAS ORIGENS

O CODAU ( Centro Operacional de Desenvolvimento e Saneamento) já foi “mulher “...Era Companhia de águas de Uberaba). Acharam feio e mudaram seu “sexo”... A autarquia municipal foi criada em 1966, no governo de Artur Teixeira, um dos prefeitos honestos de Uberaba. Veio para substituir o Departamento municipal de água e energia (esgoto, não...) .Constava do estatuto da entidade” é sua responsabilidade os serviços de captação, tratamento, reservação, distribuição de água potável à população, coleta e neutralização de esgotos sanitários “. Mais tarde, mediante uma “jogadinha”, o esgoto acoplou-se à autarquia...

Se o uberabense quiser saber a origem de sua fundação, não vai encontrar nos “Google” da vida nenhuma referência. O registro é apenas das “coisas atuais”, delongas e outras informações inúteis. Ao curioso, resta recorrer aos jornais da época.. A administração atual não se deu ao “luxo” de contar sobre a sua criação. Reavivo a memória dos interessados em saber. Seguinte: O estupendo trabalho do saudoso prefeito Artur Teixeira, do empresário Léo Derenusson, Mário Grande Pousa, jornalista Geraldo Barbosa dos Santos, Francisco Lopes Veludo, Vicente Marino Júnior, efetivamente batalharam pela concretização da grande conquista. “Esqueceram” também de contar aos uberabenses e à “jovem guarda” da imprensa e os jovens vereadores, citar um grande uberabense, recentemente falecido, engenheiro Pedro Pontes Silva ,diretor do CEDAE, do Rio de Janeiro, impecável serviço de água e esgoto na capital fluminense, ter sido o grande responsável por todo conhecimento e estrutura fornecidos para que fosse implantado esse importante melhoramento em Uberaba.

Uberabenses honestos, políticos e técnicos de têmpera, formaram toda a estrutura que hoje ostenta o CODAU. Pesarosamente, esses nomes não são citados e muito menos lembrados pelos atuais “donos” do CODAU. Como também nunca foi explicada a verdadeira razão da fusão do setor “esgoto” que era da Prefeitura, para a autarquia, na década de 80. O que se noticiou na época é que muita gente “ graúda”, saiu-se “muito bem” com a mudança...

2018, fim de ano, nova “jogada” foi perpetrada. Majoração de taxas, contrato milionário e um verdadeiro “cabide de emprego”. Vereadores alertados, abriram os olhos .A autarquia recuou no aumento, sem contudo, justificar a adesão da gestão da coleta de lixo, doravante em gestão do CODAU. O “esquema está armado”. Uberabenses da “velha guarda” lembram-se de um dos maiores escândalos administrativos, o super faturamento do lixo, balanças de pesagem “viciadas”, aconteceu no governo Luiz Neto, atual presidente do CODAU...E não é que a tal coleta, volta às suas mãos ???...

A “coisa’ não para aí. A taxa de resíduos sólidos, a partir de 2019, não mais será cobrada com o IPTU. Deverá estar ao lado da conta de água...Sem contar o “ desvio “de função do CODAU . A autarquia administrará, além do que a ela é pertinente, R$ 83.000.000,oo(oitenta e três milhões de reais ), contrato firmado com a nova empreiteira do lixo, Lara Central De Tratamento de Resíduos. Mais: A transferência da coleta de lixo dos “ serviços Urbanos”,passa ao CODAU que prevê a criação de novos departamentos com novos cargos. (Deus queira que não seja para “abrigar” os recentemente dispensados da Prefeitura...). Uma pergunta que inquieta: O CODAU, já foi companhia. Virou autarquia. Voltará a ser Companhia ?

O ex-Prefeito, aquele do “escândalo do lixo”, vai gerir novamente tal serviço? Dizem as más línguas que é o mesmo que “ colocar a raposa vigiando o galinheiro”...Tomara que nada aconteça. Nem por isso, esqueço Orlando Ferreira, o “Doca”, quando escreveu sobre a malsinada Uberaba – “Terra Madrasta”...

Tem mais, amanhã. Conto com a sua leitura e comentários. Abraço do “ Marquez do Cassu”.







Cidade de Uberaba

terça-feira, 14 de agosto de 2018

A Pomba da Paz no município de Uberaba, MG

Na cidade de Uberaba tivemos a Estação da Estrada de Ferro Oeste de Minas, depois denominada Rede Mineira de Viação. Esta ferrovia não mais existe desde o ano de 1968 e tudo ficaria na normalidade não fosse o seu percurso no então perímetro urbano. Inaugurada no dia 10/11/1926 e passando num determinado trecho, em plenos cerrados e capoeiras na época, descrevia percurso sinuoso. Pois bem: no vai e vem das curvas em terreno plano, iniciou-se ali de forma imperceptível um estranho desenho no solo.

A Pomba da Paz - Imagem/crédito: Google

A cidade durante cerca de 20 anos permaneceu distante do tal percurso sinuoso, cerca de 3 quilômetros ou mais. Corredores boiadeiros foram surgindo com pequenas casinhas à beira da linha até que a cidade despertou. Houve o encontro lento e progressivo da parte urbanizada com a faixa da ferrovia. As fazendas viraram loteamentos e a ferrovia virou avenida: Av. Cel. Joaquim de Oliveira Prata e Av. do Contorno. Uma ave foi desenhada no chão bruto, sem qualquer projeto urbanístico. É interessante lembrar que a carência de equipamentos de engenharia naquela época, anos 1920, requereu a participação direta das mãos do homem combinada com a rusticidade e força dos burros, cavalos e bois. Uma única barra de trilho pesa aproximadamente 310 kg; imaginem um conjunto contendo duas paralelas com dormentes, pregos etc, etc! E mesmo assim ganhamos a POMBA DA PAZ! Visualizei a figura da ave já delineada pela expansão imobiliária no mapa de Uberaba, isso no ano de 1966 (Engenheiro Civil e de Segurança João Eurípedes Sabino, 2008).