Mostrando postagens com marcador Uberabinha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Uberabinha. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 28 de abril de 2020

Certidão de nascimento

Recebi recentemente a crônica “As primeiras farmácias e os primeiros médicos”, de autoria do nosso confrade, o Acadêmico uberlandense Antônio Pereira da Silva, profundo pesquisador da nossa história.

Relata ele embasado e de forma isenta que: “Na metade do século XIX, Uberabinha não tinha nada: apenas um aglomerado de casebres cobertos por palhas de Buritis nos arredores da capela de Nossa Senhora do Carmo e São Sebastião Mártir, no largo da Matriz”. Leitores, recordem que a metade do século XIX ocorreu em torno do ano de 1850.

E prossegue o Douto Acadêmico: “Só em 1852 foi criado o Distrito de Paz e a igreja criou a Paróquia. Havia então 44 casas construídas...”. Antônio Pereira da Silva desce a detalhes estatísticos descrevendo a localização das casas, inclusive nomeando os logradouros públicos. Não é segredo que a São Pedro Uberabinha (depois Uberabinha e hoje Uberlândia) foi Distrito de Uberaba (vide atas da nossa Câmara).

Peço a atenção dos mais e dos menos informados para os seguintes detalhes expostos por aquele historiador: “A primeira botica foi instalada em 1850 por Miguel Jacinto de Melo, no Largo da Matriz”. E mais: “Sete anos depois da instalação da primeira farmácia, em 1857, chega o “Pintão” (Antônio Maximiano Ferreira Pinto), boticário prático também, mas com a vantagem do licenciamento concedido pelo Imperador d. Pedro II”. E outras farmácias foram instaladas, mas o primeiro médico, Dr. Carlos Gabaglia (itinerante) só chegou em Uberabinha depois de 1906

Fato curioso: “Sempre que alguém adoecia e os práticos não conseguiam resultados, ou o doente tinha que ser removido para Uberaba, ou era chamado um médico de lá. De qualquer forma, doente e médico transportavam-se em lombo de burro ou carro de bois”.

Meus caríssimos leitores, nossa conversa já está no ponto para que eu lhes faça sem rodeios a pergunta: como pode Uberaba ter sido fundada em 1856, segundo propalam alguns, se aqui, há tempos, existiam médicos vindos de diversas partes do país? O Acadêmico José Soares Bilharinho esbanja seus nomes em sua magnífica obra “A história da Medicina em Uberaba”. Só mesmo tendo “nascido” em 1820 (36 anos antes) para experimentar tanto avanço. Uberaba estava na rota do grande Anhanguera que seguia para Goiás em busca de pedras preciosas!

É simples para se concluir que o título de Freguesia (à época avançando) oficializada por Dom João VI pelo decreto de 02 de março de 1820, único documento probatório conhecido, é a Certidão de Nascimento de Uberaba. Tudo mais, a meu modesto ver, em termos de aniversário da cidade é mera especulação.

Existe a ordem cronológica: 13/02/1811 - Criação do Distrito dos índios, sertão imenso esse comandado por Major Eustáquio. 22/02/1836 - Elevação do lugarejo a Vila. 23/03/1840 - Elevação da Vila a Comarca. 02/05/1856 - Elevação de Comarca a Cidade¹־²־³. Ditas datas existem, mas não abalizam a ninguém para afirmar que nessa ou naquela nasceu Uberaba. Arquivos públicos e particulares foram consultados Brasil afora sem êxito. Nosso aniversário é, portanto, em 02 de março. Quanto vivi enganado!

Fontes de Pesquisa: Hildebrando de Araújo Pontes, Antônio Borges Sampaio, José Mendonça, José Soares Bilharinho, Renato Muniz Barretto de Carvalho, Antônio Pereira da Silva, Longino Teixeira, Tito Teixeira e Atas da Câmara Municipal de Uberlândia. Arquivo Público de Uberaba. Atas da Câmara Municipal de Uberaba (1857/1900).

1 - Título honorífico que Franca/SP também recebeu em 1856.

2 - Idem para Ribeirão Preto/SP. 

3 - Idem para Juiz de Fora/MG.


(*) - João Eurípedes Sabino.
Presidente da Academia de Letras do Triângulo Mineiro.
Uberaba/MG/Brasil.

Cidade de Uberaba

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

A PONTE DE JAGUARA SOBRE O RIO GRANDE, EM 1913, NA DIVISA SÃO PAULO/MINAS GERAIS

 A ponte de Jaguara sobre o rio Grande
   
A ponte de Jaguara sobre o rio Grande, em 1913, na divisa São Paulo/Minas Gerais Foto: Autoria desconhecida.
HISTORICO DA LINHA: A linha do Catalão foi construída entre 1888 e 1889 até Uberaba, tendo chegado em 1895 a Uberabinha (Uberlândia) e 1896 a Araguari. Continuação da linha do Rio Grande a partir da estação de Jaguara, às margens do rio Grande e já em território mineiro, a ideia da Mogiana era alcançar Catalão, em Goiás (daí o nome) e dali seguir para Belém do Pará, coisa que nunca aconteceu. Na verdade, a E. F. de Goiás acabou por construir esse trecho, chegando até Goiânia e Brasília. Em 1915, o ramal de Igarapava foi prolongado para além de Igarapava de forma a alcançar a linha do Catalão um pouco antes de Uberaba, em Rodolfo Paixão. A nova linha provou ser mais econômica do que o trecho da linha do Catalão entre o rio Grande e Uberaba, trecho este que foi abandonado definitivamente em 1976, depois de ser separado da linha do Rio Grande em 1970 por causa da construção da represa de Jaguara. O trecho a partir de Uberaba foi, então, incorporado ao ramal de Igarapava e, em 1979, totalmente retificado a partir de Ribeirão Preto até Araguari. Trens de passageiros percorreram o trecho até 1979 e depois o trecho retificado até 1997, quando foram suprimidos, já pela Fepasa.
A ESTAÇÃO: A estação de Uberaba foi aberta em 1889 pela Mogiana. Por algum tempo estava essa estação designada para ser a saída da estrada de ferro que a ligaria a Cuiabá, no Mato Grosso. Com a inauguração da E. F. Noroeste do Brasil, em 1906, a partir de Bauru, o projeto foi cancelado. Em 1948, a estação foi transferida de local, quando se construiu uma segunda estação, na linha nova, abandonando-se a original, demolida mais tarde. “É entregue ao tráfego na linha tronco a retificação do traçado compreendendo Rodolfo Paixão a Mangabeira, retirando da região central de Uberaba os trilhos da estrada de ferro” (relatório da Mogiana, 1948). “No entanto, ainda restou o prédio referente ao depósito de mercadorias da referida estação. Hoje, nesse prédio, funciona uma empresa credenciada pela CEMIG (Companhia Energética de Minas Gerais S. A.). Infelizmente, não tive acesso ao interior do prédio. Nota-se a descaracterização de sua bela arquitetura original, muito provavelmente como conseqüência do descaso atual em relação à cultura e à história como um todo. Uma pena! O prédio se localiza na Rua Menelick de Carvalho, no Bairro Boa Vista, a algumas quadras ao Sul da terceira e atual estação de trens de Uberaba” (Flávio de Faria Careta, 04/2008). A segunda estação permaneceu ativa apenas por 14 anos, e em 1962 foi outra vez mudada de lugar, transformando-se em depósito, mas permanecendo junto à linha. Uma terceira estação foi construída, que é a que funciona até hoje.
Ralph Mennucci Giesbrecht.