Mostrando postagens com marcador Edgar Rodrigues da Cunha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Edgar Rodrigues da Cunha. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Estádio Engenheiro João Guido “Uberabão”

Três grandes azes da comunicação de Uberaba, Luiz Gonzaga de Oliveira, Raul Jardim e Jorge Zaidan, acompanhando o Dr. Edgar Rodrigues da Cunha em vistoria ao terreno onde estava sendo implantando o “Uberabão”, (Estádio Engenheiro João Guido).

O Luiz Gonzaga está contando esta história em sua página do Face, fazendo uma retrospectiva da euforia que contaminava a todos não somente por esta construção mas também pela TV que um dia foi nossa.

“Uberabão”, (Estádio Engenheiro João Guido).  Foto: Autoria desconhecida. Acervo: Casa do Folclore.

Um esclarecimento para a juventude - Edgar Rodrigues da Cunha, criador da empresa “Produtos Ceres” e ex-presidente do USC, foi o idealizador deste estádio e o doador do terreno. 

Jorge Zaidan foi radialista e cofundador da rádio 7 Colinas. Raul Jardim, jornalista e um dos proprietários do jornal Lavoura e Comércio. Luiz Gonzaga, o único remanescente do grupo, é escritor, historiador, ex-presidente da Fundação Cultural de Uberaba e um dos responsáveis pelo sucesso da TV Uberaba que tanto orgulho trouxe para a cidade.


Gilberto Andrade Rezende.
(*) Membro da Academia de Letras – Ex-presidente e conselheiro da Aciu e do Cigra.



Instagram: instagram.com/uberaba_em_fotos

Fanpage: https://www.facebook.com/UberabaemFotos/


Cidade de Uberaba


domingo, 17 de março de 2019

Produtos Ceres e o empresário Edgar Rodrigues da Cunha

Nossa rica Uberaba


Louco. No fim da década de 1950, essa era a palavra que mais se ouvia entre os clientes da agência do Banco do Brasil (BB) na cidade quando deparavam com os folhetos de propaganda da empresa Produtos Ceres colados nas paredes. O objetivo era concitar os agricultores a plantar algodão com generosas ofertas de financiamentos a juros baixos e longos prazos.

Governador Juscelino Kubitschek e Edgar Rodrigues da Cunha.
(Foto do acervo pessoal da família)

Era mais uma ousadia do empresário Edgar Rodrigues da Cunha. Como não podia transportar sua fábrica para Ituverava, SP, um dos grandes centros de produção algodoeira do interior do Brasil, o mais econômico seria a introdução da nova cultura nas lavouras de Uberaba. Uma tentativa que contou com o apoio incondicional do BB. A economia prevista com o transporte dos caroços de algodão para a produção de óleo justificava a empreitada.
                                                                   
Juscelino Kubitschek inaugura a fábrica, em maio de 1956. (Foto do acervo pessoal da família)
Afinal, o Edgar que inicialmente participava de uma fábrica  de ração e derivados de milho (entre estes a famosa “Fubaína”) junto com o seu pai Gustavo Rodrigues da Cunha, aproveitou o terreno do bairro Boa Vista e, em 1952, iniciou-se a construção de um grande complexo industrial, captando recursos através da transformação da empresa em sociedade anônima, para a produção de óleos vegetais.

Edgar Rodrigues da Cunha e Dom Alexandre Gonçalves do Amaral, bispo diocesano de Uberaba. (Foto do acervo pessoal da família)
Se atentar para o fato de que a economia da cidade era predominante de atividades voltadas para a agropecuária, precisava realmente de alguém com muita coragem para instalar uma fábrica de grande porte e ainda fabricar produtos para concorrer com os gigantes do mercado: Matarazzo, Anderson Clayton e Sanbra.

 Vultos históricos – Edgar Rodrigues da Cunha.
(Associação Cultural Casa do Folclore)

E Edgar conseguiu. Construiu a fábrica e obteve financiamento com o governo francês para aquisição de duas super prensas. Seus Produtos – Óleo Banquete de caroço de algodão e o Bem Bom de amendoim – fizeram sucesso. Foi a primeira empresa da América Latina a extrair óleo do farelinho de arroz. Dos resíduos se fazia o também famoso Sabão Brilhante.

Juscelino Kubitschek, ainda governador, foi o grande colaborador de Edgar para conseguir apoio do governo francês. Já eleito presidente da república. Juscelino veio em 1956 para prestigiar a inauguração da maior indústria de Uberaba, que já chegou a contar com 300 funcionários em sua folha de pagamento.

Vista aérea da Fábrica dos Produtos Ceres.  (Foto do acervo pessoal da família)
Seis anos após a inauguração de produtos Ceres, Edgar monta a TRILÃ – Indústria de Tecidos de Malhas e Confecções Ltda., importando máquinas de outras cidades brasileiras e da Itália, voltados para a confecção infantil.

A TRILÃ marcou época. Um novo nicho de mercado foi aberto e logo surgiram centenas de pequenas confecções que aquecem a economia de Uberaba até hoje.

O período revolucionário ocorrido em 1964 trouxe grandes desgostos para o arrojado empresário. Já com equipamentos adquiridos para a montagem de outra fábrica, dessa vez no Paraná, viu seus negócios frustrados pela recessão bancária. Foi necessário transferir o controle acionário da empresa Produtos Ceres S/A para Irmãos Pereira da cidade de Monte Alegre, MG.

O episódio não esmoreceu o empreendedor nato. Em 1980, Edgar Rodrigues da Cunha cria a TREBACE – Tecelagem Brasil Central Ltda. – Com máquinas importadas da Alemanha. Com apenas 10 meses de atividades, a empresa já havia conquistado uma significativa parcela do mercado de malhas.

Edgar nasceu em Uberaba em 18 de abril de 1911. Ele estudou no Colégio Diocesano e na Faculdade Nacional de Direito, no Rio de Janeiro, de onde saiu diplomado em 1935.

De volta ao município, teve oportunidades de mostrar seu talento jurídico na defesa de pecuaristas vítimas da grande derrocada do Zebu, no final da década de 1940.

Foi um dos fundadores da Faculdade de Uberaba, local que foi professor por mais de 20 anos na disciplina de Direito Civil e sempre foi alvo de homenagens como patrono, paraninfo, entre outros. 

Além da família e o trabalho, sua paixão era o esporte. Foi eleito presidente do Uberaba Sport Club em 1959. Ele administrou o clube por quatro anos. Nesse período, reformou o estádio “Boulanger Pucci”, construindo o seu alambrado.

Edgar Rodrigues da Cunha, com engenheiros, operários nas obras do Uberabão na década de 1960. (Foto do acervo pessoal da família)
Proprietário da área onde está localizada a Vila Olímpica, Edgar idealizou e projetou a construção de um grande estádio que pudesse ser orgulho de Uberaba e região. O mesmo arquiteto do Mineirão foi encarregado do projeto.

Após seu mandato no USC em 1963, a obra do “Uberabão”, que já tinha iniciada em 1961, ficou paralisada. Na gestão do prefeito João Guido, (1967/1970) foi aceita a doação do terreno para a Prefeitura Municipal, que se encarregou de sua construção.

Inauguração em 1972 - “Uberabão” - Foto: Paulo Nogueira
Hoje “Engenheiro João Guido”, o estádio retratava no projeto a visão futurista do Edgar. Ele seria coberto e com capacidade para 45.000. Na administração pública, foi reduzido para 21.300 pessoas e inaugurado em 1972, na gestão de Arnaldo Rosa Prata.

Edgar Rodrigues da Cunha não contentou em ser apenas desportista, professor, advogado e industrial. Ele também participou ativamente no setor imobiliário. Ele loteou duas grandes áreas: a Vila Olímpica, no Fabrício, e Vila Ceres, no Boa Vista. Esses loteamentos tiveram significativas influências na expansão dos bairros e, consequentemente,, da cidade.

Empreendedor por natureza e empresário por vocação, Edgar atuou no ramo da agropecuária. Foi um primoroso cafeicultor e criador de gado leiteiro e pioneiro na implantação da ordenha mecânica alfa laval na região. Reconhecido pelo seu trabalho em prol do desenvolvimento de sua terra, Edgar foi alvo de inúmeras homenagens. Pela ACIU, recebeu o título de Industrial Modelo em 1964 e Industrial Tradição em 1991 Pela Assídua – Associaçao das Indústrias de Uberaba – recebeu o prêmio de Industrial do Ano também em 1991.

Edgar casou-se em 1942, aos 31 anos de idade, com Maria Júlia Junqueira,com a qual teve cinco filhos: Maria Carmelita, Claudio Marcelus, Elizabeth, Gustavo e Eduardo. Faleceu em 19 de maio de 2006, aos 95 anos de uma vida de trabalho e de uma dedicação sem limites em favor do desenvolvimento de Uberaba.

Que o seu exemplo possa servir de inspiração para todos os jovens empreendedores. A comunidade tem um dever de gratidão com o doutor Edgar Rodrigues da Cunha. É necessário preservar a memória de quem em toda sua vida carregou a bandeira do desenvolvimento. Que seu nome possa ser ostentado em monumentos para que possa ser sempre lembrado que foi um homem além do seu tempo.

Gilberto de Andrade Rezende

Membro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, ex-presidente da ACIU e do CIGRA


Fontes: Maria Carmelita Rodrigues da Cunha e Jornal da Manhã.


Cidade de Uberaba