quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

CECILIA ARANTES PALMÉRIO.

Foi igual à um conto de fadas o casamento de Cecília Arantes com Mário Palmério. Em 1939, sabendo da determinação dos pais em não permitir o namoro da filha, o príncipe encantado, na calada noite, rapta a donzela, ainda em trajes de dormir, para se casarem em Santos.  

Após dois anos morando em São Paulo, o casal se mudou para Uberaba, onde tiveram os dois filhos, Marcelo e Marília. Unidos pela paixão, se uniram também no propósito de revolucionar o ensino da cidade. 

No início da década de 1940, Mário e Cecília construíram os primeiros alicerces de uma gigantesca obra educacional, na Avenida Guilherme Ferreira. Ali nasceu o Colégio Triângulo e ali mesmo, construíram sua residência. 

Em 1950 foi criada a Sociedade de Educação do Triângulo, entidade sem fins lucrativos, com sede na própria Escola. Cecília Arantes Palmério foi sua primeira presidente por 20 anos.  

Em toda sua vida Cecilia Arantes foi o braço direito na Administração da 

Entidade que era uma Escola que se transformou na FIUBE em 1972 e na UNIUBE-Universidade de Uberaba., em 1988.  

Cecilia Arantes, nascida em 22 de novembro de 1915, trabalhou ao lado de Mário Palmério na área educacional, por 46 anos e colaborou com seu filho Marcelo Palmério, por cerca de 30 anos, até o seu falecimento ocorrido em 29 de maio de 2011. 

Em 1997, a UNIUBE – Universidade de Uberaba, criou no Campus I, o “Centro Cultural Cecilia Palmério”, implantado em um magnífico conjunto arquitetônico, com o objetivo de apoiar as manifestações artísticas e culturais e perenizar o nome de quem por toda sua existência dedicou sua vida, em prol da família e da educação. 

“Cecília Palmério” é nome também de uma rua localizada no bairro Santos Dumont. 


Gilberto de Andrade Rezende – Membro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro.