terça-feira, 10 de agosto de 2021

SANTINO GOMES DE MATOS

Maquinaria ou Maquinário?. Duas palavras iguais, com o mesmo sentido. O dicionário Michaelis registra que uma é sinônimo de outra.  

Na década de 1960 dois grandes estudiosos da Língua Portuguesa, brilhantes e invejáveis intelectuais portadores de riquíssimos currículos com diplomas em PHD mantiveram, por um longo período, um embate por meio da imprensa por divergirem na interpretação deste vocábulo. 

Dom Alexandre Gonçalves do Amaral, então bispo metropolitano da Diocese de Uberaba, reconhecido como um dos expoentes da cultura brasileira, com formação eclesiástica e considerado como o maior orador do clero brasileiro, ao escrever a palavra maquinário em um de seus artigos publicados pelo Correio Católico, teve a contestação de Santino Gomes de Matos, um dos raros intelectuais que ainda poderia ser encontrado no interior do país. 

Com uma vasta formação acadêmica Professor Santino possuía profundos conhecimentos de Linguística, Filologia, Literatura e Português o que o transformavam em Mestre da Língua Portuguesa. 

Enquanto Don Alexandre se expressava pelo jornal que ele mesmo fundou, Santino Gomes de Matos fazia suas réplicas e tréplicas por meio das páginas do Jornal Lavoura e Comércio. 

Foram meses de embates, mas foram também aulas valiosíssimas proporcionada pelos dois gigantes da Língua Portuguesa para os leitores que, embora divididos em suas opiniões, acompanhavam extasiados o desenrolar da contenda literária.   

Não havia animosidade pessoal nesta diferença de interpretação. Afinal o Professor Santino Gomes de Matos, na época, lecionava na FISTA, faculdade que teve sua criação estimulada por Don Alexandre.  

E quem era este ‘ousado’ professor?  Santino Gomes de Matos, nascido em 1º de março de 1908 na cidade de Icó, Ceará, já demonstrava sua genialidade desde criança pois aos 4 anos de idade já conseguia ler corretamente. Aos 7 anos já era responsável por 3 alunos da escola de seu pai. 

Sua vocação para o magistério o fez professor em Crato, (CE) e Ribeirão Preto (SP).  

Chegou a Uberaba em 1935 a convite de amigos para ser redator-chefe do jornal “Gazeta de Uberaba”, cargo que ocupou até 1939, época em que foi contratado pelo Lavoura e Comércio ali permanecendo até 1948. 

Desta data em diante se dedicou exclusivamente ao magistério sem perder o vínculo com o Jornal Lavoura onde, semanalmente, publicava uma coluna sobre filologia e gramática e, posteriormente, uma coluna intitulada “Cupim, Barbela e Gavião” incentivando a vocação uberabense para o aprimoramento da raça zebuína. 

Era também correspondente do Jornal o “Estado de São Paulo” onde registrava os fatos importantes que ocorriam na região. 

Mas foi na área educacional que o Santino Gomes de Matos mais se destacou.  Professor de português, francês, inglês e latim, lecionava na Escola Normal, (hoje, Colégio Estadual Castelo Branco) e foi o primeiro diretor do Colégio Dr. José Ferreira. Foi um dos fundadores da Faculdade de Filosofia Santo Tomás de Aquino (FISTA) e professor da Língua Portuguesa e de Filologia Romântica. 

Para um erudito que traduzia até as línguas mortas, Grego e Latim e as neolatinas, Francês, Italiano e Espanhol, Santino Gomes de Matos foi um dos primeiros convidados a participar da fundação da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, ocupando a Cadeira n. 2. 

Poeta e prosador surpreendeu a todos pela qualidade literária de sua obra – o conto “Flagrantes ao Sol do Norte” e os poemas “Procissão de Encontros”, “Céu Deposto” e “Oração dos Humildes”. Este último mereceu um artigo especial no jornal “Lavoura e Comércio” em março de 1940, data em que completava 32 anos de idade, ao relatar que é uma obra prima em duas áreas, Prosa e Poesia. 

No setor Filológico, a obra “O Inferno Divertido da Análise Sintática” foi editado pela imprensa oficial do Estado de Minas Gerais. O conjunto de sua primorosa obra o levou para a Academia Municipalista de Letras de Belo Horizonte. 

Para colocar um ponto final na polêmica mantida com Dom Alexandre, escreveu o livro “Porque Maquinaria e Nunca Maquinário.” 

Maria Isabel, a filha que deu continuidade aos estudos da Língua Portuguesa iniciados com seu pai, nos conta que vários dos poemas do Professor Santino fizeram, e continuam fazendo, “curso na admiração de leitores de Uberaba e de todo o Brasil, pois as edições de seus livros esgotaram-se rapidamente, solicitadas por livrarias de vários pontos do território nacional. Os seus livros de poemas ou de prosa são verdadeiras mensagens de um talento de escol, dirigidas a todos, especialmente aos que precisam de uma palavra de alento e de estimulo”.  

Diversos contos de sua autoria foram premiados em concursos promovidos em São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba, destacando-se “Fome”, “As Calças do Defunto” e “Mr. Severaine”. 

Santino Gomes de Matos era funcionário público lotado no IBGE, chefe da Agência Modelo, cargo pelo qual aposentou. Chegou a ser promovido, mas com a condição de se mudar de Uberaba. A única forma de evitar sua transferência, mesmo com acenos de rendimentos muito maiores, foi a de se candidatar para uma cadeira na Câmara Municipal de Uberaba. Nas eleições de 1962 mostrou seu prestígio ao ser eleito como o vereador mais votado. Seu amor por Uberaba falou mais alto do que a majoração de seu salário. 

Santino Gomes de Matos faleceu em 14 de outubro de 1975 aos 67 anos de idade. Era casado com Ione Passaglia Gomes de Matos, professora e escritora e tiveram três filhos: Cleômenes, (falecido), Evandro (médico) e Maria Isabel, funcionária da ALMG e professora de Língua Portuguesa em Belo Horizonte. 

Fica na memória de todos a imagem de um homem íntegro, um intelectual que contribuiu sobremaneira com a imprensa e a educação em Uberaba, que está intrinsicamente ligado à cultura da cidade, e que deixou seu rastro de saudades em todas as entidades, imprensa, escolas e faculdades, por onde o grande Jornalista, Poeta, Prosador, Escritor e Mestre da Língua Portuguesa, passou.   

Gilberto Rezende – Membro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro. 

Fontes – Maria Isabel Gomes de Matos 

Uberaba em Fotos.