Mostrando postagens com marcador Indústrias Alimentícias Reyna Ltda. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Indústrias Alimentícias Reyna Ltda. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de junho de 2021

REYNALDO DE MELO REZENDE.

Não foi possível dormir. A excitação era muito grande. Às quatro horas da madrugada eu já estava de pé. Que emoção. Pela primeira vez, aos 8 anos de idade, em 1941, ia ter a oportunidade de ser ajudante de candieiro.

A velha caseira Colodina acabava de fazer o café. No curral, o carreiro Benedito já com as quatro juntas de boi na canga, ultimava as providências para a viagem. Divaldo, filho do meio da Estorgilda e neto da Colodina, era o candieiro. As 40 sacas de fubá garantiam os gemidos dos mancais que iriam atravessar a madrugada.

Apesar de ponteiro, teria que ajudar da guia ao cabeçalho, mas na realidade, ficava em cima da carga ou enganchado nos fueiros já que a esteira de proteção me impedia de ficar escarrapachado no carro.
Não obstante a curta distância, oito quilômetros, a viagem demorava quase três horas, passando pelo córrego dos Carneiros e entrando pelo bairro da Abadia. Aliás, o tempo não tinha a menor importância. Ouvindo as toadas do carreiro, o cantar do carro e curtindo o raiar do dia, não poderia desejar felicidade maior.

Estas viagens eram uma rotina na fazenda São José de propriedade de meu avô Manoel Gonçalves de Rezende. Desde 1914, data da compra do moinho de meu bisavô Antônio Vallim de Mello, que a fazenda vinha produzindo fubá.

Sem concorrência no mercado, no decorrer dos anos foram instalados mais dois moinhos para garantir uma produção de 50 toneladas/ano.
Os córregos Quati, Três Córregos e Conquistinha abasteciam os moinhos. Contrariando o provérbio de que “águas passadas não tocam moinhos”, a mesma água que passava em um moinho, passava nos demais.

Os fregueses eram cativos. José Mateus, Tufy José Elias, Artur Amâncio, Manoel Alfredo Freire, Antônio Carrilho, José Rufino, José Benito Naves, Armazém Central, Casa Carvalho, Adalberto Pena e Irmãos Almeida se destacavam pela quantidade comprada.
As vendas já haviam sido efetuadas pelo meu tio Reynaldo Rezende, que a exemplo de seu pai, corria o comércio a cavalo. O pagamento era a prazo, 14 dias. O preço oscilava entre 12 e 16 mil réis o saco de 50 quilos de fubá, equivalente ao dobro do preço do saco de milho. O salário mínimo era de 3 mil réis/dia.

A lucratividade era pequena por isso a maioria da produção era de responsabilidade de alguns dos treze irmãos. Ajudava o fato de não haver impostos sobre o produto e nem ônus sobre a folha de pagamento.
No início, o plantio de 15 alqueires, era suficiente para a produção de 150 carros de milho de 5 jacás cada. Eram suficientes também para os 3 moinhos que levavam 24 horas para produzir 250 quilos de fubá.

O dia da viagem foi divertido. No retorno para a fazenda nada poderia ser melhor. Enquanto os bois descansavam na porta da venda do sr. Tufy, o carreiro comprava as encomendas. Deu tempo suficiente para comer um pão com salame e tomar um gole de capilé. Se houvesse chuva no retorno, teria direito a um dedal de pinga na fazenda para evitar resfriado, dosado pela minha avó Idalina.

Foi minha primeira e única viagem nesta experiência como candieiro. As férias escolares terminaram e o retorno para o colégio desmanchou meus sonhos de viver na fazenda.

Foi também uma das últimas viagens do carro de boi com carregamento de fubá. Doravante, a carga seria de milho em grãos.

Os moinhos de água pararam, mas durante 27 anos, de 1914 a 1941, eles transformaram a fazenda São José numa das pioneiras na Agroindústria.

A fazenda foi se esvaziando ano após ano pois os filhos, doze homens e uma mulher, Maria Rezende, foram se afastando. Vinham para a cidade para estudar e depois tomavam outros rumos. Alguns seguindo o exemplo do pai, como o Romeu, o Randolfo, o Antônio e o Raymundo, compraram fazendas. Outros como o Raul, (meu pai), o Mário, o Orlando e o Gentil, preferiram seguir a carreira bancária. O Manoel (Nequinha) faleceu prematuramente. Somente o avô Manoel Gonçalves e os filhos João e Álvaro de Melo Rezende permaneceram.
 
Já o Reynaldo Rezende, conhecendo a potencialidade do comércio de produtos do milho, tomou a iniciativa de construir uma fábrica de moagem e torra de milho para produção de produtos empacotados de fubá e farinha, no fim da década de 1940.
 
A indústria foi instalada em um terreno localizado entre as ruas Barão da Ponte Alta e Maestro José Maria, bairro da Abadia. Nessa época o município de Uberaba, incluindo diversos distritos ainda não emancipados e a zona rural, já se aproximava dos 60 mil habitantes.

Seu início foi muito difícil. Em plena 2ª. Guerra Mundial, havia dificuldade de energia. Não havia motores a diesel. O gasogênio era o combustível dos carros e também das indústrias. Só com a intermediação de Thomaz Bawden é que se conseguiu energia da usina “Pai Joaquim”.

A capacidade de produção foi multiplicada por vinte, graças a uma peneira inventada pelo primo Silvio, filho de Romeu Rezende, alçando a produção de fubá a 200 quilos/hora. As vendas passaram a ser feitas em pacotes de pesos variados.

Consolidada a fábrica de produtos derivados do milho, Reynaldo implantou também, no mesmo local, uma indústria de torrefação, moagem e empacotamento de café, batizando todos os seus produtos com a marca “REYNA” que por seis décadas tiveram a preferência do mercado.

Nessa mesma época adquiriu as cotas de capital de seus irmãos em uma máquina de beneficiamento de arroz, “Rezende & Cia Ltda”, implantada na rua São Benedito e a transferiu para um novo endereço, em sede própria, no bairro do Fabrício.
 
Foi nesta empresa que ele, na década de 1950, como pioneiro, lançou no mercado nacional o empacotamento de arroz de sequeiro, com pesos de 2 e 5 quilos com a marca “Rezende”, abarrotando por muitos anos os mercados do Rio de Janeiro e São Paulo o que motivou outras empesas brasileiras a seguir o exemplo. Na década de 1970, a máquina de arroz foi alienada para a empresa de José Miguel Árabe.

Em 1948, aos 15 anos eu já era funcionário de escritório das “Indústrias Alimentícias REYNA” Ltda., pioneira no Triângulo Mineiro. Uma das características do Reynaldo Rezende era dar oportunidades para seus familiares. Os irmãos Maria, Orlando, Gentil, Manoel (Nequinha) e Orlando Rezende, enquanto estudantes, trabalhavam na fábrica. Também os sobrinhos Paulo Rezende, Dário e Djalma Batista, deram sua contribuição por muitos anos. Já os cunhados, Honório (Dico), faleceu em serviço e José Batista de Carvalho, seu principal gerente, foi o primeiro a entrar e o último a sair.

As famílias italianas, Faina, Dellalíbera, Faquinelli e Arduini bem como os Arruda originários da fazenda São José, foram as que por mais tempo permaneceram na indústria.
 
O movimento era intenso no grande pátio da fábrica. Registrava-se a chegada de caminhões abarrotados de milho ou café em grão e a saída de peruas carregadas de café em pó e produtos derivados de milho, para distribuição no comércio de Uberaba e região.
 
Por lá passavam também os vendedores, compradores, funcionários, fiscais e visitantes. Era grande o burburinho. Transações gerando riquezas, criando e resguardando empregos e dando vida econômica e social ao bairro e à cidade.

Todas as tardes, horário de torra, levado pelas brisas, as casas do bairro eram inundadas pelo gostoso aroma do café. Os relógios eram acertados pelas sirenes da fábrica que marcavam os horários de entrada e saída dos grupos de trabalho.

As dificuldades eram parceiras constantes no desenrolar das atividades empresariais do Reynaldo e provavelmente de milhares de empresas brasileiras. Deposição do presidente Getúlio Vargas em 1945, as agruras do pós guerra onde o Brasil perde importantes mercados, o suicídio de Getúlio Vargas em 1954, o êxodo rural a partir de 1960, a renúncia de Jânio Quadros em 1961, as agitações políticas de 1963 no governo de Jango Goulart, a revolução militar de 1964, o AI5 de 1968, o plano Cruzado de José Sarney e os planos “Verão” dos ministros Bresser (1987) e Maílson da Nóbrega (1989), a rapinagem da poupança de Fernando Collor em 1990, o congelamento do dólar em 1997 no governo Fernando Henrique e outros atos, nem sempre republicanos, desses e outros governos, causaram grandes estragos na economia. Os bancos fechavam suas carteiras de créditos, os juros escorchantes e a inflação desenfreada faziam com que os empresários vislumbrassem, como a única forma de salvar sua empresa e o seu patrimônio, a adoção de medidas legais, chamadas atualmente de recuperação judicial como a que a Indústria “REYNA” teve que recorrer em um desses momentos.
 
Apesar dos destemperos e rebuliços, Reynaldo, dotado de espírito filantrópico, encontrava tempo de participar das confrarias dos asilos São Vicente e Santo Antônio e de outras instituições beneficentes, sempre participando com generosas contribuições financeiras ou com permanente fornecimento de alimentos de sua fábrica.
 
Também no associativismo, fazia questão de se reunir com seus companheiros empresários tendo participados por alguns anos da diretoria da ACIU na década de 1950. Em reconhecimento ao seu pioneirismo, por duas vezes foi “Industrial do Ano” em promoção do Estado de Minas Gerais.

Permaneci por 20 anos na empresa “REYNA” de 1948 a1967, mesmo tendo outros empregos e outros empreendimentos próprios para administrar. A partir de 1968 continuei como seu conselheiro por quase trinta anos, até que ele, já com a idade de 90 anos, transferiu o empreendimento para o seu filho mais novo, Reynaldo Luiz Oliveira Rezende, um renomado oftalmologista, residente em Ribeirão Preto.
 
A fábrica continuou funcionando até o ano de 2002, quando paralisou todas as suas atividades. Por 60 anos foi sustento de centenas de famílias, foi uma das bases da economia da cidade, foi um refúgio para os necessitados e foi símbolo de produtos de qualidade.
 
Em 09 de março de 2004, em uma fatalidade decorrente de um acidente caseiro, fecharam-se as cortinas do teatro da vida para o principal e único ator, Reynaldo de Melo Rezende. Numa peça escrita pelo destino, é contada a história de um ser humano extraordinário que, vindo de uma roça, se lança no mundo do empreendedorismo confiado apenas em seu próprio instinto, tendo por capital a sua coragem e que, depois de 80 anos de trabalho duro, sem direito a férias, o ato é encerrado. Deixa para a posteridade, em pleito de reconhecimento, a magnitude de seu exemplo, gravados na memória de todos os que o conheceram, com o direito a registro permanente de sua obra, escrita em belas letras douradas nas páginas da história do desenvolvimento econômico de Uberaba.

Reynaldo deixou viúva Nazareth de Oliveira Rezende (Tita) e cinco filhos – João Carlos, Maria Regina, Manoel Afonso, Reynaldo Luiz e Maria Angélica.

Não se ouve mais o apito das sirenes. Não se sente mais o odor das torras. O movimento que dava vida na rua, parou. Os prédios da fábrica e a casa de morada foram demolidos. A história ficou soterrada nos escombros. Resta um terreno vazio. Resta um vazio na alma. Resta uma grande lembrança e uma doída saudade.

 – Membro da Academia de Letras – Ex-presidente e Conselheiro da ACIU e do CIGRA. Ex-funcionário das “Indústrias Alimentícias REYNA Ltda.”