Livros


Léo Cristiano, editor carioca, prestigia Uberaba como
uma das poucas cidades do país com a venda direta do
LIVRO DE NISE DA SILVEIRA
A GRANDE MÉDICA PSIQUIATRA
DIRIGENTE DO MUSEU DE
IMAGENS DO INCONSCIENTE


              GATOS, A EMOÇÃO DE LIDAR
abordando, entre outros, os aspectos:
− gatos como divindades do Egito
− perseguição aos gatos no cristianismo
− relacionamento com o ser humano
− simbolismo nos sonhos e nos contos de fada
− experimentos científicos com gatos
− gatos co-terapeutas
− o gato e os escritores
− gatos pintores
− os gatos e a música

NA LIVRARIA LEMOS & CRUZ




Os Amantes das Gerais


Assim como Bárbara Heliodora foi a estrela do norte que guiou a vida do marido, Alvarenga Peixoto, durante o levante pela liberdade de Minas Gerais, Matilde se tornou o holofote invisível que fez brilhar a existência de seu amado Théo, na mesorregião do Triângulo Mineiro e do Alto Paranaíba.
O romance OS AMANTES DAS GERAIS, escrito por Maria Jacinta de Resende Borges está disponível no site do Clube dos Autores.

Leia e divulgue a fan page.https://www.facebook.com/mariajrborges/  




Livros Sobre Uberaba





“PRESERVANDO A MEMÓRIA”



                          O livro Ir. Maria Antônia de Alencar, OIC, a “poetisa de Deus”, mais uma vez nos surpreende e nos inspira com seu 10º livro “PRESERVANDO A MEMÓRIA”, aos 94 anos de idade, 70 anos de Vida Religiosa, cega e incansável nas obras de Deus. O livro vem enaltecer o povo uberabense, que há 66 anos acolheu as 7 Fundadoras do Mosteiro da Medalha Milagrosa, dentre elas a Ir. Maria Antônia. Vem animar o nosso espírito o ardor e a fé de um povo que há 60 anos homenageia e louva ao Senhor participando com júbilo da Festa e da Novena Perpétua de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. O livro relata também, a vida da Fundadora da Ordem da Imaculada Conceição, Santa Beatriz, além da “Pequena Obra de Santa Beatriz em favor dos pobres”, assim como todo o histórico, a vida, a luta e o trabalho das Irmãs Concepcionistas Fundadoras, das que deram continuidade ao trabalho e das que continuam bravamente a obra de amor ao próximo e a Deus. Assim como dos frutos deste Mosteiro, os seus dois braços – O Mosteiro de Araguari/MG e o Mosteiro de Jataí/GO. Além de suas poesias e histórias que são verdadeiras lições de vida e verdadeiras orações. Um livro que toca nossos corações, reportando-nos ao Criador e a sua criação. É o coração agradecido dessas Irmãzinhas ao povo brasileiro até além-fronteiras! Vale a pena conferir! São histórias de vida e cidades EMOCIONANTES!Deus os Abençoe! Contamos com vc, familiares e amigos!

(Antônio Carlos)

Rua Medalha Milagrosa, 123 - São Sebastião, Uberaba – MG.

Pode ser adquirido pelo telefone (34) 33321794 na Lojinha da Medalha.      
    
       


Aventura histórica baseada em fatos verídicos do Bandeirante Antônio Pires de Campos ,compartilhe , divulgue, baixe e só clicar.http:http://www.amazon.com/dp/B01CDFYJRY/ref=cm_sw_r_fa_dp_TSG1wb1H8A9Q8


Na obra são apresentados, por ordem cronológica, 66 (sessenta e seis) periódicos - literários, científicos e de variedades - editados em papel e nada menos de 16 (dezesseis) eletrônicos, integralmente disponíveis estes nos portais das instituições de ensino que os editam, além de indicados, em todos eles, seus principais organizadores e redatores e ressaltados ensaios e artigos referentes a Uberaba e região e a diversos outros temas.
Completam a obra, de 316 (trezentos e dezesseis) páginas, fotografias a cores de capas dos periódicos em papel e das logomarcas dos eletrônicos.
JÁ NAS LIVRARIAS DE UBERABA
Lemos & Cruz - Papel Cartaz -
Revistaria do Shopping - Banca do Edvaldo

Do lado de cá da rua se avistava o campo, cujo vento assoprava o cheiro da lida na roça. Labuta diferente daquela que tinha aqui na cidade, naquela idade. Atravessei a rua com vontade de espiar o que havia de lá, e o olhar inver so, no regresso. O resultado dessa travessia é o tempo de duração da jornada por este “Corredor dos Boiadeiros”. J. A.Nabut


É a biografia da pioneira do feminismo em Uberaba e de uma das 17 primeiras vereadoras de Minas Gerais, eleita aos 35 anos, em 1947,em
Campo Florido, no Triângulo Mineiro. Ela pertencia ao PSD (Partido Social Democrático), embora fosse ligada ao então clandestino PCB (Partido Comunista do Brasil) desde os 18 anos.
Lucilia Soares Rosa nasceu em Uberaba (MG), em 1912, filha do alfaiate Calisto Rosa e sobrinha do professor e agrimensor Alexandre Barbosa, católicos até a adolescência, ambos tornaram-se anticlericais e anarquistas. Eles exerceram importante influência sobre ela. Seu avô materno, José Severino Soares, o “Juca” Severino, foi o principal fotógrafo do Brasil Central, entre 1860 a 1917.



Lançamento de mais uma importante obra: "Minha paixão pelo esporte" - por Raimundo Sarkis O mês de janeiro de 2015 está sendo marcado pelo lançamento de importantes obras szobre memórias da cidade de Uberaba. Agora é a vez de Raimundo Sarkis contar sua história de vida através de décadas dedicadas ao esporte no livro: "Minha paixão pelo esporte". A obra foi lançada no dia 31 na Casa da Cultura - sede da Fundação Cultural de Uberaba. Fica ai a dica de uma boa leitura!


Orlando Ferreira, era filho do negociante Bento José Ferreira e nasceu em 1887, em Uberaba. Foi seminarista, recenseador, escritor e crítico ferrenho dos maus políticos, da igreja católica e de algumas famílias tradicionais da cidade. Faleceu 1957, aos setenta anos. O livro Terra Madrasta (1928?), tece críticas à política mineira, afirmando que ela é a responsável pelo atraso do estado e exemplifica, com dados dos recenseamentos de 1872, no qual a população mineira era maior que a paulista, e de 1920, quando São Paulo já alcançava Minas em número de habitantes.
Critica também o governo político de Uberaba, qualificada como “...uma obra de liliputianos."[1] e afirma que as forças oponentes ao progresso do município são: a administração, a política, o clero, a empresa Força e Luz e algumas famílias tradicionais.
Afirma que, embora houvesse na cidade uma razoável arrecadação – mostrada por meio de quadros estatísticos da receita e da despesa, de 1836 a 1925 – ela não era bem aplicada e as ações dos prefeitos não iam além de tapar buracos com terra, capinar ruas, construir pinguelas, matar cachorros, nomear e demitir funcionários e arrecadar impostos. Questiona porque em um século, das 155 ruas da cidade, apenas 11 foram pessimamente calçadas e 3 praças, das 19 existentes, estão em bom estado. Ironicamente, aponta a falta de seriedade nos critérios para se classificar as cidades mineiras no ranking do desenvolvimento, pois, apesar de todo o retrocesso, Uberaba ainda conseguiu ocupar o terceiro lugar na classificação.
Apresenta como entraves do progresso municipal: uma gestão destrói as realizações da outra; administra-se a esmo, sem uma diretriz segura; emprega-se material barato nas construções; trabalha-se às pressas e falta espírito cívico aos administradores. Afirma ainda que edifício da Câmara é novíssimo e já apresenta “assoalho em falso que estremece e sacode os móveis.” Descreve positivamente a administração do Dr. Leopoldino de Oliveira, apontando-o como o prefeito que não deixou dívidas para a gestão seguinte, exonerou funcionários inúteis, prestou assistência técnica às escolas, apoiado por Alceu Novaes, e elaborou um novo programa de ensino municipal que previa o aumento no salário dos professores, a realização de concursos e a seleção de pessoas habilitadas para o exercício do magistério.
Confronta por meio de quadros demonstrativos, a taxa de mortalidade de Uberaba com a de outras cidades, no período de 1908 a 1920, e expõe as péssimas condições de higiene da cidade devido à falta de água.
Assegura que havia corrupção, assassinatos, espancamentos, compra de votos, suborno e registros em atas falsas, nos pleitos eleitorais na cidade. Dedica uma parte a criticar a empresa Força e Luz e a atuação política de seus proprietários e o clero uberabense.
Registra os nomes das ruas do município, em 1923, e relatos sobre as fotografias usadas na edição.
A obra é um rico conjunto de dados relacionados à trajetória dos prefeitos da época vivida por Orlando Ferreira que, além de reunir fotos, documentos de jornais e estatísticas do município, importantes para a visão da cidade como um todo, também desperta no leitor o pensamento crítico. Marise Soares Diniz
Outras obras do acervo: Forja de Anões (1940) e Pântano Sagrado (1948)
Acervo: Arquivo Público de Uberaba